Pub SAPO pushdown

Stelatopia: cuidados especiais para peles especiais

quinta-feira, março 02, 2017










O Mateus tinha menos de um ano quando lhe foi diagnosticada pele atópica. Não fui propriamente apanhada de surpresa. O miúdo coçava-se até não poder mais, era ver-se com um bocado de pele à vista e começava a coceira desenfreada, até ficar todo vermelho, arranhado e com a pele super irritada. Um flagelo, mas um flagelo controlado. 

Para aqueles cujos termos "dermite atópica" ou "eczema atópico" possam soar estranhos, deixem-me que vos diga que a coisa é muito mais familiar do que aquilo que possam pensar.  Isto porque este problema cutâneo, que pode surgir logo a partir dos dois meses de idade, afecta uma em cada cinco crianças. Os sintomas são fáceis de identificar: secura extrema da pele do corpo e do rosto, com oscilação de fases. Os períodos de crise extrema do eczema podem ser mais ou menos frequentes e manifestam-se com o aparecimento de manchas avermelhadas localizadas, que alternam com períodos de remissão (em que os sintomas podem praticamente desaparecer). Geralmente, e tal como no caso do Mateus, a pele fica muito seca, áspera e causa imensa comichão que, algumas vezes, se torna mesmo muito incómoda.

Na altura o pediatra disse-nos que
existiam dois cenários: ou os sintomas desapareciam por completo (na maioria dos casos tendem a desaparecer por completo por volta dos cinco ou seis anos), ou então menos comum, podem manter-se ou mesmo agravarem-se. Tivemos sorte, desapareceram. Ainda assim, e na fase em que o problema foi diagnosticado, a primeira linha específica que comprámos para o Mateus foi a Stelatopia, da Mustela, sobre a qual vos falei aqui, assim um bocadinho por alto.

A dermite atópica é um problema de pele hereditário, por isso convém estar atento aos antecedentes familiares. No caso do Mateus, apenas o pai tem historial de atopia e problemas respiratórios, nomeadamente asma e outras alergias, como rinite, o que é meio caminho andado para uma pele atópica. Poderia não ser suficiente mas, pelos vistos, foi. Quando os dois pais são atópicos existe entre 50 a 80% de hipóteses de a criança também vir a ser, e está comprovado que a utilização, desde o nascimento, de uma gama especificamente formulada para bebés e crianças atópicos, como Stelatopia é uma mais-valia. Não aplicámos produtos adaptados desde o nascimento no entanto mal começamos a usar Stelatopia notámos melhorias muito rapidamente, talvez por a dermite atópica do Mateus não ser das mais graves. 

 A linha Stelatopia da Mustela  é composta por quatro produtos: um creme lavante, um óleo de banho, um creme emoliente de textura mais fluida e um bálsamo emoliente de textura mais rica e untuosa. Na sua composição (que dá prioridade a ingredientes de origem natural), têm dois activos naturais patenteados. Em primeiro lugar, o Óleo Destilado de Girassol que, além de uma ação calmante, diminui a comichão e estimula a produção dos lípidos-chave da pele que estão em défice. Em segundo, e não menos importante, a Perséose de Abacate, um activo de origem natural que reforça a barreira cutânea e protege as células estaminais, principalmente vulneráveis nas peles atópicas. Esta gama - que hidrata, relipida e acalma - foi clinicamente testada e revelou 95% de satisfação anti-prurido.

Deixo-vos um vídeo que me ajudou a conhecer melhor a Dermatite Atópica a gama Stelatopia:



Além da utilização de produtos específicos, há outros cuidados a ter com peles de tendência atópica:
- Preferir roupas 100% algodão (incluindo a roupa de cama);
- Manter a temperatura de casa entre os 19 e os 20 graus;
- Arejar os quartos, aspirar a casa regularmente e lavar os cobertores e todos os objectos e brinquedos que acumulem muito pó;
- Retirar as etiquetas da roupa da criança;
- Não vestir demasiada roupa;
- Após a lavagem, enxaguar bem a roupa para retirar os resíduos dos detergentes e utilizar, preferencialmente, detergentes para peles sensíveis;

Consultem aqui mais conselhos e informações sobre peles atópicas passem em www.mustela.pt Mais conselhos e informações sobre peles atómicas.

Aaaah, e fiquem atentos, que muito brevemente haverá ÓPTIMAS notícias Mustela por aqui. =)

Post em parceria com a Mustela

12 comentários:

  1. Tenho uma menina que vai fazer 2 anos e desde bebé que também temos esta "luta", já usámos vários cremes de várias marcas, aliás quando a pele dela se começa a habituar a uma temos de mudar para outra marca mas sempre cremes específicos para pela atópica. Por acaso da marca Mustela ainda não usei até porque é uma marca que me lembra produtos muito cheirosos sim, mas pouco adequados para peles atópicas. Pelos vistos esta linha é a indicada, tenho de experimentar. Obrigada pela dica ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá.
      Já experimentou estar 2/3 dias sem dar banho à sua menina? Certos tipos de pele necessitam de regenerar a camada de sebo natural da pele entre as lavagens. Em peles normais isso acontece em espaço de horas; nas peles atópicas essa regeneração pode demorar 2 ou 3 dias. E não existe creme capaz de fazer essa regeneração. _ dina ;)

      Eliminar
  2. A Laura viu o diagnóstico de pele atópica com 3 meses (a pele dela parecia folha de lixa... Foi um desespero...). Usa outra marca. Passámos por quase tudo o que havia no mercado, até descobrirmos aquela gama, mas nunca tentámos a Stelatopia.
    Aos 2 anos, as bronquilites seguidas valeram uma semana internada no hospital, de onde já veio com a asma diagnosticada...
    Estou crente que esteja a aliviar, já não temos crise há um ano!!!
    É um desespero ver os nossos filhos sem conseguirem respirar em condições, parece que nos falta o ar a nós também...

    ResponderEliminar
  3. Na verdade, a dermatite atópica tem 3 evoluções possíveis: pode desaparecer ainda na infância e nunca mais voltar, pode nunca desaparecer e pode ainda desaparecer na infância e reaparecer na idade adulta (1% de todos os casos de eczema atópico). Eu infelizmente incluo-me neste último grupo :(

    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente também me incluo nesse grupo :(
      Desapareceu depois de criança, e voltou a aparecer aos 25 anos :/

      Eliminar
  4. Bom dia.
    Eu tenho 26 anos, tive pele atópica em bebe, que entretanto desapareceu, e voltou o ano passado.
    Voltou no pior dos piores, e ainda não consegui identificar como ou porquê se dão as crises.
    Tenho que ter cuidados redobrados com a minha pele, só posso usar um gel de banho de aveia, bem como o creme. Banhos têm que ser muito rápidos e com água morna. Piscinas e spas, e qualquer coisa que envolva ficar muito tempo dentro de agua (que faz a pele secar), é para esquecer.
    Mas mesmo assim, passo semanas bem, com todos os cuidados, e depois, de um momento para o outro, e sem nada que o faça prever, fico com crises, com manchas e comichões por todo o lado.

    Agora que isso acontece, ponho sempre as pomadas receitadas pelo médico, e nem deixo alastrar muito.

    Nem imagino o que deve ser para as crianças, que têm uma tolerância muito menor que nós.
    A verdade é que quando isto me apareceu, tentei pesquisar e não encontrei muita informação, pois muitas pessoas acham que isto acontece só às crianças.
    Como a pipoca diz e muito bem, pode desaparecer com a idade, mas pode também não desaparecer :/

    ResponderEliminar
  5. Era muito bom haver um passatempo com esta gama. Como todas as pessoas que lidam com este problema sabem, é desesperante comprar cremes às cegas, sem saber se vamos gastar dinheiro e vai ser o creme certo ou se vamos usar duas vezes e concluir que a pele reage mal e ficar com o resto do frasco por usar. Sim, já me aconteceu.... Esta gama nunca usei, cá em casa tem resultado muito bem a Mixa

    ResponderEliminar
  6. é só a mim que o creme hidratante Stelatopia cheira a fritos? Não gostei mesmo nada, cheiro horrível e pouca eficácia na pele da minha filha (poderá ser eficaz noutras peles). Já experimentei imensos cremes para peles atópicas e até agora o que mais gosto é da marca La Roche Posay. Também gosto da linha Exomega da Aderma. Mas como disse a Vera Libanio no 1º comentário, evito comprar a mesma marca muito tempo seguido porque a pele habitua-se.

    ResponderEliminar
  7. Não mata mas mói. Eu tive azar e saí ao meu pai. Não há creme que me valha, só ebastinas e zyrtecs dia sim, dia não e já comecei com os eczemas nas pernas. Controlável mas desagradável. Anyway, a minha filha pequena saiu a mim e entre comprimidos e bons cremes a comichão é mínima, hei-de experimentar essa marca porque a pele dela acaba por se "habituar" e é necessário mudar com frequência de marca. Apre, já estou cheia de comichões.

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde, sei que a minha pergunta em nada tem a ver com o post, mas alguém me sabe dizer onde posso comprar aqueles colares para os decotes das costas? Não sei se me faço entender mas espero que sim! Obrigada desde já.

    ResponderEliminar
  9. Também pertenço ao grupo! Já estive com as minhas pernas sem um sítio de pele limpa de eczema, estavam muito mal , tinha nos olhos , orelhas , dobras dos braços...percorri vários dermatologistas e encontrei um que foi o único que me "curou " desde que fui lá , já fez uns 3 anos que estou LIMPA . Pode aparecer um pedacinho de vez em quando mas uso logo o que esse médico me receitou e no dia seguinte já estou bem ! Tenha eczema desde que me lembro de mim, tenho agora 23anos. Quem sofre mesmo com isto aconselho o Doutor António Massa!

    ResponderEliminar
  10. Eu adoro o barral para pele atopica! E cheira bem melhor...

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis