Vai dar (quase) ao mesmo #46

30.8.14

Passatempo Pump.it: o resultado

30.8.14

Eu sei que estavam aí em pulgas, mas calma, muita calma que já tenho os nomes dos vencedores do passatempo Pump.it. E foram eles:

- Joana Sofia Moreira, Santa Maria da Feira
- Daniela Costa, Lisboa
- Teresa Monteiro, Montijo
- Mário Mexia, Elvas
- Francisca Cardoso, Aveiro

Parabéns aos vencedores, que serão contactados por e-mail, e obrigada a todos os participantes.



O efeito cheerleader ou a falta de critério masculina

29.8.14
Quando estivemos no Epic Sana Algarve, em Julho, chegou um grupo enorme de mulheres estrangeiras que estavam num qualquer encontro de empresa. Eram dúzias, barulhentas e ocupavam as espreguiçadeiras todas. Para o meu homem aquilo foi uma alegria, um monte de mulherio em biquíni, que loucura. Para aí à 14ª vez que ele repetiu "eh pá, tanta gaja boa", dediquei-me a olhar para elas com mais atenção e... não havia uma que uma pessoa pudesse dizer "sim senhora, aqui está um exemplar de babar". Havia uma outra engraçada, claro, mas nenhuma efectivamente muito gira e/ou muito boa. Quando lhe pedi que me indicasse quais é que eram giras, só me apresentou tiros ao lado. Se há pessoa capaz de reconhecer e apreciar uma mulher de jeito sou eu, mas ele só me apontava exemplares medianos. Giritas, mas longe, uiiiii, tão longe, de serem as bombas que ele acreditava serem. E ainda se punha a insistir: "aquela não? A sério que não achas aquela gira?". O que, claro, veio confirmar a teoria que defendo há uma vida: um homem vê um grupo de mulheres e sente-se um muçulmano que chegou ao paraíso e tem 72 virgens à espera. O homem só vê o conjunto, não consegue ver os diversos elementos de forma isolada. São gajas, são muitas, logo são todas, mas TODAS, giras e boas. Então se estiverem de mini-saia ou biquíni ascendem imediatamente à categoria de Miss Mundo. 
Aparentemente, a minha teoria também foi defendida pelo Barney, do "How I Met Your Mother", só que ele chama-lhe "efeito cheerleader". Diz o Barney

Novidades tãaaaaaaao boas a caminho

29.8.14

O Zenit vem à Luz

28.8.14

Novidades fresquinhas #17

28.8.14
Querido Papai Noel:
Eu sei que é cedo. Estamos em Agosto, ainda temos umas quantas semanas de Verão pela frente e até parece que vêm aí dias de calor. Uuhhhhh, loucura. Mas eu sei como estas coisas são. Sei que tens muito que fazer, sei que ainda tens pedidos pendentes de outros anos (pelo menos meus tens, tenho a certeza), por isso acho que não se perde nada se eu tentar meter já a minha cunhazita, a ver se me safo. Como sabes tenho andado a correr. Estou até a preparar (mal e porcamente) a Meia-Maratona, mas às vezes falha-me a motivação. E sabes porquê? Porque não tenho roupa gira que chegue. Como é que queres que uma pessoa saia de casa de cara alegre sabendo que vai usar os mesmos calções e os mesmos tops desportivos que já usou 230 vezes? Não há alegria possível. Assim sendo, era capaz de não ser má ideia se me presenteasses com uns conjuntinhos da nova colecção da Adidas myGirls Running. Deixo completamente ao teu critério, escolhe à vontade que eu gosto de todos. E como sei que Dezembro é um mês cheio e uma pessoa perde uma vida nos correios, podes tratar já do envio e fica o assunto arrumado. Ah, e tal, mas quebra-se o efeito surpresa. Caga nisso, Pai Natal, eu não ligo a essas coisas. Manda entregar as coisinhas e amigos para sempre!














Emmys 2014: vestidos "tentamos de novo para o ano, está bom?"

27.8.14
Lena Dunham em Giambattista Valli. Está apostadíssima em ser a nova Helena Bohnam Carter e eu acho que está no bom caminho. Vejo esta confusão de vestido e só me consigo lembrar daquelas miúdas que andam vestidas de princesas em casa, por cima da roupa de todos os dias. O louro também não era preciso.

Coisas que me mexem com o sistema nervoso

26.8.14
O homem NUNCA saber onde é que está o que quer que seja. Quando digo nunca é mesmo nunca, quando digo o que quer que seja é mesmo o que quer que seja. A nossa vida diária é isto, ele a não fazer ideia de onde estão as coisas, a não querer dar-se ao trabalho de procurar e a perguntar-me. Tipo:

- Por acaso não viste os meus calções de corrida pretos? (eerrrr... não, não vi, nem sequer sei quais são, o homem tem para aí 34 calções de corrida pretos)
- Foste tu que guardaste a minha carteira?
- Foste tu que guardaste as minhas chaves?
- Foste tu que guardaste o meu relógio? 
- Foste tu que guardaste os meus óculos de sol (quando ele não sabe das coisas pergunta sempre se fui eu que guardei. Quando sou eu a perguntar-lhe se tem alguma coisa, tipo a chave do carro, diz sempre que não, obriga-me a revirar a mala toda, e só quando eu digo que não tenho MESMO é que lá se lembra de ir aos bolsos e, milagre, afinal tinha a chave);
- Sabes daquela minha pecinha da mochila de trail que serve para blá-blá-blá (explicação técnica demorada sobre uma coisa que eu nem sabia que existia);
- Viste o carrinho do Mateus? (sim, ele já me perguntou isto. Porque o carrinho é uma coisa pequena e discreta, e porque nós vivemos numa mansão campestre de sete pisos onde é IM-PO-SSÍ-VEL encontrar o carrinho do miúdo, há I-MEN-SOS  sítios onde pode estar);
- Onde é que estão as fraldas do Mateus? (será, só assim por acaso, que estão no MESMO sítio onde sempre estiveram desde que ele nasceu? Será?);

Há sete minutos foi ver o Mateus, que estava a chorar na cama, e gritou-me "SABES DO BIBERÃO?". Disse-lhe que estava na cama, que tinha deixado o Mateus a brincar com ele. Uma cama de bebé, que tem para aí um metro de comprimento por uns 0,70 de largura. Pergunta: "mas está mais para cima ou mais para baixo?". WTF?????? Sei lá eu, homem de Deus! Respondi-lhe que devia estar mais ou menos a meio mas uns 7 centímetros mais para baixo, coisa que eu sei que o irrita, mas a mim também me enervam perguntas destas.

E depois vem a desculpa. "Ah, e tal, eu só pergunto porque tu podes saber e assim eu escuso de perder tempo a procurar". Coisa que raramente acontece porque, invariavelmente, acabo a ter de parar o que estou a fazer só para ir procurar seja o que for. Ah, porque depois também acontece muito o fenómeno de eu lhe dizer onde estão as coisas, ele dizer "não  está aqui nada", e depois vou lá eu e, com os meus super poderes, encontro em três segundos. 

Podem ir já tratando dos papelinhos para a minha canonização, que se há pessoa que merece sou eu.

Emmys 2014: os vestidos "ok ,engraçaditas, mas também não vale a pena embandeirar em arco"

26.8.14
Allison Janney. O vestido até não é mau, mas o tecido... veludo? Quer dizer, veludo? Ficámos em 1976? A sandália "vou de saltos baixos para não me doerem os joanetes" também não ajuda.

Queriam vestidinhos dos Emmys, não queriam?

26.8.14
Eu sei que queriam, suas grandes folionas. Mails e mais mails a pedir "vá-lá-Pipoca-comenta-lá-os-vestidos-dos-Emmys-pleaaaaaaaaase". E eu faço-vos a vontade. Quando é que não faço? Fazem esses olhinhos de Bambi e não há coração empedernido que resita. Pois bem, tenho a dizer que esta edição foi particularmente interessante no que toca a trapos. Houve cor, houve estrutura, houve muita coisa gira e nada monótona (para o bom e para o mau). Tenho para mim que o designer da noite foi o Christian Siriano (lembram-se dele do Project Runway?) que parece ter vestido (e bem) metade de Hollywood. Comecemos, então, pelos meus preferidos. Sim, suas mentes viperinas, eu também digo bem. Algumas vezes. Poucas.

Sarah Hyland, em Siriano, pois claro. O que esta miúda cresceu, está a ficar uma mulheraça. Gosto do vestido e gosto muito, muito do cabelo. É só isto, simplicidade, não se pede mais.

AddThis