Pub SAPO pushdown

Fui de férias mas já voltei

segunda-feira, agosto 21, 2017

Nas últimas duas semanas estive "ligeiramente" ausente do blog porque tive as minhas férias-férias. Eu bem sei que vocês acham que eu passo a vida de férias, não fazem distinção entre o que são viagens de trabalho e de lazer, mas estas duas semanitas foram mesmo para desligar: a primeira pela zona da Comporta, a segunda em Punta Umbría (sul de Espanha). Tentei estar o mais off possível, não levava telemóvel para a praia, não estava permanentemente ligada às redes sociais, não sabia quase nada do que se passava no mundo, foram duas semaninhas santas. Claro que o blog sofreu um bocadinho com isso, mas pronto, voltei, não se apoquentem.

Punta Umbría foi uma estreia, nunca lá tinha estado. No início do ano eu e os meus amigos começámos à procura de um destino de férias e alguém nos recomendou Punta Umbría, perto de Huelva. Torci um bocadinho o nariz, porque não sou grande fã das praias que conheço no sul de Espanha (mais junto à fronteira), mas decidimos arriscar. Enviei mail à iGo Travel, como sempre, a explicar o que queria e, como sempre, tiveram uma paciência de santo para me aturar. É que não é fácil marcar quartos para dezoito almas, com todos os requisitos que queríamos, mais as trocas e os pedidos de última hora.

Marcámos tudo em Fevereiro e andávamos há meses a falar disto. Eram as primeiras

(re)Descobrir Lisboa com o AVANI

quarta-feira, agosto 16, 2017

Foi em Março que me chegou um convite muito, muito bom: receber uma blogger alemã em Portugal, a convite dos hotéis AVANI, e mostrar-lhe o melhor de Lisboa. O objectivo era celebrar a abertura do novíssimo AVANI Avenida Liberdade Lisbon Hotel (antigo Tivoli Jardim), o primeiro AVANI da cadeia tailandesa na Europa. À semelhança dos seus "irmãos" mais velhos, também este é pensado para um público jovem, de espírito aventureiro, que adora viajar, mas sem ser o típico turista que adora fazer as típicas coisas turísticas. É antes para pessoas que gostam de frequentar os mesmos sítios que os locais, perceber os seus costumes e descobrir o que há de verdadeiramente cool em cada destino. E o AVANI dá uma ajuda: um hotel confortável, com um design cuidado, que dá atenção aos detalhes, mas com um espírito descontraído. Todo o hotel foi remodelado, e nesta mudança ganhou um aspecto mais moderno e sofisticado, diferentes áreas de lazer e de reuniões, um ginásio novinho em folha (o AVANIFIT) e quartos que vão dos Premier aos Deluxe, sem esquecer os Family, conforme as necessidades de cada hóspede.

Foi, assim, no AVANI, que conheci a Francisca, uma das autoras do Lillies Diary, um blog alemão de viagens. Como também fiquei instalada no hotel durante três dias, tive oportunidade de experimentar todos os serviços. Acho que nunca tinha ficado num hotel em Lisboa, por isso acabei por ser um bocadinho turista na minha própria cidade e foi a melhor maneira de conhecer o hotel. Deu para descansar num quarto com uma varanda maravilhosa sobre Lisboa, deu para experimentar o pequeno-almoço e o jantar no Olivier (o restaurante que serve o hotel), deu para trabalhar (que remédio...), e deu para estar só à conversa com a Francisca, a partilhar experiências.





E, claro, tentei mostrar-lhe o melhor de Lisboa, num misto de coisas "clássicas" com outras mais irreverentes. Acho que vivo numa cidade cada mais interessante e diversificada, onde há sempre coisas a acontecer, por isso o difícil foi mesmo escolher. Mas acho que aproveitámos bem o tempo. Levei-a a experimentar vários restaurantes, com cozinhas muito diferentes (do japonês Yakuza First Floor ao portuguesíssimo Solar dos Presuntos, passando pela inspiração brasileira do Rio Maravilha ou pelo indiano Lost In ), levei-a a passear em Alfama em plena época de Santos, levei-a a experimentar a ginjinha e os pastéis de nata da Manteigaria (gostou tanto que repetimos no dia seguinte), levei-a a conhecer algumas lojas (Embaixada, Porto Claus, Benefit, Paez), passeámos na LX Factory, no Chiado, à beira-rio, na Feira da Ladra, no Bairro Alto ou na Rua Cor de Rosa, levei-a a andar de tuctuc, apresentei-lhe o Miradouro da Senhora do Monte, uma das vistas mais bonitas de Lisboa, levei-a a fotografar o elevador da Bica... enfim, foram três dias non-stop, muito preenchidos mas que deram para perceber o quão incrível é Lisboa.


Passo a vida a pensar que adorava ser turista para poder olhar para Lisboa pela primeira vez e ficar absolutamente deslumbrada. Acho que o facto de vivermos numa cidade faz com que acabemos por ter um olhar viciado sobre a mesma e que já não nos deixa apreciar todas as coisas incríveis que tem. Perde-se um bocadinho o factor surpresa. Esta oportunidade foi boa precisamente para isso, para poder olhar para a cidade, vê-la realmente e apaixonar-me mais um bocadinho. E acho que a Francisca também gostou de estar por cá e ficou maravilhada com Lisboa.



Obrigada ao AVANI por me ter feito sentir (ainda mais) em casa. Acho que vou repetir a experiência mais vezes. =)

#AVANILisbon
#AVANIme

Os meus destinos ao sol

sexta-feira, agosto 11, 2017
Tal como já vos tinha dito aqui, este ano volto a estar ligar à Piz Buin, como uma das embaixadoras da marca. É uma ligação fácil, porque adoro os produtos, já era consumidora há muito tempo e porque sou, cada vez mais, uma "protector freak". As quantidades de protector solar que aplico em cada ida à praia/piscina davam para proteger os habitantes de uma pequena ilha do Pacífico. Acho que é uma tentativa de colmatar todas as asneiras que fiz quando era mais jovem e não tinha grandes preocupações com o tema "sol". Mas pronto, agora tenho e sou a chata que anda sempre de protector atrás da família a dizer "hora do reforço!!!". Tem de ser, não se brinca com estas coisas.

Ora sabendo que eu adoro praia quase tanto como adoro chocolates, a Piz Buin lançou-me uma missão (quase) impossível. Escolher quatro dos meus destinos de sol preferidos. Uiiiiii, meus amigos, isso é como pedirem-me para escolher o livro ou o filme da minha vida. Não dá. Com as praias é mais fácil, mas já estive em tantas e tão incríveis, que custa mesmo ter de resumir a lista a quatro. Mas pronto, dei o meu melhor e escolhi dois destinos nacionais e dois internacionais. Tenho tido a sorte de poder fazer praia em diferentes alturas do Verão (mesmo quando em Portugal estão oito graus e chove sem parar durante 15 dias), o que é bom para ir conhecendo novos sítios, mas acho que temos praias tão boas que nas férias-férias acabo sempre por preferir ficar por cá.

E, claro, na bagagem vai sempre o Piz Buin. Ou melhor, "os" Piz Buin, porque levo sempre dois ou três comigo. E, dependendo do destino e da altura do ano, também escolho o produto que acho que se adequa mais. Portanto, e sem mais demoras, vamos lá a quatro dos meus destinos preferidos ao sol:

LIDL e Heidi Klum? Oh, yeah!

quinta-feira, agosto 10, 2017

Nasci e cresci no meio de Lisboa, o que significa que as compras se faziam pelas mercearias e mini-mercados do bairro. Desde muito pequena que a minha mãe me mandava sozinha fazer recados, não havia cá medo de raptos nem de desgraças maiores. Idas a um hipermercado era só quando o rei fazia anos, era quase uma espécie de acontecimento que requeria planeamento detalhado. Até que, a meio da adolescência, os meus pais quiseram comprar casa, Lisboa era demasiado cara para os nossos bolsos, e tivemos de migrar para os subúrbios. Foi aí que o Lidl entrou na minha vida e se tornou o nosso supermercado. Lembro-me perfeitamente da primeira visita. Achei o conceito um bocadinho estranho, parecia-me uma espécie de armazém altamente funcional, com marcas que nunca tinha visto mas que me suscitavam curiosidade. E depois, claro, com preços imbatíveis. O meu primeiro grande amor foram as famosas lasanhas do Lidl, mas depois desse vieram outros. Os chocolates, a mozzarella, os iogurtes, alguns produtos de higiene, os produtos de limpeza (quando passei a morar sozinha) e vários outros achados. 

Quando voltei para o centro da cidade, o Lidl também já lá tinha chegado. Fui morar para

Morte ao sacana do piolho!

quarta-feira, agosto 09, 2017

De cada vez que a escola do Mateus envia um mail a dizer que há um surto de piolhos toda eu estremeço. Literalmente. Não sei se há algum estudo que comprove isto, mas eu acho que há ali uma certa acção pavloviana, porque de cada vez que alguém refere a palavra piolhos sinto vontade de atirar para o chão e coçar o corpo todo. Yaaaccckkkkk! Acho que esta minha aversão também se deve às muitas e boas horas de vida que perdi em miúda, de cada vez que havia piolhos na escola e a minha mãe passava horas (HORAS!) a inspeccionar a minha cabeça ao mais ínfimo pormenor. Acho que ainda tenho pesadelos com um pente fininho que ela usava e que praticamente me arrancava o couro cabeludo.

Talvez por isso um kit anti-piolhos tenha feito parte dos primeiros produtos que comprei para o Mateus, uma possível tentativa de o livrar deste drama. O miúdo ainda mal tinha cabelo, mas o produto contra o piolhame já morava cá em casa. À medida que ele foi crescendo e ganhando maior densidade capital, até atingir a Amazónia de caracóis que hoje apresenta, sempre me foram perguntando "como é que vais fazer se ele apanhar piolhos? Vais ter de rapar o cabelo ao miúdo!". Oi? Vou o quê? O facto de ele ter caracóis e o cabelo mais comprido faz confusão a muita gente. A mim, ao pai e ao próprio do Mateus não faz. Gostamos do cabelo dele, adoramos o cabelo dele e, até podermos ser nós a mandar, os caracóis são para manter. Mas há quem ache que curtinho é que era, por isso acho que, secretamente, até desejam que uma colónia de piolhos monte acampamento na cabeça do miúdo. Sorte ou azar, isso nunca aconteceu. Eu acho que os piolhos olham para aquela selva e pensam "uiiiiii, se eu entro aqui nunca mais vejo a luz do dia, deixa-me lá ir procurar uma cabeça mais civilizada". E é assim que ele se vai safando. 

Mas não é só isso, claro. Precisamente por ele ter um cabelo mais, digamos, difícil, vou apostando na prevenção. Quando chega o e-mail da escola entra em ação o Paranix, a marca número 1 em Portugal*, que tem uma gama completa de detecção, prevenção e tratamento dos piolhos e lêndeas, esses terroristas rastejantes (sabiam que os piolhos não saltam nem voam, só se arrastam? As coisas que descobrem neste blog...). E, meus amigos, as coisas mudaram muito do meu tempo para o tempo do Mateus no que toca a produtos para piolhos. Um dos mais incríveis é o Paranix Gel Localizador de Lêndeas, uma espécie de CSI dos piolhos. Então, é um gel avermelhado que, quando aplicado no cabelo, tinge apenas as lêndeas, o que torna muito mais fácil localizá-las. E aqui temos dois cenários;
1) Se não houver lêndeas, como tem sido o caso do Mateus, utiliza-se o spray Repel, que pode ser usado diariamente, já que cria uma película que dificulta a adesão da bicharada ao cabelo;
2) Se houver lêndeas o Mateus é imediatamente enviado para casa da sua avozinha, que tem tempo, paciência e uma experiência de anos no que toca a inspeccionar cabeças e aniquilar piolhos. Fica lá de quarentena e só volta quando não se avivar um bicho nojento que seja naqueles caracóis. Ou então usa o Champô e o Spray de Tratamento da Paranix, que são altamente eficazes e exterminam a bicharada a 100%**.


No meio disto tudo, e caso a criançada tenha mesmo piolhos, temos de rezar a todos os santos para que os desgraçados não cheguem também às nossas cabeças e fazer exactamente o mesmo processo que fazemos aos miúdos (menos a parte de sermos enviados para casa das nossas avós). Isto porque o champô de tratamento é recomendado para crianças a partir dos dois anos e o spray para crianças a partir dos seis meses. E é preciso reforçar que ter piolhos em nada está associado a falta de higiene, porque eles não são esquisitos, instalam-se de armas e bagagens em qualquer cabeça, independentemente da quantidade de vezes que a mesma vê água ou mesmo do comprimento do cabelo (estás safo, Mateus!).

Paranix encontra-se à venda em farmácias e parafarmácias, assim como em áreas de saúde de supermercados e hipermercados, e todos os produtos estão livres de insecticidas e ingredientes químicos.


*Dados HMR, Mercado Anti-parasitário Capilar, MAT Fev 2017, Farmácia + Mass Market, Valor e Volume; Europa: IMS Health, Data of Head Lice Europe, MAT Q4 2016, Pharmacy, Value and Volume.
**Data On-File, Gama de Tratamento.

Os produtos de tratamento de Paranix (Spray e Champô de Tratamento) são Dispositivos Médicos para o tratamento da pediculose. Paranix Localizador de Lêndeas é um Dispositivo Médico utilizado para evidenciar lêndeas. Paranix Champô de Proteção é um dispositivo médico utilizado para prevenção da disseminação da pediculose. Apenas para uso externo. Evitar o contacto com os olhos ou as mucosas. Em caso de contacto com os olhos, lavar abundantemente com água. Não usar em caso de alergia a algum dos ingredientes. Paranix Spray de Tratamento está indicado para crianças com mais de 6 meses. Paranix Champô de Tratamento, Paranix Localizador de Lêndeas e Paranix Champô de Proteção estão indicados para crianças com mais de 2 anos. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Leia cuidadosamente a rotulagem e as instruções de utilização. Paranix Repel é um produto cosmético. Manter fora da vista e do alcance das crianças.

Post em parceria com Paranix

A Pipoca está loucaaa #208

terça-feira, agosto 08, 2017
Calculo que muita gente já esteja a banhos pelas nossas maravilhosas praias, mas ainda vão mais do que a tempo de acrescentar mais uns chinelos à bagagem, certo? Certoooooo! É por isso que, em parceria com a Ipanema, tenho para vos oferecer três modelos Anatomic, numa cor à vossa escolha. 

Para se habilitarem a um dos três pares sorteados só têm de:

Novidades fresquinhas #78: Piz Buin Instaglow Lotion

terça-feira, agosto 08, 2017

Se há uma década eu era menina para esturricar ao sol, sem grandes preocupações com protectores, hoje tal coisa não me passa pela cabeça. Continuo a gostar muito de sol, continuo a gostar muito de ganhar uma corzinha que me tire o ar de besugo acamado, mas ninguém me apanha na praia ou na piscina sem estar devidamente protegida. Sou menina para pôr protector solar umas cinco vezes numa manhã de praia. Aliás, a primeira camada é aplicada ainda em casa, mania que apanhei depois de uma vida inteira com os meus pais a buzinarem-me aos ouvidos que "o protector tem de se pôr, pelo menos, meia hora antes de apanharmos sol". Não sei se é verdade ou mito urbano, sei que o mantra me foi incutido anos a fio e eu sou bem mandada.

À semelhança do Verão passado, também neste terei a companhia da Piz Buin. E, assim de repente, acho que não podia pedir companhia melhor para as minhas idas a banhos e para as minhas viagens atrás dos melhores destinos ao sol. Adoro o cheiro dos produtos, as texturas, o efeito na pele e, sobretudo, o facto de me sentir realmente protegida. Ora este ano a Piz Buin traz uma novidade e acrescenta à sua linha um produto que promete fazer sucesso: a Instant Glow Loção Solar Iluminadora. Usei-a nas últimas férias, na versão factor 50+, para protecção máxima, e fiquei fã. Ao ponto de ter acabado com uma embalagem. Upsssss.

Acho que o que mais gosto neste protector são as partículas reflectoras que deixam a pele repleta de pequenos brilhantes em menos de nada. Sou pirosona, não me chateiem. Além disso, a textura é muito fácil de espalhar, é de rápida absorção (nada de sensação pegajosa), hidrata, permite um bronzeado bonito e homogéneo e está disponível nos factores de protecção 15, 30 e 50+. Se ainda não trataram de arranjar um protector solar para este Verão, têm aqui uma bela opção.


A mama da discórdia

segunda-feira, agosto 07, 2017

A polémica facebookiana do fim-de-semana foi o grande plano que a RTP fez a uma adepta benfiquista durante a Super Taça. Há quem diga que a ideia era evidenciar a mama, com o machismo a aumentar à mesma velocidade dos frames, há quem diga que só se queria destacar o símbolo benfiquista. Eu acho que foi um dois em um e não estou a morrer de indignação por isso. Mas montou-se um Carnaval. Ecoaram gritos feministas de que isto era uma vergonha, que era, uma vez mais, a objectificação do corpo feminino, que uma mama é para tratar com cautela e caldos de galinha. Li até uma que dizia qualquer coisa como "não sejam tarados, é uma mama como esta que alimenta os vossos filhos", o que me deixa um bocado confusa, que afinal isto de dar de mamar serve de argumento para tudo, conforme o que melhor convenha. Foi de tal maneira que o realizador da Super Taça, num gesto muitíssimo civilizado, veio pedir desculpa, explicar que foi um lapso, um "acto involuntário".

Pela parte que me toca, tudo ok quanto à mama. E esta era bem bonita e dava gosto de ver, como qualquer mama que esteja embelezada pelo emblema do Glorioso. Ao que parece, a cara da moça não foi filmada, por isso tudo o que o mundo sabe é que esta mama pertence a uma mulher loura. Não sabemos a idade, o nome, a profissão, o que faz desta mama uma espécie de filha de mãe incógnita. E, como disse, nada tenho contra grandes planos de mamas. Mas estou com as minhas amigas feministas. As mesmas que rejubilam com os anúncios de gostosões em tronco nu, tipo o da Surf e o da Planta, porque aí já não se trata de objectificação e abuso da imagem masculina, somos só nós a ser marotas e folionas. Mas eu estou com elas, repito. Não na abolição das imagens de mamas, mas na luta pela paridade e coiso e tal. Por isso, por cada plano de mama feito num estádio, quero ter direito a um bom rabo ou a uns bons abdominais masculinos. Uma barba de três dias ou um parzinho de olhos verdes. Parece-me o mínimo. E nem precisam de ser  adeptos benfiquistas. Como sinal de boa vontade aceito bons planos de todo e qualquer adepto que me deleite as vistas, independentemente da cor da camisola. Não nos privem das coisas bonitas, tornem-nas só acessíveis a todos. Se isto não é um passo por um mundo mais equilibrado, não sei que será.

Nota-se muito que é Agosto?

De volta ao Porto

segunda-feira, agosto 07, 2017


O que era para ser só uma ida a Aveiro ver a final da Super Taça acabou por se transformar num fim-de-semana no Porto. E isso é sempre uma coisa boa, porque todos os motivos para voltar ao Porto são desculpáveis. Não havia grandes planos, só mesmo dar umas voltas, aproveitar o bom tempo, tentar explorar alguns sítios novos. O Porto está uma cidade completamente vibrante e, acho, mais bonito a cada regresso. Aproveitei para fotografar, coisa que já não fazia há algum tempo e acho que vou aproveitar algumas cá para casa. Quando se vai sem pressas é mais fácil. Ficam algumas das fotos:

Perguntar não ofende (quer dizer...)

sexta-feira, agosto 04, 2017

Pessoas fofinhas, se tiverem perguntas a fazer, curiosidades sobre o mundo dos bloggers em particular ou sobre a vida, assim em geral, deixem-nas aqui na caixa de comentários, no Facebook, no Instagram ou enviem mail para geral@apipocamaisdoce.pt. Vou tentar fazer um vídeo semanalmente a responder às melhores, às mais divertidas, às mais rebuscadas, às mais tudo. Perguntem que eu respondo. Ou tento, vá.

AddThis