Pub SAPO pushdown

"Adoro fazer mudanças". Oi??????

terça-feira, outubro 09, 2018

Mudar de casa é horrível. Não me lixem, é H-O-R-R-Í-V-E-L! Desconfio sempre de pessoas que dizem que adoram fazer mudanças, acho sempre que são as mesmas que adoram tirar sangue e que são grandes apreciadoras de uns pezinhos de coentrada. Medo de vocês, pessoas, medo! Eu olho à minha volta e tenho vontade de largar a chorar, tendo em conta a empreitada que tenho pela frente. Já fizemos muita coisa, mas ainda falta outro tanto. Ou mais. E eu sou a rainha da procrastinação, tudo me parece mais interessante do que enfiar a vida em caixotes. Até o consultório do Quintino Aires eu dei por mim a  ver esta manhã. Penso que está explicado o meu nível de desinteresse pelo tema "mudanças".

Mas pronto, agora não há volta a dar. A casa está comprada, está pronta, por isso temos mesmo de nos pôr na alheta. Mas há aqui vários problemas. O primeiro, e talvez o maior de todos, talvez seja o facto de nos irmos mudar para uma casa com metade do tamanho. Pois, é verdade. Como é que conseguimos essa proeza? Simples, vamos passar de um
T8 para um T4. Não estou a dizer isto para me gabar, até porque a casa nem sequer é minha. Tivemos foi uma sorte do caraças quando, há cinco anos, conseguimos arrendar uma casa deste tamanho por um preço decente. Preço esse que, entretanto, deixou de ser decente e que se preparava para aumentar ainda mais no início do próximo ano. Sempre soube que quando mudasse novamente seria impossível ir para uma casa tão grande. Onde é que, nos dias de hoje, se encontra um T8 a um preço que não implique vender os dois rins, o pâncreas e, quiçá, ainda ter fazer uma perninha como acompanhante de luxo? Não se encontra, por isso lá vamos nós mudar para o nosso singelo T4, e já não é nada mau. A questão é que quando uma pessoa habita num T8, e contrariamente ao que se possa pensar, todas as divisões estão cheias, não há cá espaços mortos. Além das divisões óbvias, ainda havia espaço para um escritório, um closet, um quarto de brinquedos, uma sala de jantar ou um quarto de hóspedes. Agora vamos ter de condensar tudo em metade do espaço e eu não sei o que fazer a tanta tralha.

Estou a tentar não enlouquecer com este processo. O meu objectivo é que baixe em mim o espírito do desapego e que não me custe livrar-me de coisas. Na verdade, não preciso de um terço daquilo que tenho neste momento, por isso tenho de aprender a deixar ir. Destralhar é palavra de ordem nestas mudanças, até porque queremos simplificar a nossa vida e só ter em casa aquilo que realmente nos faz falta. Será que preciso mesmo de 27 canecas? De 13 conjuntos de lençóis? De roupas que já nem me lembro da última vez que usei? De livros que dificilmente voltarei a ler? De DVDs em que jamais pegarei? A resposta a tudo isto é "não" e é com isso em mente que me tenho livrado de muita coisa. Já dei coisas a amigos, a instituições, alguns móveis vamos reaproveitar para as casas de férias, outras coisas vão fora porque já não farão ninguém feliz... enfim, destralhar, destralhar, destralhar. Já começámos a levar coisas para a casa nova, mas vamos ter de acelerar o ritmo ou só mudamos de vez lá para 2020.

No processo de arrumação dos livros encontrei para aqui um que acabou por ser útil, chamado "Comece pela gaveta das meias". É um guia prático de organização pessoal e despachei-o em duas noites, tão focada que estava em saber mais sobre esta coisa de manter uma casa organizada. Vou ver se faço um post só com algumas das dicas que achei mais interessantes sobre o destralhanço, que assim escusam de comprar o livro. Vêem? Já estou a ajudar-vos a não levarem mais tralha para casa. Se, entretanto, tiverem para aí dicas úteis de como fazer uma mudança sem recorrer a calmantes e a whiskey, sintam-se à vontade para partilhar.

130 comentários:

  1. Pipoca, a casaaaa, onde é a casa????? :)

    ResponderEliminar
  2. um t4 é pequeno? ahahaahahahaahahahaha.
    força aí pipoquinha!!! :)

    MT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem vivia num T8 é...é tudo uma questão de perspetiva :)

      Eliminar
    2. Já vi t4 com 70m2 portanto...

      Eliminar
    3. Boa sorte para a mudança! Eu limito-me a arranjar coragem para limpar o meu sotão.
      PadaandLuda * Página * BlogLovin

      Eliminar
  3. É de doidos! as coisas que guardamos em casa e que não fazem falta nenhuma! Força Pipoca és a Maior!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Boa sorte para as mudanças! Imagino que não seja fácil, mas acredito que encontrarás coragem para o fazer e mais rápido do que aquilo que imaginas!
    Mais uma vez, muito boa sorte para essa missão de "destralhamento e mudanças" ;) ;)

    Beijinhos,
    Ella Morgan
    moonlightfelicitydestin.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Nem sabia que existam T8! Sou mesmo pobrezinha pa! Boa sorte com isso! Eu sou daquelas que gosta de mudanças (e de fazer malas e de tudo o que o comum mortal odeia!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também! E não gosto de tirar sangue nem de pezinhos de coentrada!

      Eliminar
    2. Ahahahahahah. Muito bom!!😀😊

      Eliminar
  6. No ano passado li umas dicas da Marie Kondo e vi o documentário da Netflix, Minimalistas. Mudou a minha vida e a relacao que tinha com os objectos, roupas, tralhas no geral. Já era uma pessoa desprendida e ainda me tornei mais! Odeio tralha, tenho horror a casas cheias de coisas ("trauma" casa dos pais"). As coisas só dão trabalho, ocupam espaço e levam tempo a gerir: limpar, organizar, etc. Dispenso obrigadinha! Por outro lado tenho um filho de 4 anos que adora trazer tudo para casa (karma!) e um marido pouco dado à organização!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. “Trauma” Casa dos pais aka karma Dos pais que gramam com as coisas que os filhos deixam p tras, certo? Tal e qual...

      Eliminar
    2. É isso mesmo... Tal é qual. Não são as coisas que ficam para trás são mesmo gerações diferentes que acham que tudo vai fazer falta no futuro. São gostos também.

      Eliminar
    3. anonimo, nao percebi a piada: está a insinuar q os pais têm de guardar as coisas que os filhos nao querem/podem levar?

      no meu caso os meus pais têm casa na aldeia, enorme. eu estou num T3 com o meu marido na cidade, obvio com muito menos espaço. trouxe a minha roupa e imensa coisa de casa dos pais e extraordinariamente o meu quarto la em casa continua cheio de roupa. no caso da minha irma a mesma coisa. ja disse à minha mae para ela colocar as coisas fora, mas ela nao é capaz por razoes emocionais. Por ex, o vestidos que levei ao casamento da prima tal em 2000 ou os livros da escola primaria. por mim ia tudo fora, nao vou usar mais nada disso, mas pronto, ela diz que nao é capaz.

      isto so p dizer que muitas vezes nao sera culpa dos filhos, mas sim os pais que nao querem colocar as coisas fora, pois sao recordações.

      Eliminar
    4. Anon das 19:36h, são os filhos que deixam para trás, ou os pais que não querem deitar nada fora? No meu caso ando há anos numa luta infrutífera, em que quero deitar tudo fora, mas os meus pais insistem em guardar tudo. Até caixas de gelado 🙄 só de pensar até fico com ansiedade. Ainda bem que cada um vive na sua casa e faz como prefere.

      Eliminar
    5. Anónimo das 09:44, também não percebi o comentário mas pronto, devem ser outras realidades!
      Quando sai de casa dos meus pais deixei muito poucas coisas para trás, e entretanto ainda deitei mais coisas fora. Só tenho lá livros da adolescência porque felizmente eles podem lá ficar pois há espaço. A casa é grande e está cheia de coisas, porque pelo que vejo as pessoas mais velhas são mais apegadas às coisas, não conseguem deitar nada fora. Eu tenho outra forma de pensar, recuso-me a alojar tralha e coisas que não preciso. Gosto de ter armários e gavetas com espaço, sem ter tudo apertado. Gosto de ter tempo para fazer o que gosto sem andar a limpar mil objectos de decoração. É a isso que refiro como "trauma". Vejo o trabalho que ter muita coisa dá e o tempo que consome. Não quero isso para mim Obrigada. Agora tudo o compro é cuidadosamente seleccionado para evitar acumular coisas desnecessárias. São opiniões e maneiras de estar, ambas válidas.

      Eliminar
    6. Anónimo das 11.15 o mesmo... Desconfio que ainda para lá andam facturas de água de finais de anos 80, roupas com 20 e tal anos... Também é uma luta, mas quando as pessoas não querem deitar absolutamente nada fora é desesperante. Entendo perfeitamente pois é a minha realidade e é o que não quero para mim.

      Eliminar
    7. Sim, a casa dos meus pais também está muito mais cheia de "tralha" do que a minha! A minha mãe guardou toalhas, lençóis, louça, fotografias, mobiliário da minha avó e de bisavós e adora essas coisas, não consegue desfazer-se delas. Mais tudo o que foram comprando ao longo da vida (imensos livros), sempre estimaram as coisas e têm coisas com 30 ou 40 anos que ainda estão em bom estado e não deitaram fora, então acumulam muito mais coisas que nós. Em minha casa temos móveis IKEA levezinhos e só mesmo os essenciais (o apartamento não é tão grande e gosto de ter espaço), sempre que mudo a roupa de verão/inverno das caixas para a parte a uso dos roupeiros selecciono imensa coisa para dar, tento não acumular muita coisa e comprar mesmo só o essencial. Noto diferença geracional nisso!

      Eliminar
    8. por ex, no caso da roupa: eu quando acaba a estação, vejo as peças que nao usei e se acho que nao vou voltar a usar coloco para dar. e moro num T3 sozinha com o marido em que ocupo um dos outros quartos so com a minha roupa para alem da que tenho no quarto de casal e um mega roupeiro no corredor. eu acho que ate tenho bastante roupa....

      No caso da minha mae e pessoas da idade da minha avo dizem que guardam a roupa toda, porque nao sabem se um dia vao precisar, se vao ficar pobres e nao ter dinheiro para substituir a roupa que se vai estragando e por isso guardam tudo o que esteja bom, mesmo que ja esteja fora de moda e/ou nao usem. a minha avó é mais caricato: é viuva, usa so preto integral desde que o meu avô morreu em 2013 (nao tentem perceber, cenas de aldeia) , mas guardou toda a roupa de cor que tinha antes porque se um dia for para um lar e ficar mesmo muito pobre e toda a roupa preta ficar velha e sem condições de ser usada pode ainda ter de ir usar a roupa colorida que tinha....

      Eliminar
  7. Olá Ana!
    Acho que temos o que precisas :)
    Workshop Organização e Arrumação do Lar Grátis na All House :)
    Podemos contar contigo?
    https://www.facebook.com/AllHouseMobiliario/photos/a.1504041706585972/2187275531595916/?type=3&theater

    ResponderEliminar
  8. Venham de lá essas dicas! Preciso de inspiração.

    Sabe qual é o problema de espaço a mais? Tralha que se vai acumulando sem darmos conta. As arrecadações, por exemplo, são exemplo de um espaço extra destinado a...lixo. Neste momento, tenho lá coisas que guardo por razões sentimentais, mas que em termos práticos não me fazem falta absolutamente nenhuma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O escadote, a tralha de decorações de natal, as malas de viagem, o berbequim, a aparafusadora, material para as férias, nada disto é lixo e precisam de serem colocados nalgum lado mas concordo que às vezes o espaço a mais torna se o culpado

      Eliminar
    2. Tenho tudo isso em casa. Até a árvore de natal e escadote (pequeno). A mala de viagem peço sempre aos meus pais, que raramente viajam, e devolvo no fim. Na arrecadação estão, praticamente, aquelas coisas que acho que vou precisar no futuro.

      Eliminar
    3. anonimo da s09:36, tem isso em casa onde?
      supondo que a casa tem cozinha, sala, quartos, escritorio e casas de banho, onde guarda a arvore de natal ou o chapeu de praia? no meio da sala? tem um espaço no seu guarda roupa que e vez de ter roupa tem estas coisas?

