#colinho

18.4.15

Vamos a uma corridinha?

18.4.15

Tenho sido uma abençoada porque, fora umas tosses ou uns narizes ranhosos, com quase dois anos o Mateus nunca precisou de visitar um hospital. Mas se precisasse não hesitaria nem um segundo em levá-lo para a Estefânia. É o único hospital pediátrico de Lisboa e do sul do país, altamente reconhecido pela sua qualidade, por isso é uma pena que se fale em fechá-lo. Para se manifestar contra esta ideia, vai decorrer no dia 3 de Maio uma corrida e uma caminhada organizadas por uma plataforma cívica. As receitas revertem para a AA1P (associação de doentes com défice de alfa 1 anti-tripsina) e as inscrições custam 5€ (caminhada de 4 quilómetros) ou 10 euros (corrida de dez quilómetros entre Alcântara e Belém). Vamos a isto? Inscrições aqui.


Um dia vou conseguir fazer malas assim

17.4.15



Para já parece-me que esse dia está longe. Muito longe.

Sayanna Luxury Ultimate Reshape: dia #5

17.4.15

A velocidade a que estes dias têm passado é incrível. Quer dizer, quando estou embrenhada no exercício o tempo parece que triplica, mas olhando agora para trás é impressionante que já tenhamos chegado ao último dia. E, claro, como sempre tenho pena. Não que a minha vida vá ser muito diferente depois do Reshape. Vou continuar a treinar todos os dias, vou continuar a ter cuidado com a alimentação, vou usar muitos dos ensinamentos que levei daqui mas, convenhamos, não vou estar num hotel 5 estrelas, com a comidinha feita a horas e sem as ralações próprias do dia-a-dia. Aqui conseguimos focar-nos só no nosso objectivo de treino e alimentação, toda a gente à nossa volta (treinadores, nutricionista, terapeutas do spa, pessoal do restaurante, etc) trabalha para isso e não temos como não nos sentir em casa. Há uma enorme coordenação entre todos os serviços, toda a gente sabe o que estamos aqui a fazer, brincam connosco, motivam-nos, e isso acaba por tornar toda a experiência muito mais envolvente. Mas bom, isto ainda não chegou ao fim, por isso não vou estar já para aqui com discursos lamechas e saudosistas. Na verdade, basta lembrar-me por dois segundos de cada uma das sessões de treino que fizemos até aqui e passa-me logo a veia elogiosa. A de ontem, por exemplo, foi um inferno de seu nome Tabata. Para quem não sabe,

Às vezes deixam-nos apanhar sol

16.4.15
 Fato-de-banho NYOS @ Bazaar Chiado

Homens, o melhor do mundo

16.4.15
Quando acabámos de almoçar disse-lhe que ia directa para a massagem e pedi-lhe que se fosse ao quarto me trouxesse o cabo da máquina fotográfica. "Está na minha mala, não te esqueças". Saio do tratamento e tenho mensagem dele no telemóvel:

Ele: o cabo não está na tua mala. Pode estar em mais algum sítio?
Eu: não está na mala de viagem?
Ele: pois. Nem nessa nem na mais pequena.
Eu: que estranho. Então vem ter aqui ao spa para me dares a chave do quarto antes de ires para o teu tratamento.

Dá-me a chave, subo ao quarto, vou directa à mala de viagem e.... ahhhhhhhhh, milagre de Fátima, lá estava o cabo.

Porque é que eu ainda insisto?

Sayanna Luxury Ultimate Reshape: dia #4

16.4.15

Quatro dias. QUATRO dias de Reshape no EPIC SANA Algarve já lá vão e o ritmo não pára de subir. Isto até começou relativamente calminho, mas já deu para perceber que vão puxar por nós até ao fim, sempre mais e mais. Ontem acordámos com chuva, toneladas de chuva, por isso o primeiro treino teve de ser no ginásio. Aqui não há desculpas, há sempre alternativas. Só ficamos a saber os treinos no próprio dia, mas por alguns comentários que a treinadora foi deixando escapar já estava tudo mais ou menos preparado para o pior. E o pior foi um circuito em pirâmide, composto por quatro exercícios: subir para uma plataforma, TRX, agachamento com saltos e abdominais com uma bola. Começávamos por fazer uma primeira ronda só com duas repetições de cada exercício, depois quatro, depois seis, depois oito e assim sucessivamente até às 26 repetições. Chegados às 26 repetíamos tudo, mas desta vez em contagem decrescente: 24, 22, 20, etc, até às duas. Moral da história, repetimos cada um dos quatro exercícios mais de 300 vezes (eu fiz as contas). Foi um treino muito completo, mas também muito duro. Mas não ficámos por ali. Depois do snack, e já sem chuva, fomos para a rua. Missão: subir e descer as escadas de acesso à praia, 150 degraus que parecem uns sete mil. A mim tocou-me fazê-lo quatro vezes, o homem teve de fazer dez, ah ah (e só não me rio mais porque ele acabou as dez mais depressa do que eu acabei as quatro, uma vergonha). 
À tarde mais um tratamento de mesoterapia. Perguntei à terapeuta que tal estava a minha celulite fofinha e ela disse-me que era bastante superficial e, por isso mesmo, mais fácil de tratar, mas eu sou como São Tomé, ver para crer. E eu não acredito que a desgraçada se suma para toda a eternidade. Sacana. O resto do dia foi para passear com o Mateus e para jantar com os meus pais. Portei-me lindamente. Com tudo o que tinha à disposição e sem ninguém para me controlar, comi só frango no forno com salada (e, vá, trouxe uma tangerina para a ceia, caso a fome apertasse muito). Depois de amanhã voltamos todos à balança e às medições, por isso é bom que se note qualquer coisinha. E, no meio disto tudo, metade do "Abril sem gordices" já lá vai, passou (mais ou menos) a voar. Quinze dias inteirinhos sem gomas, chocolates, bolachas, batatas fritas... tudo o que, basicamente, faz tão mal e sabe tão bem. =) Custa, mas achei que ia ser pior. Dia1 de Maio conto comemorar o final do "Abril sem Gordices" e Dia do Trabalhador com um chocolate. Dá trabalho não comer porcarias, pensam o quê?


No sítio mais bonito do mundo

15.4.15

Novidades fresquinhas #43

15.4.15
Os biquínis e fatos-de-banho lindõoooooes da marca portuguesa NYOS.  Só faltam mesmo os dias de sol e calor. À venda na Bazaar Chiado.


Sayanna Luxury Ultimate Reshape: dia #3

15.4.15
E ontem chegámos a meio do nosso Reshape. Para mim foi, até agora, o dia mais duro, mas também o mais desafiante, sobretudo por ter experimentado modalidades novas. Depois do pequeno-almoço começámos a abrir, com uma aula de cycling. Eu gosto muito de andar de bicicleta, mas não é paradinha no mesmo sítio. Mas, afinal, vai-se a ver e não só gostei como já andei a ver qual é o horário das aulas de cycling no meu ginásio. Acabei a deitar os bofes pela boca, mas não deu para grande descanso, porque começámos logo um circuito de abdominais, com vários exercícios. Foi intenso, mas muito bom. Pausa para o snack da manhã e continuámos com uma aula de yoga. Torci o nariz, preferia mais meia hora de abdominais do que yoga, mas lá fui, que remédio. Achava eu que ia para uma coisa mais calminha, mais virada para a meditação e para ouvir passarinhos, mas enganei-me redondamente. Foi puxada para xuxu. Não percebo nada do assunto, mas uma colega que faz yoga habitualmente disse que o professor era óptimo mas que a aula tinha sido difícil para um nível iniciado. Achei o mesmo, andei ali um bocado às aranhas para conseguir entrar no ritmo e não me atirar para o chão com o cansaço. À tarde tivemos mais um tratamento de mesoterapia e um workshop de sumos detox no bar do hotel. O EPICA SANA Algarve é um dos poucos sítios que não só tem uma carta de sumos detox e batidos proteicos, como indica a intensidade com que os mesmos actuam a nível de energia, imunidade, detox e na pele. Aprendemos a fazer três sumos (todos óptimos), depois logo partilho as receitas. 

A nível de alimentação ontem foi o primeiro em que não senti fome nenhuma, talvez por as refeições já estarem totalmente ajustadas a cada um de nós (ou por o estômago se ter habituado a comer menos). O que custa mesmo, mesmo, mesmo é fazermos todas as refeições no Abyad, o principal restaurante do hotel. De manhã cruzo-me com pastéis de nata, ao almoço com massas, ao lanche com todos os tipos de pão do mundo, ao jantar com batatas fritas e coisas que cheiram maravilhosamente bem a dois quilómetros de distância. Sinto-me sempre como naquela prova do Biggest Loser em que deixam os gordinhos à solta numa sala com tudo o que há de bom no mundo, para ver se resistem. Eu resisto porque as refeições que nos servem são mesmo, mesmo boas (e saudáveis) e também porque há sempre alguém connosco (um treinador, uma nutricionista) a garantir que não não surripiamos comida. Ou seja, portamo-nos lindamente.



E assim se passaram três dias, quase sem darmos por ele. Venham os próximos.

AddThis