Pub SAPO pushdown

É preciso falar disto #9: ondas gigantes

sexta-feira, fevereiro 03, 2017

Todos os anos é a mesma conversa. Aproxima-se a época dos temporais, a Protecção Civil avisa as pessoas para não ficarem especadas nas zonas costeiras a admirar as ondas gigantes, e o que é que as pessoas fazem? Pegam nelas e lá vão empoleirar-se em tudo quanto é rocha, assim mesmo à beira-mar, precisamente a admirar as ondas gigantes. E eu não sei se esta malta gosta de viver a vida no limite ou se são só estúpidos, mas estou muito tentada a inclinar-me para a segunda hipótese. É mais ou menos como aquela gente que, no verão, se enfia debaixo das rochas para ter sombra mais fresquinha, mesmo com todos os avisos de derrocada. 

A sério, pessoas, vamos lá desconstruir este fenómeno das ondas gigantes a ver se se acalmam com isto.
Então, é só água salgada que, devido a um conjunto de condições climatéricas, se eleva a uma altura maior do que o habitual. É só isso. E como, deduzo, a maior parte de vós não são surfistas experientes e capazes de enfrentar o Canhão da Nazaré, não percebo que raio vão para lá fazer. A não ser, claro, pôr a vidinha em risco, que é sempre um programa giro para aquelas horas em que não temos com que nos entreter. E sempre vemos se a nossa polícia marítima e as equipas de resgate estão devidamente preparadas, não podem passar um ano inteiro a olhar para o ar. Ou para o mar, neste caso.

A parte (mais) gira é termos as televisões a pedirem às pessoas que enviem fotos do mau tempo. Porque não é mau o suficiente porem jornalistas na ponta dos molhes com um corta-vento ridículo mas que eles acreditam que os protegerá caso vão bater com os ossos na água (quantos é que já não vimos a levarem com ondas em cima?). Não, vamos pedir também ao português comum que pegue no seu telemóvel e entre na competição "quem é que consegue correr mais perigos só para ter uma foto de ondas para mandar para a televisão". Eu até percebo o potencial fotográfico da coisa e acho que se conseguem captar imagens do caraças, mas porra, não a qualquer custo, não sem estar a uma distância suficientemente segura.


Esta imagem (que roubei feiamente ao humorista Paulo Almeida) é bem exemplificativa daquilo que eu estava a dizer. Portantossssss, ao mesmo tempo que o comandante da Polícia Marítima da Figueira da Foz faz um apelo para que as pessoas deixem de ser estúpidas e não se ponham em perigo (não foram estas as palavras usadas, mas percebem a ideia), em rodapé a SIC pede que se enviem fotos e vídeos. Parece a gozar. Mas não é, e as pessoas lá vão, na esperança de terem os seus dois segundos de fama com uma foto de uma onda de quatro metros em Leixões. 

Ontem à noite lá foram parar mais uns quantos ao mar, em Ílhavo, arrastados por uma onda. Uma dessas pessoas continua desaparecida e, aparentemente, estava a fazer um ritual a Iemanjá. Ora bem, eu não conheço bem os procedimentos. Sei que a Iemanjá é a rainha dos mares e sei que 2 de Fevereiro (ou seja, ontem) é um dos dias em que é suposto celebrá-la. Mas tenho para mim que deve haver para lá uma cláusula qualquer que diz "excepto se for dia de temporal, nesse caso deixem de ser estúpidos e fiquem sossegados em casa, depois logo se comemora". 

Em calhando, não era má ideia começar a passar umas multas jeitosas a esta gente. Porque porem-se em perigo é uma coisa, porem outras pessoas em perigo é outra. E há quem corra riscos para os tentar tirar de dentro de água. E é preciso mobilizar polícia, bombeiros, barcos, helicópteros, ambulâncias, hospitais. Tudo isto tem um custo que tem de começar a ser imputado a estas pessoas que, por pura negligência (e por acharem que só acontece aos outros) se plantam à beira-mar ignorando TODAS as recomendações para não o fazerem. A sério. Tenham juízo.

84 comentários:

  1. E devido à estupidez destas pessoas que vão para perto do mar arriscam a vida outras pessoas para os salvar (polícia marítima) 😡 noção!!!

    ResponderEliminar
  2. Concordo mesmo que as pessoas deviam começar a ser multadas por causa disto... Pode ser que a partir daí começassem a ser mais conscientes! P

    ResponderEliminar
  3. É a selecção natural.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podia concordar mais!

      Eliminar
    2. Não é selecção natural.
      Não quando a idiotice de alguns faz com que tenham que ser accionados bombeiros, protecção civil, hospitais e até mesmo particulares que tentam ajudar.

      Eliminar
    3. Também acredito nisso, o problema é que essas pessoas levam outras completamente inocentes atrás delas.

      Eliminar
    4. Melhor comentário!!

      Eliminar
    5. O problema é que esta selecção natural normalmente tem custos para os contribuintes!

      Eliminar
    6. @Anónimo das 12h24

      Pior comentário!

      Eliminar
  4. Vivo fora do país e por aqui em casos que são provocados pelas próprias vítimas todas as despesas que o estado tenha para recuperação da vítima (helicópteros, barcos etc) vão ser imputadas ao próprio visado ou à família porque a culpa foi toda sua! Acho lindamente! Não sei se por aí já é assim mas devia ser, para ver se aprendem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa ideia.

      Gente sem noção...

      Eliminar
    2. Cá também :) Como já aconteceu no caso do Gerês no ano passado...

      Eliminar
    3. Pois, como o Anónimo das 12:09 sustenta, acho que, em Portugal, uma vez accionada a protecção civil sem ter sido caso de desastre natural, corre inquérito e são responsabilizados os beneficiários que deram causa à ocorrência.

      Eliminar
  5. Ontem quando vi na TVI a pedirem o mesmo, fiquei incrédula!! Já não basta as imagens que nos transmitem (e os riscos que os repórteres e jornalistas correrm), ainda pedem ás pessoas que as captem. E lá vai o povinho para a beira-mar fazer videos, na esperança de os ver na TV nacional. No fim não sei quem será mais irresponsável: quem pede as imagens ou quem as envia!
    E um rapaz que foi para a Torre de Belém fazer surf? Felizmente não aconteceu nada e toda a gente achou piada, mas se tivesse dado para o torto ia ser 'lindo' ia. As pessoas não se tocam, não percebem o perigo que estas situações trazem.

    ResponderEliminar
  6. Concordo a 100%. Ainda hoje de manhã quando ouvi a notícia de que a pessoa continuava desaparecida, e que estava a fazer um ritual qualquer pensei:"Que estupidez, com um aviso vermelho por causa da agitação marítima e vão fazer um ritual para o mar? Oh senhor!" E depois claro lá vemos pessoas a correrem riscos para irem salvar estes idiotas! Sou apologista de multas sim senhor! Podia ser que começassem a aprender!

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Haverá povinho mais estúpido??? Realmente o apelo das Tv´s a que as pessoas enviem imagens ajuda a que ainda sejam MAIS ESTÚPIDAS!
    http://araparigadoautocarro.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso não é incitar curiosos. É simplesmente, apelar a quem tem vista privilegiada - viva ou trabalhe "com vista para o mar "- a fornecer os registos fotográficos que consiga,aos media. Penso num meu amigo que, como tantos milhões por esse mundo fora, vive em frente a um porto de mar. Pode tirar fotos brutais sem arriscar uma unha.e isso dá material.

      Eliminar
  8. O que aconteceu ontem em Ílhavo prova que a selecção natural ainda existe ��

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Disse exactamente o mesmo quando vi a notícia!

      Eliminar
  9. Tânia Gonçalves Leal, não concordo nada q os custos sejam imputados a familiares q eu não tenho culpa nenhuma se me calha na rifa familiares estúpidos! já é demais q caso os tenha, tenha q aturá-los!!!

    ResponderEliminar
  10. É o nosso povo. Nunca mais esqueço de uma reportagem na Serra da Estrela onde um jornalista entrevistava um casal que tinha ficado preso na neve numa estrada que estava cortada . O jornalista perguntava o óbvio, porque é que eles tinham ido por ali se a estrada estava cortada ao trânsito . A resposta deles foi : "Porque vimos um carro a vir por aqui então nós também viémos! "
    É a cultura do "se eles podem eu não fico atrás " mesmo que isso implique levar com um calhau em cima .
    Mas concordo inteiramente com o post e acho que a malta que fica presa no mar, quando está bandeira vermelha também devia pagar multa . Enfin! !

    ResponderEliminar
  11. Há que provar a teoria de Darwin....

    ResponderEliminar
  12. Ana, adoro ler-te, mas, por favor, condições climatéricas não. Condições climáticas. Apesar de ser um galicismo, e aceite, climatérico está relacionado com uma condição feminina e não com o estado do clima. Preciosismos... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, sim, é bom português...eu também não sabia que já estou a caminho do climatérico (menopausa).

      Eliminar
    2. Também fiquei a saber no programa da RTP "Cuidado com a Língua" que não se deve dizer "condições climatéricas" e até foi muito bem explicado. E não acho que seja mau alertar para o facto. Não se está a ofender ninguém e para a próxima já não se repete o "erro". Eu pelo menos já não me vou esquecer :D

      Eliminar
    3. Climatério (menopausa).

      Eliminar
    4. Caríssima anónima(12:33h), Sugiro-lhe que, antes de assumir o modo "corrector linguístico", faça uma consulta um pouquinho mais aprofundada...(: Embora o termo "climatérico" de acordo com alguns dicionários esteja errado, outros há que consideram o inverso! Mas contribuir com o seu comentário "pseudo correctivo" para a ignorância da população feminina, sobretudo a que se inclui no grupo etário dos 45/55 anos(aproximadamente),é inaceitável e de lamentar!): Porque o termo " climatérico" não se relaciona com qualquer condição feminina de ausência definitiva de menstruação... logo, se pretendeu referir "CLIMATÉRIO", errou e deu um tirito no pé...:-). Aproveito para acrescentar, que embora não sendo ginecologista, nem pretender armar-me em sabichona...o termo menopausa usulmente aceite e utilizado por todas nós, tecnicamente não está correto, uma mulher que terminou a sua fase fértil, entrou no climatério!(fase da libertação)(: Teresa

      Eliminar
    5. E já agora: "a maior parte de vós não sois surfistas" ou "a maior parte de vocês não são surfistas".

      Eliminar
  13. Muito bem, Ana. Que as pessoas sejam insensatas ao ponto de arriscarem a vida por uns momentos de protagonismo é uma coisa. Que se coloquem vidas em risco por isso, que se mobilizem meios caros necessários noutras intervenções é outra bem diferente. Como em tantos outros assuntos Portugal peca por isto. Pela desresponsabilizacao recorrente. A mudar, e rapidamente. Ridiculariza-nos a todos.

    ResponderEliminar
  14. Concordo com tudo, que é estúpido, que se podem prejudicar outras pessoas por razões parvas mas... morreu uma pessoa... não sei mas eu acho que, independentemente de se achar estúpido ou não, um bocadinho de respeito pela vida (neste caso morte) de um ser humano, não fica mal. Já vi aqui comentários um bocado "maus". A verdade é que está mulher que desapareceu será com certeza filha, mãe, irmã de alguém e isso para nós que não somos família poderá eventualmente passar-nos ao lado mas para os familiares, amigos e não só, não. E repito, independentemente da parvoíce da razão que a levou ali e de, porventura, poder prejudicar alguém com o seu facto impensado, morreu uma pessoa. Para mim a morte de alguém continua a ser sempre um motivo de pena, mesmo que a morte nos entre pela casa todos os dias de forma tão "leve".
    Este comentário não tem como objectivo ofender ninguém, é mesmo só a minha opinião e maneira de estar na vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haja alguém sensato!

      Eliminar
    2. Claro que uma morte será sempre uma morte e a mim comove-me sempre! No entanto custa-me pela família de quem partiu mas não sinto pena de quem foi. Meteu-se a jeito, arriscou tendo sido avisada, achou que nada lhe aconteceria, que são coisas que só acontecem aos outros, blábláblá.
      Aquelas pessoas que aparecem em todas as imagens, a levar com banhos de mar em cima, terão pouco pino, e mais não digo. Se fossem da minha família além de triste, ficava revoltada por não terem pensado na falta que me fariam ainda por cima morrendo a ser burros!
      Comparo o comportamento delas ao do meu amado filho, a única diferença é que o meu filho têm 7 anos!

      Eliminar
  15. Vão para os molhes e para as rochas e já pensam que são o MacNamara.

    ResponderEliminar
  16. Concordo! Ou multas, ou ficarem alertados que estão por sua conta e risco. Se se quiserem plantar nas rochas, à beira-mar ou no raio que os parta, tudo muito bem, mas não haverá nem pessoas nem meios para resgate caso este venha a ser necessário. Temos pena! Não há mesmo pachorra!!

    ResponderEliminar
  17. Não sei como é que nos tornámos na espécie dominante do planeta terra!
    Um beijinho grande*
    Novo blogue! Crazy Cat Lady

    ResponderEliminar
  18. Eu estou neste preciso momento em que leio o teu post plantada à beira mar! :D

    ResponderEliminar
  19. Ontem era dia de nossa senhora das candeias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Senhora das Candeias a rir, está o inverno pra vir, senhora das Candeias a chorar, está o inverno pr'acabar" ;)

      Eliminar
    2. Mas é suposto ir para o mar no dia de Nossa Senhora da Candelária ou ir à procissão das velas(luz/candeia)?

      Eliminar
  20. Sem dúvida que deveriam ser multados e todos os custos imputados à vítima/família. É ridículo pagarmos todos pela estupidez das pessoas.
    Em relação ao pedido da Sic, ainda que ridículo, imagens de mau tempo não se resumem apenas ao mar, podendo também ser cheias na cidade, quedas de árvores, etc...mas claro que não deixa de ser ridículo e um mau serviço público.

    ResponderEliminar
  21. Pessoas estúpidas!! E deviam mesmo ser multadas. Põe em risco a própria vida e a dos outros. Para que? Fotos com uma onda. A sério, tenham dó.

    ResponderEliminar
  22. Por melhor que pareça no papel, imputar os custos à vítima e aos familiares não me parece de todo simples de aplicar. Quem vai tomar essa decisão de imputar os custos e concluir que a responsabilidade é única e exclusivamente da própria pessoa? Parto do princípio que a maioria dos acidentes têm culpa humana, muitas vezes causados por negligência ou imprudência mas... são ACIDENTES, tal como indica a palavra.
    Deixaríamos de ter meios de socorro tendencialmente gratuitos, como qualquer outro serviço público?

    ResponderEliminar
  23. Selecção natural é a capacidade de se adaptar ao meio devido a alterações nos genes. Tendo em conta que houve pessoas que conseguiram voltar a terra, a sua sobrevivência em nada demonstra que o seu comportamento é menos irresponsável do que quem não conseguiu. Que é o que está a ser discutido, não a capacidade de nadar mais ou menos, a qual sim, tem uma componente genética.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha de chegar alguém desmancha-prazeres :)

      Eliminar
  24. Eu não consigo compreender essas pessoas! Dá-me vontade de chegar ao pé de cada uma e mandar-lhes um murro!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  25. Ora Pipoca, agora é que estiveste bem! É que não se entende! As pessoas são desrespeitosas, este é o tipo de acidentes completamente evitável. Aliás, não sei até que ponto se poderá considerar acidente o facto de alguém se colocar, voluntariamente, numa situação de perigo iminente. É sempre lamentável ouvir este tipo de notícias todo o santo ano e não pensar como de facto foi estúpida esta morte e a fácil forma que a mesma tinha de ser evitada.

    ResponderEliminar
  26. O meu pai, agente da PSP, teve que ficar à chuva e ao frio, para evitar que , sem cérebros, fossem ver de perto as ondas gigantes . Por causa de gente parva, é preciso mobilizar as forcas policiais que seriam uteis em outros locais e situações . Enfim. Se as ondas os levarem, problema deles, são adultos .

    ResponderEliminar
  27. Ao ver essa reportagem ontem na SIC comentei exactamente a mesma coisa " Parece que se fomenta e até incentiva a foto da melhor desgraça neste caso relacionada com o mau tempo no mar". Oh gentalhaaaaaaaa

    ResponderEliminar
  28. Realmente com tantos avisos e as pessoas continuam a arriscar a vida, não se compreende. E como disse um anónimo acima que o pai, um agente da autoridade teve que ficar de vigia por causa destas pessoas que não têm cérebro. Há coisas que nos ultrapassam e agora lembrei-me daquelas pessoas que se põem a ver os ralis mesmo em cima das estradas onde os carros passam a altas velocidade e arriscados a serem atropelados, e nas corridas de bicicleta põem-se mesmo na via onde os ciclistas passam e arriscam até a vida dos próprios ciclistas e a deles. Enfim, são tudo comportamentos irresponsáveis, há pessoas que não pensam.

    ResponderEliminar
  29. A menos que a vítima seja menor, não estou a ver como é que podiam imputar os custos de resgate à família! Faz algum sentido um inconsciente de 50 anos morrer desta forma e serem os pais de 80 a pagar? Vá, juízo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo. Mas na habilitação de herdeiros, esse montante deveria entrar como passivo.

      Eliminar
  30. O zé povinho têm que meter o nariz em tudo.
    É o povinho que temos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. An. 15:33: Disse bem, é o povinho que temos. É nisto e nos acidentes na estrada, param para ver tudo, atrapalham, não percebem que deviam seguir e não atrapalhar, enfim... não há nada a fazer!

      Eliminar
  31. Eu acho que nestes casos não deviam ir atrás dos cadaveres sinceramente. Pôr em risco outras pessoas por negligencia de terceiros é mt mau.

    ResponderEliminar
  32. Não tenho pena nenhuma desses Atrasados, com exceção daqueles que tentam salvar as vidas!
    Quem anda à chuva, molha-se! Há mar e mar há ir e levar...

    https://letrasmusicaspt.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  33. Isto é como as crianças! Não vás para ali que cais, e, pumba, vai e cai! Vai se ver e tem que se começar a fazer inversão das noticias! Vem ai ondas gigantes! Vão para a beira da água e aguardem que uma delas vos leve! Provavelmente funcionaria, não iam...Enfim, estupidez atrás de estupidez... Concordo com tudo que diz!

    ResponderEliminar
  34. Desde segunda feira que a TV e a rádio anunciaram o temporal no mar dos Açores e a norte de Santarém. Eu sei que estão a fazer o seu trabalho e a dar o seu melhor, mas realmente é tanto "fuzué"que parece que se não há desgraça não há notícia.

    ResponderEliminar
  35. Bastou ver o noticiário da hora de almoço num local chamado S. Pedro (qualquer coisa) em que o mar chegava a uma praça central (deu na Sic) e era ver dezenas de pessoas (com crianças) divertidissimas a tirar fotografias as ondas, junto a um muro, quase mesmo a pedir um banho gratuito pelas ondas do mar. E as camaras de televisão a aproveitar o momento, se calhar com a ténue esperança que alguém fosse arrastado só para terem as imagens em exclusivo. Depois as pessoas desaparecem, e os que ficam choram, gritam aos céus, culpam Deus, a polícia, a praxe, o benfica em vez de culparem a estupidez daqueles que se poem a jeito e que não medem as consequências dos seus atos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Relativamente à praxe... menos Sofia, muito menos... ou melhor talvez um pouquinho mais de respeito por essas famílias enlutadas. Digo eu...

      Eliminar
    2. Cara Cláudia, não estou a ver onde é que a Sofia Ferreira ofendeu alguém. O que aconteceu no Meco foi pura estupidez, nada mais. Por mais que aquelas famílias tentem culpar a praxe ou o desgraçado que teve a "sorte" em sobreviver, os únicos culpados foram os próprios filhos e a sua inconsciência, por mais que isso lhes custe a admitir.

      Eliminar
    3. Concordo com o anónimo, 16:55.

      Eliminar
    4. Tem toda a razão anónimo das 16:55.

      Eliminar
    5. Exactamente anónimo das 16:55. Concordo.

      Eliminar
    6. Pois eu não concordo com o anonimo 16:55. Posso?

      Eliminar
    7. Claro que pode...agora contra fatos não há argumentos...

      Eliminar
  36. Por essas e por outras que cada vez vejo menos televisão!

    ResponderEliminar
  37. Nem mais, gente estúpida que dá sorte para o azar e depois reclamam das tragédias. Se sabem do perigo vão lá fazer o que? Há gente mesmo parva nesse planeta.

    ResponderEliminar
  38. Olha, nós por cá, Açores, também padecemos do mesmo. Assim que baixa o aviso meteorológico, é ver os fotógrafos de serviço à beira-mar plantados, todos em grupeta, à caça da melhor foto. Por acaso já tive que noticiar os efeitos de um furacão, que é mais ou menos o pão nosso de cada dia aqui para estes lados, mas o meu (queridíssimo) director de informação não me obrigou a ir para o meio do pasto testemunhar a intempérie. Mandou o câmara e eu fiquei no estúdio. Lucky me! Esta estória das ondas é mais ou menos parecida com as das praxes. Mas mais não digo.

    ResponderEliminar
  39. E por causa de uns, outros arriscam a sua vida.

    ResponderEliminar
  40. Eu sou aquela pessoa que vai parar ao inferno quando morrer, porque o primeiro pensamento que me ocorreu ao ouvir a notícia foi "Iemanjá não gostou das oferendas."

    ResponderEliminar
  41. Eu sou de Ílhavo e não é a primeira vez que isto acontece. Aliás, na minha casa, a cerca de uns 8 km do mar (em linha reta) tem-se ouvido o mar de uma forma assustadora, quanto mais junto ao areal! Eu costumo dizer que vou parar ao inferno (por coisas que penso e/ou digo) - e vou mesmo! Que desejava que a senhora fosse resgatada com vida? Desejava, embora isso já não vá acontecer. Mas sinceramente, não tenho pena nenhuma. Avisos da proteção civil para não andarem junto à costa (e é preciso avisos da proteção civil? não temos todos 2 dedos de testa?) e vão-se pôr a fazer rituais no areal? Era óbvio que alguma coisa ia acontecer!

    E o que me deixa mesmo danada é que depois há outras pessoas que têm de colocar a sua própria vida em risco para poder tentar salvar quem não tem consciência do que faz!

    ResponderEliminar
  42. Mas as pessoas não ganham juízo? Acabei de ouvir nas noticias da manhã que um casal de mais ou menos 20 anos estão desaparecidos noutra praia que agora não me lembro o nome. Que irresponsabilidade!
    E a outra senhora que ainda não apareceu estão mobilizadas 100 pessoas nas buscas, vejam bem o que estas situações implicam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que isto é horrível, mas até que ponto será legítimo colocar em risco as vidas de tantas pessoas, que não foram irresponsáveis, para encontrar o cadáver da senhora? A senhora já está desaparecida há tanto tempo que com certeza já não a encontram com vida...

      Eliminar
  43. Subscrevo na integra o seu texto Ana, infelizmente estamos numa sociedade replets de paradoxos e hipocrisias, os média são os piores! Tudo são apelos às atitudes mais básicas e menos esclarecidas pessoas...autênticos desafios à nossa integridade e sanidade mental! Cabe a cada um saber(conseguir...nem sempre é fácil) preservar essa integridade e sanidade mental, sem se deixar manipular! Bfs/Bjinho

    ResponderEliminar
  44. Também gosto do facto de fazerem diretos à beira mar a dizer que não se deve estar à beira mar.

    ResponderEliminar
  45. A Natureza faz a seleção "Natural das Coisas" aqui com mais facilidade faz a sua "seleção natural de pessoas parvas"...

    ResponderEliminar
  46. Não discutindo o facto de haver gente muito estúpida, relembro que também há mau tempo longe do mar. Se calhar pode-se mandar para a SIC uma foto de uma grande chuvada ocorrida em Bragança, por exemplo... Ou um video de um rio a transbordar filmado da janela do apartamento do 7º andar...

    ResponderEliminar
  47. Sim mais um bocadinho e é ver os paizinhos dessa gente estúpida a pedir justiça e mais-não-sei-o-quê... porque os filhinhos foram passear para o cais.



    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis