Pub SAPO pushdown

Querida Madonna,

segunda-feira, outubro 09, 2017

Vi o teu desabafo no Instagram, sobre o quão difícil é arranjar casa em Lisboa, e decidi escrever-te umas singelas linhas para te dizer que estou contigo e que percebo a tua dor. I feel you, sister. Isto está pela hora da morte, de repente parece que estamos em Londres ou Nova Iorque, com a ligeira, ligeiríssima diferença, que por cá não ganhamos o mesmo do que os londrinos ou do que os nova iorquinos. Só assim para teres uma ideia, em Inglaterra o salário mínimo ronda os 1500 euros, enquanto por cá temos de nos contentar com uns míseros 557. Não queria estar aqui agora a falar de dinheiro, mas se isto está difícil para ti, que és tão rica que até podes escolher uma casa na HomeLovers, imagina para nós, mulher!


A cidade está completamente orientada para o turismo. O que é bom, não sou velha do Restelo ao ponto de querer que a estrangeirada se ponha toda a andar, mas  também não são as rosas todas que nos querem fazer parecer. Os transportes estão piores (tenta lá andar de metro em hora de ponta), o trânsito está caótico, as ruas estão mais sujas, está tudo uma fortuna (uma garrafa de água a 2€ em qualquer tasco) e, claro, as casas estão absolutamente inflacionadas. "Ah, mas a cidade está tão mais bonita", dizem alguns. Verdade, está linda. Para a malta que vem cá uma semana e depois volta para as suas terras, está tudo muito ao nível do espectacular. Mas para quem fica cá, para quem mora cá, para quem trabalha cá, isto está a ficar uma bela merda. Estás a ver aquele filme, o "Este País não é para Velhos"? Pronto, podem fazer um novo, com o título "esta Lisboa não é para os lisboetas".

Por opção própria e, vá, por preguiça burocrática, há dez anos que vivo em casas arrendadas. Sempre fui deitando um olho ao mercado da compra , mas nunca me apareceu assim nada que eu achasse que era uma boa oportunidade. Claro que eu não sabia que os preços iam subir de forma completamente disparatada. Claro que eu não sabia que iam pedir mais de 300 mil euros por um T-zero de 24 metros quadrados (vi hoje um anúncio, ninguém me contou). Claro que eu não sabia que a lei do arrendamento ia mudar de forma a proteger muito mais os senhorios do que os arrendatários. Só para teres uma ideia, estou na minha casa há cinco anos e o valor da renda foi sempre sujeito a actualizações. Tudo certo, é da lei.  Não pago pouco, é uma renda de quatro dígitos, mas toda a gente me diz que tenho sorte, que até é um valor simpático. Porque, no meio desta loucura, já se começa a achar tudo normal. 

Eu não acho que tenha sorte, nem acho que seja um valor simpático. Até porque este ano o meu contrato de arrendamento chegou ao fim e, com isso, o valor da renda aumentou 300 euros. Assim, tau!, 300 euros de um dia para o outro. Nessa altura comecei, obviamente, à procura de outra coisa. Porque daqui a dois anos, quando o contrato terminar, tenho para mim que o senhorio irá aumentar-me novamente a renda. Podem ser mais 300, podem ser mais 500, pode ser o que ele quiser. A casa é dele e não tenho qualquer dúvida que, independentemente do valor que ele queira cobrar, haverá sempre quem esteja disposto a pagar.  Mas foi nesta procura recente que descobri que isto está completamente impossível. Uma loucura. Se eu quiser continuar a viver no centro da cidade, o que pago actualmente de renda dá para um T2 ou, na loucura, para um T3 puxadinho. Ora eu vivo num t-bués, por isso mudar para pior e ficar a pagar o mesmo, não é opção. Por isso vou ficando onde estou, até ser impossível e ter de me mudar para o Cacém. Comprar também está fora de questão, pelo menos nesta fase. Não me apetece enterrar todas as poupanças e os dois rins num apartamento.

Muita gente me diz "pois, se queres morar em Lisboa tens de te sujeitar". E eu percebo mais ou menos isso, só mais ou menos. É claro que Lisboa, sendo a capital, sempre foi mais cara, é claro que querer morar no centro acarreta mais custos a nível de habitação, mas eu acredito que Lisboa também deve ser para os lisboetas ou para qualquer português que aqui queira morar. Mas, meus amigos, isto está incomportável para os portugueses e para os salários dos portugueses. Este pequeno paraíso começa a ser um privilégio só para alguns, muito poucos.

Eu gosto de morar em Lisboa. Gosto de poder fazer quase tudo a pé: levar o miúdo à escola, ao parque infantil, ir para o trabalho, ao ginásio. Gosto de não ter de pegar no carro para quase nada, de não perder metade do meu dia à espera de um autocarro. Sou lisboeta, gosto de viver a cidade, não acho que isso faça de mim uma pessoa altamente exigente. Mas, devagarinho, todos vamos sendo empurrados daqui para fora, para abrir espaço para mais um hotel, mais um airbnb, mais qualquer coisa que pisque o olho aos turistas. Viver em Lisboa está estupidamente caro. Ao que parece, custa mais 232 euros por mês do que no resto do país. Ora 232 euros dá para muita coisa. 

Conheço pessoas que tiveram de voltar para casa dos pais, porque o que ganham não dá para pagar uma renda nesta Lisboa. Pessoas com mais de 30 anos, com filhos. Conheço pessoas que tiveram de sair da cidade, que passam agora mais horas do seu dia no trânsito ou nos transportes. Pela parte que me toca, também começo a analisar outras zonas. Que remédio. Duvido muito que possa ficar pelo centro durante muito mais tempo. Entrou-se naquilo a que eu chamo de "fase sem vergonha", porque se perdeu completamente o juízo. É o t-zero a 300 mil euros, é um T-3 novo que ultrapassa um milhão, é um t-2 para arrendar por 1500€, é um casa a precisar de obras totais por 600 mil euros. Não há qualquer pudor em lançar valores para o ar.

Por isso, Madonna, eu percebo-te. E, se precisares, ainda te oriento um quartinho lá em casa nestes primeiros tempos, que isto de chegar a uma cidade nova e não conhecer ninguém, é uma chatice. Ficas lá com os miúdos (não todos, escolhe só dois ou três) e não se fala mais nisso. Nem sequer te cobro nada, que por alguma coisa me chamam "a mais doce". Também tenho uma amiga na Remax, muito jeitosa, acho que tem uma vivenda em Mem Martins que está dentro do teu budget. Se precisares é dizer. 



218 comentários:

  1. So true..... Revejo-me completamente no teu comentário.... Acho uma tristeza que neste momento esta cidade não esteja ao nível das pessoas que aqui nasceram e viveram toda a sua vida cá (a não ser que tenham ganho o euromilhões) e que os filhos destas tenham de ir viver para mais longe... Espero que seja temporário

    ResponderEliminar
  2. Concordo inteiramente com a tua opinião. Acho que se está a criar uma Lisboa para turistas, e não para lisboetas, o que é triste e alarmante. Até porque o que faz da nossa capital uma cidade tão especial e adorada pelos turistas são os seus habitantes. Se os expulsarmos, o que fica?

    ResponderEliminar
  3. Assim se diz em português correto: Arrendar uma casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Arrenda-se uma casa (imóvel), aluga-se um carro (móvel). :)

      Eliminar
    2. B-A-Ba ...das sessões do curso de Direito!😉
      Mas nem todos frequentaram a licenciatura ou o agora "bacharelato" em Direito , e sim , a maioria da população portuguesa, incluindo a mais instruída, licenciada e até doutorada noutras áreas, menciona erradamente "alugar uma casa, garagem, escritório, loja...em vez do termo correcto "arrendar, arrendei"😀!

      Eliminar
    3. Que os leigos em direito usem erradamente a expressão alugar quando se referem a bens imóveis, é uma coisa, mas tenho visto imobiliárias que dizem "ter imóveis para alugar" e isso já ultrapassa tudo. Mais não seja, pq deviam conhecer as leis sobre a sua área comercial.

      Eliminar
    4. Mas isso é um preciosismo.
      Em Direito há essa distinção clara, faz sentido e nem se põe em causa. Mas na língua portuguesa arrendar e alugar são sinónimos, no uso coloquial o sentido é o mesmo e não me enerva, nem considero errado que as pessoas digam "alugar casa".

      Eliminar
  4. Concordo com tudo. E moro em Almada num T2 com quintal (400,00 euros), mas já pensámos em mudar para Lisboa. Não foi na altura e agora não será de certeza. Até em Almada não arranjo nada semelhante ao que tenho por o mesmo valor (mas mais caro e com menores condições, isso há de certeza). Já agora, diz-se arrendar e não alugar. Alugar é para bens móveis ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Moro no centro do país, a 90km de Lisboa e pagava 325€ por um apartamento t3, mas que nem chegava aos 90m2, sem varandas.

      Eliminar
    2. Bem que merdas com o alugar e arrendar... é isso que importa? Sempre à procura de erros nos outros ... gente cansativa

      Eliminar
  5. O Porto está na mesma... Não sou nascida e criada cá, mas trabalho na baixa e perco todos os dias 40 minutos de transportes para chegar cá. Uma casinha aqui e 5 minutos bastavam para estar no trabalho. Mas é exactamente como dizes. Não há quem chegue a estas rendas ou mesmo ao valor de compra.

    ResponderEliminar
  6. Não chegando aos valores da capital, este cenário também é visível no Norte Litoral. Póvoa, Vila do Conde, Matosinhos, completamente inacessíveis à classe média.

    ResponderEliminar
  7. A diferença é só de 232 euros mensais? Não me parece que esse valor seja real. Um T2 numa capital de distrito ronda os 500 euros mensais (central). Mais o que pagamos em transportes, garrafas de água a dois euros etc, diria que os 232 euros deveriam ser revistos para uns 696 euritos (sim o triplo).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu não moro em capital de distrito, moro em Guimarães e por aqui, por 500€ um T2 é extremamente difícil de arranjar. Conheço muita gente a pagar valores aproximados por um T1

      Eliminar
  8. E com Lisboa mais cara vão também os subúrbios! Moro na linha de Cascais num T1 que me custou perto de 100 mil euros há uns anos atrás. Agora, à espera do primeiro rebento, ando à procura de uma casa maior. E irei continuar, pois os preços na zona onde habito, quer de compra quer de arrendamento estão completamente impossíveis - e, felizmente, o nosso agregado familiar até tem um orçamento simpático mas, lá está, não é suposto ser canalizado na sua totalidade para uma habitação!..Na minha rua já cheguei a ver apartamentos a 600 mil euros! Eu já demoro uma hora a chegar a Lisboa de manhã e a casa ao fim do dia. Resta-me procurar ainda mais longe de Lisboa? É a isto que terão de se sujeitar as famílias portuguesas que trabalham em Lisboa? O mais triste é que gostava de encarar a vida a 3 num T1 como algo temporário...só não consigo ver a luz no final do temporário...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto! Mesmo tendo o agregado familiar um orçamento desafogado, não é suposto ir mais de metade para a renda/prestação da casa, quer dizer, uma pessoa também precisa de comer e pagar contas (no mínimo).

      Eliminar
  9. Eu vivo no que vocês, alfacinhas, chamam de "província" (ou seja, já perceberam que não moro em Lisboa nem no Porto e ficamos por aí). Tenho de confessar que não tinha bem noção dos preços e estou chocada. Aqui uma renda de 4 dígitos paga um mega casarão garantidamente. Aliás, esses 300 € de aumento já arrendam pelo menos um T1 ou T2 bem jeitoso. é um absurdo que queiram jovens e pessoas comuns na cidade e que se pratiquem preços desses...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na minha zona, centro do país tb, com 300€ consigo um t3 novo.
      Para não falar da minha casa espaçosa, com 2 quartos, cozinha equipada, 2 wc, sótão.... e em perfeitas condições em que pago metade disso!! :)
      Não tinha noção dos preços em Lisboa e vou la muitas vezes, mas pergunto qual o salário médio lá.

      Eliminar
    2. Acho que isso depende se é no centro das cidades ou não. Pelo menos em Aveiro, no centro, não se encontra um t3 por 300,00€ de todo. Encontrei um t0/estúdio por 270€ e foi um verdadeiro achado. Os preços normais aqui são 350€/400€.

      Eliminar
    3. 780 euros segundo o INE

      Eliminar
  10. Acho que isto está a acontecer por todo o país. Em Guimarães, os preços estão cada vez mais altos.

    ResponderEliminar
  11. Infelizmente são as queixas que mais se ouve. Pessoas que não conseguem pagar os valores altíssimos de rendas que cobram em Lisboa. Quem diz aqueles que moram a tempo inteiro, também tem acontecido a estudantes que vêem em Lisboa uma excelente oportunidade para a sua formação mas depois são impedidos por valores surreais de rendas (muitas dessas casas nem as mínimas condições tem).
    Que a cidade seja apelativa para turistas acho que não devemos estar contra, mas que essa mesma cidade também seja apelativa para os seus moradores, ou para todos aqueles que se pretendem mudar para lá.
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. É bem verdade! Por ingenuidade aqui há unas anos ( faria se fosse agora...) fui à "minha" casa de infância no bairro da Estrela. Fiz me de interessada e fui lá ver a casa... toda remodelada é certo ( achei-a tão pequenina ) e qual não foi o meu espanto quando o Senhor me disse a quantia de venda . Isto num prédio antigo de um 3º andar sem elevador! Ok, fui mais pelas "memórias" e pela curiosidade mas de fato se isto foi assim há uns anos agora deve estar a pedir um milhão! Claro que só lá devem morar estrangeiros ( ainda por cima não alugava ). Enfim, mas deixa que te diga que há um certo preconceito com as zonas fora de Lisboa, olha que há muita coisa gira e em conta nos chamados subúrbios. Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, há coisas bonitas nos subúrbios (que também já não estão propriamente em conta...) mas a questão não é essa mas sim a perda de qualidade de vida devido às longas viagens para o trabalho a que a vida nos subúrbios obriga. Vivi quase toda a minha vida em Oeiras e trabalhava bem no centro de Lisboa, cada viagem entre casa/trabalho demorava cerca de uma hora e meia (ou mais, se saísse mais tarde), são 3 horas por dia que se perdem. Por mês andava a passar quase quatro dias inteiros em transportes! E a situação não melhora optando pelo carro, pelo contrário. É ridículo!...

      Eliminar
  13. Tomei a difícil decisão de voltar para a terrinha por isso mesmo, porque não quero ser toda a vida pobre numa cidade para gente rica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Estou prestes a tomar a mesma decisão. Custou muito?

      Eliminar
    2. Penso no mesmo tantas e tantas vezes ..

      Eliminar
    3. Idem. A qualidade de vida é certamente outra!

      Eliminar
    4. O problema é que na terrinha não há tanta oferta de emprego como em Lisboa.... :(

      Eliminar
    5. Eu adoro viver na terrinha! É a melhor coisa que há. :) Saí para estudar e depois regressei. Quem me tira isto tira-me tudo. Sossego, ar puro, amigos de infância... Qualidade de vida. Pago 200 euros de renda por um T3.

      Eliminar
    6. Já eu vim viver para a terra do meu marido há dois anos e estou desejosa que chegue o fim do ano para voltarmos para a minha Lisboa.

      Não arranjei trabalho na minha área, as pessoas adoram cuscar a vida dos outros, tudo o que é interessante de fazer ou visitar fica distante, a vida torna-se demasiado rotineira...detesto isto!

      Eliminar
    7. Só é uma pena que não haja tanta oferta de trabalho como Lisboa/Porto... Senão acredito que muita gente fizesse o mesmo.

      Eliminar
    8. Eu vivo numa "terrinha" pequena cidade no interior de Trás-os-Montes e pago 300€ por um T2 nada de especial e é dos preços mais baratos porque se for novo ou mais moderno vai para os 400€...

      Eliminar
  14. Concordo, o Porto está a ficar exatamente na mesma, é um suplicio. grande parte das pessoas procura agora casa na periferia (Maia, Gondomar, Valongo, etc.) o que é muito mau para quem sempre viveu na baixa. O turismo é bom mas também é mau.

    ResponderEliminar
  15. Lisboa está a ficar infelizmente como aqueles países terceiro Mundistas! Ou lá vivem os pedintes e sem abrigo em casas a cair de podre ou só lá conseguem morar os milionários! E isto é triste, então e a classe Média??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Países terceiro mundistas tipo França, Inglaterra, Espanha, EUA? Quem é que vive no centro de Paris, Londres ou NYC? É isso que está a acontecer a Lisboa.

      Eliminar
    2. Por acaso quando falei em 3º Mundo estava a pensar em Luanda. Lá só aceitam rendas com 1 ano de pagamento e tudo carísssimooooo! Os pobres vivem nos bairros de lata, uma vergonha!

      Eliminar
  16. Moro e trabalho na margem sul e adoro a cidade onde nasci, Lisboa. Do sitio onde trabalho consigo ver diariamente uma mancha escura que paira nos céus de Lisboa. É assustador ver a quantidade de poluição a que estão sujeitos os Lisboetas. Hoje, quando vou a Lisboa vou como "turista", visitar amigos ou para ir a alguma loja. Onde moro estou perto do rio e do mar! Não acredito que haja retorno em relação à especulação imobiliária e que os preços estejam ao nível de Londres ou Paris. Não há, na minha opinião, cidade que brilhe mais que Lisboa.
    Acho que faz muito bem em procurar outras soluções...

    ResponderEliminar
  17. Pelos vistos está por todo o país. Desde que comecei a trabalhar, há coisa de 3 anos, que ando com um olho no que há para arrendar na minha zona (Tavira) e a cada ano q passa está cada vez pior. Tenho 25 anos, desde criança que me imaginava independente por esta altura, mas um ordenado mínimo e rendas de 400€ por T0/T1 obrigam-me a ficar “só mais uns meses” como estou. Aqui no Algarve até se vai vendo outras coisas, desde um T2 num edifício com bastantes anos a 750€/mês mais despesas, até “arrendamentos a longo prazo” de outubro a Maio encontramos opções para todos os gostos! Eu só gostava que quem manda neste país oferecesse condições para a população evoluir. Não acho normal os preços que se praticam nesta realidade em que vivo. Aliás, em nenhuma delas... Sou completamente a favor do Turismo como meio de sustento deste país, mas é necessário legislar e combater o arrendamento para férias. Não demora muita e Portugal não é viável para um Português Viver. Ou isso, ou mudamo-nos todos para o interior. Eu sendo de Tavira já ponderei mudar-me para Cachopo.

    Ana

    ResponderEliminar
  18. Eu moro em Lisboa há 6 anos, já vivi em 2 casas arrendadas, ambas no centro (a primeira um t1 por 450€ e a segunda um t2 por 600€) e agora eu e o meu marido decidimos comprar. O nosso contrato de arrendamento é de um ano, renovável por iguais períodos, por isso, todos os anos o senhorio se pode opôr à renovação e por-nos na rua com um pré-aviso de 4 meses. Na nossa zona há t2s iguais ao nosso a serem arrendados por 1.200€, por isso, antecipando que iria ser esse o mercado com que nos iríamos deparar e considerando que já gastámos tanto dinheiro em rendas ao longo destes anos, decidimos comprar.

    Encontrámos um t3 por 240 mil no centro e fizemos logo uma proposta, conseguimos a casa! Arrependemo-nos imenso de não ter dado este passo há 3/4 anos, em plena crise, antes do boom turístico, que foi quando se conseguiram negócios melhores. Mas, ainda assim, ficámos contentes com o achado e com a escolha.

    A Lisboa está a acontecer o que já aconteceu há muitos anos a outras capitais europeias. Eu, como pessoa que adora viajar, aplaudo a chegada dos turistas, gosto de ver o investimento feito em zonas da cidade que estavam ao abandono, gosto de ver a recuperação de edifícios que estavam a cair de podres e abandonados, gosto de ver os bairros mais cheios de vida e de pessoas. Mas este tem de ser um desenvolvimento sustentável. O centro da cidade tem de continuar a ser acessível a portugueses, tem de haver transportes que respondam a esta procura (e que convençam as pessoas a deixar o carro em casa), tem de se dotar a cidade de infraestruturas para quem lá vive e quem a visita, sem que pareça que uns querem atropelar outros.

    Acho que Lisboa estava subvalorizada e agora está a ter um crescimento gritante porque, de facto, tinha um imenso potencial adormecido. Mas devemos aprender com a experiência do passado e com o que correu mal em cidades similares (como, por exemplo, Barcelona) e tentar fazer melhor.

    ResponderEliminar
  19. Esse tema é deveras penoso para pessoas q como eu optaram por morar noutra cidade, constituíram família e agora por razões profissionais tem de voltar à capital e n consegue arranjar casa devido aos valores absurdos. Imaginem o q se sente quando ainda por cima há menos de uma década venderam a que aí tinham (com prejuízo). Ficou tudo doido, ou sou só eu q acho?! Há tanta gente a encher-se😡

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Há tanta gente a encher-se" e isto resume, 90% dos queixosos... há 5 anos atrás, pagava-se para não se viver na baixa, hoje em dia, de repente TODA A GENTE quer viver na baixa. isto sim é de loucos. como também é de loucos a santa casa ter propriedades em AL e serem os privados os grandes culpados pelos sem abrigo, não terem tecto (?!!)

      Eliminar
    2. Caro anónimo, ninguém está a falar da baixa em especifico. Estamos a falar de Lisboa, ponto. Estamos a falar da quinta das conchas, do parque das nações, de campo de ourique, das avenidas novas, de benfica, da mouraria, etc etc etc. Não dá para viver em lado nenhum. As pessoas não querem ir todas viver para a baixa, querem simplesmente ter o direito de morar na cidade delas.

      Eliminar
  20. As coisas valem o que alguém estiver disposto a dar por elas.
    E nós estamos entalados porque há sempre um parvo, ou um rico, ou um parvo de um rico, que está sempre em posição de poder subir a fasquia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! É o mercado/capitalismo a funcionar. Pessoas a trabalhar cada vez mais horas, a ganhar menos, a conseguir menos pelo mesmo dinheiro, a perderem horas da vida em transportes, a viverem em casas pequenas... é lindo, não é? Mas continuem com esta mentalidade. Aceitar fazer mais horas não pagas porque o patrão pede, querer consumir tudo o que têm à frente, o sonho de vida ser ter o carro xpto e o plasma não sei quê... depois desembocamos nesta realidade em que ninguém é verdadeiramente feliz ou se revê na vida que leva, mas continua tudo a andar para frente como se só houvesse um caminho.

      Eliminar
    2. Precisamente. Enquanto existir pessoas dispostas a pagar 1200€ por um T1, haverá sempre gente a meter casas no mercado a preços exorbitantes. Outro facto é que há mais procura que oferta (para arrendamento de habitação). O mesmo posso dizer que se aplica aos estágios, enquanto existir almas de Cristo a quase pagar para estagiar, os estágios (bem) remunerados são uma utopia.

      Eliminar
    3. Mas devia haver uma lei que não permitisse isso e ponto! Não estamos a falar de um verniz ou de uma mala! Estamos a falar de um lugar para viver, todos precisamos de um. Não se pode usar a lei da procura oferta em bens essenciais, se não a gasolina estaria sempre a 10€ o litro tal é a procura!!

      Eliminar
    4. Não, as coisas valem o que valem pela situação de mercado. Mais concretamente com o arrendamento, por haver arrendamento a curto prazo. Os lisboetas não decidiram do nada desatar a pagar o dobro ou o triplo pelas casas que tinham. Os senhorios é que decidiram largar os inquilinos e alugar a casa a turistas. Quer que as pessoas façam o quê, obriguem os senhorios a baixar o preço à pancada? Que vivam debaixo da ponte? Que parvoíce pá.

      Eliminar
    5. A habitação é um direito social consagrado na Constituição. Certos bens que são essenciais não podem pura e simplesmente estar desregulados e sujeitos às leis de mercado laissez-faire senão, como já foi aqui dito, bens essenciais e que são muito procurados por todos teriam preços exorbitantes. A água custaria mais do que o ouro, a gasolina, o pão, a electricidade, as telecomunicações, etc. seriam só para ricos...

      Eliminar
  21. So uma pequena nota: os londrinos e nova iorquinos a ganhar o salário mínimo e sem ajudas do Governo também nao vivem no centro da cidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui é que se disse tudo

      Eliminar
    2. Talvez seja verdade, mas Lisboa está uma autêntica estupidez. Eu trabalhei em Madrid, ganhava pouco mais que o ordenado mínimo lá (1500€) e não tive grandes dificuldade em arrendar uma casa por 500€. Era pequena, sim, mas em Lisboa nem isso se consegue!

      Eliminar
    3. Nem mais! É como querer uma casa à beira-mar, é óbvio que o preço é inflaccionado.
      É a lei da oferta e da procura. Estamos a discutir o sexo dos anjos.😉

      Eliminar
    4. Engraçado, em 2008, quando fiz erasmus em Madrid, 500€ era o preço de um quarto minúsculo no centro da cidade. Obviamente que não tinha orçamento para isso, e lá me calhou mostoles a metado do preço e a uma hora do centro de madrid.

      Sejamos honestos, oh alminhas

      Eliminar
    5. Não, não estamos, porque em Londres nem pessoas com ordenados bons conseguem comprar casa. E os arrendamentos estão ainda mais dramáticos. Basta ler os jornais ingleses.

      Eliminar
    6. Mas atenção que não estamos a falar de quem ganha o ordenado mínimo e quer viver num sítio chique de Lisboa. Em zonas tipicamente residenciais (como Benfica) tem T1 com kitchenette a 1100€, porque em Lisboa actualmente o querer ter uma parede entre a sala e a cozinha é um luxo. Eu não ganho mal e ainda não consegui sair de casa dos pais porque simplesmente não há casas dentro de um valor aceitável. Ah e sem esquecer que a média dos ordenados em Lisboa ronda os 900€, logo uma casa por 500€ (a existir) é de rir para não chorar.

      Eliminar
    7. Ordenado mínimo em Espanha 1500 euros????? É mais 753...

      Eliminar
    8. O ordenado mínimo em Londres é de cerca de 1.150 euros, mas não dá para nada, um casal que trabalhe só consegue alugar um quarto ou um T0 se não tiverem um emprego muito bom. O londrinos estão se mudando para os subúrbios e cidades vizinhas porque mesmo as zonas não centrais já não são mais acessíveis, principalmente para quem tem filhos. Saí de lá em 2009 e agora não conseguiria voltar. Pagava cerca de 800€ num flat de 2 quartos com jardim, numa zona sem metro, afastada do centro, mas muito boa, que agora é uma área hipster. Nessa mesma zona, agora, um T1 não sai por menos de £1.500. Conheço uma senhora que se mudou de lá no ano passado aqui para o Porto e estava contente de pagar 1.000€ por um T1 que era mais um T0 na Miguel de Bombarda. São coisas assim que inflacionam o mercado imobiliário.

      Eliminar
  22. Moro na parvalheira e, dia-sim, dia-sim, dá-me uma vontade de morte de voltar para Lisboa.
    Depois começo a pensar na casa que tenho aqui e no que teria de passar a ter caso voltasse para Lisboa com o mesmo orçamento: um apartamento T0, num quinto andar em Chelas, para ser simpática.
    Caio na realidade e percebo que o que queria é impossível: morar no centro de Lisboa, numa moradia T3, com quintal e estacionamento à porta.
    Esquece!
    #madonnagogozatecomacaradatuamae

    ResponderEliminar
  23. Acho que Lisboa está a crescer (e muito bem) mas algo está a falhar. Uma cidade não pode crescer assente na premissa que é para turistas! E mesmo esses vão assistindo a coisas ridículas (como a tristeza de transportes públicos que temos nesta cidade). Fazem-se novas estações de metro e retiram-se comboios. Temos um boom de turistas os eléctricos e os autocarros continuam com as mesmas carreiras. Ao fim de semana é ridículo andar de transportes, uma pessoa está 20 minutos à espera de um metro em plena baixa Lisboeta. Não é sustentável. E na minha opinião isto está a crescer desmesuradamente para daqui a uns tempos cair tudo novamente e ficarmos na merda outra vez! Já nem sei a última vez que fui jantar ao centro de Lisboa (não estou para meia hora de busca incessante por um lugar de estacionamento, não estou para uma hora de espera por um transporte). Já nem sei a última vez que fui dar um passeio pela baixa (não se consegue andar ao fins de semana tal é a confusão de turistas, atropelando-se uns aos outros). Não sei onde vai parar.

    Filipa

    ResponderEliminar
  24. E é por isso que moro na zona saloia, em Sintra. Moro num duplex de 7 assoalhadas, com vista para o palácio da Pena. Até lavandaria e closet de sapatos tenho! O que vejo e ouço de manhã quando acordo são pássaros e árvores. E também vou a pé para o meu escritório e faço compras no comércio local, sem deixar de ter acesso a nada da capital, onde opto por ir, ou não, nos tempos livres.
    Ah! e também estou a remodelar uma casa para férias, no interior do país, com terreno e árvores de fruto, com o dinheiro que não pago por um arrendamento na capital do país.
    A isto se chama viver nos subúrbios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é viver e trabalhar nos subúrbios, muito diferente de viver nos subúrbios e trabalhar no centro de Lisboa. Há quem não tenha essa opção.

      Eliminar
    2. Acho que muita gente estaria feliz com essa vida não tivesse de trabalhar no centro da cidade. Já viu se trabalhasse em Campo de Ourique como eu? Quando tempo demoraria a vir e a ir para o seu encantador lar?

      Eliminar
    3. Também não me importava nada de viver em Sintra, mas a trabalhar em Lisboa seria um pesadelo...

      Eliminar
    4. Sintra é dos sitios que eu mais adorava morar! Mas tal como você, trabalhando por aí também, ou não precisando de trabalhar sequer. Agora, trabalhando em Lisboa? É só triste. Gasta horas - horas - em deslocações casa/trabalho/cas, tem noção do que isso é? De como podia aproveitar esse tempo de maneira tão mais feliz e util?

      Eliminar
    5. Este é precisamente o problema dos Portugueses, pensar pequenino num país pequenino. Nos EUA há quem viaje durante 24horas de carro para ir ver a família e na Austrália quem faça 300km para ir ao supermercado. Por cá, ir de Lisboa a Sintra é como ir ao fim do mundo. Deixem-se ficar por Lisboa, a sério, a cidade está para vocês como vocês para ela.

      Eliminar
    6. Sintra nem pensar...o clima é terrível e a humidade nas casas é de bradar aos céus, mas quem quer casas baratuchas é para Sintra que tem de ir...agora para quem trabalha em Lisboa...andar no comboio da linha de Sintra é arriscar a vidinha todos os dias. Moro na Linha e paguei uma pequena fortuna pelo meu pequeno apartamento, mas não trocava por nada. Tenho comboio à porta de casa caso precise, mas como trabalho a 5 minutos de casa utilizo o carro. Oeiras por exemplo, por ser o concelho com o maior rendimento per capita do país tem casas nos valores praticados em Lisboa. Eu bem gostava de uma casita maior, mas sair da Linha está fora de questão...fico no apartamento pequenino, mas à beira mar!

      Eliminar
    7. A sério que vai comparar uma viagem nos eua de 24h para ver a família ou alguém (que só pode viver muito isolado) que na Austrália faz 300km para ir ao supermercado, países gigantescos com pessoas que vivem em distritos diferentes num país pequeno como Portugal? Esse argumento não colhe e explico-lhe ja pq. É que não faz viagens de 24h todos os dias para ver a família, nem faz 300km todos os dias para ir ao supermercado. As pessoas trabalham cinco dias por semana, e perder 3h no trânsito diariamente até é exequível mas não é o desejável. Eu Tb podia ir de Lisboa a moscovo ver família e ir de carro, só não o faria todos os dias, além disso acho pouco racional viagens de carro de 24h quando se pode apanhar aviões e perder menos tempo. Viva no Minho e vá trabalhar para Faro todos os dias, ida e volta, só pq lá fora há quem faça distâncias grandes.

      Eliminar
  25. Acabei de ler e pensei vou comentar.... Depois comecei a ler comentários e... é melhor não!! Sou do algarve e casas a valores justos não existem. Arrendamento com contrato ao ano? O que é isso?? Os algarvios têm essas dificuldades desde os anos 90!
    Bem vindos ao país turístico 😜

    ResponderEliminar
  26. Eu vivo em Ponta Delgada e para lá caminhamos. Só no último ano já vejo uma diferença enorme. Vivo no centro, num apartamento pequeno que comprei, mas à minha volta é quase tudo alojamento local. Os preços na restauração começam a subir e se quero aceder a algo que antes era gratuito tenho que pagar o valor de turista. Quero ir à praia ao fim de semana e não dá porque é impossível estacionar. Até andar de carrinho de bebé na rua ao fim de semana é um exercício perigoso (porque as ruas são estreitas e apinhadas de carros (em cima do passeio).

    ResponderEliminar
  27. Sou só eu que já não consigo ouvir falar da "rainha da Pop sem coroa??!😒
    Na C social ora dá Madona ou CR7, é um fartote... Já todos estamos carecas de saber que são bonitos(??), super talentosos
    nas suas áreas de conhecimentos...,podres de ricos e bué famosos, não há necessidade de andar sempre a publicitá-los! É cada vez mais notória a Falta de senso jornalístico e de notícias realmente relevantes e com substância... 😞

    ResponderEliminar
  28. Eu não sei onde isto vai parar. 'Moro na linha de Cascais, arrendei casa há dois anos, um T2 por 450 euros. Entretanto a família cresceu e precisamos de uma casa maior. Só encontramos com 4 dígitos , o contrato já foi assinado e o meu actual Senhorio vai arrendar está casa onde estou por 800 euros e já tem filas de gente interessada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Madonna aqui foi um pretexto para abordar um tema que preocupa cada vez mais as famílias que vivem em Lisboa. Se só conseguiu retirar "Madonna" deste desabafo, paz ao seu poder de interpretação que foi morrer longe.

      Eliminar
    2. E que tal rever esse seu poder de "encaixe"???😂😂😂
      Caso não tenha dado por isso... respondeu na CX errada! Tal não foi a pressa de picar a anónima ....cada qual comenta o que quer e como quer em cada post... Aprenda a respeitar os outros!

      Eliminar
    3. Olha-me esta armada em letrada ! Mas depois responde ao lado! É cada tiro no pé! Lolol

      Eliminar
    4. Caríssimo anón. 23.40,
      Modéstia à parte, a minha capacidade interpretativa vai muito bem obrigado, e bem "vivinha da Silva"! 😀
      Não tenho qualquer vontade de divulgar neste blogue/post quantos imóveis possuo, se são próprios ou arrendados, montantes, sonhos megalómanos, etc e tal, por isso, e por já estar fartinha de ouvir falar e comentar sobre a rainha da pop,decidi comentar sobre a Sra., porque posso, porque assim o quis! Se ficou ofendida com o meu comentário, tenho Pena que se "amofine" por tão "poucaxinho"!

      Seja Feliz😉

      Eliminar
  29. Tão verdade!

    Eu não sou de Lisboa, sou da Margem Sul, mas adoro Lisboa e trabalho cá há mais de 4 anos, sendo que há mais de 9 que venho para cá praticamente todos os dias. Mas por mais que quisesse nunca conseguiria viver cá. E ganho o dobro do ordenado mínimo... Mas mesmo assim não dá. Não quero viver num T1, uma vez que tenho animais. Mas não tenho dinheiro para um T2 sequer. Muito menos no centro da cidade, que é onde trabalho. Ainda andei a ver casas mas NENHUM dos senhorios fazia contrato ou aceitava animais — duas coisas ilegais. E depois os preços... absurdos! Vi-me praticamente obrigada a arrendar casa na Margem Sul (Montijo). Um T2 com duas varandas, contrato e sem qualquer problema de ter animais por 350€. Um luxo. A, parecendo que não, pouco mais de 30 minutos de Lisboa. Entretanto, já estou a pensar comprar casa, mas sempre para aqueles lados, onde há T3 novos com varandas enormes, garagem e arrecadação por 150.000€. Com este valor compra-se provavelmente uma garagem no centro de Lisboa. E às tantas nem isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente é tão verdade Marisa... Queríamos comprar casa neste lado mas vai ser impossível. O mais certo é sermos obrigados a "fugir" para a margem sul para conseguir uma casa com as características que queremos e ao preço que desejamos. Além disso, a compra de casa é algo de longa duração... Não sei mesmo como vamos fazer.

      Eliminar
    2. Já tenho vários colegas a optar por ir para a margem sul depois de procurarem casa em Lisboa durante meses... eu ainda vi casas pela capital, mas não dá mesmo. Queremos ter filhos e com animais não dá para ter um T1. E admito que até prefiro a calma das terrinhas do que a enorme confusão de Lisboa. O problema é que só há emprego em Lisboa :( É uma centralizado mas só das empresas... só temos emprego na cidade, mas não conseguimos viver lá.

      Eliminar
    3. Precisamente Marisa... Andamos a ver apenas por curiosidade porque temos a "sorte" de viver na periferia ainda com uma renda acessível e temos um senhorio impecável. Mas queremos ter a nossa casa e o nosso espaço e quando vier o rebento, queremos já estar na "nossa" casa. Andamos a ver algumas casas no Montijo e sem dúvida que são "casarões" a um bom preço, comparado com os preços de Lisboa. Mas o facto de sermos 2 a trabalhar em Lisboa... Não sei se iria conseguir convencer o marido. :)

      Eliminar
    4. Caros anónimos, mudei-me há ano e meio para a margem sul. Tal como a maioria, queria uma casa nova com boas áreas e condições, algo que é impossível de encontrar em Lisboa. Mas tenho a dizer-vos que os preços de uma boa casa no Montijo já ultrapassam os 200.000. Não se iludam, também o Montijo está muito caro!

      Eliminar
    5. Anónimo do 10 outubro, 2017 09:47:

      Ainda ontem estivemos a ver umas que não excediam os 150000 (valores inferiores a este até), e eram enormes comparativamente ao que pretendiamos.
      Com tudo aquilo que queremos num apartamento. Não conhecemos o Montijo, pelo que também poderia estar relacionado com as áreas específicas onde se inseriam mas estavam francamente ao nosso alcance. O mais triste é que há 1/2 anos estas mesmas casas estavam a um preço baixíssimo. E não tenho dúvida que as pessoas vão fugir para a margem sul e aumentar o preço das casas..

      Eliminar
  30. Lendo este post e os comentários, posso dizer que o Algarve está barato (sem contar com Quintas do Lago, Vale do Lobo...)! Em Quarteira, por exemplo, frente ao mar, consegue-se um T2 por 600€. o que até acho bastante, mas tendo em conta a loucura com o turismo, até nao é muito. Em Loulé os meus pais têm um T4 com quintal enorme e garagem e cobram 500€ mês! Em Lisboa está a acontecer o que já aconteceu há muitos anos nas principais capitais europeias. Só quem tem dinheiro é que se pode dar ao luxo de viver na cidade, o resto "foge" para a periferia. Mas por este andar até os turistas vão começar a deixar de vir pois um dos motivos de atração era precisamente o custo de vida mais baixo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que a periferia está quase igual a Lisboa! Moro em Algés e os preços que pedem aqui perto, Carnaxide, Linda a Velha por aí fora são incomportáveis! 600 mil euros por um t3 que nem sequer é novo! É uma aberração! Para não falar da falta de transportes para quem vive na periferia ..

      Eliminar
    2. Sim e depois em Quarteira há outro "fenómeno", ou seja, contratos de arrendamento de Outubro a Junho. E no verão? Ah e tal o tempo está bom... monta-se uma tenda? Quem vive cá no Algarve, vive o ano todo e não às prestações!

      Eliminar
  31. Pipoca, é tudo tão verdade...Também moro em Lisboa, mais propriamente no Príncipe Real e por ali vamos de mal a pior. Até quando vamos ter de aguentar isto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas essa zona está a ficar com muito mau ambiente;pedintes,bebados, etc, igual à baixa, bica, sta apolonia...

      Eliminar
    2. O príncipe real com mau ambiente? Um dos sítios mais giros de Lisboa, com lojas alternativas, negócios girissimos, galerias, restaurantes e bares super na moda? Além disso é um bairro muito residencial, não é como por exemplo certas zonas das avenidas novas que tem mais empresas e hotéis, que imóveis de habitação. E não falo por lá passar de vez em quando, vivo num bairro ao lado e frequento a zona quase todos os dias a várias horas do dia.

      Eliminar
    3. Pois as lojas giras e os restaurantes é que são importantes...Principe Real, Alta de Lisboa e outras zonas estão a ficar com um ambiente terrível sim. Mas pronto...é como aqueles que vivem na Ameixoeira mas dizem que vivem na Quinta das Conchas...

      Eliminar
    4. Mas onde é que o príncipe real tem alguma coisa a ver com alta de Lisboa ou Ameixoeira??

      Eliminar
    5. Anónimo das 03:37h eu desisti da conversa, quando vi que o comentador das 20:36h fez essa comparação. Na ameixoeira há um bairro social, no príncipe real não. Há pedintes e bêbados? Pedintes há em todo o lado, desde o chiado a campo de Ourique passando pela porta do el corte inglês. Não há como evitar. Têm medo de pedintes? Ou acham que vos estraga a fachada do prédio? Bêbados...quais? Os riquinhos que saem dos restaurantes do Olivier? Ou os putos que andam mais para baixo no bairro alto? Se for bebedeira de gin em rooftop da moda é menos mau, que aqueles que bebem vinho de pacote sentados num canto de uma rua? É que eu vejo todo o tipo de gente a fazer figuras em qualquer zona da cidade. Só não distingo é o tipo de bêbado. Pah mas achar que o príncipe real tem mau aspecto, comparando com a ameixoeira é para rir só pode. Entre o príncipe real e a assembleia da república é uma zona maioritariamente residencial, o único problema daquela zona não é o ambiente, que quer de dia quer de noite, tem um ambiente santo, o único problema é só o estacionamento.

      Eliminar
  32. Concordo com tudo que dizes. Tenho, no entanto, que fazer um pequeno reparo; Esta Lisboa há muito tempo que não é para a maioria dos lisboetas. O que acontece agora é que, por um lado a classe média é cada vez menos média e cada vez mais média-baixa; por outro, mesmo a verdadeira classe média (na qual te incluo), está a ser empurrada para fora do centro porque isto agora, só mesmo para bué ricos...

    ResponderEliminar
  33. Preocupa-me bastante a vida em Lisboa daqui para a frente.
    Os preços estão tão exorbitantes no centro que estão a empurrar as pessoas para a periferia e quem está na periferia (e tem contratos de arrendamento de 1/2/3 anos) está a ficar aflita porque se o senhorio pode pedir + 300/400EUR e há quem arrende, então para quê só pedir 400 ou 500?
    Estou miseralvemente saturada de viver em Portugal. Temos ordenados a roçar a miséria e só sabemos viver de aparências. Só interessa viver em função de ter uma cidade digna da Time Out ou de qualquer revista turística.
    Sol, verão, turismo, boa vida e mais nada. É saturante viver numa cidade assim.

    ResponderEliminar
  34. Eu comprei há 1 ano e meio um t2 no centro de Lisboa em projecto. Está em fase final de construção e já tenho propostas de mais do dobro do que custou. Num país de cegos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está, excelente negócio! Quem comprou há 1, 2, 3 e por aí fora anos viu as suas casas a valorizar muitíssimo! A questão é que agora, se as vendem, também não conseguem comprar outras pelo mesmo valor no centro.

      Eliminar
    2. Em vez de consumir desenfreadamente, investi tudo o que pude nos anos anteriores e agora estou a gozar do que consigo vender por muito mais do que seria o valor de mercado se os preços não estivessem tão inflacionados.

      Eliminar
  35. Por aqui,Albufeira, estamos na mesma..para além de haver poucas para alugar ao ano, pois a maioria dos propietarios aluga para férias, as que existem ao ano estão a preço de ouro. No verão houve falta de empregados em todo o lado, tb devido à falta de habitações.

    ResponderEliminar
  36. Minha querida pipoca porquê que não temos aqui uma 'bandeirinha' no canto inferior esquerdo para se votar no seu blog ??

    ResponderEliminar
  37. A questão do arrendamento em Lisboa resulta da chamada ‘perfect storm’ e vai tão longe quanto o congelamento de rendas. Não há cidade europeia que tenha tido tanto prédio a cair de podre quanto Lisboa (não conheço o Porto mas parece-me que a situação é idêntica) nem as que foram destruídas pela guerra.
    Ora, a isto junta-se o boom da Europa, do dinheiro e crédito fácil e de toda a gente querer ir para fora para ter espaço, casas novas e garagem nos anos 80-90.
    Quando a crise começou a aliviar e se começou a ter dinheiro para investir as pessoas descobriram a galinha dos ovos de ouro: o turismo.
    E assim chegamos ao que estamos hoje.
    Maria

    ResponderEliminar
  38. Queriam Lisboa com prédios renovados no centro à custa da iniciativa de empreendedores privados com arrendamentos de 3 dígitos e t2 e t3 a 200 e tal mil euros? Os portugueses só sabem lamentar-se mas arriscar e meter mãos à obra está quieto. Com o dinheiro da Madonna há casas fantásticas para comprar em Lisboa. Já aprendeu a arte da lamentação? Primeiro queria tratamento especial na alfândega, agora quer uma mansão em Lisboa ao estilo de Hollywood? Até há mas se veio com a fisgada de comprar ao preço da uva mijona já veio tarde.

    ResponderEliminar
  39. Bem, não me parece que o problema da Madonna seja dinheiro, o que ela não encontra é uma casa de luxo que lhe agrade. Convenhamos, Lisboa é uma cidade provinciana e a qualidade das casas e bairros deixa muito a desejar. Nas revistas mostraram fotos de um palacete que ela foi visitar e a calçada estava esburacada e cheia de ervas daninhas. Isto é Lisboa.
    O luxo português é muito relativo e sinceramente não acredito que ela se aguente por cá muito tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que faz falta?
      Por mim, pode ir para os States com a máxima brevidade 😁

      Eliminar
  40. O que diz é completamente verdade. Torna-se um ciclo vicioso.
    No Montijo, por exemplo, as casas que antes tinham rendas de 300€/350€ entenda-se T3, agora estão por 400€/500€. Os andares novos e as moradias que se arrendavam por 500/600€ agora estão por 800/900€. Para uma família que trabalha em Lisboa e tem dois bons vencimentos é muito bom, casas grandes, varandas, quintais, garagens, agora eu gostava de saber o que vai acontecer as pessoas que sempre viveram nas periferias, que recebem o ordenado mínimo e não têm transporte próprio. Como vão continuar a pagar arrendamentos tão altos? Vão morar para a periferia da periferia? Como vão chegar aos empregos? Como vão as crianças para a escola? Esta situação do imobiliário está completamente descontrolada e infelizmente vai chegar ao ponto de estarmos todos outra vez com a corda no pescoço!

    ResponderEliminar
  41. Estou a ver que estou no paraíso! Moro em Esposende, distrito de Braga, 50km a norte do Porto. Embora não estivéssemos a pensar mudar de casa, em 2015 surgiu um negócio irrecusável e lá embarcamos na aventura. Compramos uma moradia de 2 frentes, 4 quartos, garagem para 2 carros, a 500m da praia, a 500m das escolas e a pouco mais de 1 km do centro de Esposende por 100.000€. A casa estava habitável, os antigos donos passavam lá férias e fins de semana mas optámos por fazer obras profundas. Resultado, por 160.000€ ficamos com uma casa na praia, a 40 minutos do Porto quando no concelho vizinho da Póvoa de Varzim, apenas por estar na área metropolitana do Porto, os preços podem chegar ao dobro! Trabalho com o meu marido no concelho da Póvoa, são apenas 14 km, 10 min de autoestrada que escapou as portagens, enfim, pelos comentários aqui no blog, sinto-me uma sortuda😜 Visitem Esposende!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, só que no final do dia você vive em... Esposende :P seca total, não se passa nada. Não vamos comparar com Lisboa e Porto, ok?

      Eliminar
    2. Anónimo 22h14, mesmo que possa ser seca total o que não falta é água lá por perto.
      Há pessoas que gostam da natureza e de viver no sossego e há pessoas que gostam de cimento e de viver na confusão. Muitos dizem que não se passa nada na província e depois vem para aqui chorar que já não conseguem respirar nas cidades porque há demasiado movimento, demasiado barulho, demasiada poluição...mas quem raio consegue perceber esta gente?

      Eliminar
    3. ??? A malta só se está a queixar que é aborrecido querer comprar um T2 e ter que desembolsar mais de meio milhão de euros (ler post supra). Ninguém está a falar na qualidade do ar. Acho que quem quer viver em Lisboa, não procura uma pasmaceira, sabe ao que vai.

      Eliminar
    4. Adoro viver em Lisboa, adoro ter tudo o que preciso à mão, não pegar no carro durante a semana, demorar 15min a pé de casa ao trabalho, ter sempre coisas giras para fazer, ao fim-de-semana a cidade fica para aí com um terço das pessoas e anda-se bem para qualquer lado, temos praias a 20min de carro, estamos perto do centro do país, bem como do Alentejo para escapadinhas, tenho o aeroporto a 20min de autocarro de casa (viajo sempre que tenho férias) e adoro que, no meu tempo livre, tenha sempre coisas novas para fazer: cinema, teatro, concertos, museus, mercados, restaurantes, etc. Adoro ir na rua e ver pessoas diferentes, adoro ouvir línguas diferentes, adoro ver coisas novas todos os dias. Ainda que com preços mais altos, no meu trabalho em Lisboa consigo ganhar 3x mais que se estivesse a fazer a mesma coisa em Esposende, por isso compensa, de todas as maneiras. Só me vejo a mudar para um lugar assim quando tiver uns 60 anos, para já nem pensar :)

      Eliminar
    5. Anonimo das 22:14 o seu comentário foi só parvo e desnecessário. O que a senhora disse foi que conseguiu não dar mundos e fundos por uma casa vivendo a alguns km de distância do local de trabalho. E quanto a Esposende ser uma pasmaceira vá lá novamente. Se calhar está a fazer confusão. Passe bem!

      Eliminar
    6. Catarina Dias, a senhora está a gabar Esposende como sendo o paraíso e como tendo feito alto negócio por viver lá. Ninguém nega ou desconhece que em cidades mais pequenas se conseguem melhores preços que em Lisboa ou Porto. Por várias razões. Uma delas é porque são, conforme dito, "uma pasmaceira", comparadas com Lisboa e Porto. Se não fossem, haveria certamente mais procura e os preços subiriam.

      Eliminar
    7. Anónimo das 22:14, de certeza que não queres vir para aqui dizer que Lisboa não se compara ao Porto... É que é certo que te equivocaste e não era isso que querias dizer. Está calada e cala-te e não queiras comprar bate-boca com o pessoal do norte. Quem avisa amigo é...

      Eliminar
    8. Acho um verdadeiro espanto que ainda haja mentes que pensem que viver sem ser em Lisboa e Porto seja uma pasmaceira! A qualidade de vida é 1000% superior e sim passa-se sempre qualquer coisa. Quem não mora nesses dois grandes centros "normalmente" tinha essa mesma intenção, fugir dessa confusão toda. No meu caso tenho moradia própria, não vou falar em valores, mas posso dizer que esta mesma moradia aí por Lisboa deveria valer quê? 1 milhão? De casa ao trabalho 5 minutos, hospital 5 minutos, ginasios 5 minutos, cinemas com as mesma estreias daí 5 minutos, teatro 5 minutos, circuitos para desportos variados ao ar livre 5 minutos, o Tejo por paisagem sem qualquer predio à minha frente todos os dias, percursos pedonais e de bicicleta 5 minutos. Quantas mas quantas vezes este sossego esta qualidade esta variedade cultural, desportiva, adrenalina, etc, contra essa correria diaria, barulheira, confusão, inflação desmesurada. Ah e já agora se quiser ver a Madona vou até aí em 1h10min!

      Eliminar
    9. Peço desculpa por achar Esposende uma pasmaceira, aposto que deve ser tão entusiasmante quanto Tokyo, nova Iorque, Londres ou Paris. Afinal vou já mudar-me. Nem sei como Esposende não é a capital de Portugal.

      Eliminar
    10. Anónimo10 outubro, 2017 09:22 wtf?! Largue lá esse modo "super dragões" e leia melhor o que eu escrevi. Eu disse que Esposende não se comparava a Lisboa ou ao Porto. Tipo cidade pequena vs. cidades grandes, está a ver? Não era rivalidade entre Porto e Lisboa, que já vivi nas duas e gosto de ambas, obrigada. Já não é preciso pedir uma restraining order contra você? Estamos amiguinhas de novo? Beijinhos :D

      Eliminar
    11. 09h22 o pessoal do norte devia aprender a ler melhor antes de querer entrar em bate bocas.

      Eliminar
    12. Anónimo 10h11, o pessoal do sul é que deve aprender a escrever melhor porque o pessoal do norte só consegue ler (e perceber!) aquilo que está bem escrito.

      Eliminar
    13. Anónimo 10h09, largue esse modo "super dragões"?? isto já passou para o campo do futebol? então nesse caso tenho de perguntar quem é que tem andado ai até agora a matar adeptos afinal? Já conto 2...

      Eliminar
    14. Por acaso até sou sportinguista e detesto as super dragonas LOL o meu tom foi irónico!!! Porque há todo um preconceito como a anónima das 10:11 fez questão de frisar: PESSOAL DO NORTE! Valha-me Deus! Sou do norte e não sou dragona, é de espantar não?! Sou do norte e sou educada e evito "bate-bocas"... E gosto de Lisboa, mas gosto mais do Porto, não que Lisboa não seja fantástica, que é, mas prefiro cidades mais pequenas e portanto mais acolhedoras, só isso. Sejamos todos portugueses. Sejamos todos europeus e sejamos todos pessoas! ;-)

      Eliminar
    15. Claúdia Cunha, nasci numa cidade pequena e vivi parte da minha infância e adolescência noutra cidade pequena, à qual ainda regresso porque moram lá os meus pais e também vou com frequência a outra cidade mais pequena, onde vivem os meus sogros. Confirma-se: são todas uma pasmaceira! Já vivi no Porto e agora vivo em Lisboa e não têm comparação.

      Vivo no centro da cidade, não pego no carro durante a semana, demoro 15min a pé para o trabalho, nas proximidades de casa/trabalho tenho tudo (hospital, farmácia, ginásio, piscina, lojas, supermercado, lavandaria, bancos, etc). Trato de todas as tarefas a pé de manhã/almoço/fim do dia. Costumo sair de casa às 9h e chego pelas 18h. Quer melhor em termos de qualidade de vida? Com a vantagem que, à noite, fins-de-semana ou férias, tenho sempre coisas novas para fazer sem me deslocar 1h, tenho o aeroporto "à porta de casa" para viajar, tenho imensas opções de lazer.

      Voltar para uma cidade pequena só quando for idosa! Vendo a casa de Lisboa e compro uma casa porreirinha num monte alentejano e fico na pasmaceira :)

      Eliminar
    16. E para ter tudo à mão paga. Paciência. Azar. E mais, parece-me muito redutor qualificar apenas Lisboa como uma cidade culturalmente atrativa. É por este pensamento que o país vai como vai...Portugal é Lisboa e o resto é paisagem...

      Joana

      Eliminar
    17. Joana, mas eu não referi que acho mal pagar-se para ter tudo à mão (comentei às 12h13). Aliás, comprei recentemente casa no centro de Lisboa (depois de uns bons anos em arrendamento) precisamente porque me pareceu um bom investimento, porque no futuro próximo é ali que me vejo e porque quis comprar antes dos preços se tornarem inatingíveis (se acham que já estão, eu acho que ainda vão piorar). Mesmo que para isso tenha de pagar mais, ganho em qualidade de vida. Não preciso de ter uma moradia com terreno à volta, nem uma casa gigante (nem gosto de casas tão grandes, nem do trabalho que dão). Sou claramente uma pessoa citadina e basto-me com um apartamento t3 (para marido e filha) :)

      Como referi, já vivi em 2 cidades mais pequenas e vou frequentemente a uma 3a, por isso não é dizer as coisas de "pensamento", é como são. Uma cidade pequena (e muitas nem são especialmente bonitas) tem pouco que fazer, uma pessoa vive lá 1 ano e já conhece todos os sítios, já experimentou fazer de tudo. Em Lisboa (e no Porto) isso não acontece. E tem os aeroportos à mão (viajo 4 a 5 vezes ao ano, sempre que tenho férias ou fds prolongados). Isso para mim é essencial. Vivo há 10 anos em Lisboa e, durante a semana, estou circunscrita a 2 bairros (onde vivo e onde trabalho, que são contíguos), onde tenho tudo. Mas ao fim-de-semana vou à outra ponta da cidade (já sem trânsito, com estacionamentos grátis) e sinto-me turista novamente. Essa sensação é fantástica :) a quebra de rotina que isso proporciona não existe numa cidade pequena. Eu já estava fartinha da minha (onde estudei) e assim que terminei a universidade tive sempre como certo que iria ou para o Porto ou para Lisboa (também pelas oportunidades profissionais).

      Eliminar
    18. 11h22 não há nenhuma incorreção na frase"Não vamos comparar com Lisboa e Porto" é assim que está escrito... a sua confusão de leitura não faz qualquer sentido. Se não sabe ler, pelo menos não diga que são os outros que não sabem escrever

      Eliminar
    19. Anonimo 12:13 olhe que bom para si. É que a a maioria das pessoas que vive em Lisboa que conheço e que ouço aqui e ali talvez não tenham essas facilidades de ter o trabalho logo ali, de ter tudo logo ali. Para além disso jamais teria o conforto de ter uma moradia como a que tenho (e sempre quis ter) aí, de acordo com o que se lê relativamente a preços de cubiculos T0, T1 ou mesmo T. Tenho muito mais que isso e agrada-me bastante. Viajar? Nunca foi impedimento estar a 1h do aeroporto e olhe que viajo bastante... Conclusão: a noção de qualidade de vida para mim é uma para si é outra completamente diferente. Ah já agora não sou idosa e ADORO gozar e usufruir do que a vida me proporciona.

      Eliminar
    20. Se toda a gente pensasse como o anonimo que deu a primeira resposta, não havia espaço para todo o povo português em Lisboa e no Porto.
      Respeito quem adora viver na cidade e compreendo a vossa frustração com o custo de vida elevado. Mas também há quem prefira viver na pasmaceira, com a vantagem de pagar pouco pela casa.

      Nunca vivi na cidade. No dia a dia tenho tudo o que preciso perto de casa, também posso fazer tudo a pé: compras, lavandaria, farmácia, ctt, centro de saúde, até repartição de finanças temos. À noite, fins-de-semana ou férias, se me apetecer mesmo muito, em 20 minutos estou no Porto, em menos tempo tenho outros sítios à volta onde também há coisas giras para fazer.

      Mas não vale a pena discutir isto em demasia, tal como a Claudia disse, são noções diferentes de qualidade de vida. E nenhuma é mais válida do que a outra.

      Eliminar
  42. Sim, viver em Lisboa tem sido uma grande porcaria mas, em contrapartida, viver no Porto está a ser cada dia mais espectacular. Se não fosse um homem tão sensível e solidário com o sofrimento dos outros, daria razão aqueles que por vezes dizem que...cada qual tem aquilo que merece... :))

    ResponderEliminar
  43. É um absurdo sem dúvida...nasci em Lisboa,cresci lá,vivi lá até aos 27 anos,depois seguiu se o Seixal devido ao meu namorado ser daqui e aqui ter comprado casa.foi complicado andar dois anos e tal a perder 3h por dia em transportes...mas era todo esse tempo pois o local onde trabalhava nao era no centro de Lisboa.quem trabalha no centro tem comboio super confortável e quando muito tem de apanhar o metro e em duas paragens voilá...se trabalhar na zona da Baixa Chiado tem barco e metro também.penso que as pessoas são muito comodistas,adoro Lisboa e vou lá muitos fins de semana passear...para viver nao queria,nem se pudesse pagar 500 mil euros por um apartamento,pois com esse valor compraria uma bela moradia perto da Aroeira.sao opçoes claro...acresce a isso o facto de trabalhar há 6 anos a 10ms de carro de casa.O marido vai todos os dias trabalhar para Lisboa,aí está,no tal comboio.e eu tenho mais tempo livre para acompanhar a nossa filha,sem filas de transito,sem stress.e estamos muito perto de Lisboa.e nao fico nada ofendida que chamem margem sul de periferia,terrinha ou deserto ahahahah

    ResponderEliminar
  44. Como se diz na minha terra, isto é "boca para barulho".
    Concordo com tudo, mas também posso dizer que os senhorios pagam mais de 30% do valor da renda em impostos. O que a meu ver fez disparar muitos arrendamentos sejam eles nas periferias ou centro de cidade.
    Por exemplo num arrendamento de 750€, 250€ vai para os impostos (sem falar nos IMIs e outras taxas municipais).
    A realidade é que até há 5 anos atras a baixa do Porto era deserta, não se via uma pessoa a passear à noite à semana ou ao fim de semana na baixa.
    O que fez o turismo? Requalificar a baixa, abrir sítios "giros" para comer, compras ou beber um copo. E de repente tudo quis voltar (e bem) para o porto. Mas quem gastou dinheiro a requalificar edifícios degradados e com sem abrigos à porta quer o retorno do investimento, e claro os preços estão estupidamente altos.
    Foi o turismo que (no caso do Porto) fez renascer uma baixa há muito decadente.
    É um pau de 2 bicos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No caso do Porto e no caso de Lisboa: Investimento privado, residentes estrangeiros e aumento considerável do turismo. Queriam casas baratas no centro destas cidades compravam há uns anos atrás e recuperavam com obras. Agora são caras, mudem-se para o interior que precisa de residentes.

      Eliminar
    2. E levamos a consultora atrás que tem sede em Lisboa? O escritório de advogados? A clínica? É assim tão difícil perceber que quem vive em Lisboa e tem uma vida profissional em Lisboa não quer simplesmente mudar de cidade pq isso implica uma mudança drástica de carreira? E consequentemente te remuneração? Mudar os filhos do colégio? Só não queremos pagar valores absurdos ppr apartamentos normais?

      Eliminar
    3. Completamente, Anónimo10 outubro, 2017 09:27. Prefiro pagar os preços de Lisboa e estar a ganhar 1500 euros limpos (e o marido a mesma coisa), que ir para a terrinha, pagar menos de casa e comer as couves da vizinha, mas, na melhor das hipóteses, ganhar uns 700 limpos (isto se tivesse emprego na área) e morrer de tédio ao final de 1 semana.

      Eliminar
  45. Como é bom viver na Marinha Grande :) a habitação é 1/3 do valor das rendas em Lisboa, em 1h15min estou em Lx, em 2h no Porto, em 5 min estou na praia. Autoestradas? A8, A1, A17, qual querem? Se quero ir ao teatro a Lx durante a semana vou, se quero ir a um concerto, vou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos para a Marinha! Toca a embarcar!

      Eliminar
    2. Só não vai a pé da marinha para Lisboa pois não? É que quem escolhe viver no centro de lisboa, como disse a pipoca, gosta de se deslocar a pé para o trabalho, para a creche, para todo o lado. A realidade é que há trabalhos e respectivas remunerações que só se encontra em Lisboa. Autoestradas? Dispenso, prefiro ir a pé para todo o lado, usar o metro quando me apetecer ou chamar um Uber. Não quero ter de planear se vou a Lisboa a meio da semana fazer um programa cultural, prefiro sair do trabalho, e em 5 min decidir onde me vou divertir, e no final volto para casa em 10/15 min. Viver noutros distritos pode compensar monetariamente, mas de resto não se passa nada. E se quiser demorar 2h para chegar a um sítio qualquer, prefiro apanhar um avião para uma capital europeia que leva mais ou menos o menos tempo.

      Eliminar
    3. E também vai todos os dias trabalhar para Lisboa, não é? :)

      Eliminar
    4. Ditto, Anónimo das 23h09! Dispenso fazer 2h30 de carro no final do trabalho só porque decidi ir ao teatro a meio da semana :D morando no centro de Lisboa, quanto muito faço 30min.

      Eliminar
    5. Anónimo da Marinha Grande, não desfazendo e porque conheço bem a cidade a habitação é 1/3 porque a cidade é pouco bonita (estou a ser bem simpática) é bem mal frequentada, têm uma avenida cheia de semáforos onde se perde um tempo infernal, 5 minutos da marinha a s pedro de moel é uma força de expressão de certeza...Será de certeza uma ótima cidade para trabalhar, com empresas robustas e aliciantes mas para viver eu não pagava, ainda teriam que me pagar a mim!
      Sandra

      Eliminar
    6. E quanto gastaria em autoestradas para ir todos os dias trabalhar em Lisboa?

      Eliminar
    7. A questão é que não se pode ter tudo. Querem estar a 5 min a pé do trabalho, das creches, das escolas, dos sítios in, dos ginásios, etc etc mas querem pagar o mesmo pela habitação como se vivessem na parvónia. Concordo com o absurdo que é termos chegado a estes valores em nada comportáveis para um português com ganhos medianos, estou nessa luta convosco, mas não podemos querer tudo em troca de nada. Casas mais baratas nas terriolas sem muita oferta cultural e de lazer ou casas mais caras nos centros, onde tudo acontece. As duas coisas é que me parece impossível, ainda mais pelos preços que tenho lido nos comentários.

      Eliminar
    8. Eu leio alguns comentários e fico a pensar que a maior parte do pessoal ou não trabalha ou não tem filhos ou então tem um emprego santo... na minha opinião e tendo em conta o meu estilo de vida, preferia morar na parvonia, perto de um grande centro, onde pudesse demorar uma hora q fosse a chegar, até porque quando saio do trabalho mal vontade tenho para comer, quanto mais ir para o meio da confusão. Prefiro demorar uma hora para ter acesso a concertos do que para ir para o trabalho. E o barulho? E os encontroes? Acredito q haja quem tenha vida para isso e goste, mas não falem como se isso fosse a melhor forma de viver. Até pode ser para vocês, mas não tem de ser para toda a gente.

      Eliminar
    9. Anónimo10 outubro, 2017 11:11 era possível na altura da crise! Grandes negócios que se fizeram de casas espectaculares no centro de Lisboa ao preço da chuva. A quem agora oferecem 2 ou 3 vezes mais por elas. Quem comprou aí é que fez bem :D

      Eliminar
    10. Anónimo10 outubro, 2017 11:56 então mude-se para a parvónia e passe os seus dias com a família toda alinhada no sofá em frente ao plasma na vivenda de 3 andares que comprou pelo preço de um t0 em Lisboa :D

      Eliminar
    11. Caramba ...cada um pior que o outro, só falta agressão física(felizmente não é possível)todos(as) a quererem fazer valer/sobrepor as suas opções de vida! Cada qual sabe de si e dos seu investimentos, modo de vida, etc... O que é fantástico para uns, é um tédio para outros, sempre assim foi e será!☺
      Importante é ser-se feliz com as escolhas feitas!

      Eliminar
    12. Anón. 10 Out. 13:11: Totalmente de acordo consigo, cada qual sabe de si, e as opções de vida têm que ser conforme os objectivos de cada um, nada mais!

      Eliminar
    13. Não esquecer que os senhorios pagam 28% de imposto de cada renda, mais IMI, mais desgaste das casas, e há inquilinos que deixam mais prejuízo que lucro.

      Eliminar
    14. Se é para escolher prefiro mesmo onde moro, 20 km da Nazaré, 20 km de Fátima, ou seja entre o mar e a serra :)

      Os ordenados podem ser excelentes e ter "montes de coisas" para fazer mas... e o sossego da vida no campo...

      Se é assim tão mau porque é que todos referem que "aos 60" pensam então em vender a casa de Lisboa e mudarem-se para o Alentejo/Norte/Província? Porque não fazê-lo enquanto podem desfrutar da vida mais calma?

      Eliminar
    15. Anónimo das 11:11: estou completamente de acordo consigo.

      Eliminar
  46. Pelo Algarve passa-se o mesmo!

    ResponderEliminar
  47. Por mim, pode ir como veio. Com a maior brevidade possível.

    ResponderEliminar
  48. Também há aqui outro problema. Nos outros países da Europa, há várias cidades importantes, para além da capital, como Milão e Florença, Barcelona, Manchester, Liverpool, Munique, Londres, etc etc. Ou seja, as pessoas têm mais oportunidades do que terem que ir trabalhar e viver para Lisboa - como é óbvio, este meu comentário refere-se às pessoas que, por motivos profissionais, tiveram que vir para cá em trabalho.
    Mas para além do Porto, não temos cidades muito importantes no resto do país, e, como tal, as pessoas são obrigadas a vir trabalhar e viver para Lisboa - atenção que não estou a desrespeitar as outras cidades, como Braga, Aveiro, Coimbra, Leiria, Santarém, Portalegre, Évora, Beja e Faro.
    Mas a sério, pensem nisso : com excepção de um caso ou outro, há alguma grande empresa naquelas cidades, há alguma grande indústria naquelas cidades....?
    Isto das rendas elevadas e injustas em Lisboa é Porto deve-se, em parte, ao facto de as outras cidades não serem ainda muito desenvolvidas e não terem ainda muito impacto a atrair pessoas e empresas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. É uma conjugação de factores. A procura por casas condensar-se toda em Lisboa e Porto (e, vá, Algarve). O mercado do arrendamento ter estado estagnado durante anos e a crise ter rebentado com o imobiliário, então agora que há mais procura está tudo a crescer desenfreadamente. Quem tem dinheiro para investir estar a aproveitar esta onda para renovar (é bem), mas depois fazer-se cobrar bem por isso. A procura por turistas e por investidores estrangeiros (que descobriram que Portugal estava subvalorizado, que somos um país barato, calmo, seguro, sem atentados, com bom clima, um bom sítio para largar algum dinheiro). A recuperação económica e saída da crise. Tudo isto faz aumentar a procura e os preços.

      Eliminar
    2. Nada contra o turismo, aliás tudo a favor. Já ninguém imagina o nosso país sem turismo. Mas outro exemplo de como as coisas funcionam mal, por erros próprios: Sabem aquela polémica da Agência Europeia do Medicamento? Lembram-se? Saiu de Londres e está em curso o processo de escolha da cidade europeia onde a agência se irá instalar. Pois bem, Lisboa, que, recordo, já tem duas agências europeias, apressou-se logo a dizer que estava disponível para a receber. Isto é um erro. Caso Lisboa ganhasse, viriam para cá viver mais 5000 / 6000 funcionários europeus, a ganhar entre € 6.000 e € 12.000 (são funcionários "públicos" europeus muito bem remunerados). Claro está que os senhorios iriam ficar muito contentes, pois podiam cobrar-lhes valores adequados para eles (mas muito elevados para os nossos níveis de vida). Ora, Lisboa já tem duas agências europeias. Em Espanha, por exemplo, as agências europeias não estão em Madrid nem em Barcelona, mas sim em cidades secundárias, tipo Alicante. Pois bem, Lisboa manifestou vontade em acolher esta agência. Como já disse, é um erro. E lá tiveram que vir os politicos do Porto "reclamar" para se perceber que se esta agência ficasse em Lisboa seria um erro. Vale a pena pensar nisto, não acham?

      Eliminar
    3. A EMA tem 900 funcionários, está longe dos números que referiu (mesmo que viessem com família).

      Eliminar
    4. E reclamaram por motivos legítimos ou porque queriam que o erro fosse cometido no Porto?

      Eliminar
    5. ó Anónimo das 14:32, deixo à sua consideração a resposta. Pense lá se é um erro o Porto reivindicar a instalação desta entidade europeia no Porto ou se é um erro Lisboa persistir em querer mais esta entidade europeia......

      Eliminar
    6. O texto foi com o zero a mais, serão 600 aproximadamente. Obrigado pelo reparo. Mas o essencial do texto não está errado, pois não?

      Eliminar
    7. anónimo das 16.00 vou-lhe explicar. Se é um erro em Lisboa, pelos motivos que aponta, também é um erro no porto, onde comprar/alugar casa no centro também não está propriamente barato. Se viessem dizer que era um erro, mas quisessem deslocar para outras cidades que não Lisboa e Porto (como em Espanha, não é nem em MAdrid nem em Barcelona...)

      Eliminar
  49. Amo Lisboa mas não vivo aí. Certo que venho embora para a minha casa depois de me encantar. Mas sigo por exemplo a Homelovers ente outras imobiliárias de Lisboa pois é nelas que normalmente vejo os apartamentos que me preenchiam as medidas. De todas as vezes penso como é que os Lisboetas conseguem pagar rendas tão elevadas? Será que são todos ricos? Que todos têm trabalhos hiper mega remunerados? Porque para mim era absolutamente incomportável e ganho um pouco acima da média dos portugueses.

    ResponderEliminar
  50. Muda-te para o Porto... ainda não chegamos ao semelhante, e convenhamos, somos beeeem mais simpáticos e prestativos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. E não temos as filas de trânsito que há em Lisboa.

      Eliminar
    2. Se todos mudarem-se para o Porto, aumentará a demanda e, consequentemente, os preços também ficarão mais altos - como se já não estivessem. Pense.

      Eliminar
    3. Já vivi nas duas cidades e não acho nada

      Eliminar
    4. Eu gosto de Lisboa principalmente por ninguém me incomodar, ao contrário da vila em que nasci em que toda a gente se conhece. Não há paciência :P

      Eliminar
    5. Eu já vivi nas duas cidades e estou TOTALMENTE DE ACORDO!!!

      Eliminar
  51. Decidi instalar-me em Portugal ha 5 anos porque achei que poderia ter um melhor futuro para mim e para uma familia futura. As coisas mudaram imenso em 5 anos. Ha 5 anos, achava que os salarios ridiculamente baixos eram compensados com os preços das casas, das saidas e da qualidade de vida que se tinha aqui.
    Hoje, quando regresso para Paris varias vezes ao ano, dou por mim a achar que certos preços sao identicos ou até mais baixos que em Lisboa. Isto é uma loucura.
    Lisboa é linda, sera sempre Lisboa, a cidade pela qual me apaixonei e continuo completamente in love.
    Mas Paris... sera sempre Paris e isso ninguem lhe podera tirar. So vejo que afinal este pais esta a ficar passado com os turistas e quem fica com o dinheiro deste grande boom sao sempre os mesmos... os que ja tinham !
    Quando cheguei por ca, paguei um studio 500 euros no principe Real. 500 euros ! Com o salario minimo nao poderia conseguir pagar as contas !! Isso é sureal !!! Pelo mesmo apartamento em Paris, pagava 600 euros com contas incluidas... e ganhava 3 vezes mais do que ganho aqui.

    O governo neste momento tem de passar a votar leis para deixar os portugueses viverem no que é deles.
    Eu nao sou alfacinha de nascença, mas sou de coraçao e quero voltar a aproveitar a Lisboa pela qual me apaixonei ! A Lisboa dos Portugueses !

    ResponderEliminar
  52. Há 40 anos que o algarve é assim....

    ResponderEliminar
  53. Então a mulher já nao tinha comprado um palácio????

    ResponderEliminar
  54. Vivo na Covilhã e pago 265€ com garagem por 1 T0/ Estúdio, relativamente novo (8 anos). Tenho perfeita noção que é caro :D Conseguia um T1 ou T2 por 300/350€. Sou de Lisboa, os meus pais vivem aí, mas seria impensável sair da Covilhã, neste momento. Não estou preparada para perder a minha independência, e com aquilo que ganho, seria insuportável pagar rendas de 4 dígitos, teria de voltar para casa dos papás. Não vai acontecer...

    ResponderEliminar
  55. E não é só Lisboa, experimenta vir para Faro... a loucura!!

    ResponderEliminar
  56. Eu nasci em Lisboa (zona do Marquês de Pombal) e morei em Lisboa até aos 19 anos.
    Trabalho na zona do Chiado.
    Nem que me pagassem eu moraria em Lisboa. Não sei se é de cá estar o dia todo, mas acho a cidade feia e sem interesse.
    Moro na margem sul e demoro perto de 35/40 minutos a chegar aos Cais do Sodré (contando com os tempos de espera). Nunca passo a ponte, uma vez que cada vez está pior.
    Chego cedo, ando pela Ribeira das Naus, tomo o meu pequeno almoço sossegada.
    Moro em frente à praia e é um sossego depois de um dia de trabalho.
    As rendas já não são assim tão baratas, mas a casa é mesmo minha.

    ResponderEliminar
  57. Só comprei casa em Lisboa, quando engravidei. Comecei a pensar que devia deixar alguma coisa ao meu filho, já que a "casa" é aquilo que mais pesa no nosso orçamento mensal. Hoje posso dizer-vos que o preço do meu apartamento já mais que duplicou. Nos tempos de austeridade, e porque o dinheiro no banco estagnava e corria o risco de ser mais um banco a falir, em vez de amortizar no meu empréstimo, optei por aplicá-lo e comprei uma casinha junto ao mar, a poucos quilómetros de Lisboa. Uma achado...Ainda assim, posso dizer-vos que é lá que passo as minhas férias e fins de semana. Deixei de viajar em lazer (viajo com alguma regularidade em trabalho), compro toda a roupa e calçado em outlets, raramente janto fora ou vou ao cinema, não me recordo da última vez que fui à ópera, coisa que adoro! Bebo café no escritório e deixei de frequentar o café diariamente e levamos todos as refeições de casa para o trabalho/colégio.
    Quem não é rico, para ter alguma coisa, neste país ou noutro qualquer, tem que ter muito espírito de sacrifício e capacidade de organização. Tive uma vida plena (e de muito consumo) até ao 36 anos! Agora tenho uma vida plena de uma outra forma. De muitos afetos e ainda de muitos sonhos de futuro!
    Muitas vezes comentei que Lisboa mais tarde ou mais cedo iria ficar tão cara como as grandes capitais. Vocês sabem quanto custa um apartamento em Moscovo? Sabem o preço das casas na favela do Vidigal no Rio? Ou uma casa em São Paulo? Porque é que Lisboa, sita junto ao mar, com um clima incrível, uma cidade segura e com um custo de vida tão apetecível para os norte-europeus iria ser diferente? Acho que devemos redobrar cuidados, porque temos maus exemplos para não copiar. Nunca gostei de Barcelona, apesar da imensa riqueza cultural, por ser escura e suja.
    Se não vivesse em Lisboa, só poderia viver em Viana do Castelo ou Aveiro, por serem cidades lindas, lindas, com ótimos estabelecimentos de ensino oficial em bons lugares nos rankings nacionais, com habitantes simpáticos e pessoas amorosas, com lojas incríveis, mas lá está...os invernos são outros e os empregos não são teletransportáveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da sua opinião e forma de estar na vida.

      Teresa

      Eliminar
  58. Para se conseguir viver em lisboa, só num bairro social... e é preciso muita papelada...

    ResponderEliminar
  59. Adoro estes comentários...ah Marinha Grande, Sintra e tal...sim muito bonito, casinhas baratas e depois? Depois o pessoal quer vender e ou vende por metade do preço que pagou ou fica acorrentado aquilo para o resto da vida. Eu moro em Oeiras, tenho o comboio à porta de casa, marginal, auto estrada. É o concelho do país com o maior rendimento per capita, o valor das casas está ao nível dos que se praticam em Lisboa, mas comprar em Lisboa, Oeiras, Estoril ou Cascais é um investimento pois são casas que estão sempre vendidas. Na zona onde resido tenho as imobiliárias a bater à minha porta a perguntar se estou interessada em vender pois já há clientes em lista de espera pois não há uma casa para venda. Em Sintra por exemplo há casas à venda há 10 e mais anos porque damos um pontapé numa pedra e aparece uma casa para vender...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E deixaram um bandido voltar ao poder. Não me contive desculpe :D

      Eliminar
    2. Não se contenha. É a sua opinião. De qualquer modo o bandido ainda fez algo pelos Oeirenses...tenho um exemplo que vou dar e talvez perceba o porquê de muitos serem agradecidos ao bandido. Os meus pais construíram uma moradia em Oeiras nos anos 70. Posso dizer que terreno e construção deve ter custado no máximo 20000€...foi vendida por 350000€...as obras de melhoramento custaram 30000€...faça as contas.

      Eliminar
    3. Claro, já dizia Maquiavel, os fins justificam os meios. Os portugueses são tão miseráveis no que toca a valores, se "há obra feita" então já pode tudo.

      Eliminar
  60. "de repente parece que estamos em Londres ou Nova Iorque, com a ligeira, ligeiríssima diferença, que por cá não ganhamos o mesmo do que os londrinos ou do que os nova iorquinos", nem pagamos os impostos que eles pagam! Às vezes era bom olharmos o quadro todo em vez de vestirmos a t-shirt com os dizeres 'je suis le coitadinho do costume'...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estive em Paris há pouco tempo e bati os olhos numa imobiliária...e garanto que os preços das casa não têm nada a ver com os valores de Lisboa. Vi apartamentos com 80m2 a custarem 3 milhões de euros...em lisboa ainda não há preços destes.

      Eliminar
  61. Vivo em Lisboa ha alguns anos, vivemos num simpático T2 na zona ribeirinha, por uns simpáticos 400 euros. Entretanto decidimos deixar Lisboa e voltar às origens, sabemos a sorte que temos com a nossa casa em Lisboa,e sabemos perfeitamente que nos próximos a arrendar está casa, provavelmente, não terão a mesma que nos. E ridículo o estado a que o mercado chegou.

    ResponderEliminar
  62. Lisboa é porque é a capital... No Algarve passa-se precisamente a mesma coisa, por ser Algarve. O que é certo é que quem acaba por desfrutar de tudo isto são os estrangeiros. É casas q nem a trabalhar no duro a vida inteira conseguimos pagar, é carros novos,... E nós com esta miséria de ordenados qlqr dia queremos para comer e não temos. Tudo a aumentar, a pensar nos estrangeiros. É o quem mais pode...! Já merecia uma revolução. Um casal, com os dois a trabalhar, pagamos uma casa onde a renda nem é nada por aí além, um filho, poucas ou nenhumas extravagâncias e chegamos ao final do mês com "a corda ao pescoço". Ainda a taxa de natalidade está baixa? Vivo num sítio onde para me deslocar, só mesmo de carro e tomara q o meu já velhote dure muitos anos.

    ResponderEliminar
  63. Pipoca, come to Cacém...não é tão dark side como pintam :D

    ResponderEliminar
  64. Maquiavel também dizia que há políticos honestos e que a justiça em Portugal funciona. Pelo que vejo quem mais fala mais tem que se lhe diga. Os que mais falam ganham por fora, não se casam para serem solteiros e receberem abono de família e isto sem terem poder...que fariam se se apanhassem num cargo político. Muitos queriam era vir para Oeiras, mas "nheirinho" para isso é que não há...lá está a dita inveja...e que Isaltino é um excelente Presidente de Camara isso é certinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahah sim, vou já vender o meu apartamento em campo de ourique e vou a correr para Oeiras. Sair do centro da cidade para me tornar numa suburbana, um sonho.

      Eliminar
    2. A Malta que vive em oeiras na verdade queria viver em Cascais, mas não tem "nheirinho" para isso não é? Quem nasceu para lagartixa...

      Eliminar
    3. Campo de Ourique é centro? Se bem me lembro nem metro tem, se calhar demora mais tempo a chegar ao centro do que os suburbanos de Oeiras.

      Eliminar
    4. Ai não? Que eu saiba, ali para os lados do amoreiras/dom João v é campo de Ourique, a 5 min a pé do metro, 15 minutos a pé da baixa.

      Eliminar
  65. Sim...quem compra em Oeiras não tem dinheiro para uma casa em Cascais...santa ignorância...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a mesma lógica de achar que quem vive no centro de Lisboa não podia comprar em Oeiras.

      Eliminar
  66. Trabalho em Oeiras e vivo em Oeiras. Nunca na vida iria morar para Lisboa pois o dinheiro que dei pelo meu apartamento de 1.ª linha de mar dava para comprar em Lisboa...então para Campo de Ourique é que nem pensar!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando Oeiras sair na monocle como melhor bairro, depois falamos então.

      Eliminar
    2. Marido surfista e família amante do mar. Lisboa jamais. Oeiras forever enquanto tiver essa possibilidade!

      Eliminar
  67. 232 eur por uma renda?? em portugal? só se for no fim do mundo..em aveiro já n encontra um T2 por menos de 400/500 eur..antigo claro! e não precisa de ser no centro da cidade..

    ResponderEliminar
  68. Anónimo das 11:21, pois realmente quem vive em Campo de Ourique não tem dinheiro para viver em Oeiras, compreendo perfeitamente porque não trocava o seu belo apartamento para viver em Oeiras.

    ResponderEliminar
  69. Onde viu essa afirmação? Só disse que Oeiras está a praticar os preços de Lisboa. Com o rendimento dos Oeirenses e os parques empresariais existentes é normal as pessoas quererem morar em Oeiras. Há melhor que trabalhar e viver no mesmo sítio? Eu sou nascida e criada em Oeiras e trabalhei em Lisboa durante um tempo. Tenho comboio à porta e em 30 minutos estava no local de trabalho...pacífico, mas surgiu a oportunidade de vir trabalhar para Oeiras e nem pensei duas vezes. É a minha terra, é o local que gosto para viver. Para mim isto é qualidade de vida. Tal como compreendo que quem trabalhe em Lisboa queira lá viver. Eu não gostava, mas se quisesse podia comprar uma casa em Lisboa...foi o que eu afirmei.

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis