Pub SAPO pushdown

Mas também, vamos lá ver...

segunda-feira, junho 23, 2014
… não haverá mesmo homens decentes por aí espalhados ou é o nosso radar que está afinado para só captar cabrões trastes? É que, vamo'combinar (expressão brasileira que muito me apraz), nós temos uma tendenciazinha suicida no que toca a escolher homens. A ligeireza como que nos deixamos levar na cantiga do bandido é absolutamente impressionante. E repetimos, e repetimos e repetimos. E depois queixamo-nos, e queixamo-nos, e queixamo-nos. Não aprendemos à primeira, nem à segunda e, às vezes, nem à décima primeira. Apaixonamo-nos perdidamente por homens que, dizemos, nos dão luta. É a desculpa que damos a nós mesmas. Minhas amigas, vamos lá ver uma coisa. Um homem que faz com que olhemos para o ecrã do telemóvel 26 vezes por dia à espera que ele apite, um homem que tem sempre tempo para tudo menos para nós, um homem que não f*de nem sai de cima (ou, pior, que f*de e sai logo de cima), um homem que nunca sabe o que quer e tem mais variações de humor que uma mulher com TPM, ou um homem que foge do compromisso como o Diabo da cruz… não é um homem que dá luta. É UM HOMEM QUE SE ESTÁ NAS TINTAS PARA NÓS! Pronto, já disse, está dito, pode ser que soem campainhas por aí. Se um homem não nos faz sentir seguras e se não nos valoriza, então é porque é um traste.
Não é um coitadinho, não é um traumatizado, não é alguém que vive em sofrimento por não saber se nos quer ou não. Não lhes inventem desculpas, porque são apenas homens que não valem a pena. E o que é que nós fazemos perante este cenário? Pomo-nos a milhas? Enchemos o peito de orgulho e mandamo-los à fava? Vamos em busca de melhor? Nãaaaaaao, claro que não. Ficamos ali, a passar-lhes a mão pelo pêlo (apenas em sonhos, porque eles dificilmente deixam que alguém lhes passe a mão pelo pêlo), damos-lhe tempo (adoro isto), dizemos que estamos ali para o que der e vier, que ninguém os amará como nós os amamos, que ficaremos à espera o tempo que for preciso e blá blá blá. E enquanto esperamos eles vão fazendo a festa noutras camas. A coisa é simples, nós é que a complicamos. Se gostam ficam, esforçam-se, demonstram. Se não gostam estão-se nas tintas. Maaaaaaas, mas, mas, mas, não deixam de ir emitindo uns sinaizinhos de quando em vez, só para garantir que nós, as otárias, ainda ali estamos, prontas a correr ao mais pequeno chamamento. E nós corremos. Sempre. Até ao dia em que ele nos põe a andar de vez e lá ficamos afundadas em chocolates e Kleenex, a achar que o homem das nossas vidas nos escorregou das mãos. E lá chateamos as amigas, e lá lhes pedimos para analisarem cada palavra que ele nos disse, para ver se aquilo foi mesmo um ponto final ou se será só uma fase. Burrinhaaaaaaaaaaas! Enquanto isto, homens decentes vão-nos passando à frente, ao lado, atrás, mas estamos demasiado ocupadas a chorar sobre o leite derramado, a alimentar esperanças que só existem ao nível da ficção, porque na realidade a coisa já está morta e enterrada (alguma vez esteve viva??). Uma leitora dizia no post anterior que o problema é que andamos todas atrás de príncipes. Não acho que seja esse o problema. No fundo, toda a gente quer um príncipe. O problema, o eterno problema, é que queremos transformar os cabrões em príncipes, e isso resulta para  aí uma vez em quatro milhões. É praticamente um milagre quando isso acontece. Os príncipes existem. Andam por aí, são queridos, dedicados, fazem tudo por nós. Mas isso é o que nós queremos dos trastes. E é precisamente aquilo que os trastes não são. É por isso que são trastes e não homens decentes. Se eles fossem essas coisas todas - fofinhos, amorosos, se gostassem de nós - não lhes íamos achar a mínima graça, eram só uns choninhas insuportáveis. Verdade ou mentira?
Não acho que baixemos a fasquia à medida que o tempo passa. Acho, apenas, que passamos a privilegiar outras coisas. De que é que nos servem as paixões loucas se funcionam apenas para um lado? São precisos dois para dançar o tango, mas o traste é só um e dança sozinho no Lux, com 23 lambisgóias a rondá-lo. Até que aparece aquela pessoa que é diferente. Com quem as coisas não são uma luta constante. A quem não temos que pedir provas de amor a cada cinco minutos. Que nos faz sentir seguras e numa relação firme e adulta. Que nos dá paz. A paixão é uma coisa muito boa, mas a paz é sublime. Se tivermos as duas, melhor ainda. Chega de acharmos que o homem certo é o que nos deixa sempre ali entre a loucura e o desespero, que isso não é amor, é obsessão. E depois ficamos maluquinhas, neuróticas e entramos numa espiral de paranóia que não se recomenda a ninguém. E, claro, a achar que nunca mais haverá alguém tão bom para nós, tão perfeito, tão único. Até que, assim do nada, essa pessoa aparece, e depois olhamos para trás e pensamos "uiiiiiiiiii, como é que perdi tantos anos de vida com gente tão pouco recomendável? Afinal o amor é isto". Pois, é assim mesmo, faz parte do nosso ADN, tendemos a ser um bocadinho atrasadas emocionais. Não estou a dizer que é fácil encontrar o homem certo, nada disso. Já disse, e repito, que é complicado, sobretudo a partir de uma certa idade. Mas não estamos isentas de culpa. Muitas vezes somos póneis com palas nos olhos, olhamos só numa direcção e não percebemos o que nos está a passar ao lado. E o que nos está a passar ao lado pode ser o amor da nossa vida. Fiquem atentas.

165 comentários:

  1. Damn pipoca....agora até me vieram as lágrimas ao olhos.... és um máximo! estou sem palavras.

    ResponderEliminar
  2. Tem tanta razao... As vezes parece que gostamos da luta, da incerteza de jogar aquele jogo que, no fundo, nao temos como ganhar... E quando encontramos o principe por vezes tomamos por certo aquilo que ele nos da de coracao, deixamo-lo emocionalmente esgotado e... perdemo-lo. Meninas dem valor ao vosso principe encantado, nao o tomem como certo nem deixem de demonstrar que o amam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. após ler o teu texto, senti-me aliviado nesse assunto, obrigado mesmo, muito obrigado, estava mesmo a precisar de algo assim, beijos e abraços

      Eliminar
    2. Gostei imenso do seu texto, achei esplêndido, tocou-me esse texto, deu-me mais motivos para não para de procurar, estava mesmo a precisar desse texto, obrigado do fundo do coração

      Eliminar
  3. Exactamente o que eu precisava de ler!
    (Se bem que não me posso queixar muito porque com 19 anos ainda tenho muiiiiiito tempo para encontrar o tal homem decente!)

    ResponderEliminar
  4. Tao verdade. .. mesmo...

    ResponderEliminar
  5. Pipoca, é mesmo isto! Acho que estava a precisar de um sinal....ou de uma chapada de luva branca. XD

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  6. Lol, tem dias que gosto de ti!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo aqui com o anónimo e pensei exactamente o mesmo. Grande texto, muitos Parabéns :)

      Eliminar
  7. E é por causa desta publicação que vou dar uma oportunidade ao tal "choninhas" que já fez mais por mim do que um tal traste. Como estas palavras encaixaram bem... Obrigada Pipoca.

    ResponderEliminar
  8. Infelizmente também tive de apanhar dois desse género para conhecer o meu príncipe :) Mas é sempre importante passar por situações destas, nem que seja apenas uma vez, só para abrirmos os olhos e passarmos a ser um bocadinho desconfiadas!

    http://inspiremewithmoments.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Este texto tinha-me dado tanto jeito à uns anos atrás... Os cabrões conseguem-nos mesmo ter na mão e nós nem reparamos (ou fingimos que não reparamos). Felizmente o meu príncipe já apareceu. É lamexas mas pronto, é verdade! :)

    Blog | Facebook | MEGA GIVEAWAY A DECORRER |

    ResponderEliminar
  10. Um texto brilhante. A arte de colocar por palavras aquilo que muitos pensam, sabem, mas não querem ver. Aquilo que muitos veêm, mas não conseguem dizer. A vida, é como cada um a consegue viver. E é preciso querer mais da vida. O resto vem. Tem de vir. Nós merecemos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a vida é como cada um a consegue viver. que frase maravilhosa :-)

      Eliminar
  11. Este post "sou eu" e a palavra "traste" sai-me quase todos os dias da boca.... que "pobreza"...

    ResponderEliminar
  12. O problema de muitas de nos é criarmos demasiadas expectativas. Princepe encantado nao exite tudo na vida tem inicio e fim. Se em vez de se quererem casar para serem iguais as outrAs nao fazem como a maioria dos homens e divirtam s

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, "princepe" não existe de certeza lol

      Eliminar
  13. É isso mesmo, sem tirar nem por :)

    ResponderEliminar
  14. Gostava mesmo que várias amigas minhas e conhecidas lessem este texto. Eu acho que percebi bem cedo que não valia a pena andar com um certo tipo de homens - bastou-me ano e meio (com um "tempo" pelo meio) com um desses para decidir que nunca mais queria que me tratassem daquela maneira! E é isso que eu não percebo, eu também cai uma vez (acho que toda a gente tem direito a cair uma vez), mas tive cabeça para não voltar a cometer o mesmo erro! (É que ir na cantiga mais que uma vez já é masoquismo!) Porque é que as mulheres continuam a achar mais piada a esses homens? Sentem-se mais poderosas se os conseguem mudar não é? É uma conquista maior! Enfim... É claro que se pode apreciar esses homens, mas não a ponto de ficar obcecada em tê-los, lá está! A pessoa com quem estou agora (há mais de 5 anos) é claro que não teve tanta piada no início (porque me queria mesmo e me tratava bem), mas vale mesmo a pena o amor! No início encolhiam os ombros em desaprovação ao meu "choninhas" ("Ah, é ele..."), mas agora é tanta gente à minha volta a chorar por causa de más escolhas e, sinceramente, só me apetece dizer-lhes isto ou enviar-lhes o link deste texto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que engraçado, ler o seu texto fez-me pensar na minha amiga Céline :), estas palavras podiam ser dela.

      Eliminar
  15. Infelizmente tenho de concordar =\ até hoje só me relacionei com trastes mas sei bem que a culpa foi minha, achar que iam mudar por minha causa...

    ResponderEliminar
  16. É isto..é exatamente tudo o que disseste!
    Matilde

    ResponderEliminar
  17. Sou uma leitora "old school" do blogue e de repente lembrei-me da "antiga" pipoca.. os teus amores e desamores... este blogue dava um filme :)
    beijinho

    ResponderEliminar
  18. Isso é o que se chama: soltar as emoções! Muita coisa aí guardada! Mas concordo com a maioria e tenho amigas que aos 30 estão a passar o grande deserto e estão em modo desespero já.

    http://the-new-life-of-jo.blogspot.com.au/

    ResponderEliminar
  19. Amén! :) Felizmente, encontrei cedo um Príncipe, daqueles que traz a paixão, a paz, o humor, a felicidade, e tudituditudi no mesmo pacote. E quero acreditar (no meu Disney Princess Mode) que existe um para cada mulher, algures, escondido. Os tempos mudaram, senhoras! Temos de ser nós a ir buscá-los ás masmorras onde foram presos pelas putas más. (ai perdão... as bruxas más).

    ResponderEliminar
  20. Nunca comento. Mas hoje...hoje...lovely =)
    Gostei mesmo muito do texto que me é tão familiar =) a mim e a centenas de mulheres que...(não considero um desperdício o tempo que passámos com os trastes...antes uma fase de aprendizagem) aprenderam que o príncipe existe (e que não, nem sempre são rosas, mas até as discussões dão gosto caraças!) =)

    ResponderEliminar
  21. E como saber se estamos com o príncipe ou o traste? É que às vezes, sem percebermos bem, somos nós que somos demasiado complicadas, picuinhas e esquisitinhas. Por vezes existe uma linha ténue entre o que nos faz feliz e o que nos destrói. Como podemos perceber se estamos no caminho certo e só temos que crescer e deixar que ele cresça, ou se devemos largar já antes que fique pior? Nem sempre é fácil perceber o que é melhor para nós quando uns dias tudo é tão bom e perfeito e noutros parece que não há volta a dar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em 7 anos fiz me tantas vezes essa pergunta...Será ele realmente o traste ou o principe? Sou eu a complicada? O problema é meu? Quando não havia nenhum sinal tipico do traste... apenas viviamos juntos e separados ao mesmo tempo, sem nenhuma demostração espontanea de carinho por mim! Quanto mais de amor!!
      Até ao dia em que percebi que já tinha ultrapassado essa linha ténue! E até que alguém me mostrou a diferença!
      Porque raio me tinha de culpabilizar tanto e ele tão pouco. Mentalizem-se aquela história do "se é amor é tem de doer" é mentira. ás vezes pode não ser fácil mas Amor mesmo não tem que doer para ser verdadeiro!

      Eliminar
    2. P.s: Pipoca, nunca comentei nenhum dos teus textos e coomo se costuma dizer, "se não tens nada de bom para dizer não digas" mas, talvez por este me ter tocado especialmente, tenho que te dizer parabéns, tá muito bom!

      Eliminar
    3. ...podem ser os dois excelentes pessoas e não conseguirem relacionar-se harmoniosamente!!! É melhor terminar...dias maravilhosos precedidos de dias terríveis são um péssimo sinal...mesmo em fase de crescimento é um grande desgaste emocional que não acarreta qualquer benefício!! A juventude deve ser partilhada com alegria e as relações que se estabelecem nessas idades devem constituír um amparo, uma grande amizade e não uma fonte de desiquilíbrio e problemas desnecessários!!! Você não é picuínhas...mas, mesmo sendo, há-de aparecer alguém que goste de si assim "esquisitinha", valeu?

      Eliminar
  22. PopCorn! My friend PopCorn.. Assim até fico com medo. Olha a minha vida pah!

    ResponderEliminar
  23. Êh pá, passo a vida a dizer isto.

    ResponderEliminar
  24. Oh pipoca, pipoca, tens TANTA razão!!!

    ResponderEliminar
  25. Concordo 100% com este texto.. E por diversas vezes partilhei estes mesmos pensamentos com amigas que querem muito muito "um príncipe encantado"! O amor é lindo? É!! É bom? Sim,muito muito bom!! Afinal de contas, é por isso que vale a pena andar aqui "por baixo"... Mas, se pudesse acrescentar só mais uma coisinha a este post: não vale a pena andar "desesperada" à procura do homem perfeito enquanto nós não gostarmos de nós mesmas... Tratem-se bem, cuidem-se, mimem-se...Afinal, há alguém mais perfeito do que a mulher?;)

    ResponderEliminar
  26. eu sou a tal burra acima descrita.

    estou precisamente nessa situação de "nem f*de nem sai de cima". o homem, ou melhor, o "homem", não se decide. não sabe o que quer. e espera que eu fique por aí enquanto vai pensando no que há de decidir. é horrível porque o pouco ego que me resta diz "que é que estás a fazer? c*ga nesse gajo! isso é o tipo de gajos que merece ser gozado e não valorizado!" mas outro lado diz "se já esperaste este tempo todo, que mal faz esperares mais um bocado? assim sabes que pelo menos tentaste tudo"

    a realidade é que isto não tem futuro, não vale a pena pensar o contrário. se fosse para acontecer alguma coisa já teria acontecido. e sim, faz mal esperar. faz borbulhas e olheiras.

    obrigada pelo post, fez-me sentir menos incompreendida e que enfim, isto é uma coisa recorrente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não sabe o que quer, é porque não te quer a ti. Move on, girl! E o mais rápido possível...

      Eliminar
    2. Move one, mesmo. Eu consegui, também consegues. Eu era ainda mais burra porque sabia a peça que ele era, raramente inventava desculpas para o comportamento dele, não precisava de um "abre olhos". Percebi logo à primeira ou segunda. O pior era o quanto eu gostava dele. Foi mesmo muito difícil. Mas olha, superei, não quero mais...não se esquece mas ultrapassa-se, e sobretudo aprende-se a querer melhor

      Eliminar
    3. Sim... seguir em frente... Rápido... não é indolor mas faz-se!!!
      Vi-me nessa situação (o que fazer??!!!) e numa cidade diferente a 300 Km da minha, depois de decidir mudar de emprego e vida, sem amigos...
      5 anos depois estou casada com um príncipe para os meus olhos... mas definitivamente longe da emoção e do frisson que os trastes dão... Mas com uma tranquilidade e estabilidade que me fizeram ganhar anos e apagar rugas .. hehehe
      Força... e Gosta de ti!!!

      Sandra

      Eliminar
    4. Já aí estive. Estou na fase de luto e reerguer me novamente. Boa sorte. Vai haver dias que custa horrores e muitas vezes vais querer desistir de ser forte e cair novamente na tentação. Beijinhos. Em recuperação!

      Eliminar
    5. Eu também já estive nessa situação. Pior, perdi 4 anos da minha vida nisso. Quando decidi seguir em frente (e não foi fácil porque trabalhávamos no mesmo sítio e nos víamos todos os dias), estive dois anos sozinha para fazer o luto e consegui. Agora estou com um homem que tem tudo e mais alguma coisa que eu sempre quis (tem os seus defeitos, claro) e por quem me apaixonei perdidamente. Continuo a ver o outro traste todos os dias e não sinto rigorosamente nada. Força que também consegue ;)

      Eliminar
  27. Calma aí!! Por vezes também acontece uma miúda conseguir transformar um cabrão em príncipe e quando se farta dele larga-o como se fosse um par de meias sujas. O que também não é muito bonito. Eu acredito que a maioria dos cabrões que por aí andam, eram bons rapazes mas foram estragados por alguma gaja maluca. Claro que também há cabrões de nascença, mas isso é outra história.

    ResponderEliminar
  28. Ui, parecia que a Ana estava a falar directamente para mim. Acabei de ler e fiquei quase sem força no corpo.. precisava mesmo de ler isto! Realmente arranjamos mil e uma desculpas, porque o nosso caso é sempre diferente e no fim vai dar tudo certo! Pffff

    Obrigada!!!!

    thecaptainofmydreams.blogspot.com

    ResponderEliminar
  29. Pipoca is back! Muito mas muito bom!

    ResponderEliminar
  30. E quando temos o príncipe, aquele que está sempre lá, que faz tudo por nós, que mima que cuida, que diz que somos a mulher da sua vida e não conseguimos retribuir?

    Dói muito magoar uma pessoa que não merece, é lixado sabermos que ali podíamos ser felizes e o coração não corresponder :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu estou a passar por isso! Garanto q tb é uma dor imensa! queria tanto poder ser feliz com ele mas o coração é q manda

      Eliminar
    2. Tão verdade...

      Eliminar
  31. E assim se fala em bom português! Texto excelente!
    A reter: 'A paixão é uma coisa muito boa, mas a paz é sublime.'

    www.letstalkabout-shoes.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a frase mais marcante deste texto maravilhoso e tão verdadeiro!
      Alguém que nos ofereça essa paz, é quem nos vai fazer verdadeiramente feliz!
      Tenho 35 anos e ainda não encontrar o 'The One' mas nunca deixei nem vou deixar de acreditar no amor :)

      Eliminar
  32. O pior nisto tudo, não é cair no mesmo erro várias vezes, é simplesmente cair. Porque depois é difícil levantar e dar oportunidade aos certinhos (choninhas também não!). Porque achamos que a pessoa que vem a seguir é diferente e não é (aparentemente) um traste. Porque é bem falante, é inteligente, não é menaço do ginásio e não acha muita piada a sair à noite... mas depois, se for preciso, é o pior deles todos.
    É aquele que, no topo da Torre Eiffel nos convida para ir viver com ele e um mês e meio depois da mudança diz que afinal já não é aquilo que quer.

    A verdade é que nós nunca sabemos, com 100% certeza quem é que é um traste ou não.
    Há sempre uma tampa para cada panela, por isso o melhor a fazer é curtir a vida, não desesperar e ter mais atenção aos pormenores nas futuras relações.
    Se encontrarmos alguém, muito bem, se não encontrarmos, muito bem na mesma. Temos que, acima de tudo, gostar de nós primeiro. O resto vem por acréscimo, se/quando tiver que vir ;)

    ResponderEliminar
  33. Com tudo isto, concluo que nós mulheres somos mesmo masoquistas!! Apenas com 23 anos, este texto é me totalmente dedicado!! Viva os cabroes!!

    Pipoca, perfeito este texto!! Pode continuar... As meninas do estaminé agradecem :P

    ResponderEliminar
  34. Em modo de desabafo posso contar que foi exactamente isso que me aconteceu. Enquanto tava (e ainda estou, não posso mentir) a chorar por causa de uma relação sem futuro, apareceu um "choninhas" sempre disponível, sempre ansioso por me ver, sempre a tentar que eu lhe desse uma oportunidade. Eu não dei. Pelo contrário, disse-lhe com todas as letras que eu e ele não ia dar. E ele, passado uns meses, foi ser o "choninhas" de outra pessoa e vão casar no próximo mês.
    Eu sei, fui estúpida. Não o quis na minha vida porque ele não era o meu "tipo", eu não estava nem um pouco apaixonada e ainda tinha esperança de voltar com aquele que eu realmente amava.
    Mas é assim que se aprende, não é o que dizem? Pelo menos aprendi que não podemos desperdiçar oportunidades. Para a próxima já sei (pelo menos, em teoria sei).

    Obrigada por este post, Ana. Acho que vai ser muito bom para muita gente (incluindo eu).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Basicamente a história dos meus últimos 2 anos de vida... deixar fugir o príncipe enquanto ando atrás do sapo :(

      Não foi estupida... eu acredito que mesmo que custe começar uma relação ainda sob os estilhaços da anterior acaba por magoar ainda mais toda a gente! Pelo menos é o que repetindo para mim.

      Eliminar
  35. Mais traste, menos traste, os homens tendem a previligiar as mulheres mais novas, nunca descartando, para umas voltas, as acima dos 35, idade em que a glândula Pituitária entra em stress com o aproximar da data de validade, os 40. As presas mais faceis!

    As que estão a caminho dos 35, ainda tem salvação, sozinhas em casa com o gato, os budas, chakras e orichás. Drop the cat!
    http://www.youtube.com/watch?v=kApFZVE3jiI

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...meta os "textos e os capítulos " no saco e vá pastar...conversinha sem jeito!!

      Eliminar
    2. À falta de "testí" passou a escrever "textículos. Compreendo. É a lei da compensação.

      AR

      Eliminar
    3. Eu cá prefiro os gatos a gente parva... Se é que me faço entender!

      Eliminar
    4. Pena a estupidez não pagar imposto senão o exmo. sr. Texticulo livrava-nos da crise!!!

      Eliminar
  36. Pipoca, não costumo comentar mesmo sendo leitora assídua maaaaas .. que saudades destes teus textos! Não critico o que tem vindo a mudar neste blog, ele cresceu e tu cresceste com ele, mas confesso que agora ao ler este texto me bateu uma nostalgia.. Saudades destes teus desabafos diários só porque sim.. Sejam eles para o bem ou mal! Beijos e felicidades, Sara

    ResponderEliminar
  37. Pipoca tem um pouco de verdade sim, mas você é casada, será o seu marido um traste? Ahh espera é mais um texto preconceituoso contra o sexo masculino porque trastes somos nós todos até provarmos o contrário, no sexo feminino não existem trastes, só perfeição, cabras é o que não faltam nesse mundo. São tantas que a erva no mundo começa a escassear.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existe, pois!
      Cabras e cabrões! Mas parece que os homens não sofrem tanto (ou não se queixam tanto) desse mal.
      Todas as árvores têm fruta podre! ;)

      Eliminar
    2. ....pois é, tem toda a razão!! A coisa começa assim: " a minha nora é lindíssima, é licenciada em..., vivem muito bem e ela cozinha na perfeição...passado uns anos:"é uma cabra, levou-lhe tudo o que tinha em casa, não o deixa ver os meninos, já devia andar com algum colega, é uma cadela!!! ...rapidamente se passa de bom a besta!!! Vá-se lá saber porquê?

      Eliminar
  38. É como dizes, o problema não é querermos príncipes. É precisamente o contrário: querermos aqueles que não o são nem nunca serão.

    Quando conheci o meu rapaz (depois de uns quantos sapos) ele também não se apaixonou logo por mim, nem fez juras e levámos o nosso tempo a conhecer-nos e amar-nos, mesmo que eu já estivesse a perder-me de apaixonada. Mas NUNCA me desprezou, NUNCA me tratou mal, NUNCA me deixou sem resposta ou sem uma palavra por muito tempo, NUNCA me fez sentir que eu vinha em último na sua vida. Ou seja, mesmo que ainda se estivesse a apaixonar por mim tratou-me sempre com carinho e respeito (e honestidade). Hoje é o homem da minha vida e a procura acabou. E o vosso também vai chegar. É como diz a Pipoca, basta estar atenta aos sinais para mão perder tempo com quem não o merece.

    ResponderEliminar
  39. Quando conheci o meu rapaz ele obviamente não se apaixonou logo por mim (nem eu por ele, apesar de me ter batido muito mais depressa que a ele, somos mesmo assim), mas mesmo sem assumirmos logo um compromisso que ele ainda estava a descobrir se queria NUNCA me tratou mal, NUNCA me fez desesperar por um contacto ou uma resposta, NUNCA me fez sentir no fim das suas prioridades. Sempre me tratou bem, com respeito, honestidade e carinho, mesmo antes de me amar.

    Como diz a Pipoca, é uma questão de se estar atenta aos sinais para não perdermos tempo com quem não o merece. Até porque o problema não é não haver príncipes encantados (eu já tenho o meu, que hoje em dia faz tudo por mim e me trata como uma princesa), mas sim querermos ver príncipes encantados em homens que não o são.

    ResponderEliminar
  40. Muito bom! Vou mostrá-lo a algumas amigas que acho que estão mesmo a percisar de abrir os olhos! Mas, normalmente, para abrirmos os olhos acho que temos de já ter passado por isso ou, pelo menos, ter acompanhado algum casos destes de perto...

    ResponderEliminar
  41. Delicioso. Com seu qb de humor mas brutalmente verdadeiro, este texto.
    Pipoca no seu melhor ;)

    http://coucoucaroline.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  42. Oh Pipoca quanta verdade....

    Já passei por tudo o que dizes com alguém que nunca me deu valor e ao qual me fez andar com "palas" a achar que ele ia mudar, que secalhar a "pouca ou nenhuma" atenção que ele me dava era normal, que talvez não merecesse mais. Passei por todos os clichés de "Mereces muito melhor, não sou homem para ti, és impecável mas... blá blá blá"

    Fez-me sofrer à grande, era o meu melhor amigo, virou namorado, fez-me correr atrás dele, fez-me passar pela fase do "não-somos-namorados-mas-podemos-ir-para-a-cama-às vezes... porque a carência grita, porque sem ele parecia haver um enorme vazio, porque não havia ninguém como ele... Burra, burra, burra! Fez-me passar horas à espera de uma simples sms, o telemóvel tocava e eu ia doida à espera que fosse ele, e lá caímos nós, porque estamos carentes, porque gostamos dele (ou pensamos que gostamos) e voltamos aos mesmos erros, e voltamos a telefonar às amigas a pedir que nos dêem receitas milagrosas... oh meu Deus... como me revi nas tuas palavras. E um dia ficamos sozinhas e passamos horas no facebook dele à procura de tudo, e passamos horas, dias, meses, anos a fazer o luto..sim porque não me venham com Histórias...é preciso um luto, um desligar total...é preciso renascer das cinzas e aprender aos poucos que "antes só, feliz do que mal acompanhada".


    Hoje tenho o meu Príncipe, felizmente, e sinto a Paz sublime que dizes. Como é bom sentirmos que a pessoa com quem estamos nos ama, como é bom tratarem-nos bem, com respeito, com carinho, com amor. Hoje é "para casar" e não há felicidade que pague este sentimento. Obrigada por me fazeres pensar no quão bem estou hoje, e sabes o mais engraçado? o "traste" passados anos corre atrás de nós e só se apercebem que foram uma m* quando nos vêem felizes. E aqui entre nós....não há maior felicidade que saber que os remorsos e a culpa os consumam, mesmo anos depois. Temos pena... mania destes homens não darem valor ao que tem, quando nos tem. N*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meu caso, o pior é querer fazer o luto de uma relação e ainda o ter presente na minha vida (porque ele ainda continua a mandar mensagens, porque as minhas melhores amigas também são muito amigas dele...)

      Eliminar
    2. Cuidado com essas amigas, Catarina! Se elas realmente o forem evitam que vocês se cruzem na rua, até mesmo, por acaso

      Eliminar
  43. Leio os comentários e dou graças aos ceus (e a mim também, ora essa) por ter detectado todos os cabrões ao fim de pouco tempo e por ter ficado com o homem "não cabrão" que mais me fazia-e faz-feliz (ha 16 aninhos)...nem imagino a minha vida de outra maneira...nem eu faço fretes nem quero que façam por mim... Nunca ambicionei principes e ele apareceu na minha vida assim naturalmente sem grandes confusões nem dramas, com os seus defeitos, feitio....tal como ele não ambicionou princesas e tumbas, levou comigo :) bem bom!

    ResponderEliminar
  44. Como eu compreendo todas essas palavras pipoca. Não colocaria nem mais uma palavra. Acertaste na muche!! Falta-nos muita auto-estima para superar estes merdas que andam aí.
    Obrigada por este texto e pela opinião que me parece muito sincera.

    ResponderEliminar
  45. Pipoca is back!
    Acho que todas nós conhecemos um traste, mas valeu a pena, pelo menos no meu caso, tanta lágrima chorada tanto aperto no peito... Encontrei o meu príncipe e o verdadeiro amor à 4 anos e dou-lhe ainda mais valor, por ter vivido esta experiência antes do ter conhecido.

    Beijinhos
    Sandra

    ResponderEliminar
  46. Pipoquita, tanta verdade! Gostei muito do texto e concordo com tudo, dei por mim a ler e a acenar afirmativamente em frente ao PC, feita tolinha :) Tudo o que disseste foi na mouche, e eu também aprendi isso tudo "the - very very very - hard way", que é como se deve aprender, porque assim quando aparecer o príncipe (o meu já apareceu há uns anos e é TÃO príncipe, sou uma sortuda) bate aquele chapadão da vida em que percebemos que fomos umas parvas atrás de quem não nos sabia dar valor. A culpa é do instinto maternal e dos filmes, que nos fazem pensar que somos capazes de mudar, ou melhor, de curar aquilo que achamos ser um pobre-coitado-torturado-traumatizado-da-vida-com-mummy-issues-incapaz-de-compromissos-porque-sente-mágoa-no-coração-balelas-balelas-balelas, que na verdade, enquanto nós sofremos por ele, se está completamente nas tintas e vai dançar sozinho para o Lux com 28 lambisgóias à sua volta. Meninas, acordem!

    ResponderEliminar
  47. Lindo Pipoca :) acho que todas as mulheres concordam contigo! E de certeza que hoje salvaste umas quantas da "prisão"!!

    ResponderEliminar
  48. Como concordo contigo, não diria melhor, também a mim me aconteceu e continuo de lupa em riste à espera que me apareça o tal que valhe a pena. è por isso que todos os dias cá passo, afinal não sou a única, obrigada, ;)

    ResponderEliminar
  49. ...os homens são sempre "trastes", e até os "sonsos" na intimidade acabam por revelar feitios complicados!! Não há volta a dar! é só uma questão de admitirmos se queremos ficar ou não, porque somos sempre nós quem decide se está para aturar aquele "traste" para o resto da vida ou não. São egoístas, vaidosos, competitivos, meninos da mamã, da vovó, da titi (para estes então é que não há pachorra!!!), preguiçosos, mesmo os que "ajudam" não dividem tarefas, culpabilizantes, cansados, anémicos...só ganham energia num bar junto dos amigos, entediantes, indiferentes, pouco românticos, sexistas...no fundo, todos acham que o mundo não é para as mulheres, que somos umas avezinhas coloridas que lhes enfeitamos os dias! Sejam racionais e não acreditem em príncipes, porque assim já sabem ao que vão! ...e quando conscientes de todos estes inconvenientes, acreditarem que é mesmo com aquela pessoa que querem estar, é que a coisa se dá...no fundo, é apenas uma decisão nossa...se queremos ficar e ir limando arestas, ultrapassando obstáculos, comunicando eficazmente ou batermos com a porta!!! Ninguém disse que era fácil...nenhuma das duas decisões, mas viver é assim mesmo!! Atrevam-se, sejam audazes e não desistam dos vossos sonhos! A realidade são os estalos que os nossos pais nunca nos deram, a afectiva e a outra, pura e dura e sofre-se muito com o embate...se isto não soasse a machismo....diria que, é preciso ter "tomates"!!!
    O melhor do mundo para todos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Texto maravilhoso e muito verdadeiro. Muito obrigado!

      Eliminar
  50. soraiaguimaraes18@live.com.pt24 junho, 2014 12:05

    Eu ca so me casava se fosse o Nick Bateman! !!!!! *.*

    ResponderEliminar
  51. Vocês não gostam dos principes. Esses servem só para vocês desabafarem sobre o traste. É a verdade e vocês sabem.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Melhor comentário de todos :)

      Eliminar
    2. Exatamente! É a tal questão da "friendzone". Queixamo-nos que os gajos são todos uns trastes, mas depois, quando aparece um gajo em condições, é só um amigo, apesar de ele dar mais que provas de que gosta mesmo de nós. Sinceramente, em relação a este tema, eu acho que as coisas acontecem mesmo com o tempo. Já diz a música "deixa acontecer naturalmente". É que, sinceramente, faz-me alguma confusão perceber que há mulheres que se inscrevem em atividades ou que vão a certos sítios só para conhecer homens.

      Eliminar
  52. Todos os concelhos que precisava. Obrigada!

    ResponderEliminar
  53. Pipoca: são estes textos que nos fazem ir ao teu blog!

    ResponderEliminar
  54. Pipoca,
    Nunca comentei o teu blog apesar de já o ler há imenso tempo.
    Obrigada por este texto, nem imaginas como hoje eu tinha de ler isto. Obrigada, obrigada, obrigada por estas palavras!

    ResponderEliminar
  55. Já dizia Fernando Pessoa: "não quero rosas quando as tenha, quero só quando não as possa haver" . No fundo sabemos que estamos no caminho errado mas insistimos insistimos até um dia nos cansarmos e desistimos...e aí dizemos "should of known better" . Porque não desistimos antes de insistir se a partida sabemos que não vai resultar?

    ResponderEliminar
  56. E foi este tipo de textos que cativou tanta gente a ler a Pipoca Mais Doce. Sei que a mim foi. Adorei o texto, é a verdade chapadinha, tudo aquilo que penso mas nem por isso o que pratico...Pois da teoria à prática não é tão fácil como parece... Lá chegarei :)

    http://beinbetween.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  57. He's just not that into you, já dizia o Sexo e a Cidade.

    ResponderEliminar
  58. Abençoadas palavras. Adorei este texto e concordo plenamente com o que está escrito. O pior cego é o que não quer ver. Ás vezes a realidade está mesmo debaixo do nosso nariz e insistimos andar de olhos fechados. Adorei. Muitos parabéns.

    ResponderEliminar
  59. Apesar de seguir este blog há já algum tempo sou umas das pessoas que não têm por hábito comentar mas hoje não podia mesmo deixar passar. Que texto PERFEITO!! Perfeito e verdadeiro. De certeza que existem por aí algumas excepções mas acho que no geral, nós as mulheres, somos tão assim.
    E também eu já o fui...
    Durante quase 3 anos sofri por um "namorado" que me fez sofrer imenso mas de quem eu gostava muito...E quando acabou (pelo centésima vez) definitivamente não foi mesmo nada fácil superar....
    Mas hoje tenho o meu príncipe, alguém que vale realmente a pena e que me trata como uma princesa e sim, a paz é realmente sublime. :) A paz, e o amor verdadeiramente correspondido. :)

    Paula Monteiro

    ResponderEliminar
  60. Confessionário:
    Considero-me um gajo muito decente. E zero luck. Só desilusões.
    Resultado: estou activamente a tentar transformar-me em cabrão. Pelo menos um bocado, vá. Mas já fiz coisas que não pensei que fosse fazer.
    É triste mas é verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não faças isso! Sou mulher e acho que nenhum homem tem que deixar de ser quem é por uma mulher! E o mesmo vice-versa...
      É tudo muito bonito nesta história de príncipes e cabrões, mas são ambos extremos de uma utopia.
      Sê quem és! E se ainda não tiveste sorte é só porque certamente tens olhado para o lado errado da vida! :)
      Desejo-te toda a sorte do mundo "gajo muito decente", oxalá houvessem mais como tu!

      C.

      Eliminar
    2. E por seres um gajo decente alguém te deve alguma coisa? Achas que por seres boa pessoa uma mulher tem de te idolatrar?
      Se realmente és um gajo decente não ias deixar de ser porque não tens a atenção do sexo feminino. Triste.

      Eliminar
    3. acho que abaixo existe alguem que comentou que tem amigas...e eu também tenho amigas e amigos (se for o caso)...existem pessoas que estão à procura de relações...sê franco contigo...onde as conheces e onde querem ir? e o que gostam de fazer?...partilhas esses interesses?...

      Eliminar
  61. Afinal são mesmo dos trastes que nós gostamos. Mas eu tenho uma opiniao-experiencia diferente. Eu acho que é possivel tranformarmos os trastes em xoninhas... depois de um ano a ser só um passatempo e a nunca passar um namoro mais sério, desisti de pensar nisso e encontrar o amor noutra pessoa. Libertei-me dele mentalmente e comecei a dar atenção a outras pessoas, mas a estar com ele sempre que não tinha mais nada para fazer (que era precisamente o que ele fazia)... recusei sair muitas vezes com ele (e o que isso me custou, senhores, apetecia-me tanto)... ao fim de uns 6 meses comeceii a perceber nele outra atitude, a reivindicar mais a minha presença, a ligar muitooo mais (e eu a recusar pq tinha outras coisas combinadas- q mtas vezes não tinha). Acho que passou a olhar para mim com outros olhos, como uma mulher independente, como um traste e acho que eles gostam é disso mesmo... tal como nós não gostamos de xoninhas eles também não gostam!

    Estamos juntos há 14 anos!

    Moral da história Pipoca... os trastes têm solução... ou pelo menos alguns trastes n sao mesmo trastes a sério, só simplesmente não querem estar connosco ou não somos a mulher que amam. E por isso continuam a parecer traste até conseguirmos que se apaixonem.

    ResponderEliminar
  62. Somos mesmo umas despenteadas mentais. Graças a Deus!
    LOL

    ResponderEliminar
  63. Parabéns! Está verdadeiramente espetacular.

    ResponderEliminar
  64. Ah e pipoca sou uma leitora assídua mas nunca comentei. É um máximo :) Felicidades para si e para a sua família!

    ResponderEliminar
  65. Lanço outra perspectiva acerca do mesmo assunto que é a seguinte... Tenho muitos amigos solteiros e bons rapazes que não conseguem encontrar uma rapariga para "assentar" porque segundo eles claro, elas é que não estão para isso,ou pq tiveram más experiencias no passado e agora não querem nada "serio" ou porque estão frustradas por terem investido na anterior relação e não ter dado certo... No fundo parece me que realmente as mulheres estão á espera que os homens sejam todos uns c*... Antigamente eramos nós que tínhamos de "ter cuidado" porque os homens só nos queriam para....tivemos más experiencias e ao invés de evoluir parece que muitas mulheres pensaram "agora sou eu que mando" ..Inclusivamente aconteceu a um amigo meu (um principe por sinal) ter conhecido uma rapariga,enrolaram se e de manhã nem havia vestígios dela...(isto é um sinal que os tempos mudaram...) Com isto quero dizer que tb anda por aí muita mulher a "traumatizar" homens decentes, que eles existem, e querem assentar garanto-vos mas esta eterna insatisfação das mulheres não ajuda nada.... "Missing the moon while counting the stars.."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até pode ser verdade e não posso generalizar porque não somos todas iguais! Conheço mulheres que magoam homens fantásticos e fico incrédula com esta situação...
      Como mulher considero me moderna e decidida mas também sou sonhadora, idealista e romântica... Sempre quis uma vida a dois, pois acho que a vida tem muito mais sentido se a dividirmos com alguém e há tanto amor para dar, tantos momentos inesperados, tantos beijos especiais. Como deixar isso escapar? Só porque a anterior relação não deu certo? A vida é feita de experiências que nos ensinam a viver melhor! Por isso conheço mulheres como eu (embora nem todas o admitam) que ainda sonham com o tal príncipe, com o tal 'homem decente' que nos vai fazer feliz!
      Porque não é isso que todos querermos, alcançar esta felicidade? Ter de volta aquelas borboletas deliciosas no estômago? Seremos sempre assim :)

      Eliminar
  66. Há textos que de tão reais assustam.... Não me canso de ler e na situação em que estou não mudava uma vírgula. parece que leste uma vida, neste caso, a minha!!!!

    ResponderEliminar
  67. De ler e reler, aprece-me um espelho este texto. De tão real, nem quero acreditar. Parece que leste uma vida, neste caso a minha. Hoje levei choque da realidade!!!!

    ResponderEliminar
  68. Eu acho que temos o desejo inconsciente de transformar os sapos em príncipes. E além disso, gostamos da luta, de estar naquele estado de incerteza - quando uma relação estável pode perder o interesse porque já o temos na mão. Apesar de "lidar com trastes" com uns aninhos a mais, com 21 anos, ainda sou uma bebé nestas andanças, mas identifiquei-me totalmente com os "fenómenos" do texto. E introduzo um "fenómeno" mais grave - quando eles são claros e sinceros connosco e nos dizem com todas as letras que não querem nada mais que "contacto físico" e nós dizemos que sim senhora, mas temos a secreta esperança de os mudar, de os conquistar - de transformar o sapo num príncipe. Sabemos que não somos burrinhas, mas não somos capazes de aprender. Mas se não é burrice, o que será? Afinal o que nos prende aos sapos são os desafios? Ou é apenas falta de amor próprio?

    ResponderEliminar
  69. Que texto tão caricato! Vejo-me obrigada a concordar com tudo. :P

    ResponderEliminar
  70. Na verdade acho que, com a idade, vem a sabedoria. Pelo menos é o que se espera. Mas todas já tivemos a nossa fase de póneis com palas. E que jeito que essa fase nos deu. Aprende-se tanto, tanto. :)

    ResponderEliminar
  71. Engraçado como este texto traduz aquilo porque todas passamos, umas mais cedo, outras mais tarde... Os cabrões andam por aí, tentam destruir-nos, levar toda a nossa auto-estima e mostrar-nos que se não ficarmos com eles não vamos ter mais ninguém...Mas nós devemos ser capazes de dizer Chega!! e de os deixarmos para trás. Os primeiros tempos vão ser para carpir as mágoas mas, depois, chega o momento em que conseguimos perceber que estamos melhor sem um cabrão na nossa vida! E acreditem que para cada uma de nós há um príncipe à espera! Mas percebam que um príncipe não é sinónimo de um Brad Pitt montado num cavalo branco! Um príncipe é apenas aquela pessoa que acima de tudo nos respeita e nos aceita como somos!
    Beijinhos para todas as que tiveram, têm ou vão ter pelo menos um cabrão na vida!! :D

    ResponderEliminar
  72. Nem mais. É difícil alguém nos respeitar, se não nos damos ao respeito!

    ResponderEliminar
  73. Julgo que é com esses trastes que aprendemos a dar valor aos homens realmente bons (não há muitos, mas ainda os há). O pior são os traumas, as desconfianças e as inseguranças que estes "trastes" deixam...

    ResponderEliminar
  74. Flawless! É difícil transformar cabrões em príncipes, mas já vi alguns príncipes transformarem-se em cabrões ao fim de muitos anos de vida em comum. Vou dar este texto a ler a algumas que bem precisam.

    http://thelusofrenchie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  75. Lamentavelmente real, atual, melindroso e tão verdadeiro!

    ResponderEliminar
  76. Estava capaz de meter o traste a andar.... ou secalhar.... ainda não...!!

    ResponderEliminar
  77. Antes de mais vou identificar o meu género: Homem!

    Como conquistar um homem?

    É simples:

    Julgo que se desvaloriza a atenção que se dá a um homem... geralmente há aquele preconceito de que tem que ser o homem a ouvir e a dar atenção à mulher... mas minhas caras, estamos no século XXI, e tal como tudo muda com o passar do tempo, o homem também. Já experimentaram dar mais atenção aos seus gostos ou simplesmente deixarem eles desabafarem sobre a sua vida (ansiedades, sonhos, etc)? Faz maravilhas, principalmente se estivermos a falar de alguém que já está a trabalhar e já saiu dos "anos loucos" da faculdade.

    Por exemplo:

    Estás a "fisgar" alguém de uma área económica/bancária/gestão? Porque não, tentar perceber um pouco mais sobre mercados? Faz perguntas, INTERESSA-TE, mas MESMO (olha nos olhos, caso contrário ele irá perceber de imediato que apenas estás a ser puxa-saco)... isso vai criar mais laços entre vocês... afinal todos nós gostamos de ser ouvidos, percebidos nas nossas particularidades... e acima de tudo, se alguém se interessa pelo que faço isso faz-me crescer o ego e sentir-me compreendido. Isto resulta tanto com homens, como com mulheres... é igual!

    Há outra vantagem nesta abordagem: passas de "aquela gaija" para o teu "nome próprio". Passo a explicar: Obviamente que o 1º impacto é sempre o visual, neste momento tu poderás ser a "gaija boa", ou seja, boa para umas voltas, em princípio isto não é muito positivo se quiseres uma relação séria.

    Quando passas ao teu "nome próprio"?
    É quando inicias uma conversa com ele, onde te mostras interessada pelo que ele faz... pergunta muito, mas muito, nós gostamos... mostra-te VERDADEIRAMENTE interessada no mundo dele. Isto é tão bom que, mesmo aquelas que numa primeira abordagem visual não sejam as "gaijas boas", poderão conquistar um homem desta forma (sem anulares-te nem deixares de ser tu própria)!

    Caramba, a partir de um certo momento da vida, um homem procura uma companheira, um braço direito, alguém de CONFIANÇA (esta palavra é mágica no mundo masculino), logo as questões físicas perdem algum poder face a outras caraterísticas, como personalidade, capacidade de dar de si ao outro (isto não significa anulares-te nem deixares de ser tu própria, repito), ser interessada por mim (volto a referir: sonhos, receios, plano de vida, etc.). Vocês não procuram isto?? Julgo que sim, ora nós também, mas com um PLUS, tenho que ter TOTAL CONFIANÇA na minha mulher.

    Por fim uma última nota:

    Um casal é uma equipa, por isso, se tu dás de ti, o teu homem também irá dar mais dele.

    Estar junto implica uma grande dádiva, o que também resulta numa enorme recompensa para os dois.

    Mas lembrem-se: OUÇAM-NOS e INTERESSEM-SE muito!

    BD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BD...espetáculo!!
      A sinceridade está bem presente nestas tuas palavras. Acredito, firmemente, que o que falta a muita mulher é interessar-se "verdadeiramente" por um homem. Interessar-se por tudo o que lhe diga respeito e não interessar-se só pelo aspeto visual. As pessoas são muito, mas muito mais que aquilo que aparentam ser. O físico é só uma parte de um todo que compõe o homem.

      Subscrevo:
      "Estar junto implica uma grande dádiva, o que também resulta numa enorme recompensa para os dois."

      Parabéns e obrigada pelo teu testemunho!!!

      Eliminar
    2. Gratíssimas pelas dicas (d verdade) mas sejamos honestos: q ganda dose d egocentrismo, senhor homem! Fsga-s... Já reparou q centrou todas as atenções em Si e no se digníssimo UMBIGO? :) Resumindo tem d ser uma mulher preferencialmente atraente (compreende-s,nós tb vos comemos c os olhos por isso nesse ponto estamos quites), tem d ser fiel q nem um urso amestrado e tem d vos venerar (desculpe,sei q estou a exagerar e q n é o q pretende dizer, mas caricaturizando um pouco n andará longe, nao é verdade?).
      O amigo esqueceu-s foi d referir o essencial... O q o encanta numa mulher?Esqueça-s um pouco d Si e das Suas necessidades. Pense nela apenas como pessoa, cm Mulher. N cm ela é enquanto namorada, cm companheira ou como amiga... O q desperta o vosso interesse numa mulher c quem nem sequer s relacionem directamente? O q vos atrai na personalidade ou na postura? P além da beleza claro! ;)

      Eliminar
    3. Antes de mais, quero agradecer o feedback de ambas. Não posso agora fazer um comentário mais alargado, mas ao longo do dia de hoje responderei a essas questões!

      Obrigado,
      BD

      Eliminar
    4. OH MEU DEUS, obrigada! Estou ansiosa por passar de "gaija" para uma mulher com nome! Não tinha noção que para ter nome precisava de interessar os homens e ouvi-los.
      Obrigada sexo masculino, obrigada por me darem atenção.

      Eliminar
    5. Antes de mais fico grato pelo feedback!
      Vou tentar responder a todos os pontos solicitados:
      • “Já reparou que centrou todas as atenções em si e no seu digníssimo umbigo” – Eu somente tentei responder à questão como conquistar um homem… logo a minha resposta tem somente uma perspetiva, a mulher conquista o homem. Respondi nesta perspetiva, pois verifiquei que havia vários elementos no sexo feminino que pretendiam um olhar masculino, de como se conquista um homem.
      • “tem d ser fiel q nem um urso amestrado e tem d vos venerar (desculpe,sei q estou a exagerar e q n é o q pretende dizer, mas caricaturizando um pouco n andará longe, nao é verdade?)” – Retirando o IVA do exagero, não conheço relação humana aprofundada (até na amizade) que não tenha por base este elemento: FIDELIDADE/CONFIANÇA. A parte da “veneração”, de todo não quero que me prestem culto… no entanto, tenho a certeza que tal como eu, gosta que a pessoa que a acompanha tenha por si alguns destes elementos: estima e consideração. Aliás muitas vezes também procuramos esta estima e consideração nas nossas relações sociais, fora dos relacionamentos amorosos.
      • O que me encanta numa mulher: A conversa, nada é mais sensual/entusiasmante do que uma conversa repleta de conhecimento… e não, não estou a falar de um conhecimento enciclopédico ou wikipédico… quero que me transmitam sensações, visões que nunca antes tenha sentido ou pensado… é essa conversa que me vai levar a ficar mais próximo de alguém. É esse conhecimento mútuo que me aproximará de alguém.
      • O que atrai na personalidade/postura: Por mais explicações amplamente genéricas que lhe possa dar, não há nenhuma que seja tão completa e simples como a de Marco Paulo: “Uma lady na mesa uma louca na cama”; pode juntar a isto uma dose q.b. de confiança. Para lhe dar indicações mais precisas preciso de saber o que procura… Mas posso adiantar-lhe que tudo é avaliado: roupa/estilo, tom de voz, tipo de conversa, atitudes excessivas, etc.

      BD

      Eliminar
  78. Que grande verdade !
    Excelentes palavras para o dia :)

    ResponderEliminar
  79. E eu pipoca que namorei com alguns trastes, até tive uma pessoa comprometida que não me largava e ele era tão lindo e tão doce que foi muito complicado saber que esse era o traste maior... Entretanto comecei a namorar com o verdadeiro príncipe, já lá vão 5 anos e entretanto ele teve de emigrar, porque aqui já não se sentia realizado! Agora namoramos a distância, mas sei que não pode ser sempre assim... Parece-me que vou perder o meu príncipe, por causa da distância! Isto sim é a tristeza profunda! Sei que muitas pessoas dariam tudo para ter um homem daqueles, porque ele é mesmo encantador e uma óptima pessoa! Mas a milhentos km's não pode ser...:(

    ResponderEliminar
  80. Concordo com tudo o que a pipoca disse,acho o texto genial mas o problema é quando o príncipe se transforma em sapo,durante algum tempo são tudo isso,choninhas,paozinho sem sal,tão doces q até enjoa e depois se transformam num autêntico pesadelo!Acho que os homens são como os ovos kinder nunca se sabe a surpresa que guarda lá dentro!

    ResponderEliminar
  81. Temos de beijar muitos sapos antes de encontrar o tal!

    ResponderEliminar
  82. Brilhante Pipoca! Também já fui essa "burra"!
    Pedia uma visão masculina sobre este assunto, quem se atreve?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sobre o quê, mais concretamente?

      Eliminar
  83. na mouche Pipoca!

    ResponderEliminar
  84. Rapaz da Desordem24 junho, 2014 23:23

    Bom texto, para contrastar com a habitual postura de vitimização feminina que se limita a culpar os cabrões mas a persistir no mesmo erro, sem sequer reformular os próprios padrões.

    De resto, dá-me ideia que algumas mulheres - sábias conhecedoras das mais variadas cores quando toca ao guarda-roupa - teimam em reduzir este assunto apenas ao preto e branco. Os cabrões e os choninhas. Depois há todo um rol de azuis, verdes e cinzentos que se perdem ali pelo meio porque não são cabrões dos mais capazes, mas também não são totós dos mais fáceis. Experimentem procurar a vossa cor, lá algures. Vão ver que, com os padrões ajustados, até existem os vários tipos de azul que só vocês sabem enumerar.

    ResponderEliminar
  85. Amei! Dá saudades da blogger Pipoca mais Doce de há anos atrás.

    ResponderEliminar
  86. Nós, mulheres decentes, temos uma queda estúpida por trastes, é impressionante como nos transformamos, como por vezes vamos contra aquilo que somos por causa de um inergumeno qualquer...
    Nunca tinha comentado o teu blog, mas este texto mereceu, parabéns.

    Sara

    ResponderEliminar
  87. Adorei Pipoca! Não resisti a comentar!
    Dia sim dia sim oiço este discurso das minhas amigas, mas agora tudo escritinho aqui tim tim por tim tim faz mais sentido...Li e reli vezes sem conta para ver se me entra de uma vez por todas...Porque a verdade é que eu a teoria sei todinha, agora passar à pratica... Eu já tentei dar uma oportunidade ao "tal" mas não mexe nada...nem umas borboletas na barriga, nem aquela má disposição. Tentei juro que tentei...

    ResponderEliminar
  88. Há certas coisas que ultrapassam a minha capacidade de compreensão. Não está em causa o texto que é muito assertivo. Agora o que me intriga é o passar a valorizar alguém que, por "mero" acaso nos trata bem a que o caracteriza de "choninhas" e só lhe vai dar oportunidade depois de ter lido esta publicação. What!?

    ResponderEliminar
  89. Pois a mim aconteceu-me ao contrário, tive o meu primeiro grande amor aos 18 anos e passados 12 anos ainda estamos juntos! Quando o conheci, tive logo a sensação de que seria uma relação séria, tanto pela forma como me tratava, como pelos valores e objectivos de vida que ambos partilhávamos! Mas, passados 10 anos de namoro e 2 de casados, posso garantir-vos que houve muitas vezes em que questionei a nossa relação e há dias em que o amor passa a "ódio" em 10 segundos! Acho até, que deveria ter passado por um desses desgostos amorosos que vocês falam, provavelmente daria mais valor à pessoa que está comigo agora, em vez de achar que ainda andará por aí o homem perfeito!

    Ana.

    ResponderEliminar
  90. pipoquinha toda a razão.. só nos devemos dedicar a quem tem tempo para se dedicar a nós também

    ResponderEliminar
  91. http://hollywoodlife.com/2014/06/21/jeremy-meeks-2002-arrest-beating tens toda a razão. Hoje li isto e lembrei-me logo do teu texto. O mulherio só quer um "criminoso fofinho" e esquece-se de ver mais além.

    ResponderEliminar
  92. Gosto mt de ler as mulheres a fazerem-se de vitimas, mas elas tb fazem com que mts homens se tornem uns cabrões.
    Eu estive uns 5 anos numa relação com uma mulher. Estive sempre ao lado dela, apoiei-a, ajudei-a evoluir como profissional, como mulher, nunca lhe pedi nada. Estava sempre disponível. O meu maior defeito não ter assumido mais a relação, mas apenas pq n tinha maturidade suficiente.
    Ao fim desse tempo, ela conheceu um tipo mais giro, que tinha uma vida de bon vivant e que n passava metade do tempo a trabalhar como eu, então trocou-me de um dia para o outro.
    A justificação é que eu tinha os defeitos todos do mundo e que não lhe dava perspectivas de vida. Fiquei na merda, recuperei, fiz mta merda e hoje sinto-me bem com quem estou e julgo que é reciproco.
    Eu sei que tb tive culpa na separação, por n ter sido mais descontraído com a vida, mas infelizmente as contas não se pagam sozinhas.
    Hoje, segundo sei, está sozinha.

    ResponderEliminar
  93. SUBESCREVO! FIZ TUDO ISSO!

    E atrasada emocional (como era) "abordei" esta forma de proceder com diferentes "trastes" que era para ver se a lição ficava bem assimilada...e o estranho é que sabia como ia ser...sabia que não valiam a pena...mas por algum motivo não me conseguia desligar...

    ResponderEliminar
  94. O meu pai sempre me disse: valoriza-te...tu é que tens o poder não são os homens...e levei muitoooo tempo a compreender isto do ponto de vista emocional...mas finalmente consegui!

    ResponderEliminar
  95. Excelente tradução da condição humana. Parabéns. Confesso que tive vontade de enviar o texto a um alguém sem mudar uma vírgula. Assentava-lhe que nem uma luva...

    ResponderEliminar
  96. Não diria melhor! Uma mulher que repetidamente se apaixona por homens indisponíveis acaba por estar, sem se aperceber, numa busca da confirmação de que tem valor, quando o importante seria ela própria já se valorizar. Isto porque se aquele homem que é muito dificil, uma dia se transformar num principe, é porque ela é de tal forma especial que conseguiu esse feito. Já o contrário, quando um homem é fácil, simples e a coisa flui de forma positiva, não é ela que está a transformar nada e portanto torna-se aborrecido. O livro "mulheres que amam demais" explica muito bem o fenómeno.

    ResponderEliminar
  97. Obrigado Pipoca!!!

    ResponderEliminar
  98. Andei 5 longos anos com um traste que trai-me por todos os lados, eu andava mais torta que uma lagatixa de tantos cornos na cabeça que o infeliz punha-me kkkkk
    Era DOIDA apaixonada e certamente maluca, tinha o dedo podre para homem, até que me ferrei de vez e depois de 2 anos de sofrimento consegui finalmente encontrar um principe na minha vida, e hoje sou a mais feliz das mulheres ♥
    http://sarranheira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  99. Não tenho paciência para choninhas nem gosto de cabrões. A minha vida amorosa não é um mar de rosas, mas também não me ralo. Tenho 22 anos e a vida é para se viver.A minha mãe sempre disse que temos de respeitar 3 coisas na nossa vida: a nossa família, a nossa casa, o nosso corpo. Não podia concordar mais ;)

    ResponderEliminar
  100. é preciso ter sorte! boa sorte a todas :)

    ResponderEliminar
  101. E o que fariam se estivessem casadas ha 10 anos c alguém c quem entretanto ja descobriram q NAO querem ficar pq n vos trata bem mas q assim estão a pensar ter um filho c ele pq já têm 36 aninhos e preferem jogar pelo seguro pois pd n aparecer mais ninguém em tempo util e qd a idade passar já n ha nada a fazer? Digam lá s é masoquismo ou sabedoria? Alguém já passou por isso? S sim, o q fariam diferente s voltassem atrás? Help...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que pode parecer cruel e egoísta mas eu teria o filho e depois logo via se a relação melhorava. Se não melhorasse dizia-lhe adeus, bye bye.
      Homens vão e vêm mas o filho é seu e esse já ninguém lho tira. Se é mesmo esse o seu desejo parece-me que esta é de facto a ultima oportunidade. Depois é procurar um novo amor que goste tanto do seu filho como de si.
      Boa sorte!

      Eliminar
    2. olhe, eu nunca passei por isso, mas sinceramente não entendo a obsessão que as pessoas têm em ter filhos. à parte isto, não se esqueça que não tem necessariamente de ter um bebé com a pessoa com quem é casada. estamos no século XXI e o que não falta são opções. para além de que ainda tem uns bons 4 aninhos ou mais para poder ser mãe. se eu quisesse mesmo mesmo MESMO ter um filho (o que não acontece neste momento), preferia tê-lo com alguém que não me tratasse mal, até porque um filho implica responsabilidades dos dois lados e no seu caso pelo menos um acréscimo de 18 anos de lidação com o pai da criança. mas enfim, quem sou eu.

      Eliminar
    3. Obrigado anónimas! A ideia era ter o filho e seguir em frente, sem contar mais c ele a não ser p dar afeto a criança porque sei q nesse campo ele n falharia. D resto acho q n podia contar c ele p mto mais... Responsabilidades não é c ele e segurança financeira tbm n. Apenas sei q seria protetor e presente cmo pai. E q iria ficar felicíssimo c isso. D resto, cmo marido é p esquecer! Acham q é uma decisão equilibrada? Acham q vou estar a ser egoísta p cm a criança? Os meus pais separam-s e sei o q custa... Queria tanto constituir uma família e vejo q nada acontece, tenho medo q seja já o desespero a pensar por mim!

      Eliminar
    4. só acrescentar mais um dado, durante estes 10 anos d casamento conheci mtas pessoas, homens diferentes q nem sabiam q eu era casada mas nada... nem eles s interessaram por mim nem eu por eles. e msmo q m interessasse acho q já nem sabia cm seduzir alguem...

      Eliminar
  102. Se é cabrao é pk é um traste, se é amoroso é pk é choninhas. Vcs n sabem é o que querem pa!! Amadurecam

    ResponderEliminar
  103. Pipoca, ès linda <3 Agora disseste tudo...

    ResponderEliminar
  104. Bom, devem ser poucas as sortudas que não se revêm neste texto.. Eu sou daquelas que sabia mais do que perfeitamente o tipo de material compunha o traste, aliás, ele foi bem sincero quanto a isso desde o inicio deixou claras as intenções. . Achei que conseguia ser traste também e poderia ser divertido. E foi, durante algum tempo. Depois os sentimentos surgiram, só os admiti a mim própria, e quando isso aconteceu forcei-me a sair de cena. Ele diz que está apaixonado, jura a pés juntos, eu não acredito que esteja, nem quero. Não acredito que os trastes se transformem em príncipes .
    Obrigada Pipoca, um beijinho

    ResponderEliminar
  105. Olá Pipoca!

    Sou leitora do blog há alguns anos e venho demonstrar o outro lado deste post.
    Só tive 2 namorados sérios em todos os meus 27 anos de idade e, por sorte (ou não),
    eram ambos dois homens decentes, que sempre demonstraram dar tudo por mim.
    Deixei o primeiro porque me apaixonei pelo segundo, já lá vai quase uma década. No entanto, houve um problema grave (de saúde) há uns tempos que, infelizmente, nos fez afastar durante uns meses. Meses nos quais nunca deixou de haver contacto entre nós e que nos deram tempo para reflectir sobre os erros de ambos ao longo dos vários anos da nossa relação. Mas acabamos por voltar um para o outro e estamos bem e felizes!

    Paralelamente a tudo isto, um belo final de dia, estava eu a ler um post deste blog a publicitar o maravilhoso trabalho de um rapaz, bem como a sua página. Decidi fazer uma visita à dita cuja e perguntar quanto me custaria um daqueles trabalhos. Daí, nasceu uma bonita amizade entre nós que, vários meses mais tarde, aquando do afastamento com o meu namorado, se transformou em algo mais que uma amizade.
    Apesar de isto ter acontecido e de me ter posto o cérebro em alvoroço, por força do amor e das circunstâncias, acabei por voltar para o meu actual namorado e, como disse anteriormente, estamos felizes.
    Já lá vão alguns meses depois de ter voltado e sempre continuei amiga do tal rapaz que conheci por causa do blog, o qual é uma excelente pessoa, homem decente, carinhoso como nunca vi e que continua a dizer que está à minha espera e que sou a mulher da vida dele.

    Agora eu pergunto-me: serei eu a mulher da vida de dois homens? Serão os dois homens da minha vida?

    Eles são precisamente o oposto um do outro. Só têm duas coisas em comum: a idade e o amor que dizem sentir por mim.

    Se eu pudesse juntar as características dos dois num só homem seria, para mim, o homem perfeito! Se fosse permitida a poligamia para as mulheres eu aderia porque um faz-me feliz de uma forma e o outro de outra!

    Será que os homens decentes estão destinados a apaixonar-se pelas mesmas mulheres??

    ResponderEliminar
  106. Olá Pipoca!

    Bom texto! Excelente abordagem do tema!
    Está hilariante! :)

    Parabéns

    Paula Pedro

    ResponderEliminar
  107. Olá Pipoca!

    Bom texto!...Abordagem hilariante do tema!
    Gostei. Parabéns!

    Paula Pedro

    ResponderEliminar
  108. Livro "Mulheres que Amam demais". Explica o porquê de toda esta situação acontecer. Ajudou-me a voltar a ser eu. :)
    Obrigada pelo texto Pipoca!

    SRocha

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis