Pub SAPO pushdown

Dicas para entrar num avião sem achar que se vai falecer

segunda-feira, março 18, 2019


Não me lembro exactamente quando é que o medo de andar de avião começou. Na verdade, acho que sempre lá esteve, nunca me senti propriamente muito confortável enfiada numa latinha com asas, sem o chão debaixo dos pés. Mas a coisa foi-se agravando. Porque fui ganhando mais consciência, porque houve vários acontecimentos que mudaram a forma de se andar de avião - 11 de Setembro, pilotos suicidas, etc e tal -, porque fui mãe. Enfim. Eu vou, nunca deixo de ir, porque o prazer de viajar é maior do que o medo, mas não sou, nunca serei, daquelas pessoas para quem andar de avião é como andar de autocarro, e ainda mal se sentaram e já roncam e largam um fio de baba. Odeio pessoas dessas.

Começo a sofrer uns dias antes, os meus níveis de ansiedade aumentam automaticamente. E, mentalmente, começo a despedir-me das coisas. Tipo, vou a caminho do aeroporto e a pensar "é a última vez que passo nesta rua". Sim, sou dramática, nada a fazer. Nos últimos anos a técnica (mais ou menos) infalível tem sido tomar um drunfozito (receitado pelo médico) meia hora antes de entrar no avião, a ver se a viagem é mais calma. Não é nada de muito potente, não me deixa inconsciente, mas é o suficiente para me tirar a ansiedade, para não ir o tempo todo a cravar as unhas no braço ou a dizer coisas estúpidas, tipo "o motor parou!!!!!!". E, devo dizer, a minha qualidade de vida durante os voos melhorou substancialmente.

Por mais que me venham com estatísticas, que me digam que é raríssimo um avião cair, que mais depressa me espeto de carro... não há volta a dar. É irracional, não vale a pena. Aquele medo de que o avião vai cair, o piloto vai perder os sentidos e espetar-se contra uma montanha altíssima, que há um terrorista em cada banco ou que os motores vão todos entrar em curto circuito ao mesmo tempo e o avião vai explodir são pesadelos constantes na minha cabeça durante um voo. Nada a fazer.

Para mim este medo não é impeditivo. Lá está, nunca deixei de viajar, mas há quem deixe. Há quem não consigo pôr um pé dentro de um avião, ou quem até ponha mas vá o caminho todo a chorar, a tremer, em verdadeiro pânico. Recebo MUITAS mensagens de pessoas a perguntar como superei o medo de voar. Bem, não superei, só arranjei um método que funciona para mim. Mas, pessoa curiosa que sou, quis perceber de onde é que pode vir este medo e tentar arranjar uma solução que não envolva o consumo de drogas (leves ou pesadas). Falei com o Dr. Nuno Mendes, diretor clínico da Oficina de Psicologia, psicólogo e psicoterapeuta, que também me deu umas dicas que vou já por em prática na próxima viagem. 

Em primeiro lugar, o Dr. Nuno reforça que este medo de voar é, realmente, irracional e que quem sofre desta fobia fica automaticamente ansioso só de pensar em andar de avião. “A pessoa sente-se em profundo desconforto físico e mental e tenta várias formas de lidar com este medo. A mais comum é evitar todas as situações em que tenha de entrar num avião.” Pois, claro que isto é o mais fácil, mas é também o que nos limita MUITO em termos dos destinos que podemos visitar. Se eu já me entedio a ir de carro até ao Algarve, quanto mais por esse mundo fora. E o tempo que se demora? Na na na.


E, claro, eliminar o avião acarreta outras problema. "O problema de se evitar é que, enquanto estratégia a curto prazo, apenas reforça e piora a ansiedade a médio e longo prazo”, explica o psicólogo. “Outras pessoas procuram anestesiar a ansiedade através de ansiolíticos e ingestão de álcool. Mais uma vez, esta estratégia de curto prazo tem graves consequências a longo prazo". Upppsssssss...estou lixada. Em minha defesa, reforço que tomo um calmante muiiiiiito fraquinho e que em algumas viagens até tomo só metade. Para o álcool ainda não me deu, mas se a coisa se agravar não é um cenário que esteja afastado.

Para o Dr. Nuno, o melhor é enfrentar o medo e procurar algumas técnicas para regular a ansiedade, que não passem por enfiar 350 comprimidos no bucho antes de embarcar. Diz o Dr. Nuno que é preciso passar por um processo de psicoeducação para conseguir lidar com este medo a longo prazo, ou seja, aprender como funciona esta fobia, conhecer o avião e, até mesmo, perceber como é a experiência de voo da pessoa. Só assim é que os terapeutas conseguem encontrar um caminho para tratar, de vez, a fobia. 

Mas e coisas a curto prazo, que a pessoa possa ir fazendo uns dias antes de viajar ou até mesmo no próprio do avião? Pois, diz o Dr. Nuno existem algumas técnicas, mas que devem ser enquadradas num plano de tratamento mais profundo. No entanto, podem ajudar alguma coisinha, por isso aqui vão alguns exemplos: 

— Fazer contas de somar e subtrair ou planear mentalmente algum projecto pensando nos vários pormenores
 “Ao fazer isto, a pessoa vai activar as suas áreas corticais balanceando a activação excessiva da amígdala, que é uma das estruturas do cérebro responsáveis por essa resposta de alerta do cérebro quando está em ansiedade”, diz o Dr. Nuno. 

— Respiração abdominal
 “Esta é uma forma de respirar que permite a regulação do sistema nervoso autónomo. O que se pretende com a respiração abdominal é imaginar que a nossa barriga é um balão. Depois, inspira em três segundos, dilatando o abdómen, depois expira em seis segundos, contraindo o abdómen. A ideia é que a respiração deixe de ser superficial e rápida para passar a ser mais profunda e lenta. Este processo ajuda o cérebro a relaxar.”

— Técnicas de visualização 
“Imaginar um lugar seguro é uma técnica que deve ser treinada algumas semana antes do voo, de forma a facilitar que a pessoa se imagine num lugar de conforto e segurança com tanta intensidade durante  a viagem que o seu corpo relaxa como se lá estivesse.”

— Meditação
“A prática regular de meditação pode ajudar a lidar com os pensamentos mais assustadores, começando a perceber que os pensamentos fóbicos são apenas pensamentos e diminuindo a reactividade emocional aos mesmos”, diz o terapeuta. “Ou seja, é poder pensar sobre o avião ou todos os pensamentos assustadores, mas sem ficar logo com um "nó na barriga". A prática de mindfulness permite ainda perceber o paradoxo existente entre aceitação e controlo. Ou seja, quanto mais tentamos controlar como é que o avião se vai comportar e como nos vamos sentir, mais facilmente a ansiedade ganha espaço. Se aprendermos a aceitação e como abdicar de controlo ganharemos maior serenidade em relação à perturbação ansiosa.”

Posto isto, meus bons amigos, não me venham para aqui voltar a dizer que sou uma medricas e coisas do género que isto, afinal, é mesmo uma coisa séria, sim? E que afecta muita gente. Se vos afectar ao ponto de não conseguirem mesmo pôr um pezinho num avião, o melhor mesmo é procurarem ajuda especializada. De resto, se tiverem outras dicas muito espectaculares para ajudar a acabar com este pânico, cheguem-se à frente e partilhem. 

100 comentários:

  1. Se és uma medricas não és a única!
    Duas semanas antes da minha última viagem fui parar ao hospital com uma crise se ansiedade! Não deixo de viajar mas começo a pensar seriamente em procurar ajuda para superar este medo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Patrícia, completamente solidária consigo, eu só não fui parar ao hospital na última viagem porque tinha na carteira alguma coisa para tomar. O pior foi quando fiz a escala que tinha a fazer, tive outro ataque de pânico e não sabia se continuava ou voltava para trás, é como diz a pipoca, foi mais um "drunfozito" e tudo correu bem. Assim que voltei a Portugal procurei ajuda. Ainda não me sinto confiante nem sei se está a resultar, mas sei que não vou desistir, sugiro que procure ajuda também. Noutras alturas já fui parar ao hospital a achar que estava a ter uma coisa grave e era só ansiedade, uma pessoa até sai do médico com vergonha, isto é horrível.

      Eliminar
  2. Ando de avião há quase 30 anos, tive alturas da minha vida em que viajar era mensal ou mesmo várias vezes num só mês. Já fui a algumas dezenas de países, há férias que marco que envolvem mais de 10 viagens de avião, nunca tive medo, mas aos poucos comecei a ganhar alguns medos irracionais. Trabalho na aviação, sei como funcionam, tenho amigos que me podem esclarecer ainda mais detalhadamente pormenores que não domino, sei que é seguro, mas ainda assim não chegou para que ao longo do tempo fosse ficando cada vez mais ansiosa. Ultimamente chego ao ponto de chorar desesperadamente antes de voar, tenho ataques de pânico, e também optei por ir a um médico que me passou uns ansioliticos para tomar antes dos voos. Sinto que bati no fundo, já passei por outras técnicas, ouvir música durante o processo boarding/levantar voo, ver séries, beber uns copos a bordo, acho que não não resulta, mas obrigada por estas dicas, vou tentar também. Ainda assim acho que já não me livro de tomar 1 victan ou 1 diazepam para o resto da vida, porque quando regresso, esqueço-me sempre do que sofri e quando dou por mim já marquei mais voos. Mas também já comecei a fazer psicoterapia, não podemos deixar de fazer aquilo que mais gostamos.

    ResponderEliminar
  3. A táctica das contas funciona para mim, nas ressonâncias magnéticas...

    **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uuuuiii...Ressonâncias magnéticas!! Tenho pavor! Se tiver que fazer alguma vez,ou vou com anestesia total, ou então só num sítio que não seja totalmente fechado! Só de estar a escrever,parece que me falta o ar.😠

      Eliminar
    2. Olá Teresa. Apesar do seu receio as RM sao inofensivas 😊. E as extremidades sao abertas. Beijinho

      Eliminar
  4. Tenho um medo enorme de andar de avião. Vou a viagem toda a achar que vou morrer (a sério). O medo não me impede de ir, mas se calhar na hora de marcar uma viagem penso duas vezes... Qual é o nome desse comprimido? Acho que vou experimentar essa solução :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digo o nome do medicamento, é irresponsável. O que lhe aconselho é que vá ao médico e que peça que lhe indiquem um adequado às suas características e necessidades.

      Eliminar
    2. Concordo, há vários, mas só o seu médico de família/psiquiatra poderá indicar o melhor para si. Até porque na farmácia não vendem sem receita.

      Eliminar
    3. Mas pelo menos o medo não a impede de viajar! Parabéns. O burro do meu namorado diz que tem medo, por isso tenho q fazer sempre férias em Pt. A mh sorte

      Eliminar
    4. Desfaça uma "pílula da felicidade" num suminho e dê ao seu namorado? Estou a brincar obviamente, mas percebo muito bem o seu lado.

      Eliminar
    5. Anónimo18 março, 2019 14:20

      Vá sozinha! Não há nada melhor do que viajar sozinha.

      Eliminar
    6. amónimo 14h20 Sorte a sua! Pelo menos não a impede de férias! Só por essas e outras expressões se vê a decadência social e moral atualmente! Não a julgo; acredito que não disse por mal e em tom de desabafo; mas que todos os problemas fossem esses! Eu então prefiro mil vezes nunca viajar nem que seja cá dentro mas que exista sempre paz e amor! Damos tanto valor a coisas enormes e tão pouco ás pequenas e mais importantes. Peço desculpa a todos mas não pude ficar mesmo indiferente!

      Eliminar
    7. Anónimo das 12.57 era uma piada. Não leve as coisas tão a peito. Haja humor!

      Eliminar
    8. Anónimo19 março, 2019 12:57, para muitas pessoas, é impensável não viajar. É parte do que nos faz sentir vivos.

      Eliminar
    9. Completamente de acordo anon 11:13h, eu faço parte desse grupo de pessoas para quem viajar é o mesmo que precisar de ar para viver. Mesmo com ansiedade, faço tudo por viajar. Quando chego ao destino já nem me recordo dos ataques de pânico. Aliás, quando volto já faço voos bem melhores. Acho que quem não sente isto desta forma nunca entenderá. Ainda bem que encontrei uma pessoa que pensa como eu, e viajar não é uma coisa enorme, para mim é mesmo uma pequena coisa que valorizo imenso.

      Eliminar
  5. Eu não tenho medo que o avião caia. O meu pânico é sentir-me mal, precisar de assistência médica urgente e não ter. Morro lá em cima nas alturas. A última vez que viajei foi o ano passado para Cuba. O meu grau de ansiedade é tão grande que 1 semana antes já me sentia mal. Tentei desvalorizar e não tomei nada. No dia do voo, acordei super mal disposta, suores frios, sensação de desmaio e tive uma travadinha em pleno voo.. ainda a horas de chegar ao destino. Tive um ataque de pânico, de ansiedade, tudo a que tive direito! ��
    Só se confirmou ainda mais o meu pânico. Se me dá qualquer coisinha lá em cima, ou me aguento, ou morro lol

    Não penso em viajar tão cedo por causa desta última experiência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É precisamente isto que eu sinto, achava que estava sozinha com este medo irracional! Um medo horrível de ter uma emergência médica a bordo, e o pior é que tenho consciência que as tripulações têm formação básica para nos ajudar, procuram entre passageiros por alguém da área da saúde (já presenciei), e sei também que podem divergir o avião para 1 aeroporto próximo se for mesmo uma urgência médica (já aconteceu com um amigo), mas nem sabendo isto tudo, eu não deixo de ter este medo irracional. O que a minha médica de família e psicóloga me disseram é que ninguém morre de um ataque de pânico.

      Eliminar
    2. Igual :(

      Mas no meu caso nem se põe a hipótese de viajar de avião. .. 44 anos e nunca viajei de avião, mas fico a sonhar com destinos e devoro as partilhas de quem viaja.

      E é uma situação que tb me acontece por ex em concertos cheio de pessoas, nem penso em atentados :( o pensamento é " e se me sinto mal" e claro coração dispara, acabo sempre a ficar perto das saídas .... mas aí sei que há uma saída mas e avião não dá para sair assim que me dá a travadinha :( .... e o medo aumenta ainda ao pensar que vou enervar as outras pessoas ( até brinco que me dêem uma mocada para eu adormercer :) )

      Eliminar
    3. AI!!! não é bom ficarmos felizes da "desgraça alheia", mas.... NÃO ESTOU SOZINHA! e tantas, tantas, tantas vezes me senti sozinha por sentir que ninguém compreendia este medo totalmente irracional.
      Sou hipocondríaca com ansiedade generalizada - diagnosticada, acompanhada em psicoterapia. Se, no dia a dia, já tenho ferramentas que me permitem viver bem, e saudável, com isto, como parte de mim, se já consigo controlar e ir melhorando dia após dia, andar de avião é SÓ o maior massacre de todos os tempos. Ficar sem controlo de nada, lá em cima... E se acontece alguma coisa? E se me sinto mal, o que se faz? Não posso nem abrir uma janela... vou morrer aqui. O drama, o horror, a estratégia.
      Fiquei demasiado tempo - anos - privada de viajar - que adoro! - por causa desta fobia tão grande. Eu, que tenho a sorte (não é só sorte, vá) de ter uma condição financeira estável, que me permite viajar com alguma regularidade, eu que tenho a sorte (não é só sorte, vá :P) de ter amigos espalhados por este mundo fora... simplesmente não conseguia. Não era capaz, só o pensar já me deixava profundamente indisposta.
      No início deste ano, decidi que chegava. Estava privada há demasiado tempo, tinha de dar a volta a isto. Ou não dar, mas viajar na mesma. O segredo foi comprar logo umas quantas viagens e pronto... "agora tenho mesmo de ir, dê por onde der".
      Fui a Paris em Fevereiro e... não custou tanto como eu imaginava. Não sei bem como, acho que vamos buscar forças a todo o lado. Tinha uma caixa de calmantes na mala, não precisei de tomar nenhum. Tentei imaginar os melhores cenários possíveis, tentei ser racional ao máximo (mesmo que nos pareça o mais difícil no momento): "são 2h20 até Paris. Se eu estivesse em casa e me sentisse mal, seria o tempo de me virem ajudar, chamar uma ambulância..."; "eles estão formados a bordo para emergências. Sabem fazer tudo. Qualquer coisa aterram de emergência"; "Eu andei durante anos semanalmente de comboio e autocarro, sem medo nenhum. Seria pior acontecer-me algo no meio do InterCidades, em Pampilhosa da Serra, aí é que não se podia mesmo fazer nada", e por aí fora...
      De resto, distrações ao máximo. Música altíssima, pastilhas elásticas (parecendo que não, a concentração desvia-se para o acto de mastigar), coisas banais como jogar um jogo no telefone, ver fotos antigas, reler mensagens.... etc...
      Não é nada agradável, odeio, odeio MESMO, tenho pavor de desmaiar na descolagem (wtf? ahah) mas... vou.
      Mais um medo vencido!

      Coragem a todos!!!

      Teresa

      Eliminar
    4. Que tratamentos médicos têm feito para minimizar a ansiedade/ ataques de pânico (não só por andar de avião)?
      No meu primeiro ataque de ansiedade/ pânico fiquei de baixa médica quase 1 mês. :(

      Eliminar
    5. Faço um ansiolitico em crise/sos e psicoterapia, mas sinceramente não acho que a psicoterapia esteja a ajudar grande coisa. De resto é ir fazendo a vida como se pode, sempre com medo de vir a ter medo.

      Eliminar
  6. Também sou daquelas que pensa que vai fazer parte da percentagem mínima dos acidentes aéreos. E agora com aquela polémica do Boeing 737 Max 8, nem me falem. Odeio aquela sensação depois da descolagem em que o avião depois de ganhar altitude estabiliza. Em contrapartida, quando vejo que está quase a aterrar, já não tenho medo! O meu truque, nas viagens curtas (porque nunca me atrevi a voar para muito longe): Comer! Ajuda-me a passar o tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Igual. Tenho imenso medo da descolagem, a aterrar estou tranquilíssima. E tenho outra, tenho mais medo de voar de noite do que de dia 😂😂😂

      Eliminar
  7. Ora bem, eu tenho uma viagem em agosto e já ando a pensar que vou ter de entrar num avião. Adoro viajar, mas sinto um medo terrível. Chego ao ponto de ficar com as calças molhadas de limpar o suor das mãos. Acho que a sugestão de um drunfuzito se vai aplicar deste lado.

    ResponderEliminar
  8. Pipoca, podes criar um grupo de terapia, marco já presença vitalícia! Agora a sério, se alguém souber de bons terapeutas, psicólogos, experiência com hipnose, alguma terapia alternativa contra ataques de pânico, seja para fobias relacionadas com este tema ou outras, por favor partilhe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, por favor!

      Eliminar
    2. Olá! Sei que há cursos especializados na fobia de andar de avião, até já falaram num comentário mais abaixo. Veja a "Voar sem Medo" ;) https://www.voarsemmedo.com/

      Eliminar
  9. O meu medo nas viagens de avião é só que comece a panicar e me dê uma crise de diarreia tal que me obrigue a ir toda a viagem na casa de banho 😅 quando fico muito ansiosa é certinho o desarranjo intestinal.
    Houve uma fase da minha vida em que só me safei com ansiolíticos. Mas curiosamente um dos sítios que me deixava mais ansiosa era o shopping, o que na verdade é uma cena útil, ainda que ter crises de ansiedade seja horrível. E ficar sentada nos lugares do meio em espectáculos/cinema/etc.? Nem pensar! Sempre junto ao corredor para sair rapidamente em caso de urgência.
    Creio que todos temos os nossos pânicos e medos irracionais. Aprender a combater o medo é mesmo fundamental. Comigo tem funcionado a combinação de meditação com aromaterapia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tamos juntas, sou igualzinha, talvez pior pois o medo nunca me deixou entrar num avião.

      Só espero não transmitir este medo às minhas filhas. Quero que elas vivam, conheçam o mundo .... mas vá que não vão emigrar, e se acontecer que seja num local que consiga ir por terra :)

      Eliminar
    2. Eu até tomo imodium rapid mesmo antes da viagem para nem dar hipótese.

      Eliminar
    3. Nunca me ocorreu tomar um imodium antes! Que boa ideia!!!
      akombi, coragem! Espero que ainda faça grandes viagens com as filhas 😊 eu ainda não tive coragem de entrar num avião com as minhas duas pestes, não pelo avião, mas porque juntas são dose!!

      Eliminar
  10. De facto é engraçado, quando comecei a andar de avião, há bastantes anos atrás, não tinha medo nenhum. Agora, quanto mais ando, mais vai crescendo o nervoso miudinho. Não é nada comparado com as sensações que a Pipoca refere, mas sinto-me cada vez mais nervosa a cada vez que ando de avião, não sei explicar. Mas por enquanto não é nada de incapacitante, porque quando começar a ser, não hesitarei em ir ao médico pedir que me receite qualquer coisa para acalmar. Viajar é das melhores coisas onde uma pessoa pode investir o seu tempo e o seu dinheiro, pelo que seria um grande desperdício não o fazer só pelo receio de andar de avião.

    ResponderEliminar
  11. Não tenho dicas, já perdi imensas viagens devido ao medo, já me embebedei, já tomei comprimidos, nada muda. O medo está lá sempre. Só viajo pela europa e mesmo assim choro o tempo todo,passo vergonhas no avião com as pessoas a rir outras a vir falar comigo, as hospedeiras a trazerem-me chá. E os meus amigos a dizerem-me que nunca mais me levam. Arrependo-me mil vezes e 1 dia antes de voltar já estou a dizer porque é que eu vimmmmm?gostava mesmo muito de superar este medo e não sei como, mas sei que trava a minha vida em muitas situações.

    ResponderEliminar
  12. Também tenho pânico de aviões, pânico mesmo. Choro, noites sem dormir, enfim, uma coletânea.
    Solução que resultou para a última viagem (3 horas em Janeiro): comprimidos que são a base de plantas para a ansiedade (começo a tomar 3 dias antes e so paro no dia que a mala de viagem volta a terra segura (a minha casa)), e para dormir todas as noites tomo um comprimido que 30 minutos estou apagada (sim, porque o problema não é só avião, é dormir noutros países também), posso dizer que na viagem de volta como tomei o comprimido mas dormi poucas horas (6h) (o comprimido pede mais horas de sono) dormi 2 das 3horas de viagem, e vejam o luxo que só com turbulência acordei. Acordei lá com os ditos abanões, agarrei-me as minhas colegas a temer pela vida, parou a festança, inseri o carapuço de volta na cabeça, encostei-me a janela (eu que nunca antes tinha olhado pela janela sequer) e dormi o resto da viagem. Olhem, abençoados sejam estes farmacêuticos que me disseram ‘1 antes de dormir’
    Obs: claro que apesar de já estar bem melhor o medo, ainda sinto ligeira ansiedade, evito o café, evito alimentos que me façam ir a casa de banho (nem o cinto tiro uma única vez), ainda faço umas rezas e não cruzo as pernas, mas já melhor ��

    ResponderEliminar
  13. Olá,

    Trabalho numa companhia aérea, no entanto passo-vos um link de um programa que tenho conhecimento e que certamente vos ajudará, pelo menos a fazer o rastreio "Fobia de Voo" https://www.voarsemmedo.com/ Não deixem de fazer o vosso diagnóstico, até porque trabalhei algum tempo neste tipo de serviço que algumas companhias têm ao dispor dos seus clientes, e deparei-me com situações/episódios que de facto não se tratava de fobia, apenas ansiedade. Existem uma série de situações prognosticadas que diferem a fobia da ansiedade. Posso dizer que durante o tempo que trabalhei nesta área fui uma pessoa mais feliz que o normal, porque afinal todos os passageiros que passaram por mim foram bem-sucedidos. Pegando em pequenas experiências, famílias que já não viajavam há 10 anos, casais novos com bebés de meses que ainda não conheciam os avós, por não conseguirem se deslocar a casa, etc. Numa situação, ou outra foi possível contornar apenas com uma simples chamada (durou no minino 1 hora), mas no dia seguinte recebi uma chamada de volta a confirmar que já havia comprado os bilhetes, quando se insistia apenas que pensassem numa eventual viagem, depois de longo tempo de conversa. Curiosamente, e num seminário que foi organizado pela companhia, um rapaz no final teve direito a falar de si um pouco, e para espanto de todos diz em voz alta que nunca mais tinha ido a uma dentista, coisa complicada de gerir, pois o que teria uma dentista a ver com fobia de voo? Todas as vezes que agendaria dentista chegava lá, e ia embora porque simplesmente a cadeira assemelhava –se com a cadeira dos pilotos, surreal, mas mais tarde foi ultrapassado com uma visita guiada até ao um nos nossos cockpits, esta foi mesmo marcante! Muitas outras seria alvo de registo, como ir em pé numa viagem a dar biberão a um bebé que nunca mais parava e chorar, e a mãe quase a desmaiar, consegui resolver ambas situações, sem perder o controle. Foi um período da minha vida muito gratificante, ajudou-me também a ganhar cada vez mais sensibilidade para o que nos rodeia. Este link também menciona cursos terapêuticos que poderão vos ajudar, deem uma vista de olhos, no mínimo ficarão com uma ideia sobre a Aerofobia. É muito compensadora ver alguém ganhar coragem, confiança. No final ganhamos todos!

    Milicas

    ResponderEliminar
  14. Tenho uma viagem de avião reservada para daqui a 4 meses e na altura de selecionar os lugares começou logo o pânico. O meu pensamento era como vou sentar os meus filhos para acudir aos dois se o avião cair, e ao mesmo tempo agarrar-me ao meu marido para me confortar a mim. É horrível, mas foi nisto que pensei.
    Quando comecei a viajar há 20 anos não tinha medo nenhum, este medo cresceu aos poucos. O pior voo que fiz foi justamente o primeiro, com muita turbulência, ao ponto de vomitar, mas medo não tive. Se apanhasse aquela turbulência toda nos dias de hoje desmaiava de certeza.
    Apesar de tudo nunca tive nenhum ataque de pânico, mas ao mínimo sinal de turbulência fico extremamente nervosa, a suar em bica e com a boca completamente seca. De regresso a casa, quando aterro em Lisboa, sou a mulher mais feliz do mundo. Obrigada, vou aceitar a sugestão e pedir calmantes ao meu médico.

    ResponderEliminar
  15. Pipoquinha eu era assim.... De há 3 anos para cá tenho que viajar várias vezes por semana em trabalho... E curei me.... A solução e viajar muito! Habituamo nos a turbulência ... E damos tudo como normal. Enquanto não cair funciona! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe que não, ainda são alguns os relatos de pessoas a dizer que sempre viajaram muito, e que do nada começaram a ter medo/pânico. Eu percebo que a teoria da exposição ao medo em si possa funcionar, mas não acredito que funcione de igual modo para toda a gente.

      Eliminar
  16. Bom, eu enquadro-me nas pessoas que odeias. Às vezes nem dou pelo avião levantar voo ou por passar o carrinho da comida, tal é a profundidade da soneca que vou a fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou igual. Acho que tem a ver com a qualidade do ar? N sei mas adormeço muito rapidamente; e pot vezes só acordo depois do avião aterrar !