      é uma pergunta genuína porque fico mesmo curiosa como as pessoas se safam sem uma arrecadação/garajem/whatever. eu sempre morei numa moradia de aldeia grande, estive uns anos num apartamento (T3) e tinhamos isso na garajem que tinha uma boa zona de arrumos. estou agora a fazer uma moradia e mais uma vez tenho uma garajem com uns metros extra para servir de arrumos.

      Eliminar
    4. Anónimo10 outubro, 2018 18:59, eu vivo num apartamento em Lisboa e tenho isso tudo num armário vassoureiro no pátio (é um R/C com um pequeno logradouro).

      Eliminar
    5. Eu guardo num dos muitos roupeiros. Tenho 3 quartos e todos têm roupeiro. Como de um dos quartos fiz biblioteca, uso esse roupeiro para chapéu de sol, tábua de passar a ferro, caixas com coisas de Natal, etc.

      Eliminar
    6. Anónimo das 18:59 há casas com zonas de lavandaria e/ou despensa. Um escadote ou uma árvore de natal (desmanchada e encaixotada) ocupam pouco espaço.

      Eliminar
    7. a ver se nos entendemos: ter numa arrecadação, num armario vassoureiro, numa despensa ou numa lavandaria é tudo equivalente (é a categoria que eu chamei de whatever...lol). eu questionei porque percebi pela conversa que nao precisavam de espaços especificos de arrumação, ou seja que entre sala, cozinha, quartos e casas de banho conseguiam ter tudo.

      anonimo das 14:22 vive sozinho? é que eu e o meu marido estamos num T3 e precisamente um dos quartos é escritorio e todo o roupeiro está ocupado com roupa minha, mais 2 roupeiros independentes que comprei e coloquei na outra parede. nao sei como as pessoas sobrevivem em casal so com 1 roupeiro partilhado...

      Eliminar
    8. Isto vai tudo da vida das pessoas, os apartamentos mais recentes já não tem despensa, os construtores acham que não fazem qualquer falta, e lavandaria então nem se fala, máquinas encastradas na cozinha e pronto. Nós somos pessoas que viajam bastante portanto temos diversas malas, gostamos de campismo, portanto uma série de tralha, já não se usam estendais lá fora, portanto tem de se ter daqueles que abrem e fecham, gosto muito decorar a casa no Natal, portanto não é só uma árvore de meio metro, se não fosse a arrecadação estava bem arranjada mas lá está admito que exista muita gente minimalista e viva bem só com meia dúzia de tarecos, juro que adorava ser assim

      Eliminar
    9. Sim, é verdade. Eu sempre morei numa moradia. Qd casei e procuramos apartamento achava td superpequeno. Acabamos por arrendar um T3 com 30 anos q ainda tem uma sala enorme, cozinha grande, lavandaria e uma garagem com arrecadacao. Eu qd via os outros so pensava onde ia guardar arvore de natal, colocar roupa a enxugar, guardar malas de viagem, ferramentas, papel de embrulho, chapeu e cenas de praia, enfim.. agora na moradia que fizemos tb temos estes espaços de arrumacao. Mas realmente deve depender mt de como a pessoa cresceu, do q está habituada em casa dos pais. Eu fui p um t3 com o marido, impossivel ser mais pequeno. No outro post alguem com um filho dizia q moravam em lisboa num apartamento de 85m2.....nem consigo imaginar como seria viver assim

      Eliminar
    10. Anónimo das 18h50

      Isso é porque tem muita roupa. :) Eu e o meu marido temos um armário para os dois e chega. :) Claro que depende do tamanho do roupeiro.

      Eliminar
    11. "nem consigo imaginar como seria viver assim" -> first world problems!

      Sabe que há muitos casais com bebés em Lisboa a viver em apartamentos de 45m2? Quantas das coisas que tem usa realmente no seu dia-a-dia? Não precisamos assim de tantas coisas, nem de tanto espaço para as guardar... olhe, eu quando viajo (e já o fiz durante semanas, meses), levo apenas uma mochila de 40l e vou lavando a roupa em máquinas automáticas e só penso "realmente tenho tanta coisa em casa e preciso de tão pouco".

      Eliminar
    12. Maria, nós estamos agora a construir uma moradia e para o nosso quarto calculei a necessidade de um roupeiro de 7m linear, sendo que o roupeiro vai ate ao tecto. Isto excluindo calçado e outras roupas que nao se usam frequentemente, tipo vestidos compridos para ir a casamentos, fatos da neve, etc. Pois se eu quisesse considerar tudo não cabia no quarto, era uma parede demasiado grande, e mesmo assim os 7m estão divididos em 2 roupeiros por 2 paredes.

      Eliminar
  9. Eu ajudava de boa vontade. Se soubesse.

    Tive obras em casa, ainda não está tudo no sítio, e foi horrível. Isso e mudanças. Um horror!

    Boa sorte!!!

    ResponderEliminar
  10. Ainda a pouco tempo vi a Jéssica Athaide e a Rita ferro rodrigues a falar de pessoas que vão a casa organizar as coisas.

    ResponderEliminar
  11. Pipoca o que já nao interessar era boa ideia fazer um género de 'venda de garagem' :) só uma ideia! Natália P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voto nisto mas com se for vertente online :)

      Eliminar
    2. Tenho ideia que a Pipoca já fez algo desse género.

      Eliminar
  12. Tomaras tu teres a cultura do dr Quintino!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui e que cultura!

      Eliminar
    2. Loooooooooooooooooooooooooooool

      Eliminar
    3. Pode ser muito culto, mas só na cultura de uma sociedade muito diferente.

      Eliminar
  13. Mariana Rodrigues09 outubro, 2018 16:15

    O problema é quando entramos em modo extremista de "destralhar" e quando damos por nós já deitámos fora ou demos coisas que até davam jeito...

    Beijinhos e boa sorte!

    ResponderEliminar
  14. Como eu a compreendo Pipoca! Odeio mudanças! Malas, só para fazer viagens! Caixotes, só os do lixo doméstico! Mas, as mudanças, são efetivamente uma boa forma de destralhar. E destralhar faz bem... consegue-se o milagre da duplicação do espaço, recuperam-se coisas que se julgavam perdidas, libertamo-nos do que não nos faz falta, do que nos traz más recordações e ainda podemos fazer alguém feliz com doações de coisas em bom estado.
    Muita sorte neste novo ciclo da sua vida familiar!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Também estou em mudanças! Socorro!!!

    ResponderEliminar
  16. Leia o livro da marie kondo. Depois, liberte-se de tudo (mas mesmo tudo) o que já não faz falta. Lixo, se for preciso. É mais do que libertador.

    ResponderEliminar
  17. Eu vivo num T2 sozinha. Decidi mudar-me para uma autocaravana com o meu companheiro. Ainda faltam uns meses, mas já comecei o processo de destralhar e é tão doloroso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espectáculo!! Há uns tempos andava com a ideia de arrendar a minha casa e ir morar para uma casa móvel de 40m2 num parque de campismo, agrada me o estilo de vida, mas na região de Lisboa só na Ericeira tem disponíveis, fica me fora de mão, e o do Guincho está tudo ocupado. Portanto iam ser 100m2 em 40m2, mas no seu caso ainda é menos o espaço, força e parabéns pela coragem

      Eliminar
    2. Eu vivo num t3 e por motivos de trabalho, sou feirante e por isso trabalho em vários pontos do país, nesse tempo fico numa caravana, é verdade que é grande e tem mais condições e conforto que algumas casas, mas tenho tudo o que necessito e quando chego a casa parece que vivo num palácio! Pipoca muita força nessa hora!

      Eliminar
    3. Patrícia Fernandes09 outubro, 2018 20:34

      Uau. Isto é que merecia um blog, uma reportagem, uma entrevista. Adoro pessoas que mudam assim de vida, que inspiração. Boa sorte!

      Eliminar
    4. Anónimo das 16:51, sem querer ser demasiado intrusiva, pode dizer mais algumas informações? Que locais encontrou para estacionar a dita? Parques de campismo (não precisa de dizer qual, mas pode informar se há alguns e quais?) E preços?
      Pormenores, quero pormenores.... gosto da ideia e talvez mesmo seja uma hipótese a considerar. Mesmo com filhos. E um cão!

      Eliminar
    5. Amor e uma autocaravana... Só que não! :D
      Acho piada quando leio estas coisas ou quando falo com alguém, a maior parte das pessoas tem uma ideia romântica da autocaravana. É giro, sim, durante 1 semana! Tenho uma autocaravana na família que utilizo regularmente para férias com o meu marido, desde estadias curtas de fins-de- semana a viagens de várias semanas pela Europa, mas não acho que seja assim tão espectacular. O meu limite são 3 dias, mais que isso já é um sacrifício! Tudo é pequenino e apertadinho, e olhem que somos dois numa autocaravana com capacidade para acomodar até 6 pessoas.
      Felizmente há gostos para tudo! À anónima que fez o comentário inicial, desejo-lhe uma óptima experiência!

      Eliminar
    6. Sofiazinha, eu vou estar em viagem por tempo inderteminado, portanto o lugar de eestacionamento vai depender muito de sitio para sitio. Estou a contar não gastar dinheiro para dormir, portanto Vai ser Uma mistura de parques em que caravanas Sao permitidas gratuitamente, campismo selvagem e terrenos privados de pessoas que estejam dispostas a ajudar. Eu nao vivo em Portugal, emigrei há três anos atrás, portanto não sei como estao os preços dos parques de campismo, mas sei que Portugal tem imensos sitios, onde estacionar a autocaravana é aceitável, mas claro para pequenas estadias. Para Uma estadia mais permanente, só mesmo parques de campismo ou terreno privado (e em terreno privado, tem de confirmar se nao precisa de lisença.)

      Eliminar
    7. Oh, 40m2 soa-me tão bom neste momento. :) Cada vez que entro numa autocaravana e penso na logistica de me mudar para lá, quase que me faz desistir. É que para ajudar à festa, o homem é um animal de dois metros e músico, portanto vamos Ter de conviver com guitarras acusticas, guitarras electricas, ukuleles, amplificadores, microfones, sistemas de som. Eu sou uma pessoa que tem um armario De mais de duzentas peças De roupa e provavelmente vou ter de me habituar a viver com Dois pares de sapatos. Mas pronto, no fim das contas é mesmo esse o objectivo, mudar de estilo de Vida.

      Eliminar
  18. Patricia Maximino09 outubro, 2018 17:03

    Andei em mudanças a cerca de 3 meses e meu deus...não desejo a ninguém, muito trabalho, mas a verdade é que também fiquei com o essencial e estou muito melhor 😂

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claramente não considerou o dicionário um essencial... 🙄

      Eliminar
    2. Anónimo09 outubro, 2018 18:20, por causa da falta do h? acho que isso não se aprende com dicionários. Assim como a educação. Não tem coisas para arrumar em vez de vir mandar bitaites desses?

      Eliminar
    3. Não é dicionário que lhe faz falta mas gramática! Fico arrepiada com esse erro tão horrível mas tão comum...

      Eliminar
    4. Muito pouca gente sabe usar o h. Se em vez de nos sentirmos superiores por detetar a gralha informássemos qual o erro e a razão porque está errado crescíamos todos e impedíamos o dumb-down da sociedade como um todo.
      [Agora podia usar aqui um cinismo fofinho-fdp mas agora não me apetece]

      Eliminar
    5. o uso do h aprende-se com educação? cum raio! Tanta gente mal educada. Usar a gramática, ler muito, fazer o exercício de avaliar se o "a" a utilizar diz respeito a algo temporal, que possa ser substituído por existir...
      há (existem) muitas pessoas;
      Foi há cerca de 3 meses,
      há muitos locais;
      (3)
      (a) Há pouca gente na praia, hoje.
      (b) No verão, há dezenas de acidentes rodoviários.
      (c) Não o via há dez anos. (Passaram dez anos sem o ver.)
      (d) Há cinco anos que vivo neste sítio. (Passaram cinco anos, desde que vivo neste sítio.)

      (4) Ele havia prometido que cantava hoje. (Ele tinha prometido que …)

      (5)
      (a) Porque há-de ele cantar? (Porque deve/tem de cantar?)
      (b) Não hão-de arrepender-se de vir! (Acredita-se que não se arrependerão de vir.)
      (c) Pelo andamento das coisas, há-de ser uma da tarde. (Talvez seja uma da tarde.)
      (1)
      a. Vamos à praia, logo que deixe de chover.
      b. Vamos ao pinhal, logo que deixe de chover.

      (2)
      a. Vamos a uma praia aqui da zona, logo que deixe de chover.
      b. Vamos a um pinhal aqui da zona, logo que deixe de chove

      http://area.dge.mec.pt/sitio_dos_pais/a_ha_duvida_sitiopais.html

      Eliminar
    6. o "h" esse grande filho da puta q deixa filhos orfaos, pais orfaos, criancas a morrer de fome, criancas e adultos sem acesso a hospitais, q origina guerras, q incentiva a violencia domestica, ao bullying sabe-se la... esse grande filho da puta... o "h"

      Eliminar
    7. Se o post é sobre "des"tralhar, porque não começar a destralhar a gramática? Também não me parece que seja assim tão imprescindível a presença do h na comunicação! É só escrever ospital, úmido, ora, erdeiro, tal e qual como se diz...

      Eliminar
  19. Odeio mudanças com todas as minhas forças mas, e isto descobri há pouco tempo, pior mesmo é esvaziar/libertar a casa dos avós ou pais; aí existe um conflito gigante entre o prático e o emocional muito difícil de gerir. Vai tudo correr bem :)

    ResponderEliminar
  20. Marie Kondo: 1º deitar fora, 2º organizar. Mas o mais importante é deitar fora! Primeiro começar com os objetos que são mais fáceis, sem valor sentimental e depois partir para os mais difíceis. Ela aconselha a não arrumar por divisão mas sim por categoria.Um monte com toda a roupa e depois pegar em cada uma e perguntar: "Isto faz-me feliz?". Se não faz então... FORA. Boa sorte!

    ResponderEliminar
  21. A minha sugestão é que tudo o que não vestiste/usaste nos últimos 2 anos e que nem te lembravas que tinhas: DAR!!
    Aposto que reduzes o suficiente para caber no T4.
    Pergunta (sem qualquer maldade): porque é que há 5 anos resolveram arrendar um T8?! Eu percebi a parte do preço bestial e a localização também deve ser supimpa, mas a sério que eu ficava logo com suores frios se me mudasse para um T8 com o meu marido e um bebé. Não eram divisões, portas, espaço a mais? Acho que até teria medo de viver lá! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se for como o meu T3...é um T3, mas as divisões são pequenitas...Ou então é um daqueles casarões da Avenida de Roma ou nas Avenidas Novas, daqueles que nos antigamentes as rendas eram de 50€ e os filhos que lá viviam "herdaram" os arrendamentos dos pais e ficaram lá a viver até ao fim da vida a pagar uma ninharia por mês:)

      Eliminar
    2. Medo de viver num T8? :) Eu estive a viver num T0 e disso é que eu tenho medo... É ver panelas e pratos guardados nas gavetas do móvel da TV, é fazer um closet debaixo da cama e da micro-marquise um escritório para trabalhar, sem direito a esticar as pernas... E por ai fora! Disso é que eu tenho medo! :P Queria eu morar num T8 :D

      Eliminar
    3. Entao é facil: um quarto p o casal, quarto do mateus, quarto da benedita ( suponho q na altura ja pensaram em 2 filhos), quarto de hospedes, escritorio, closet, quarto de brincar e sala de jantar.

      Isto de ser grande é relativo. Se compararmos c os casaroes q a malta da aldeia tem (a dos meus pais sao 300m2 divididos por 2 pisos), o T8 em lisboa deve ser mais pequeno.
      Eu tou a fazer uma com 250m2 (incluindo ja a garajem) e todas as pessoas q têm ido ver acham pequena lol. La esta, mentalidade de aldeia. Acho q se fosse malta de lisboa a ir ver achariam normal ou ate grande.

      Eliminar
    4. O Ricardo já tinha um filho, que certamente também tem direito ao seu quarto.

      Eliminar
    5. Isso depende. Se tiver guarda partilhada é uma coisa, mas se so for passar um fim de semana de 15 em 15 dias podia ficar no quarto de hospedes... atencao q no post a pipoca refere ja 5 das divisoes, portanto as outras 3 serao quartos q eu pressupus q seria casal+mateus+beni mas tb pode ser como sugere casal+mateus+filho do ricardo.

      Eliminar
  22. Ui! Eu por acaso não desgosto de mudanças. E adoro remodelações, mas admito que no meio do processo passo sempre por um momento de desespero.
    Eu acho que os livros são muito interessantes e a pergunta “isto traz-me alegria?” é importante, mas não se deixem enganar. A pergunta mais importante que deve estar presente a toda a hora é: onde é que eu vou arrumar isto? Estou a falar a sério. Pela sua saúde, não encaixote nada sem ter uma ideia de onde é que a vai pôr na nova casa. Vai poupar-lhe muito tempo. E seja realista.
    O meu segundo conselho é investir em mobiliário com arrumação inteligente (por exemplo, gavetas debaixo da cama) e outras soluções (caixas dentro de armários, p.ex) de antemão. Não se ponha daqui a três meses a mudar as coisas outra vez.
    E depois sim, comece a deitar fora tudo o que não usou no último ano. Em termos de roupa recomendo um de dois métodos: decida quantas peças de roupa quer ter no fim (imagine 20 sutiãs) ou destine uma área para a roupa (por exemplo, meia cómoda e meio armário). E depois seja impiedosa.

    ResponderEliminar
  23. WTF, onde é que existem T8 em Lisboa? Nem sabia honestamente que existiam pessoas normais (tipo que não são reis ou presidentes) a viver em T8. :DD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já vivi num t12 em Lisboa com uma data de estudantes. Há vários apartamentos antigos do início do século XX que constituem todo um andar. Os quartos não eram muito grandes.

      Eliminar
  24. Um T8 com que área? O dobro da área do T4 ou cheio de divisões minúsculas? Se calhar vai dar tudo ao mesmo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas fica mais giro dizer que mora num t8

      Eliminar
    2. Tem mais do dobro da área do T4.

      Eliminar
    3. Nem que não fosse muito maior. o fato de ter mais divisões, ainda que pudessem ser mais pequenas é diferente, em termos de decoração e divisão de espaços. um sala ou duas com o mesmo tamanho da anterior, em vez de 4 tem 8 paredes, em vez de um quarto faz dois... tudo depende do que a pessoa pretende

      Eliminar
    4. Então vai ser difícil...

      Eliminar
    5. Pipoca a sua casa devia ser mesmo grande, uma vez que um T4 normal anda a volta dos 140m2/160m2. Boa sorte miúda

      Eliminar
    6. Anónimo das 21:44 vê algum problema em dizer-se que se vive num T8?
      Quem vive tem que ter vergonha disso e esconder o facto?

      Eliminar
    7. anonimo das 15:25

      acho que nao foi isso que o outro anonimo queria dizer. acho que ele estava a gozar com quem se arma a dizer que vive num T8 mas na verdade tem areas superpequenas e na pratica equivale a um T3 ou T4 normais

      Eliminar
  25. Eu mudei de casa em junho e foi mesmo horrível. No meu caso passei de um apartamento T2 no meio da cidade para uma moradia T5 no campo (a uma hora da urbe). Destralhei para aí 50% e serviu-me de lição. Apesar de agora estar num espaço super amplo, quero que assim permaneça, amplo. Agora quando vejo alguma coisa para a casa ou para mim pergunto-me "é mesmo giro mas eu preciso mesmo disto?". 99% das vezes a resposta é não, e sigo sem comprar. Ter o essencial é libertador. Vivemos com demasiados "acessórios" e isso só nos causa ansiedade e trabalho a mais. Muita força nessa hora Pipoca! Foca no fim, quando tudo acabar e estiverem na casa nova, vai saber pela vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu sonho é destralhar..gerauuuu ( brasileiro)!!! Quero dizer, eu tenho alguma tendencia para acumular coisas, mas muito pior que eu é o meu namorado. Dão-me cocegas nos dedos, só de pensar em deitar fora coisas dele. Atençao! Coisas totalmente sem jeito, lixo. Ele nao me deixa, estou probida de tocar. Uma vez deitei uns sapatos no lixo, fez uma escandaleira. Aahahahahah, desisti.

      Vou destralhando as minhas coisas, no final é uma paz, mas custa um bocadinho largar as nossas coisas. Aos poucos vai sendo mais facil :)

      MT

      Eliminar
  26. Força nisso pipoca.
    Destralhar é bom e faz bem.
    Ao longo dos anos acumulamos tralhas em casa que só nos trazem energias negativas à harmonia do nosso lar. Por isso, arregaça as mangas e força!

    ResponderEliminar
  27. Mudei-me em junho e ainda estou a recuperar do trauma :)

    ResponderEliminar
  28. Pipoca é sim senhora horrível fazer mudanças. E como eu acho que te consigo bater, conto -te que fodido mesmo é fazer mudanças de um t1 para um t4 (que mais parecia de um t20 para um t4), ter uma bebé de nem 1 mês e ainda ter pontos no períneo. E isso, querida Pjpoca, é que é a real f0d@. Passados estes meses todos, ainda estou eu à cata de tarecos em caixotes, estou a ajudar também os meus pais a mudarem-se do t5 com mais de 30 anos para outro t5. É só mudar de sítio a tralha e salva-se o períneo q não tem pontos agora.
    Forcinha nas canetas
    #desistirnunca
    #nemcompontosnoperineo

    ResponderEliminar
  29. Também estou nessa fase, é uma pressao fisica e mental enorme. Uns dias antes da mudança só sentia ansiedade e nem conseguia dormir.
    Depois fui "albarroada" com inúmeros pequenos assuntos p tratar q pareciam os problemas mais sérios do mundo e estava mesmo sentir me pequena p todo o processo.
    O tempo q temos é muito pouco p tudo o q que temos de fazer.
    Estou na fase "minimalista" tb pq há sempre muita linpeza p fazer, mas ainda me falta um longo caminho com a decoração, p me sentir em casa..
    Relativamente à falta de espaço ,é fácil ficarmos pressionados, minha opinião o melhor é guardar num espaço de um familiar ou amigo, p ter a certeza que já não quer..
    É dos processos mais tramados, a foto diz tudo:)


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Albaroada não existe, é abalroada )

      Eliminar
  30. Livros...aceitam-se livros para estes lados...

    ResponderEliminar
  31. No início do ano fiz o processo inverso. Vivia com o meu namorado numa casa partilhada e as nossas tralhas resumiam-se a dois quartos e uma parte da cozinha. Entretanto compramos um t4+1. Na semana passada o meu namorado perguntou-me onde é que guardavamos aquela tralha toda porque temos tudo cheio (arca congeladora cheia quando tínhamos apenas uma, roupeiros cheios, camiseiros cheios, ...).

    ResponderEliminar
  32. Dica: Tudo o que não mexes há 1 ano é lixo!

    ResponderEliminar
  33. Força nisso mulher! As vezes em que me mudei ainda era miuda e lembro que detestava essa fase, imagino que mudar para metade do espaço que se tinha anteriormente deve dar uma dor de cabeça, mas tudo se resolve. Confesso que de vez em quando gosto de destralhar, é algo de libertador para mim. Quanto a ideias...bem, podes sempre fazer um sorteio de algumas coisas aqui no blogue (digo eu), vender outras no olx por exemplo (já usei esta plataforma algumas vezes e até hoje correu sempre tudo bem),podes doar a instituições...mas como alguém falou aqui nos comentários anteriormente, primeiro vê aquilo que realmente faz ou não falta, porque ás vezes uma pessoa entusiasma-se e no final acaba por ficar praticamente só com a roupa que tem no corpo.
    P.s.:Eu também detesto tirar sangue, tanto que já cheguei a fugir pelos corredores do hospital quando vi a enfermeira com a agulha em riste, é certo que só tinha 9 anos na altura, hoje só não o faço por vergonha, mas ainda hoje me custa muito.

    ResponderEliminar
  34. Posso sempre dispensar-lhe o marido por uns dias, desde que lhe dê tecto e comida! Não há como ele para "destralhar"... O problema é que, eventualmente, "destralha" também aquilo que não era suposto ;)

    ResponderEliminar
  35. Nada disto se compreende sem uma clarificação importante: no Norte um T8 é uma casa com 8 quartos. Estamos a confundir quartos com assoalhadas/divisões? Um T8 é uma casa com 8 quartos ou uma casa com 8 assoalhadas/divisões? Cozinha e casas de banho contam para esta soma que dá 8?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, oito quartos, além da sala e sem contar com cozinha e casas-de-banho. Quartos esses que foram transformados em closet, escritório, quarto de brinquedos, sala de jantar, etc...

      Eliminar
    2. Roger That! Agradeço o esclarecimento.

      Eliminar
    3. Não é só no Norte, é em todo o lado.
      T = tipologia = número de quartos pensados para esse mesmo efeito. Sala, cozinha e casas de banho não contam...

      Eliminar
    4. No Norte e no Sul... Quantas casas de banho tinha essa mansão? E para que queriam tantos quartos? Além dos que enumerou e de dois que seriam mesmo quartos, ainda sobram dois...

      Eliminar
    5. Os outros sao quarto de hospedes ( ou p o filho do ricardo) e quarto de brincar. Ja foi mencionado em comentarios anteriores...

      Eliminar
    6. Ora aqui uma questão pertinente e que carece de análise. O meu filho, de 9 anos, também têm essas dúvidas: um T3 é porque são 3 quartos ou vivemos num T5 a contar com as outras divisões. Já o esclarecemos e fico feliz, porque um dia destes já poderá entrar em discussão num dos maiores blogs portugueses. Outro tema que já foi e muito bem, abordado aqui, por inúmeras leitoras é: Mas 8 quartos para quê? o cão também+em têm um? há um quarto para os leitores atentos, para os fãs, para os haters? Dúvidas, senhores dúvidas.
      Dúvidas sobre uma vida que nos diz respeito? Nada disso! Cusquice pura e simples!
      Sandra

      Eliminar
    7. anonimo da 10:52

      explique la uma coisa: nao foi a Pipoca que de livre vontade escreveu o post? nao foi ela q informou q morava num T8? entao qual é o espanto das pessoas comentarem? se ninguem comentasse a pipoca nao tinha emprego pois o emprego dela é o blog que depende das visitas e dos comentários.

      cusquice é quando a malta se poe a falar mal da vida da vizinha so porque sim.

      Eliminar
    8. Eh pá, que grande indignação que para aqui vai. Se a Pipoca mora no T8 é porque eles existem. Inacreditável não é? E de certeza que não é filho único.
      Não é incomum encontrar casas mais antigas com tantos quartos basta relembrar que existia quase que uma segunda casa só para a empregada. Nós agora é que vivemos em pequenos caixotes divididos, muitos deles com quartos que cabe só uma cama e mal.

      Eliminar
    9. Conheço a zona e o prédio onde mora. É um T8 mas as divisões não são grandes. O meu T3 é maior. Só a minha sala tem 58m2. É tudo uma questão de perspetiva!

      Eliminar
    10. A sala tem cozinha integrada em open space? Ou uma zona tipo escritorio? É que 58m2 “so” para sala de estar/ jantar é mesmo bastante grande. A ideia q tinha de lisboa é mesmo predios com varias divisoes mas pequenas

      Eliminar
  36. Antes de destralhar, deve-se sim REDUZIR o consumo, consumir de uma forma mais consciente. Destralhar é o mesmo que sacudir o pó para debaixo do tapete! O objeto apenas desapArece da nossa casa, mas estará noutro sítio qualque. Temos que ser responsáveis pelo lixo que produzimos.

    ResponderEliminar
  37. Já eu, parece que não vejo a hora de começar as mudanças. Vamos passar de um T2 para uma vivenda V4, a acabar de ser construída...

    Por um lado quero muito destralhar... Por outro, acho que nem sei por onde começar...

    ResponderEliminar
  38. Muita força e sorte.
    Começar pelas meias e cuecas, coisas sem grande valor sentimental.
    Lençóis e toalhas. Lençois bastam 3 conjuntos ou 5 se tiver diferentes para o inverno. Toalhas poucas, o suficiente para ter as de uso, as que estão em transito (lavar, secar, cesto) e outras para repor.
    O pior é mesmo a roupa, porque mesmo que não utilize e se forem de boa qualidade, pode arrepender-se pois a moda volta sempre.
    Ainda tenho dores da roupa e sapatos que dei, porque já não estavam na moda e agora voltaria a usar tudo.

    No futuro, tentar comprar muito pouco, ser mesmo consciente e minimalista. Pensar: preciso mesmo?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem a Pipoca vai continuar a viver. Não vai propriamente num interrail. Porquê desfazer-se de toalhas se talvez daqui a uns meses precisa de novas??? 5 conjuntos para 4 pessoas gastam-se rapidamente (pelo menos aqui em casa). Destralhar sim mas, como alguém já referiu, não se deve ser tão extremo ao ponto de daqui a dias necessitar de comprar tudo novamente.

      Eliminar
    2. Eu vivo sozinha e tenho uns 10 conjuntos de toalhas. Mesmo assim tenho de lavar todas as semanas e se me demoro mais a pôr a lavar já ando aflita sem toalhas!

      Eliminar
    3. Nao percebi... troca de toalha todos os dias?! Se tem 10 conj e usar uma toalha 2 dias, entao so tem de lavar ao fim de 20 dias, da bem tempo devlavar e secar

      Eliminar
    4. Às vezes troco, sim. Tomo banho de manhã e à noite (ao corpo, ao lavo o cabelo dia sim, dia não). Tenho duas casas de banho e uso as duas para tomar banho, por isso chego a ter toalhas nas duas. Eu também fico parva com a quantidade de toalhas que tenho para lavar todas as semanas, acredite! Mas é a verdade :p

      Eliminar
  39. Pipoca, faça uma venda solidária com o que não precisa ;)!!!!

    ResponderEliminar
  40. Tudo muito bonito e tal, mas destralhar como??? deitar o que não precisamos fora? coisas que gostamos? vender? onde? há logo alguém que compra tudo o que temos a mais?? Dúvidas, pessoas, dúvidas!!!

    ResponderEliminar
  41. Com o 2º filho aprendi a destralhar. Tenho um T4 +1 e o espaço a mais enche-se depressa demais (não, não sou rica mas não moro em Lisboa nem perto e comprei usado mas bom). Tem sido um processo e não tenciono viver numa casa vazia de paredes brancas porque não tenciono ser minimalista mas há muita coisa a sair porta fora. Passei a repensar muito bem o que compro, desde logo. A Pipoca vai notar que o destralhe das coisas dos miúdos nesta fase é algo difícil mas o meu 2º tem agora 4 anos e por isso tudo o que é tralha de bebé está a sair. E sim, querendo dar há quem receba. A roupa dou a familiares com crianças mais pequenas e até o berço está destinado a um bebé que vai nascer (tal como eu recebi de uma amiga que já não precisava). E há sempre a Caritas ou uma instituição na paróquia que aceita as coisas. Até os tarecos tipo bibelots que não queremos dou às Guias ou na escola para fazerem rifas. Os brinquedos ou livros podem ser dados numa escola, por exemplo. O que não destralho mesmo é lençóis e toalhas.Mais cedo ou mais tarde um estraga-se ou rompe e é ridículo ir recomprar o que já tive e dei. O que faço é guardar esse tipo de coisas num "armazém" e sei que quando preciso vou lá buscar. ta,bém fiz isso com serviços de café por exemplo, cadernos, lápis de cor, etc. O que tenho em excesso é guardado porque mais cedo ou mais tarde vou precisar de mais

    ResponderEliminar
  42. Não adoro fazer mudanças, longe disso, mas fiz uma mudança há uns 3 meses e foi tranquilo. Encaixotar na noite anterior ( o menos usado já tinha sido feito ao longo de uma semana), mudar tudo para a casa nova numa manhã ( com uma óptima empresa de mudanças) , parte da tarde e o dia seguinte a arrumar na casa nova ( eu e o meu marido). No final do fim de semana já nos sentíamos em casa, com praticamente tudo no sítio certo, e a nossa filha, que foi passar o fim de semana a casa dos avós, quando chegou a casa não sentiu nenhum caos.

    ResponderEliminar
  43. Só me ocorre dizer uma coisa. UM T8??????

    ResponderEliminar
  44. Força!
    Estou a comecar tambem um processo de mudança de casa.
    E fico com os nervos em franja cada vez que o meu homem vem ter comigo e diz:
    "Temos que falar".
    Apetece-me manda-lo logo a m**** ahahahahah

    ResponderEliminar
  45. Cara Pipoca, em dois anos desmontei uma casa, montei uma casa que desmontei e voltei a montar outra acompanhada por duas crianças pequenas com todo o enxoval, brinquedos e toda a quantidade de objetos e roupa inerentes a uma família de quatro. Uma das técnicas que utilizei foi a dos três sacos de lixo de 100 Lts: um para coisas para dar, outro para guardar e oito para o lixo. A pergunta que fazia a mim mesma era: precisas? Não? Está em condições ou já não serve? Foi um excelente auxílio para não dar em louca e para gerir o processo. Ah! E o saco para o lixo ia logo para o lixo e o para dar saía de casa no próprio dia para não haver arrependimento s!

    ResponderEliminar
  46. Adoro destralhar. Não digo todos os anos, mas é muito frequente abrir armários e fazer uma boa limpeza. Sou tão boa a destralhar (ou tão má), que nestes dias lembrei que despachei a roupa toda (coisa pouca) das estações menos quentes. LOL

    ResponderEliminar
  47. Com uma profissão como a tua será sempre difícil ter pouca coisa, ou é porque as marcas oferecem, ou porque há a expectativa de ver looks novos ou porque simplesmente tens o hábito de comprar. Por isso, mesmo que te desfaças de muita coisa agora, se não houver uma mudança de base no comportamento, corres o risco de em breve voltar tudo ao mesmo.
    Claro que, não estando eu desse lado, é muito fácil falar :) Espero que as mudanças corram pelo melhor!

    ResponderEliminar
  48. Sou mesmo pobre para cacete, nem sabia que existiam T8!

    ResponderEliminar
  49. querida Pipoca, há bem pouco tempo ajudei os meus pais numa tarefa parecida. No caso deles havia (alem de tudo o resto) uma biblioteca de 5000 livros que tinha de ir viver para um T2 minusculo. Devo dizer-lhe que o pior de tudo é a pequena tralha que sobra. Depois de se empacotar a roupa, os lençóis, o recheio da cozinha, etc, a Pipoca vai ficar supreendida com a quantidade de "lixo"que sobra e a que não sabe o que fazer. O meu conselho (depois de ter demorado quase um ano nessa tal mudança) é começar por deitar fora todas essas "pequenas" coisas.Nada pior do que estar tudo pronto para começar a vida nova e ainda ter pequeninas coisas a atrapalhar, tipo lápis desirmanados, molas da roupa, caixas e caixinhas... por aí fora... Boa sorte!!!!

    ResponderEliminar
  50. Pipoca, recomendo imenso que procures por "minimalism" no youtube e vejas uns quantos videos. Nao e que eu e o homem sejamos minimalistas ou coisa que o valha mas na altura das ultimas mudancas ajudou-nos a livrar-nos de uma quantidade de tralha inacreditavel sem peso de consciencia nenhum!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  51. Fónix a quem o dizes há mais de uma semana que andamos com as coisas de um lado para o outro! É que já estou farta de arrumar e ver sacos pela casa!!!!

    ResponderEliminar
  52. Pipoca e todos aqueles que querem destralhar, mas não sabem o que fazer com as coisas que já não querem (e ainda estão boas): Há "mercados" de coisas usadas, em que não se usa dinheiro, e sim objectos usados como moeda de troca. Vai haver um no Porto e outro em Lisboa em breve. Pesquisem no Facebook por swap market.

    https://www.facebook.com/events/1877096685933018/?acontext=%7B%22ref%22%3A%2222%22%2C%22feed_story_type%22%3A%2222%22%2C%22action_history%22%3A%22%5B%7B%5C%22surface%5C%22%3A%5C%22timeline%5C%22%2C%5C%22mechanism%5C%22%3A%5C%22main_list%5C%22%2C%5C%22extra_data%5C%22%3A%5B%5D%7D%5D%22%7D

    ResponderEliminar
  53. Será que nao queres vender os teus livros a um preço simbólico 😁😁

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis