Pub SAPO pushdown

Closet meu, closet meu #3

quinta-feira, fevereiro 21, 2019
E eis-nos chegados ao terceiro episódio da saga "Closet meu, closet meu". Yeaaaaaaah! Depois de vos ter falado de tuuuudo o que queria para o meu closet e de vos ter mostrado a minha incursão à IKEA, hoje é dia de vos mostrar como é que correram as montagens. Spoiler alert: correram lindamente! Porquê? Porque não fui eu a tratar do assunto, caso contrário a esta hora ainda andaria aqui às voltas com livros de instruções, parafusos, etc e tal. Esqueçam, não sou dada a estas coisas. Felizmente, a IKEA mandou uma equipa que percebe do assunto e que deixo tudo impecável. É ver o vídeo.

Post em parceria com a IKEA

Sete dicas para mariekondar a casa

quinta-feira, fevereiro 21, 2019


Ah, as mudanças. Já não falava disto há algum tempo, não é verdade? Estava a tentar ao máximo esquecer-me dos dias traumáticos que passei entre os guinchos de um bebé, caixotes espalhados por todo o lado, pó, carrinhas e pessoas a carregarem com móveis. Deixem-me da mão e não me venham cá dizer que estou sempre a reclamar, que só eu sei o trauma com que fiquei. É de tal maneira que me parece que nos próximos 40 anos não há mudanças para ninguém. 

Traumas à parte, há uma coisa boa em mudar para uma nova casa. É um espaço novo, cheio de potencial para fazer coisas espetaculares que, na casa antiga, andávamos sempre a adiar porque “para que é que vou pintar esta parede de cor de rosa salmão se daqui a dois meses me vou embora?”, e outras desculpas que tais. Já a casa nova é uma espécie de tábua rasa onde podemos começar tudo do zero.

Também é certo que passei de um t-bués para um T4 modesto e não aproveitar coisas da casa antiga era um completo absurdo. Trouxemos muita coisa a que estamos a dar uso aqui em casa, mas também há muita tralha que ainda está para ali metida em sacos e saquinhos e a que não sabemos bem o que fazer nem que uso lhe dar. Acho que estou só à espera que se evapore.

Numa altura em que só se fala na (sonsa da) Marie Kondo e na sua espetacular (e irritante, vá) capacidade de transformar armazéns assustadores em casas dignas de aparecer numa daquelas revistas de decoração, reuni algumas dicas que me ajudaram neste processo de mudança e que também vos podem ajudar caso estejam a passar pelo mesmo e estejam prestes a sofrer um AVC só de pensar na quantidade de caixas e merdas que têm por arrumar. No fundo, são sete dicas para "mariekondarem" a vossa casa, que é um verbo que não existe mas que vale a pena criar:

Experimentei onze produtos de beleza coreanos (e sobrevivi)

quarta-feira, fevereiro 20, 2019


As asiáticas em geral e as coreanas em particular são completamente maluquinhas pelos cuidados de rosto. Deve haver pouca gente no mundo que dê tanta atenção à pele, assim quase ao nível da obsessão. E eu não sei se elas são pessoas muito organizadas a nível de tempo ou se, simplesmente, não têm mais nada para fazer. Porquê? Porque o ritual de beleza coreano implica, diariamente, a aplicação de oito a dez produtos. Sim, boas almas, leram bem. As coreanas acordam e espetam logo com oito a dez produtos na cara (fora a maquilhagem). Ora eu para pôr um hidratante já é um castigo, quanto mais estar ali todas as manhãs a fazer os Jogos Sem Fronteiras do Produtame de Beleza. Deve ser por isso que elas têm aquela pele irrepreensível e imaculada e a minha parece que derreteu ao sol. Cada um tem o que merece.

Ora bem, os dez passos da rotina de beleza coreana incluem coisas tão variadas e bonitas como lavar o rosto com água, aplicar um tónico (para ajudar a equilibrar o Ph da pele e ajudar a absorver os 456 produtos que se seguem), ampolas de ingredientes activos, sérum, creme de olhos, hidratante, protector solar e sei lá mais o quê. Ah, e pelo meio ainda vão inventando outras coisas para se entreterem durante a semana, tipo esfoliações ou máscaras. Pronto, entretanto já ha uma nova corrente que se começa a instalar e que diz que, em calhando, não é preciso isso tudo, todos os dias, por isso estão a reduzir a coisa a cinco passos: lavar com água, tónico, sérum, creme de olhos e hidratante com protecção solar. Muito melhor.

Vai daí, o que é que decidi fazer? Então, experimentei uma data de produtos de beleza coreanos ao longo de uma semana. Ele foi máscaras, ele foi cremes, ele foi águas minerais, ele foi hidratantes de lábios, ele foi tudo o que apanhei à mão. Há uns tempos a Sephora tinha-me enviado um caixinha com produtos de várias marcas coreanas e eu decidi experimentá-los. Para começo de conversa, é preciso dizer que os sacanas dos coreanos sabem como tocar o coração de uma mulher, porque são os reis das embalagens fofinhas. A sério, é tudo querido e amoroso, deve ser fácil entrar numa loja coreana a perder a cabeça. Aquilo é o reino da fofinhice. Mas depois vem a parte importante: os produtos funcionam? São bons? Pois, pois, pois… Ora então vamos lá ao que usei e que recomendo:

1) Dermaclear MIcro Water, da Dr.Jart +
Basicamente é uma água para limpeza do rosto que não só remove as impurezas da pele como deixa o rosto mais brilhante, dá uma textura mais uniforme, ajuda nos poros, etc e tal. Eu não sei se faz isso tudo, mas como desmaquilhante é mesmo boa, limpa tudo. Sou muito fiel à água micelar da Bioderma, mas esta veio agora meter-se na nossa relação. Maldita. Mas pronto, recomendo.

Alergias: elas existem e são para levar a sério

segunda-feira, fevereiro 18, 2019



Sabem aquele colega de escola que diziam que era fraquito porque começava a espirrar assim que se chegava ao pé do apagador de giz ou aquela amiga que só de ver camarão começa a ficar toda vermelha? Ou o meu homem, que assim que chega a Primavera parece um gato a cuspir bolas de pêlo? Muito provavelmente essas pessoas sofrem de uma qualquer alergia que, infelizmente, não tem cura e as vai acompanhar para o resto da vida. Graças a todos os santos, não sou pessoa que sofra com narizes a pingar com pólens nem fico a parecer um tomate inchado de cada vez que avisto uma travessa de marisco, mas sei que há quem sofra bastante diariamente à custa deste problema. 

A maioria das pessoas ainda olha para a palavra “alergia” como se

Cinco hotéis para passar férias com os putos (sim, às vezes tem de ser)

sexta-feira, fevereiro 15, 2019

Depois de anos a tornar as férias dos meus pais num verdadeiro pesadelo, com os infinitos “já chegámos? Já chegámos? Já chegámos?”, qual burro do Shrek a caminho de Bué Bué Longe, vai que o feitiço se virou contra o feiticeiro e agora tenho uma família e putos com quem passar férias. Sim, eu sei que muitos de vocês acham que férias só fazem sentido em família, que com os miúdos é sempre tudo mais bonito, mesmo que voltem de rastos e a precisar de mais um mês sem fazer nenhum, para descansar das "férias". Pela parte que me toca, gosto dos dois modelos. Com eles e sem eles. Percebo o encanto das duas modalidades e acho que ambas fazem falta a toda a gente.

Quando vamos com eles, procuramos levá-los para sítios onde eles se sintam confortáveis e onde não tenhamos de estar a mandá-los calar a cada três segundos. Não achamos que por serem crianças podem fazer o que quiserem, onde quiserem. Claro que não conseguimos controlá-los o tempo inteiro, mas é também por isso que é importante escolher sítios children friendly. Hoje em dia, os hotéis e alojamentos estão cada vez mais preparados para receber famílias, das mais pequenas às mais numerosas, e há cada vez mais sítios que têm Kids Clubs (oh yeaaaaahhhh!) para os putos ficarem entretidos durante umas boas horas enquanto os pais lontram à beira da piscina. 

Como não quero que vos falte nada, e porque as mini-férias de Carnaval estão aí à porta, deixo aqui cinco sugestões de hotéis para passarem férias com os putos sem voltarem a casa com vontade de fugir para uma ilha deserta. Ora tomem nota:


Vila Galé Sintra (Várzea de Sintra)

Já estive algumas vezes no Vila Galé Sintra, um dos hotéis mais recentes do Grupo Vila Galé, e tenho-vos a dizer que é assim uma pequena maravilha para quem quer ir de férias com os putos. O hotel é todo virado para o conceito de saúde e, apesar de a comida ser toda saudável, há tantas coisas que é fácil arranjar qualquer coisa que não faça os putos esquisitinhos torcerem o nariz. Tem quatro piscinas (duas exteriores, uma interior que faz parte do spa e outra que fica metade no interior e metade no exterior e que tem um escorrega gigante para os miúdos),  tem um carrossel que deixa os putos a delirar, tem uma zona de insufláveis, e tem ainda um Kids Club onde podem deixar os miúdos a brincar durante algumas horas com os monitores que estão todos os dias no hotel. Quando lá estivemos na última vez era um castigo diário para arrancar o Mateus do clubinho. Várias vezes ficou chateado connosco quando fomos jantar fora e não regressou a tempo de fazer as actividades da noite. Pequena diva.

Uma noite custa a partir de 159,60€ para uma suite com quarto de casal e sofá cama.

E se de repente uma desconhecida (eu) oferecesse cabelo aos vossos homens? Isso era... MediCapilar!

quinta-feira, fevereiro 14, 2019

Minhas boas amigas (e amigos, que isto é um blog inclusivo): sabem aquela frase que diz que é dos carecas que elas gostam mais? Pois, é mentira. Façam-se as sondagens que quiserem, que eu ponho dinheiro em como os cabeludos ganham. E  desconfio MUITO que a frase foi inventada:
a) por um homem careca;
b) por um homem que sabe que caminha a passos largos para a calvície e tem de começar já a preparar terreno;
Posto isto, não vamos em cantigas. Poderá haver um caso ou outro, uma coisa assim muito remota, de um homem que, efectivamente, fica melhor sem cabelo do que com. E sei que não faltarão mulheres a vir dizer "o meu homem é careca e não o trocava por mais nenhum". Certo, acho ternurento. Mas se ele, de repente, se apresentasse com cabelo, de certeza que também não o punham a andar. E, provavelmente, ainda ficavam a gostar um bocadinho mais.

Mas bom, deixando de lado o que as mulheres gostam mais ou gostam menos, o que é certo é que a calvície é um dos problemas que mais afecta a auto-estima masculina. Porque está quase sempre associada ao envelhecimento e porque, tal como nas mulheres, é um ponto sensível. Se nós já não amamos quando temos aqueles períodos de maior queda de cabelo, imaginem eles, que vêem o cabelo ir embora para não mais voltar e abrindo espaços cada vez maior para a careca até então escondida. Há quem tenha fartas cabeleiras até ao final da vida, mas também há homens que começam a perder cabelo muito precocemente. Entram então em jogo os comprimidos, os champôs e alguns tratamentos anti-queda que, muitas vezes, não têm grande sucesso, até porque a calvície é um processo irreversível. O cabelo vai ficando cada vez mais fraco até que deixa de crescer, paz à sua alma.

O único processo que realmente funciona é o transplante capilar, que vai começando a ter cada vez mais sucesso. Ainda assim, há homens que têm alguma relutância (como é que funciona? E vai doer? E vou mesmo voltar a ter cabelo? Para sempre?) e outros que precisam de um incentivo das mulheres (no fundo, no fundo, somos nós as grandes decisoras de tudo o que se passa na vida deles, ah ah ah!). Pois muito bem, mulheres deste meu blog, se têm aí por casa um homem que acham que está a precisar de renovar a sua densidade capilar, vão gostar de saber que, em parceria com a MediCapilar, tenho um transplante para oferecer. Claro que vocês gostam do vosso homem tal como ele é, ninguém duvida disso, mas se ele puder melhorar e, com isso, aumentar a sua auto-estima, não vem daí mal ao mundo.

O transplante - que tem um valor médio de sete mil euros - não se aplica só a homens que tenham pouco cabelo, já de uma forma visível, também pode ser feito a título preventivo e para evitar males maiores. O meu homem insere-se nesta última categoria. Por mim estava óptimo, mas ele lá andava a sentir que já começava a ter algumas falhas em algumas zonas, por isso preferiu tratar já do assunto. E, efectivamente, agora que o cabelo começa a crescer, nota-se que já tem muito mais. E está feliz da vida por ter feito o transplante (depois ele há-de escrever mais sobre o assunto lá no estaminé dele), anda a tentar evangelizar todos os nossos amigos. Eu vou mais longe e, neste Dia dos Namorados, dou-vos a oportunidade de oferecerem um transplante ao vosso mais-que-tudo.

O que é que têm de fazer? Simples, simples. Só têm de ir até aqui e preencher este formulário com os dados do vosso homem. Depois, alguém irá entrar em contacto com ele para agendar uma avaliação gratuita. A avaliação é muito importante para se perceber se há uma efectiva necessidade de transplante e se o vosso namorado/marido/amante/caso/amigo colorido está apto a fazer um transplante. De entre todos os homens que forem à consulta será sorteado o grande vencedor, dia 25 de Fevereiro. É uma oportunidade mesmo muito boa que podem estar a proporcionar aos vossos homens, por isso não deixem de participar.


Dia dos Namorados para quem não tem namorado. Coragem!

quinta-feira, fevereiro 14, 2019
Eu sei. Já estive desse lado e sei que este dia é uma real merda para quem não tem namorado. São as lojas cheias de coisas cutxi-fofas, são as marcas a entupirem-nos o telemóvel com mensagens para não nos esquecermos de comprar um presente para a nossa cara-metade, são os restaurantes entupidos com casais lamechas que pagam o dobro do que pagariam pelo mesmíssimo jantar em qualquer outro dia, são as reportagens no telejornal a acompanhar como se vive o Dia dos Namorados em Albufeira, Odivelas e Fafe... ahhhhhh. É duro. Eu sei que é duro. Ainda para mais se estão para aí de coração partido ou a suspirar por quem não vos merece. Felizmente, este dia já vai sendo aproveitado também por solteiros que decidem celebrar as vantagens de uma vida sem par. Que também as há, que isto de estar numa relação está longe de ser tudo um mar de rosas. Posto isto, minha gente, juntem as vossas amigas solteiras, vão jantar, façam uma troca de prenda entre vocês e partam para a vadiagem. E não se esqueçam: isto é só um dia para esfregarmos nas redes sociais que temos relações incríveis. Amanhã já volto tudo ao normal.

Diz que está na moda #73: chunky sneakers

quinta-feira, fevereiro 14, 2019

Já vos falei aqui várias vezes do meu odiozinho de estimação pela calçada portuguesa. Já tinham saudades, não era? Hoje venho destilar o meu ódio mas com uma solução para quem tem de deixar o salto alto a um canto e não sabe o que usar com aquela saia ou aquele macacão que comprou nos saldos: os chunky sneakers. 


Estes ténis são aquele tipo de calçado que ou morrem de amores por eles ou cada vez que pensam naquelas solas gigantescas sentem uma dorzita inexplicável ali para os lados do fígado. Quer se adoro ou se odeie, a verdade é que não há marca que não tenha a sua versão de chunky sneakers, desde as fast-fashion às grandes casas como a Balenciaga ou Vuitton. Vai daí que vos deixo alguns modelitos para se inspirarem para as próximas compras. 

Pela parte que me toca, aqui confesso a minha dependência crescente por ténis. Não me lembro da última vez que comprei um par de sapatos de salto, mas lembro-me demasiado bem da última vez que comprei uns ténis (ou cinco). Ao ponto de ter imposto a mim mesma a máxima de "não enfiarás o nariz em sites de ténis até ao final de 2019", porque tem sido mesmo uma desgraça. Claro que, em minha defesa, uso argumentos como "mas são tão confortáveis", "mas tenho que empurrar um carrinho de bebé pela cidade", ou "mas ficam bem com quase todo o estilo de roupa", mas tenho mesmo de me acalmar.

Enfim, aqui ficam alguns modelos que andam por aí e alguns looks de inspiração.


Cinco dicas para não desistirem do ginásio. Muita força!

quarta-feira, fevereiro 13, 2019



Ahhhhh, o começo de um novo ano, aquela altura tão bonita em que prometemos novos hábitos, novas rotinas, novos cuidados e outras mentiras coisas que tais. Sucede que a pessoa já vai padecendo de um pequeno toque de velhice, não é verdade?, e a vontade de começar assim a fazer mudanças de vida à maluca fica para vocês, pessoas novas, que têm jovialidade, energia e todas essas coisas. A prova disto é que estamos praticamente a meio de Fevereiro e ainda não dei um ar da minha graça no ginásio.

No início de 2018 prometi a mim mesma que ia deixar de ser uma marmota e começar a mexer mais o rabo. Isso implicava, óbvio, voltar ao ginásio e aos treinos, coisa que tinha abandonado, sei lá, em 1932. Acontece que alguém — vulgo dona Beni — resolveu trocar-me as voltas. Engravidei e, apesar de poder realmente voltar a treinar (e de sempre ter dito que o faria numa segunda gravidez) optei por não o fazer. Primeiro por lontrice assumida, depois porque estava a tentar ter todos os cuidados possíveis para que a criança se aguentasse lá por dentro o máximo possível.

Posto isto, chegado o novo ano está na hora, meus amigos e minhas amigas, de me

ALERTAAAAA: dois dias para o Dia dos Namorados!

terça-feira, fevereiro 12, 2019
Riquezas da minha vida, meus bombons de praliné: nada de pressões, mas faltam dois dias para o Dia dos Namorados. Se estão no início da relação e ainda são tudo borboletas - e outras bichezas - no estômago, presumo que ainda estão muito virados para a comemoração do dia com tudo a que têm direito. Ou se não perdem uma oportunidade para cobrar um presente à/ao vossa/o mais que tudo. Ou se aprontaram e precisam de se desculpar. Ou se, simplesmente, gostam de assinalar de data. Seja lá qual for o vosso caso, reuni algumas ideias para que não se apresentem de mãos a abanar no dia mais cutxi-gosmento do ano, para a menina e para o menino. Aqui vão elas:

AddThis