      Eliminar
    2. Engraçado também me farto de dormir nos aviões, a primeira vez que fui aos Estados Unidos não tinha dormido nessa noite porque tive coisas por resolver, depois de servirem a comida, adormeci, quando acordei já estava a aterrar, fiquei tipo já está, já cá estamos? Foi rápido, espero nunca ser assaltada pelo medo de voar, deve ser horrível

      Eliminar
    3. E vão três! Nada melhor que viajar para dormir todas as horas que tenho em falta! Há uns anos fui para a China sozinha e foi um regalo.... nem consegui ver um filme, tal era o soninho!

      Eliminar
  17. Eu só de pensar que tenho 13h de voo pela frente (para aterrar no Japão)... Já ando a sondar as melhores "drogas" do mercado :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tb tenho ansiedade e ataques de pânico, e curiosamente quando fui ao Japão correu tudo bem. Acho que nesse voo o que me distraiu, foi o facto de ter a bordo a 2 temporada de the handmaid's tale, 13 episodios para 13h de voo, vi aquilo tudo e não pensei em mais nada, ajudou-me mesmo.

      Eliminar
    2. Pois, vou ter que encher o pc de séries :) obrigada

      Eliminar
  18. Olá Pipoca! Também tenho muito medo de andar de avião, bem como de barco. Ultimamente tenho recorrido a algumas terapias por causa disso. Só daqui a um mês e que vou ver se estão a resultar (vou andar de avião e de barco). Para além do método da respiração abdominal, meditação também tenho feito uns exercícios escritos bastante interessantes. O nosso cérebro capta mais facilmente a informação quando escrevemos. Posto isto, tenho feito os seguintes exercícios aconselhados por uma profissional: fazer uma tabela onde escrevemos os tópicos: situação (andar de avião); pensamentos automáticos negativos (escrever todos os pensamentos que temos quanto estamos no avião. Ex: o avião vai cair, o piloto é suicida, etc); emoções de 0 a 100 que sentimos( pânico:100, medo:100) ;pensamentos racionais alternativos(escrever para cada pensamento automático negativo 1 positivo); e por fim emoções que ficam de 0 a 100 depois de ler os pensamentos positivos) repetir as primeiras e ver de baixam e acrescentar outras se necessário. Comigo ajudou bastante ��

    ResponderEliminar
  19. Muito medo por aqui. Nunca tinha andado de avião até há 5/6 anos mas sempre soube que tinha medo. Quando andei a primeira foi no dia que fez tanto vento que voou a cobertura do estádio da luz (lembram-se?). Aquilo abanou que se fartou. Depois disso estive 4 anos sem voar. O ano passado ofereci uma viagem a Paris à minha mãe para o dia da mãe. Marquei a viagem 3 meses antes de ir e nessa noite dormi logo mal... No dia foi a desgraça, não dormi, não comi, sentia-me mal, tudo. Quando entrei a bordo, a hospedeira viu a minha cara de pânico e chamou-me logo. Seguiu-se um ataque de choro e ela levou-me ao cockpit para conhecer o piloto. Confesso que me acalmou um bocadinho mas na hora de levantar piorou tudo. Tive um ataque de hiperventilação (tenho asma) e agarrei-me tanto à minha mãe que os músculos se contraíram ao ponto de não conseguir abrir as mãos. A minha mãe disse era melhor procurar um médico para me receitar qualquer coisa mas eu estou a tentar combater isso de outra forma: estou a tentar aprender sobre os procedimentos do voo para me habituar. Acho que se souber mais sobre aqueles barulhos e apitos e sinais todos fico menos nervosa. Agora em Maio vamos a Londres e vou ver se esta minha teoria faz efeito. Se não fizer, para o ano vou para os calmantes.

    ResponderEliminar
  20. O meu medo de andar de avião apareceu quando fui mãe. Antes disso não me lembro de ter grandes medos. Mas agora, sinto uma ansiedade tão grande só de pensar em andar de avião e mais ainda se sei que vou viajar sem os meus filhos. Porque mais que o medo da morte é o medo de deixar os meus filhos órfãos. Acho que é esse o meu grande medo. Será que mais alguém teve a perceção de que o medo cresceu com o ser mãe? O meu marido não entende esta minha angústia. Mas é muito difícil de viver com isto e condiciona-nos bastante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é comum esse medo. Eu antes de ser mãe não tinha medo de andar de avião e agora tenho. Aos ser mãe ganhei esse e outros medos. Passei a ficar impressioanda com acontecimentos que antes não ficava. Até filmes! Acho que à medida que os nossos filhso vão crescendo, talvez estes medos amenizem...já me dizeram. Espero que sim...beijinho e Felicidades!

      Eliminar
    2. Aconteceu-me exatamente a mesma coisa. O meu sentido de responsabilidade para com o meu filho é tão grande que não lhe quero falhar de forma alguma

      Eliminar
    3. Solidária aqui, também. Nunca tive medo de andar de avião, mas também não era algo que adorasse, propriamente. Desde que fui mãe, tenho pânico de entrar em aviões, exactamente pela mesma razão: a minha filha poder ficar sem a mãe. Sei que é irracional, pois há milhares de possibilidades de isso acontecer, e com maior probabilidade, do que num avião. Na única viagem que fiz, sem a minha filha, cheguei a escrever uma carta de despedida. Imaginei mil e uma desculpas para não ter de viajar.
      O que vale é que não preciso de viajar muito a trabalho e não tenho nenhum gosto especial por viagens ao estrangeiro, por isso não me preocupo muito com o assunto.

      Eliminar
    4. É nisso que eu acho que este medo me condiciona. Eu acho que se não fosse esta angustia eu até gostaria de viajar, mas inconscientemente eu desinteressei-me de tudo isso. Quando o meu marido por exemplo começa a pesquisar destinos de férias eu mudo de assunto e vou adiando a conversa. E antes eu não era assim, eu podia falar de destinos paradisíacos que gostava de ir, mesmo que fosse só em sonhos. Hoje já nem sequer me mostro interessada em entrar nesse tipo de conversa.

      Eliminar
  21. Na minha última viagem até à ao Dubai tomei um valium e achava que ia conseguir dormir alguma coisa..tá bem tá! Tudo a dormir à minha volta e eu acordada durante toda a noite, dava por mim a olhar para o relógio a ver cada mudança de minuto!!!
    No dia seguinte mais 6 horas de voo até à Tailândia, outro valium no buxo e o mesmo filme!! Por mais que faça viagens o medo mantém-se!

    ResponderEliminar
  22. Já estava à espera de um post sobre isto há imenso tempo. Ganhei medo de andar de avião há uns anos (tive um susto, o avião teve de voltar para trás ) e perguntava-me como é que a Ana faria para superar o medo, tendo em conta a frequência das suas viagens e muitas serem longo curso. Já viajei muitas vezes dps do susto, mas passo sempre bastante mal e é uma ansiedade constante durante o voo, por isso não me tenho atrevido a fazer voos longos. É difícil ficar calma durante 10 horas num voo!!! Também costumo tomar um calmante mas diminui pouco a ansiedade. Infelizmente não há uma fórmula igual para toda a gente ...

    ResponderEliminar
  23. Ahahah :P

    Eu também sou daquelas que me despeço das coisas, mas faço isto desde miúda e mesmo que fosse de férias para o Algarve, de carro. Se soubesse que ia passar mais de quatro ou cinco dias fora de casa, despedia-me de tudo :P

    P.s. Ainda hoje tenho um bocado esse síndrome mas agora só mesmo quando cruzo o Atlântico ou algo do género :D

    ResponderEliminar
  24. À conta deste medo tenho tido a minha vida toda condicionada, pessoal e profissional. Já viajei, sempre com calmantes, viagens não muito longas mas sempre com uma ansiedade tremenda (desde o momento em que comprava o bilhete). Desisti de viajar porque a ansiedade e o medo são tais que superam a vontade, curiosidade, tudo. Além de extremamente incapacitante e frustrante, é também muito irritante a incompreensão social que quem tem este problema por vezes tem de suportar. E sim, também já fiz e faço terapia mas não resultou até à data.

    ResponderEliminar
  25. Sou tripulante de cabine e são inúmeras as vezes que nos deparamos com passageiros com medo de voar. Ao ler os vossos comentarios percebi que é uma realidade bem presente.Para nós que nem nos lembramos que estamos dentro de um avião por vezes fica difícil conseguir compreender toda aquela ansiedade e medo. Como tripulantes tentamos ao máximo respeitar os sentimentos das pessoas, mas acima de tudo tentar "relativizar" a situação, seja com palavras de afecto ou humor, dependendo de quem temos perante nos. aconselho vos a experimentar o programa Ganhar Asas da TAP, que tem tido uma taxa de sucesso muito grande. Por outro lado, sempre que sintam que estão prestes a explodir de nervos, levantem se, respirem fundo, dirijam se aos tripulantes, expliquem o vosso problema, falem com eles. Já ajudei muitas pessoas a ultrapassar aquelas intermináveis 2h30 de voo com um simples bate-papo. Nao deixem que este medo vos impeça de disfrutar de uma coisa tao maravilhosa. E sim, eu sou a primeira a dizer que infelizmente a aviação tem histórias negras e trágicas que nos fazem pensar duas vezes antes de meter um pezinho no pássaro gigante, mas não podemos basear a nossa vida nesses acontecimentos, pois hoje em dia, já só debaixo da cama é que estamos a salvo. Bons voos a todas e todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem nunca passou o voo a acalmar um passageiro mais nervoso que ponha a mão no ar! Às vezes só pela expressão corporal já sabemos quem tem medo e que vamos ter de ter um bocadinho mais de atenção com aquela pessoa. Mas também é engraçado perceber como as pessoas com medo de voar normalmente são as que mais colaboram com a tripulação sempre que fazemos um discurso ou damos alguma explicação sobre qualquer assunto que se passe a bordo!

      Eliminar
  26. Caso daqui a meses. O "meu homem" nunca andou de avião e as viagens que eu fiz foram curtas. E marcamos uma lua de mel com 10h diretas em voo. Ora eu nunca penso no perigo, sou sempre a pessoa que desvaloriza, apesar dele estar lá, faço tudo para não pensar no medo. Ora com o medo que ele tem eu já fiquei super preocupada. Crap.

    ResponderEliminar
  27. Conhecem programa da TAP Ganhar Asas? https://www.flytap.com/pt-pt/a-bordo/perder-o-medo-de-voar/ganhar-asas
    E ir ao cockpit durante descolagem ou aterragem.... dá uma perspectiva totalmente diferente de voar.... o medo... passa... :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não necessariamente, por motivos que não interessa a ninguém, muitas vezes tenho que voar em jumpseat/cockpit, e no meu caso ver o avião levantar voo ou aterrar precisamente à minha frente é só das piores sensações para quem tem ansiedade. É um privilégio, não deixa de ser fascinante, mas nunca me passou a ansiedade.

      Eliminar
    2. Fiz o programa e efectivamente passei de não me meter num avião para conseguir viajar de avião. Mas a limitação mantém-se, ou seja, não faço voos longos e vou a rezar o caminho inteiro. O medo mantém-se bem como o sofrimento de impotência. Sinceramente acho que nunca se ultrapassa aprende-se apenas a viver com isso. Mas adorava não ter medo e simplesmente desfrutar.

      Eliminar
  28. Eu deixava de fazer planos, não combinava nada para depois da data do regresso, não fosse o avião cair. Estive 5 anos sem andar de avião, depois foi mesmo à bruta, estava a condicionar-me demasiado a vida. E não quis dar parte de fraca no trabalho, em que tenho mesmo de viajar. Agora já entrou na rotina.

    ResponderEliminar
  29. Eu não tenho medo nenhum, fico um bocadinho preocupada na descolagem e na aterragem e durante a viagem imagino que estou num comboio.

    ResponderEliminar
  30. Não li os comentários todos por isso admito que alguém já tenha sugerido mas aqui vai: Programa GANHAR ASAS da TAP. Informem-se é, podendo façam o programa a equipa é excelente e a dinâmica após o programa ajuda mesmo muito. Eu nunca deixei de viajar mas estava a fazê-lo cada vez pior até decidir que tinha que resolver o problema de vez. Ainda só passaram 4 meses desde que fiz mas já 10 voos pós curso com uma qualidade mental muito melhor. Em breve será Sydney, o teste de fogo pós curso. Acreditem, há solução para esta fobia. Bons voos!

    ResponderEliminar
  31. Ler todo o texto e rever nas tuas palavras as minhas sensações e pensamentos quando penso nuna viagem...não me faz sentir melhor mas faz perceber que ha quem me perceba...
    Quem não tem medo não compreende, e não percebe que apesar das estatísticas isso é muito bonito, mas para as estatísticas, não para quem tem medo de andar de avião.
    Só andei 7 vezes, sempre evitei andar, deu.me duas crises as duas vezes que andei e parei, passado uns anos voltei a atentar, mas teve mesmo de ser medicada 2 drunfos meia horita antes de entrar, e consigo ir mais relaxada, mas não ao ponto de me levantar ou de dormir, mas já vou andando o que não é mau para não ficar tão limitadinha da vida... ����
    Infelizmente por muito que queira, não consigo pensar em fazer uma viagem longa de muitas horas...isso já não da, só anestesiada e no porão ��

    ResponderEliminar
  32. Sempre tive imenso medo de andar de avião, nunca chegou a ser incapacitante porque, lá está, o prazer de viajar sempre falou mais alto mas nunca consegui descrever alívio que sinto sempre que o avião aterra. Em 2017 fiz 8 viagens, não me lembro de descolar em nenhuma sem ser a chorar tal o pânico de não voltar. Entretanto o ano passado engravidei e como consequência de uma gravidez de risco não meti os pés em nenhum avião. Agora, depois de ser mãe, sinto que não vou ser capaz de entrar em mais nenhum. Sinto que se tornou incapacitante. Já andámos a ver voos para o verão mas ainda não senti coragem de marcar porque começam-me logo os tremores e as ansiedades. Detesto isto!!!!

    ResponderEliminar
  33. Agora transportem esse medo para a condução. Imaginem o que é ter desenvolvido uma fobia a conduzir em autoestradas, vias rápidas, pontes...há 6 anos nesta vida. Já experimentei de tudo. Uma coisa puxa a outra e chegou a claustrofobia, o medo de multidões ( quando entro em festivais a primeira coisa que faço é ver onde estão as equipas de socorro). Tomo ansiolitico diariamente há anos. Um horror. A sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quem diga que resolveu essa fobia com umas sessões de hipnose.

      Eliminar
    2. Não está só. Existe e, sim, é horrível. Passei pelo mesmo. Hoje em dia - medicação e terapia depois, estou melhor.
      O que despoletou foi uma experiência de vida do foro pessoal, não tinha nada a ver com carros. Isso e um acidente há muitos anos.

      Eliminar
    3. C, está a ter algum acompanhamento psicológico? É muito importante que tenha.

      Eliminar
    4. Estou a ser acompanhada em psiquiatria desde então. Faço medicação e ajuda quando vou ao lado mas eu a conduzir nem pensar. Já fiz hipnose e nada. A minha fobia também é fruto de uma experiência pessoal muito traumática quando era ainda bebé e que foi veio à tona aquando da primeira gravidez. Já desisti de tentar superar...

      Eliminar
    5. C. já tentou a alternativa da hipnose?
      É um método complementar às terapias convencionais.
      A medicação, a longo prazo, deixa efeitos nocivos no organismo. Depois vêm outras maleitas de ter tentado curar uma e quando dá por isso, já está a tentar curar duas.
      Pense nisso e informe-se bem. Já há bons terapeutas no nosso país.

      Eliminar
  34. Pipoca, como a entendo! Sou gestora comercial e bingo!! Açores na minha rifa! São 9 ilhas, das quais visito regularmente 7. Aqui, ganhei os meus medos e os meus pânicos... obrigada meus Açores que amo! Mas as viagens nos muito mini teco-tecos no inverno matam-me! As aterragens no meio de verdadeiras tempestades de nomes femininos ... Finco as unhas nas mãos a ponto de gravar chagas por uma semana! Transpiro! Inspiro, expiro e esqueço-me de respirar... a verdade é que o tal copinho de tinto ajuda! E agora no último ano descobri o efeito placebo :) das gotas florais The Bach -Mimulus! Tou uma gaija nova!!! Isto e o álcool, fantástico!!!
    Boa sorte!!

    ResponderEliminar
  35. Viajo de avião desde muito pequena. Sem qualquer motivo comecei a ter muito medo! Quando estamos nas salas de espera para entrar farto me de olhar para as pessoas e penso, se calhar vamos todos morrer! E quando o avião descola??!! Tenho vertigens e durante uns 10 min de olhos fechados agarrada ao meu marido... demoro imenso tempo a voltar ao normal. Que grande chatice! Viagens de 10 horas?nunca mais! O mais engraçado é que vejo o " Mayday desastres aéreos" :) Vá se lá perceber...

    ResponderEliminar
  36. Pipoca, as viagens longas não lhe incomodam mais? Tenho limitado os meus voos a 5h máximo sempre com um comprimidinho... penso sempre aue viagens de maior duração não consigo... qual o truque para aguentar mais horas?

    ResponderEliminar
  37. Quando conheci o meu marido foi quando comecei a viajar. Mas apenas por países da Europa aqueles mais perto, França Espanha Suíça. Nunca me sentir muito confortável mas também nunca perdi o sono por causa disso até que planeamos a nossa viagem mais longa que foi da Suíça para o Dubai, seis horinhas dentro do avião. Não sei porque é o meio de apoderou-se de mim e dois dias antes da viagem não dormi, literalmente não dormi, eram sete da manhã e eu deitada na cama de olhos abertos olhar para o teto e a pensar em 1001 coisas. No dia da viagem eu estava incrivelmente calma e a viagem de ida e volta correu maravilhosamente bem. A partir daí nunca mais tive medo de fazer viagens mais longas, quer dizer há sempre um pequeno receio mas nada demais. Tudo mudou quando foi para o México ano passado .9 horas enfiada dentro de um avião numa companhia da treta, a viagem pra lá foi ótima mas a viagem pra cá meus amigos... Primeiro estava no aeroporto isso que nesse dia tinha caído um avião la no México, acho que quase ninguém se apercebeu mas como eu ando sempre enfiada nas redes sociais fiquei logo uma pilha, tomei dois calmantes e não adiantou. Depois o avião tremeu durante a viagem toda uma turbulência horrível ainda por cima numa viagem durante a noite, de olhar para as três pessoas que estavam ao meu lado e o senhor estava de mãos pegadas a rezar. Imaginem quase nove horas de turbulência no voo por cima do mar. Apenas uma hora antes de chegar a Lisboa é que acalmou. Quando pus os pés em terra só tive vontade me ajoelhar e beijar o chão. Escusado será dizer que este ano nao me meto numa viagem tão longa,Pelo menos para aqueles lados.E acho que tao próximo não farei.

    ResponderEliminar
  38. Também tenho muito medo de andar de avião, embora nunca tenha deixado que isso me impedisse de viajar.
    O que costumo fazer é tomar um ansiolítico (que pelos vistos não é a melhor coisa, mas ajuda-me bastante...), jogar sudoku e palavras cruzadas e tenho sempre a minha agenda comigo, então vou fazendo planos, listinhas, organizando coisas, etc...

    ResponderEliminar
  39. O medo é algo irracional. Viajo muito de avião, quase sempre viagens longas de muitas horas e com várias escalas. Nunca tive medo, sou a última a embarcar e antes de levantar voo já estou a dormir acordando só quando aterro, sejam 2h ou 12h de voo. Mas alguém me explique o meu terror de andar de elevador. Já fiquei fechada algumas vezes mas nos últimos anos tem sido complicado principalmente quando fico nos mega arranha céus deste mundo e sem escadas... Espero que venha alguém, conto os segundos até a porta abrir e o meu coração parece que vai sair disparado. Não se explica.

    ResponderEliminar
  40. O medo é algo irracional. Viajo muito de avião, quase sempre viagens longas de muitas horas e com várias escalas. Nunca tive medo, sou a última a embarcar e antes de levantar voo já estou a dormir acordando só quando aterro, sejam 2h ou 12h de voo. Mas alguém me explique o meu terror de andar de elevador. Já fiquei fechada algumas vezes mas nos últimos anos tem sido complicado principalmente quando fico nos mega arranha céus deste mundo e sem escadas... Espero que venha alguém, conto os segundos até a porta abrir e o meu coração parece que vai sair disparado. Não se explica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu compreendo.Sinto até vergonha de assumir que tenho de ir de escadas pelo terror de ficar fechada num elevador.Já me causou muitos embaraços ...

      Eliminar
  41. Eu tenho dias! Quando vamos os 3 não me custa nada, egoísmo puro: se cair morremos os 3 e pronto.
    Quando vou sozinha, ou a 2, dá-me para tudo: Olho em volta, vejo as pessoas, imagino as vidas, imagino as noticias do dia depois da queda, conto os bancos para ver quantos vamos morrer, oiço os barulhos, imagino aviões a bater no nosso, não vou ao wc porque tenho medo de ficar fechada...A loucura!
    Fiz 4 voos sozinha a semana passada, depois da queda do avião, despedi-me várias vezes dos meus, a casa abanão, a cada cara estranha das hospedeiras, ouvi explicações especificas porque viajei no lugar da emergência, rezei, dormitei, enfim!

    Cheguei a Lisboa vi as manobras estúpidas dos condutores e percebi que estava tão enganada quanto aos perigos.

    Sandra!

    ResponderEliminar
  42. Só tive medo a primeira vez que andei de avião, quase não dormi nessa noite,mas já lá vão muitos anos. Depois comecei a perder o medo, e adoro a sensação do avião a levantar voo, é certo que só tenho feito viagens curtas, mas eu penso assim: Se nunca caiu nenhum avião nestes percursos porque logo havia de cair no dia em que vou? Pode ser uma ideia parva, mas ajuda-me.

    ResponderEliminar
  43. Coisas que ajudam aqui deste lado:

    - Ouvir música nos momentos mais stressantes. De auscultadores nos ouvidos e um grande som a passar, a energia do nosso corpo melhora.
    - Pedir para visitar o cockpit. Nem sempre dá e o ideal é ter algum conhecido que nos facilite o processo. Mas ver as coisas da perspectiva dos pilotos atenua bastante a ansiedade. Sobretudo levantar e aterrar lá.
    - Viajar mais. O corpo começa a assumir como normal andar de avião.
    - Ter problemas maiores. Esta é estúpida, mas a verdade é que as vezes que menos me custou andar de avião foi quando tive coisas mais importantes em que pensar, tipo um desgosto amoroso, um problema na família ou, por exemplo, quando fui à Guatemala estava tão obcecada com a taxa de criminalidade de lá que isso eclipsou a ansiedade do avião (off topic, foi dos sítios mais incríveis onde estive, recomendo a toda a gente).
    - viajar com o meu bebé de nove meses (praticamente da idade da sua Benedita). Ele tem uma energia inesgotável no avião que suga toda a minha atenção e não deixa grande espaço para medos ou ansiedades.

    Repito, são coisas que funcionam para mim. Se ajudarem mais alguém, perfeito. ����

    ResponderEliminar
  44. Pipoca querida, não tem nada a ver com este post, mas queria lhe pedir um favor, se puder. Era que fizesse um post sobre traição virtual, passei por isso e gostava de saber o que pensa sobre isso, e partilhar com pessoas que já passaram também e me ajudassem a superar. Se não puder agradeço na mesma.

    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria. Como assim traição virtual? Uma paixão virtual sem contacto físico?
      Peço desculpa perguntar, mas gostaria de perceber melhor.
      Obrigada

      Eliminar
  45. Conheço tão bem todas essas sensações que falas. Eu nunca deixei de viajar por causa do meu medo mas detesto andar de avião. É como tu dizes, uns dias antes já andam toda stressada, cheia de borboletas na barriga. Sempre a pensar na viagem e em tudo o que pode acontecer. Sempre!!! É toda uma luta dentro do meu cérebro cheia de pensamentos estúpidos. Este medo e os meus pensamentos pioraram depois da minha filha nascer. Sempre que vamos de avião tento passar-lhe tranquilidade mas vou em pânico e a pensar “Ai filha. Desculpa. No que a mae te meteu. TU nem sonhas que se isto cair….”…uma sensação de culpa terrível!  Para mim a pior parte é mesmo a subida, até o avião estabilizar. Aí confesso…passa-me tudo pela cabeça!!!!! Depois que o avião estabiliza, o meu truque são os sudoku´s e palavras cruzadas…ou livros. Ajudam bastante. A parte de aterrar é a minha preferida, tb pode correr mal mas a sensação de alivio é tão grande por estarmos a chegar!!

    ResponderEliminar
  46. olá!

    Existem programas especializados para ajudar quem tem medo de andar de avião! Podem procurar ajuda com a Voar Sem Medo, que é o 1º centro especializado em tratamento de fobia de voo em Portugal. Há várias opções de "tratamento" desde mini-cursos onde se aprende tudo sobre os aviões, até fazer mesmo voos completos, acompanhadas por psicólogas especializadas. Vejam o site para mais informações: www.voarsemmedo.com

    ResponderEliminar
  47. Não sei se alguém tem o mesmo problema que eu, mas não consigo fazer xixi dentro do avião por isso nunca me arrisco em viagens de mais de 3 horas aproximadamente... mas lá está, tudo psicológico :(

    ResponderEliminar
  48. O que me cria ansiedade não é o avião cair, é estar ali fechada e numa crise de ansiedade mais intensa perder o controlo e tentar sair dali à maluca. Claro que já tive crises de ansiedade em pleno vôo e não me dirigi às portas, mas o medo irracional leva-nos a creditar que tudo é possível, mas não é!No entanto, a sensação é tão intensa que evito voltar a passar por ela, por isso infelizmente tenho evitado andar de avião.

    ResponderEliminar
  49. Eu achava que não tinha medo mas agora com todos estes testemunhos de medo acho que ganhei medo, vou viajar em junho com minha filha e marido e fiquei angustiada com as coisas que aqui li, espero que até lá esta sensação me passe...:)

    ResponderEliminar
  50. A saber: a parte mais perigosa de um voo é a deslocação de e para o aeroporto ;-p

    ResponderEliminar
  51. Sou daquelas que adormece antes de levantar e acorda ao aterrar. Gosto de andar de avião... Tem sido sempre sinónimo de férias e bons momentos...

    ResponderEliminar
  52. Eu sempre odiei a turbulencia, mas há um truque que ensinam nos curso dos EUA e que resulta comigo: imagina que o avião está dentro de um céu de gelatina e que abanas a gelatina...mesmo que abane por todo o lado não vai virar nem descer drasticamente, está ali preso numa atmosfera muito densa. além disso mesmo que abane muitíssimo na realidade só sentes abanões exagerados porque estás numa cápsula fechada, também sentes os passos das hospedeiras como se aquilo abanasse tudo,certo? Na verdade o avião só se move centímetros. Os pilotos fartam-se de rir quando os passageiros fazem relatos de aviões cairem muitos metros em poços de ar. É a percepção que temos mas não corresponde á realidade. Também ter noção que o nosso cérebro nos prega partidas quando nos sentimos em perigo ajuda a superar o medo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas há turbulência e turbulência, vi noticias nos últimos meses de aviões que passaram por turbulência extrema em que carrinhos de comida viram, caem coisas na galley, pessoas que ficaram com ferimentos...

      Eliminar
  53. Nos dias anteriores e no próprio dia acontece-me exatamente a mesma coisa...ainda bem que não sou a única a ter esses pensamentos!

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis