A festa de Verão da SIC

31.7.14

O tema era "Mamas & Maus Vestidos"

Novidades fresquinhas #15

31.7.14
Vêm aí algumas boas novidades no que toca a lojas. Ora atentem, minhas boas amigas:


COS em Lisboa. Aleluiaaaaa!
A COS - Collection of Style -, parente rica da H&M, acaba de chegar a Lisboa. Já não precisamos de andar a enfiar o nariz nas COS alheias sempre que vamos ao estrangeiro, porque agora já temos uma só para nós. Conhecida pelas linhas simples, quase minimalistas, a COS é uma daquelas lojas que nos estavam mesmo a fazer falta, e escolheu a avenida da Liberdade (nº67)  para se instalar. Caaaaaalma, que o facto de estar na avenida mais cara da capital não quer dizer que os preços sejam proibitivos. É mais cara do que a H&M, claro que sim, mas a qualidade e o design também são melhores e mais apurados. São três pisos com colecção de homem e senhora, novinhos em folha e a pedir uma visita asap!



H&M do Chiado reabre em grande e em bom
Pois é, depois de um período de obras que parecia não ter fim (não foi assim tanto, só quatro meses, mas parece sempre mais) a H&M Grandella (para mim, a melhor do país), está prestes a reabrir em grande. É já (sóoooo???) no dia 10 de Setembro e eu estou muito curiosa. Pelos bocadinhos que já podemos ver, está a ficar linda. Mas a grande novidade é que esta vai ser a primeira H&M do país a ter a colecção Home, com artigos para a cozinha, banho, sala e quarto. Era uma das secções que mais gostava de espreitar nas H&M deste  mundo, mas quem é que depois traz almofadas e lençóis na mala de viagem? Probleminha resolvido, já temos H&M Home aqui ao virar da esquina.



E agora mais a Norte…
Depois de Lisboa, Porto, Portimão, Braga e Coimbra, a Primark chega agora a Matosinhos, mais propriamente ao NorteShopping. É já no dia 16 de Setembro, às 11.00 e, como de costume, esperam-se filas quilométricas. São mais de três mil metros quadrados onde poderão perder a cabeça e gastar  pouco dinheiro. Não é o que se quer?

A NiT está a chegar!

31.7.14

A decisão de me despedir, deixar o jornalismo e dedicar-me exclusivamente ao blog levou muito tempo a tomar. Anos, diria. Não foi fácil. O medo de deixar um emprego seguro (se é que isso ainda existe nos dias que correm) para me lançar num projecto só meu (e sem nenhuma garantia de que pudesse resultar) era maior do que tudo o resto. Maior do que já não me sentir muito realizada, maior do que sentir que tinha estagnado profissionalmente, maior do que saber que ganhava uma miséria (mas uma miséria que chegava certinha ao fim do mês), maior do que a vontade de ver no que é que isto, o blog, poderia dar. Todos os dias me lamentava (eram mesmo todos) e todos os dias tinha alguém em casa a dizer "despede-te, vai correr tudo bem". Demorei para acreditar nisto - demoro sempre muito a acreditar em mim -, mas sem dúvida que esse apoio foi decisivo para dar o passo que faltava. Todos os meus receios eram apaziguados. "E se não tiver nada para fazer? E se o blog não der em nada? E se passar os dias a olhar para o tecto? E se tiver de voltar para o jornalismo? E se, se, se, se?".  Todos estes "ses" eram sossegados com palavras de confiança, com soluções, com alternativas. Foi a melhor decisão da minha vida, mas se não tivesse alguém a empurrar-me talvez não a tivesse tomado. Agora estou eu do outro lado, mas com um papel muito mais soft. Feliz ou infelizmente, tenho um homem mais positivo que o Dalai Lama, que vê sempre o copo meio cheio e que está sempre com a cabeça a explodir de ideias. Os papeis inverteram-se e agora foi ele que se despediu. Abriu mão do emprego que deixou de ser de sonho para se dedicar a um projecto de vida. Nestas coisas ele é muito mais desenrascado do que eu, por isso não tenho a mínima dúvida de que se vai sair lindamente. É assim que nasce a New in Town (NiT, para os amigos), uma revista de lazer e cultura urbana, centrada sobretudo em Lisboa e no Porto, com um linguagem e uma atitude muito cool. Para já arranca online e em Portugal, num futuro breve é muito possível que chegue ao papel e além fronteiras. Tenho para mim que a minha vida ainda vai dar uma grande volta à conta desta revista, mas uma boa volta. A NiT reuniu uma equipa fantástica, da qual tenho o orgulho de fazer parte. Não é o regresso ao jornalismo, que essa porta já ficou mais ou menos fechada, vou mais funcionar como uma espécie de coordenadora/consultora para as áreas de moda e beleza. No fundo, o que fiz na Time Out Lisboa durante cinco anos e o que vou fazendo no blog. O projecto só arranca em Setembro, mas podem ler mais sobre o assunto nesta notícia do Dinheiro Vivo e podem ser uns grandes queridos e fazer um "gosto" na página da NiT no Facebook, que já está a funcionar a todo o vapor. 

Aquele momento...

31.7.14
... em que vamos dormir e deixamos os pés destapados e fora da cama porque há uma forte probabilidade de o verniz não estar bem seco. Como se aguentássemos assim a noite toda e como se não fôssemos acordar com os cabrões dos lençóis todos marcados nas unhas. Haja fé.

A Pipoca está loucaaa #48

29.7.14
O Verão pode ser a época da silly season, mas não aqui. Neste blog não há tédio nem bocejos, há sempre coisas excitantes a acontecer. Como o passatempo desta semana, que, imagino, fará muita  gente sonhar e dar saltinhos de alegria e entusiasmo.  Não é para menos. É que o que está em jogo é um MA-RA-VI-LHO-SO relógio da TW Steel, que é só assim das coisas mais giras de sempre e um presente que não me importava nada de receber. Bonito, sofisticado, intemporal e cheio de pinta.



A TW Steel nasceu de uma dupla imbatível, o pai e filho Tom e Jordy Cobelens, que sempre foram distribuidores de relógios de grandes marcas. Em 2005, e tendo em conta o conhecimento adquirido nos últimos 25 anos, decidiram criar uma marca própria que tem como embaixadores Kelly Rowland, David Coulthard, Emerson Fittipaldi, entre outros. Foi assim que surgiu a TW Steel. Ou seja, "the watch in steel" (o relógio em aço). De repente, a marca passou de quatro modelos de relógio para  uma marca internacional com presença em mais de 85 países e 5000 pontos de venda. Para além do aço de alta qualidade, os relógios caracterizam-se pelas dimensões grandes, com caixas que variam entre os 37 e os 50mm, e pelo design inconfundível.


Para se habilitarem a um dos modelos da foto (à escolha do vencedor) só têm de:

Leituras de Verão

29.7.14
Trouxe dois livros para as férias, sem grande esperança de os conseguir ler. A vida na praia mudou, passou de "horas esticadinha na cadeira a ler" para "horas a encher bóias, baldes de água e a escavar poças". Um outro registo, igualmente giro. Contra todas as expectativas, consegui ler os dois, uma loucura.

Comprei os dois na Feira do Livro, não estava à espera de adorar nenhum. O primeiro pela autora, o segundo pela capa. Não conhecendo a Rita Ferro de lado nenhum, achava-a assim meio entre o tiazorra e o pedante, uma snob a escrever romances de cordel. Mudei de ideias e li o livro num instante, um misto de diário, memórias e crónicas, muito terra-a-terra. Fiquei surpreendida -e maravilhada- pelo humor e ironia, foi mesmo uma óptima surpresa. E espero, ansiosamente, pelo próximo volume.
O segundo veio dar razão àquele provérbio do "não julgues um livro pela capa". Desconfio sempre de capas muito coloridas e cheias de bonecada, mas as críticas eram muito boas. E justas, porque o livro é fantástico. Pela estrutura, pelas personagens (aquela mãe é a maior do mundo) e pela história. Ganhou uma data de prémios e é uma óptima leitura de Verão.


Têm receitas para a troca?

28.7.14

Se é verdade que nas férias relaxo o plano alimentar e me permito algumas/muitas loucuras (vinde a mim, Bolas de Berlim carregadas de açúcar, o meu colesterol bate palminhas!), também é verdade que, genericamente, me apetece comer menos. Todas aquelas coisas que adoro no Inverno - cozido à portuguesa, arroz de pato, feijoada - ficam de lado por uns tempos, porque agora quero mesmo é coisas mais leves, que não levem uma vida a cozinhar nem a comer. As férias também são para isso, para a despreocupação gastronómica, e ninguém leva a mal. Cá em casa somos grandes fãs das chamadas "saladas com tudo" (também funciona bem na versão massa, mas dá mais trabalho). Basicamente, consiste em abrir o frigorífico e atirar para dentro de um prato tudo aquilo que se encontra. A alface e o tomate estão sempre garantidos, mas depois varia-se entre um milho, uns cogumelos, umas cenouras, um frango, um camarão e o que mais houver. As conservas são uma excelente escapatória nesta altura (bem, e no resto do ano também). O processo "abrir-um-frasquinho-e-já-está" seduz-me completamente. Há coisa mais fácil e rápida? Se também são amigos desta forma de estar, então acho que deviam dar uma espreitadela ao site da Bonduelle, a mais famosa marca de conservas. Cá por casa já conhecíamos e consumíamos as latinhas de milho e as de rebentos de soja, mas a gama é enoooorme: cogumelos (inteiros ou laminados), macedónia de legumes, ervilhas, cenouras, lentilhas, feijão (branco e encarnado), favas, batatas, grão e por aí a fora. Ok, tudo muito bonito, mas o que é que faço com estes ingredientes todos? Calma, no site da Bonduelle têm tudo o que precisam de saber, nomeadamente mais de 500 receitas (já saquei de lá umas belas ideias para saladas, para não parecer que estou sempre a comer o mesmo), artigos e reportagens com conselhos práticos sobre a arte de bem cozinhar, truques para fazer com que os miúdos comam legumes sem se atirarem para o chão aos berros (foi logo a primeira coisa que fui ler) e uma data de informação útil para promover uma alimentação saudável. Também há sempre vários passatempos a decorrer. Neste momento, por exemplo, a Bonduelle convida-vos a criar um cocktail virtual (tem sempre de levar milho Bonduelle!) e a habilitarem-se a 500 euros e a um conjunto de copos de cocktail. Sou uma pessoa aborrecida e monótona, faço sempre as saladas em pratos, mas depois de ver como ficam giras em copos de cocktail acho que vou arriscar. Já agora, se tiverem receitas de saladas assim daquelas mesmo boas não as querem partilhar? Dava-me um jeitaço!


Post escrito em parceria com a Bonduelle

Diz que está na moda #12

28.7.14
Chegaram de mansinho, assim como quem não quer a coisa, e de repente estão em todo o lado. Eles já vinham a ameaçar que se iam instalar em força, mas parece que desta é que é. Os bucket bags estão em toooooodas as colecções, em toooooodas as marcas, em tooooodos os materiais, em tooooodas as cores. Ora espreitem lá.











Dia da Amizade. Sim, também já há um Dia da Amizade

28.7.14
Não sou uma pessoa de muitas amizades. Nunca fui. Se tiver assim uma mão cheia daqueles amigos que sei que são para a vida é capaz de ser muito. Depois, claro, tenho muita gente de quem gosto, com quem gosto de estar, com quem passo óptimos momentos, mas amigos íntimos são poucos. Ainda assim, vou sempre conseguindo espaço para encaixar mais uma ou outra pessoa na minha vida, e tenho tido boas surpresas. Os amigos são a família que escolhemos e fazem com que tudo valha muito a pena. Consigo lembrar-me de tantos e tão bons momentos passados com amigos, de tantas gargalhadas, de tantas conversas, de tantas partilhas. Também já deixei de ser amiga de algumas pessoas. Porque deixaram de me interessar, porque me aprontaram alguma, porque deixei de me identificar, porque me falharam repetidamente e às tantas uma pessoa cansa-se de dar tantas abébias. Enfim, felizmente são mais os amigos que conservo do que aqueles de quem me vou afastando. Dia 30 de Julho, é Dia da Amizade. Nunca tinha ouvido falar deste dia, mas acredito que já exista há um par de anos. Não costumo estar muito atenta a estas efemérides. Lembrar-me do Dia do Pai e do Dia da Mãe já é uma sorte. Claro que não é preciso haver um dia no calendário que nos relembre os amigos, mas até faz algum sentido. Se há dias para tudo (e tão parvos), porque não para uma coisa tão importante como a amizade? Pela parte que me toca, vou tentando regar as amizades, para que cresçam. Não sou a pessoa mais fofinha, não sou de beijos e abraços, não sou de declarações encaloradas, mas acho (acho) que os meus amigos sabem que podem contar comigo. E que não lhes falto nos momentos importantes. Nem nos outros. Desafiem-me para jantaradas, para passeios e para festarolas, e lá estarei. Também gosto de dar presentes, só porque sim. Se vejo alguma coisa que acho que uma amiga vai gostar, compro (se puder). Não espero pelos anos, pelo Natal. Gosto de ver as pessoas felizes e muitas vezes nem é preciso muito.
Se têm uma amiga que gostavam de presentear no Dia da Amizade, saibam que O Boticário - marca que também preza os mimos e trata os clientes como amigos - vai oferecer um hidratante de corpo de 100ml  da linha Nativa Spa em qualquer compra, nos dias 29 e 30 de Julho. Qualquer compra? Como assim? Não importa o valor? Nop! Só têm de ter mais de 16 anos, apresentar o vosso BI, fazer uma compra e recebem o vosso creme (uma oferta por pessoa limitada ao stock existente). Ainda por cima estamos em plena época de promoções de Verão (com descontos até 70%), por isso não vai ser nada complicado encontrarem um presente que seja a cara da vossa amiga (e da vossa carteira). Deixo-vos algumas das muitas sugestões que poderão encontrar em qualquer loja O Boticário. Um presente para a/o amiga/o, um creme para vocês. Ou tudo para vocês que, assim como assim, somos sempre os nossos melhores amigos.







Post escrito em parceria com O Boticário

Cenas da praia #1

27.7.14
- Duas irmãs a discutirem sobre quem é que vai espremer os pontos negros das costas da mãe (eu estava lá e vi);
- Grupos de adolescentes com o rádio ligado aos altos berros, como se alguém quisesse ouvir a música manhosa que ouvem;
- A senhora que conta que vieram para o Algarve "sempre a 220, 240". Aparentemente, o problema é em nome de quem é que fica a multa caso o marido (reincidente) seja apanhado. Nada de novo, também já foi apanhado com excesso de álcool. Um orgulho.
- O amigo da senhora acima, que diz cumprir todos os limites "para só apanhar multas graves... Muito graves é que não" (juro que tenho medo de viver neste país);
- A velhota que se massaja com algas "porque têm muito iodo";
- O pai que, de forma muito discreta, grita ao filho que atire um balde de água às duas miúdas que passam em biquini. "VAI, GUGAS, ATIRA AGORA A ESSAS". É uma técnica de engate infalível e mundialmente reconhecida;
- O grupo de homens que se vai sentar à beira da água para ver as duas espanholas em topless. Uma é feia, a outra é gorda. Têm as mamas de fora, é  tudo o que lhes interessa;
- A avó que corre atrás do neto e lhe grita "se te perdes dou cabo de ti!";

Adoro observar pessoas.

AddThis