Vem dar uma voltinha na minha bicicleta

21.10.14

Sempre que vou para a beira rio correr vejo sempre imensas pessoas a andar de bicicleta com os bebés.  Lá fora é o pão nosso de cada dia, é um facto, mas por cá  - e porque eu continuo a dizer que Lisboa não é das cidades mais amigas dos ciclistas - ainda são poucos os que se aventuram com os miúdos. Mas em zonas mais seguras já se vê cada vez mais gente. Cá por casa estava sempre a perguntar quando é que o Mateus poderia começar a andar connosco, e passada a barreira do primeiro ano achámos que já estava na altura. Sobretudo porque encontrámos o suporte perfeito para o levar. Chama-se WeeRide e é uma espécie de Rolls Royce das cadeirinhas dianteiras para bicicletas.


Nestas cadeirinhas (para crianças entre os nove meses e os quatro anos, até 15 quilos) os miúdos vão super confortáveis e seguros. Por alguma coisa são as mais vendidas na Inglaterra e Estados Unidos. Eu sou um bocadinho (MUITO) neurótica com estas coisas da segurança, por isso só transportaria o Mateus em algo que me desse mesmo muita confiança. E esta dá. Antes de nos aventurarmos na rua fiz algumas experiências em casa, só mesmo para garantir que estava tudo bem montado e que não iria perder o miúdo algures pelo caminho. O suporte é muito fácil de montar (em dez minutos está prontinho), adapta-se a quase todas as bicicletas e é realmente seguro. O Mateus fica ali firme e hirto, mas com liberdade de movimentos qb. 

O suporte para os pés tem cintos ajustáveis. 

Ok, nesta foto está patente a falta de confiança que o miúdo tem na condução da mãe, mas eu juro que ele adora andar de bicicleta e vai o tempo todo a rir como um maluquinho. E é uma experiência mesmo gira eles irem ali tão pertinho de nós, a ver o mundo. Em caso de travagem mais brusca, o apoio dianteiro é acolchoado, mas mesmo assim acho o capacete indispensável.


O nosso suporte é o Safe Front Deluxe, mas existem outros modelos disponíveis e que podem consultar aqui.


A minha linda bicicleta da Biciclasica.


Deixo-vos um vídeo da WeeRide para verem como é fácil colocar o suporte e ainda mais fácil passear com os nossos bebés.




Post escrito em parceria com a WeeRide

A Pipoca está loucaaa #59

21.10.14
Chegado o Outono (com os seus 30 graus) é altura de começar a pensar em dar uma grande volta ao roupeiro, tarefa também conhecida por "libertar coisas velhas para arranjar mais espaço para coisas novas". Tentei dedicar-me a isso este fim-de-semana mas acabei por desistir, porque este tempo esquizofrénico está a dar comigo em doida. Uma semana ando de botas pelo joelho e casaco de pêlo, na outra volto às sandálias e aos vestidinhos. Como é que querem que uma pessoa se organize? Mas bom, o tempo é um bocado indiferente no que toca a novas aquisições, que basicamente qualquer desculpa serve. E esta semana, e porque para vocês quero sempre mais e melhor, tenho para vos oferecer 250 euros em compras no PONTOFASHION.COM


Nesta loja online vão encontrar uma data de óptimas ofertas de vestuário, calçado e acessórios. Para além das marcas próprias (como a Spaccio, a Urbani ou a Blue Rise) vão ainda encontrar marcas como a Fornarina, Liujo, Francomina ou Mariamare. Para além do voucher de 250€, todos os participantes neste passatempo serão ainda premiados com um voucher de 10€ em compras superiores a 50€, desde que façam o registo na loja online.

Para se habilitarem só têm de:

1- Fazer um gosto na página de Facebook da PONTOFASHION.COM;
2- Preencher o formulário abaixo até ao próximo domingo, dia 26 de Outubro (permitida apenas uma participação por endereço de e-mail, participações repetidas não serão consideradas);

O vencedor será escolhido aleatoriamente através do Random.org e anunciado aqui na próxima terça-feira, dia 28 de Outubro. Boa sorteeeeeee!

Relativamente ao passatempo da semana passada, o vencedor da mala Samsonite foi o Luís Marques, de Matosinhos (que será contactado por e-mail). Parabéns ao Luís, e obrigada a todas os participantes.

Dez (bons) motivos para lerem "O Problema Não És Tu, Sou Eu"

20.10.14


1- Para este livro fiz um verdadeiro exercício de memória e percorri alguns (muitos) anos de relações falhadas. Foi assim uma espécie de terapia/reconhecimento de que, de facto, me passou muita coisinha má pelas mãos. Vivendo e aprendendo!  

Por favor, não matem o Português

20.10.14
Na caixa de comentários deste blog, e na internet assim em geral, dou de caras com erros de português que fazem com que me benza 14 vezes e me pergunte o que é que a grande maioria andou a fazer na faculdade. Posto isto, vale muito a pena ficar a conhecer os "15 erros de português que parecem de putos da primária", uma compilação brilhante reunida pelo site Cultura X. Depois disto, ai de quem se atreva a trocar um "à" por um "há". Estou de olho em vocês.

1. Hades
“Hades cá vir bater à porta! Hades, hades”! Não, não hades. Porquê? Porque Hades é um deus da mitologia grega, o deus dos mortos, e nada mais do que isso. A forma correcta desta expressão é ‘hás-de‘, que deriva do verbo haver (como podes verificar nos diapositivos seguintes, este verbo safado é causador de muita confusão desnecessária). A expressão ‘hadem’ também não significa o mesmo quehão-de, e essa nem sequer é um deus grego. É só mesmo uma palavra inventada e feia.

Não sou velha, pá, sou mãe! Bem, se calhar estou velha...

19.10.14
Sexta tive um jantar e depois desafiaram-me para dar um salto ao Bairro. Eu sou uma pessoa idosa que, perante a perspectiva de uma noite sem filhos, a coisa mais emocionante em é que pensa é "vou poder dormiiiiiiiiiiiiir". Longe vão os tempos em que se ansiava pela chegada dos fins-de-semana. Agora os fins-de-semana são... exactamente iguais aos dias de semana. Às oito da matina (na melhor das hipóteses) já está tudo fora da cama a correr pela casa atrás do Mateus, a tirá-lo de cima das mesas/sofás/cadeiras, a tentar evitar que enfie a língua nas tomadas, e outras actividades igualmente giras. Mas bom, falava eu sobre o Bairro. Não ia lá há tanto tempo que parecia uma emigrante que regressa a casa ao fim de 15 anos. Só dizia "ahhh, aqui era o bar não sei quê" (que já fechou para aí há uma década) ou "ahhhhh, olha este restaurante novo tão giro" (que já abriu para aí há quatro anos). É oficial, estou ultrapassada e já começo algumas frases com "no meu tempo". Verdade que antes de ser mãe já não saía muito (falta-me a pachorra, sou uma mulher de jantares caseiros e conversas tardias), mas agora percebi que o mundo seguiu o seu caminho e eu perdi o comboio. À uma da manhã, e já no Cais do Sodré, já eu bocejava por todos os lados, a sonhar acordada com pijamas, edredões e almofadas. O tempo a passar e eu a pensar que era menos uma hora que ia passar na cama, embalada pela perspectiva de poder dormir para aí até ao meio-dia, uma loucura. Não dormi. O despertador biológico está programadinho, eram nove e pouco e já estava a pé. E pronto, é esta a vida pós-maternidade. Agora vou ter que tirar para aí duas semanas de férias para descobrir tudo o que há de novo na vida nocturna da cidade.

Desejo de fim-de-semana #24

18.10.14



Os novos Adidas Originals ZFlux. Super leves, sem costuras e unisexo. 

Por todos os Salvadores

17.10.14

Já aqui apelei algumas vezes para que se tornem dadores de medula. É verdade que há cada vez mais gente a aderir mas, infelizmente, também é verdade que há sempre novos casos e que quanto maior a base de dados maior a possibilidade de encontrar dadores compatíveis. Eu já sou há muitos anos, não custou rigorosamente nada e a ideia de podermos salvar a vida de alguém deveria ser mais do que suficiente para todos nos juntarmos à causa. Um dos mais recentes casos a necessitar de ajuda é o do Salvador, um menino de três anos que tem um linfoma de Burkitt e precisa de medula óssea. Deixo-vos a lista de perguntas mais frequentes sobre este tema, assim como os pontos onde se podem tornar dadores de medula.

O problema não são vocês, juro!

17.10.14

E prooooooonto, o meu mainovo já tem data de lançamento. Vai ser na próxima quarta-feira, dia 22, às 18.30 na FNAC do Chiado. Onde? Na FNAC Chiado. Quando? Quarta-feira. A que horas? Às 18.30. Achei por bem repetir a informação, só mesmo para ver se estavam a prestar atenção.

Pois que lá estarei, mais para vos ouvir do que para me fazer ouvir. Tragam os vossos problemas, os vossos dramas existenciais, ou os vossos desgostos amorosos e partilhem-nos comigo. Vai ser assim uma espécie de terapia de grupo, mas em bom e em divertido. Vá, venham lá, têm alguma coisa mais gira para fazer a uma quarta ao fim do dia? Claro que não! Até quartaaaaaaaa (às 18.30, Fnac do Chiado... just in case).

A Pipoca responde... ou tenta, vá #25

16.10.14
Recebi um mail da Elisabete que me lê a partir de França (très chic):

"Olá, Pipoca, adoro o teu blog e sou tua leitora assídua, parabéns pelo teu trabalho. Vejo imensas pessoas a usarem chapéu nesta época do ano, tenho imensa vontade de comprar um, mas não sei qual o tipo de chapéu nem como o conjugar com a roupa. Será que podes dar uma ajudinha? Beijinhos directamente de França"

Pois é, confere. O Outono aparece e, com ele, lá vêm os chapéus. Felizmente, em Portugal já começa a não ser assim tão estranho andar de chapéu na rua, mas tenho imensas amigas que não usam porque dizem que fica toda a gente a olhar. Sentem-se aves raras, por isso preferem guardá-los para viagens ao estrangeiro, onde, graças a Deus, é tudo mais normalzinho e um chapéu é só isso mesmo: um chapéu. Pessoalmente, adoro, e tenho pena de não investir mais. Tenho um ou dois, mas cheira-me que este ano vou juntar mais um ou outro à colecção. Pessoalmente, prefiro os grandes e de abas largas. Não gosto de chapéus pequenitos, ficam bem a muito pouca gente. Andei a pesquisar e deixo aqui uns quantos, assim como alguns looks com chapéus:





Quem vem e atravessa o rio

16.10.14

Logo, logo a seguir a Lisboa, o Porto é a minha cidade portuguesa preferida. Já o disse aqui várias vezes. Sou sempre muito bem recebida, toda a gente é ultra simpática, e a cidade tem um encanto diferente de todas as outras. Tenho a sorte de lá conseguir ir com relativa frequência, mas é sempre a correr, nunca tenho tempo para nada. Desta vez, e a propósito do lançamento do Pum, decidimos que íamos em modo família e durante mais tempo. Quatro dias inteirinhos para gozar a cidade. Tentamos ficar sempre em sítios diferentes, e desta vez escolhemos o Hotel da Música, que está inserido no Mercado do Bom Sucesso. Tal como o nome indica, há música por todo o lado, com partituras nas paredes e um nome sonante por piso. Nós ficámos no primeiro, o piso Mozart. O piso térreo é o de Pavarotti, o segundo é o de Beethoven, o terceiro o de Chopin e o quarto ficou com um nome português: Amália.   


AddThis