Pub SAPO pushdown

Não é para vos alarmar mas... e se houvesse um sismo?

29.8.16


Entre as várias características que me definem há duas que chocam de frente: ser tão fatalista quanto desprevenida. Passo a vida a pensar em desgraças, é um facto. Estou na praia e dou por mim a ser assolada por pensamentos tão positivos como "e se agora viesse uma onda gigante?". Ou estou na cama, à noite, ouço um avião e acho que é um tremor de terra a anunciar a sua chegada. Também penso muito em incêndios e, fora da temática catástrofes, tenho pavor de morrer engasgada, que é assim uma morte muito estúpida e pouco sexy. "Ah, coitada, tão nova, morreu como?". "Nem queira saber, foi um bocado de bitoque que se lhe enfiou no canal errado". Enfim. Esta minha tendência para estar sempre a imaginar cenários de terror podia ter um lado positivo. Podia fazer com que eu fosse uma mulher mais precavida, com que tivesse vários planos de salvação desenhados na mente (ou passados para o papel). Porque eu penso muito em desgraças, verdade, mas nunca penso no que poderia fazer para tentar escapar delas com vida. Verdade que ninguém quer pensar nos piores cenários, verdade que achamos sempre que só acontece aos outros, verdade que, como boa portuguesa, me fio muito na Virgem. Mas as coisas acontecem mesmo. A terra treme, há ondas gigantes, há merdas que pegam fogo e, num instantinho, vemo-nos metidos numa daquelas situações que até imaginámos, vagamente, mas que nunca nos nossos piores pesadelos acreditámos que pudessem mesmo acontecer. Quando se dá uma tragédia algures somos sempre muito empáticos. Aperta-se-nos o coração, solidarizamo-nos com as vítimas, pensamos no "e se tivesse sido comigo?", mas é tudo. Depois não se passa à acção. E passar à acção pode ser uma coisa tão simples como ter um plano de fuga, um ponto de encontro ou uma mochila preparada com coisas úteis que, na adrenalina do momento ou por falta de tempo, não conseguiremos reunir na altura. 

Ora esta minha conversa vem a propósito de um artigo que andava a circular na net com o título "o que tem na sua mochila de emergência se houver um terremoto?". Li a pergunta e vi logo que estava lixada

E se o vosso pipi fosse um filme?

28.8.16
Nos meus passeios diários pelo Facebook deparo-me com muitos artigos. Uns óptimos, cheios de interesse, outros só parvos, mas que me divertem. É nesta última categoria que se insere este artigo do Mashable, que nos dá conta que anda por aí a circular um novo desafio que consiste em apelidar o nosso pipi com o nome do último filme que vimos. Nível de utilidade? Zero. Nível de potenciais gargalhadas? ENORME! Por isso, e porque é domingo e não temos nada mais giro para fazer, considerem-se desafiadas. Eu dou o corpo às balas e contribuo com o último filme que vi no cinema: A Comuna. O que é que isto diz sobre o meu pipi? Bem, segundo o enredo do filme, diz que é um sítio onde se partilha não só o espaço como ideias e formas de estar. Não confirmo nem desminto. E vocês? Cheguem-se à frente que eu tenho para mim que isto vai ser épico.


Porque isto é só futebol

28.8.16
Em dia de jogo grande vale sempre a pena relembrar que, feitas as contas, isto é só futebol. Por maior que seja a paixão, por mais desalinhado que o coração bata, por mais que enervemos, e soframos e nos sintamos a explodir de alegria (ou de tristeza). Que esta nova época seja incrível, que cada adepto viva o seu amor de forma pacífica e que, no final, ganhe o Benfica melhor.

Combinações improváveis...

27.8.16
... ou nisto da paixão pelos clubes se calhar até somos todos muito parecidos, com o que isso tem de bom?

Queridos, vou mudar de escritório #4

25.8.16
Iei! Iei! Iei! Piruetas e mortais encarpados para comemorar o facto de o nosso escritório estar quase, quase, quase pronto. Parte muito boa: tudo o que é obra já está concluído. Já não há pó, já não há lixo, já não há confusão, já não há tralha espalhada por tudo quanto é canto, já não se tropeça numa placa de madeira, ou num molho de cabos, ou numa caixa cheia de sabe Deus o quê. Essa parte está arrumada, literalmente. A 3 Ponto Engenharia , a quem agradecemos assim de mãozinhas juntas, fez um trabalho do caraças. Mega profissionais, rápidos, trataram de tudo com um cuidado exemplar e com uma paciência infinita. Se algum dia precisar de obras em casa, não tenho a mínima dúvida de que será a eles que entregarei o trabalho. Obrigada por terem reposto a falta de fé que eu tinha nestas coisas das obras! =)

Se a parte da sala de trabalho e da sala de reuniões foi relativamente fácil, as zonas de arrumações e de copas deram um bocadinho mais de trabalho. Isto porque quisemos aproveitar o (pouco) espaço ao máximo. Não sendo um escritório gigantesco, era preciso rentabilizá-lo ao máximo. E era ponto assente que precisávamos de muitos armários para arrumação e de uma copa com o básico para podermos fazer refeições, tomar um chá, café, etc. Foi aqui que a Leroy Merlin nos deu uma ajuda imprescindível, com o seu serviço de móveis por medida. Desenhámos exactamente aquilo que queríamos/precisávamos e depois a 3 Ponto Engenharia tratou da parte da montagem. Impecável! 

Antes das montagens, houve ainda que tratar da pintura. Queríamos tons neutros e calminhos (já chega a loucura das quatro), por isso percorremos o catálogo da Barbot de uma ponta à outra e lá chegámos a um consenso. E apesar de nos termos ficado por tons mais sóbrios (brancos e cinzentos) ainda conseguimos espaço para uma ou outra ideia mais criativa (depois mostramos)

A nível de decoração, ainda não está tudo, tudo pronto, mas já instalámos grande parte das peças da La Redoute (secretárias, tapetes, candeeiros) que escolhemos com a ajuda da Ana Rita e que vos iremos mostrar muito em breve. Agora é tratar do que é mesmo imprescindível para trabalhar (computadores, impressora, material de escritório)... et voilá! O The Woffice está quase, quase aí e tenho a certeza que trará muitas coisas boas.

Fiquem com mais um episódio da nossa saga!

A Pipoca está loucaaa #145

24.8.16
E então? Recta final das férias? Já está tudo a ver o fim do Verão a aproximar-se? Nada temam, porque a nova estação também traz coisas boas. É sempre uma época de recomeços, de novas oportunidades, de dar início a projectos que têm vindo a ser adiados. E pode ser também a altura em que, finalmente, vamos começar a tratar melhor de nós e da nossa pele, deixando um bocadinho de lado aquela preguicite aguda que tantas vezes nos vence. Pois bem, chega de desculpas. Em parceria com a Clarel, temos dez kits Bonté Toujours Belle para vos oferecer.  Há quatro à disposição e só têm de escolher o que mais se adequa às características da vossa pele:

Linha dourada: indicada para peles maduras. O kit é composto por:
- Creme de dia anti-rugas;
- Creme de noite anti-rugas;
- Premium sérum;
- Contorno de olhos;
- Creme despigmentante;
- Toalhitas desmaquilhantes;


Linha rosa: indicada para peles sensíveis. O kit é composto por:
- Creme de dia hidratante;
- Creme de noite nutritivo;
- Água micelar;
- Gel de limpeza facial;
- Máscara hidratante;
- Toalhitas desmaquilhantes;



Linha roxa: indicada para as primeiras rugas. O kit é composto por:
- Creme de dia anti-rugas para pele normal/seca;
- Creme de noite regenerador;
- Sérum renovador intenso;
- Creme de olhos regenerador;
- Máscara anti-rugas;


Linha azul: indicada para todo o tipo de pele. O kit é composto por:
- Leite desmaquilhante;
- Tónico desmaquilhante;
- Discos desmaquilhantes para os olhos;
- Máscara welness para peles secas / Máscara peel-off para peles oleosas;
- Ampolas efeito flash;
- BB Cream 6 em 1;
- Bálsamo reparador de lábios;


Para se habilitarem a um dos dez kits só têm de:

Ainda agora estava em Amesterdão e agora já estou cá

22.8.16

Este ano, quando o homem completou 40 bonitas primaveras, o meu presente para ele/nós foi uma viagem a Amesterdão. Não tanto pela cidade (que é maravilhosa, mas que ambos já conhecíamos), mas porque era lá que ia actuar o Louis CK, que é só assim um dos comediantes que ele mais adora neste mundo e que é absolutamente genial. E então lá fomos. Foram só quatro ou cinco dias, mas muito bem apoveitadinhos, com muitos quilómetros nas pernas a percorrer a cidade, com muitas fotografias (tenho uma máquina nova e ando numa excitação), com muita paz e sossego. Acho que foi das viagens em que mais museus visitámos e se vão a Amsterdão nos próximos tempos não podem mesmo perder:

- A exposição do Helmut Newton no FOAM, o museu da fotografia de Amesterdão: o Helmut Newton foi um dos maiores fotógrafos de moda de sempre, tinha uma visão absolutamente revolucionária para o tempo (nasceu em Berlim em 1920), com uma carga erótica fortíssima. A exposição é muito, muito boa.

- Passámos por acaso no Joods Historich Museum (o museu judeu) e acabámos por entrar para ver duas exposições: uma sobre a vida da Amy Winehouse (que dá vontade de ressuscitar e matar de novo, por ter desperdiçado tanto talento) e outra sobre fotografia na União Soviética. Foi lá que dei de caras com uma das fotografias mais poderosas de sempre, do Alexander Rodchenko, e que se calhar muitos conhecem por ser a capa de um livro da Elena Ferrante:



- No MOCO (museu de arte contemporânea) vimos mais duas exposições: uma do Banksy e outra do Andy Warhol. A segunda não achei nada de especial, porque já vi exposições mais completas do Warhol, mas a do Banksy surpreendeu-me. Acho-o genial pela forma como transmite mensagens duras de uma forma ou tão sarcástica ou tão suave. 

De resto, Amesterdão é uma cidade do caraças, uma das poucas na Europa onde eu seria capaz de morar. As pessoas são super simpáticas (apesar de não se ensaiarem nada em passarem-nos com uma bicicleta por cima), a cidade é linda, descobrimos lojas e restaurantes fantásticos e o tempo, apesar de fresquinho, ajudou à festa. Deixo-vos algumas fotos:


Diz que está na moda #39

18.8.16
Alerta, alerta, amantes de ténis (vulgo coisinhas mais confortáveis que alguém alguma vez se lembrou de criar para enfiarmos os pezinhos), há modelos novos (e outros não tanto) que estão a caminho para se instalarem como os must-have da estação. Fiquem de olho ou corram e agarrem-nos se puderem.

A Pipoca está loucaaa #144

17.8.16
Agosto vai a meio o que significa que Setembro está cada vez mais perto. Sim, é chato, percebemos que o Verão se aproxima do fim a passos largos mas, por outro lado, é um dos meus meses preferidos. Porque é óptimo para mudar, recomeçar, para fazer planos, definir objectivos. É assim uma espécie de Janeiro, mas com bom tempo. Setembro é perfeito para muitas coisas e uma delas pode ser renovar o roupeiro. Porque se vai começar um trabalho novo, porque se quer dar uma melhorada no estilo, porque estamos fartinhas de usar sempre o mesmo ou só porque... apetece. E o passatempo desta semana, em parceria com a Gracedition, pode dar uma enorme ajuda. Isto porque temos dois vouchers de 250 euros cada para usar em compras online no site da marca (válidos até 30 de Setembro). Para além disso, TODOS os participantes recebem um desconto de 15%


A Gracedition é uma marca 100% portuguesa, com colecções de edição limitada e que alia o design e a sofisticação a materiais de alta qualidade. O mote da marca é "be trendy, but be original", a pensar em mulheres que querem estar atentas às tendências sem perderem o seu próprio estilo. 

1- Fazer um "gosto" na página de Facebook da Gracedition;
2- Registar-se no site (canto superior direito do site);
3- Preencher o formulário abaixo até ao próximo dia 21 de Agosto (permitida apenas uma participação por endereço de e-mail, participações repetidas não serão consideradas);

Os vencedores serão escolhidos aleatoriamente através do Random.org. Boa sorte a todos.

Relativamente ao passatempo ZAXY da semana passada, as vencedoras foram:
Joana Romão, Lisboa
Núria Rodrigues, Maia
Marisa Olveira, Lisboa

Parabéns às vencedoras (que serão contactadas por e-mail) e obrigada a todos os participantes.

AddThis