Pub SAPO pushdown

Cidadão? Cidadã? Cidadona?

sexta-feira, abril 15, 2016

O Bloco de Esquerda, numa clara demonstração de "sabemos o que é realmente importante para o País", decidiu propor que se altere o nome de Cartão do Cidadão para "Cartão de Cidadania". Isto porque, dizem, o termo "cidadão" atenta contra a igualdade de género e não representa mais de metade da população portuguesa. Ora bem, eu não sei até que ponto isto será assim tãooooooo fidedigno. A palavra cidadão é masculina, certo. A palavra cidadã também está disponível no dicionário, certo. Há mais mulheres em Portugal do que homens, certo. A maioria das mulheres está há anos a dar voltas na cama, com o sono perturbado pelo facto de o documento único nacional se chamar "do Cidadão" e não "da Cidadã", certo...Eeeeerrrrrr, se calhar, não. Mas vou falar só por mim, pronto, para não me acusarem de generalizações: meus queridos, estou- me nas tintas, não me macem. Em primeiro lugar, porque fui renovar o CC na semana passada e toda a gente sabe o que isso implica: para cima de duas horas na Loja do Cidadão, a respirar o mesmo ar de milhaaaares de cidadãos com vários níveis de gripes e constipações, e ainda ter de pagar 15 ou 18 euros (no meu caso foi mais porque precisava do cartão com urgência). Posto isto, não me apetece repetir a dose antes de 2021, altura da renovação obrigatória. A menos, claro, que seja gratuito, que não me obrigue a sair de casa e que não represente custos para o país. Uma utopia, no fundo.

 Depois, acho que se o Bloco de Esquerda vai mesmo avançar para esta guerra, não deve estar bem a ver o número de batalhas que tem pela frente. Ou então está, o que ainda é pior. Na língua portuguesa o plural assume o género masculino. São os professores, os deputados, os pais, os médicos, os cidadãos, um sem número de exemplos. Porquê? Não sei, não domino o assunto, quem souber mais que se chegue à frente. Se calhar, por sempre ter sido assim, a coisa não me faz qualquer espécie de comichão, nunca dei por mim a pensar "espera lá, que isto vai para aqui um preconceito que não é brincadeira". Não acho que seja. Tem a ver com as regras da linguagem, tem de haver critérios e foi este o escolhido. O plural é assim. E se agora decidissem mudar para as professoras, as deputadas, as mães, as médicas, as cidadãs, depois vinham os homens queixar-se de sexismo. E agora argumentam algumas de vós: "então que sejam eles a queixar-se, antes eles do que nós". Porreiro, vamos só transferir o desagrado para o sexo oposto,  faz-nos sentir muito mais reconhecidas. Isto sim, é um passo de gigante no acesso à igualdade de oportunidades. Está bom.

Eu acho isto uma patetice pegada mas, lá está, reconheço o esforço do BE em debruçar-se sobre questões prementes. E, em sinal de boa vontade, até deixo aqui mais umas ideias giras:

- Acabem-se com as reuniões de pais nas escolas, passamos a ter reuniões de família ou "reuniões dos responsáveis pelos putos" (ai, não se pode dizer "putos"' é machista, são "as crianças"... espera, mas crianças é feminino, será que os miúdos já se estão a atirar ao ar com o preconceito?);

- Nos livros de história acabou-se a referência ao "Homem" , termo globalizante para homens e mulheres. Fica "as pessoas", está óptimo;

- Provedor do leitor??? Escândalo! Provedor da pessoa que lê;

- Instituto de Socorros a Náufragos... e as náufragas? Deixamos ir ao fundo?

- Portal do Consumidor??? Injustiça, toda a gente sabe que somos mais gastadoras do que eles (xiiiiiiii, olha o preconceito);

- Cartão de Eleitor? O meu voto conta menos, é????? Cabrões.

Se tiverem outras ideias igualmente geniais digam, temos de ajudar o BE, que os pequenos não têm mãos a medir.

125 comentários:

  1. Olha, enfim... Quando chegará o dia em que teremos pessoas reais a governar o nosso país??
    É que até agora são só teóricos iluminados a importarem-se com o que não importa!!

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Normalmente quem se queixa de discriminação a este nível ( não estou a falar de racismo ou xenofobia), está a ser mais discriminatório do que de quem se queixam. Se nunca ninguém se lembrou disto e também ninguém se queixou, acham que agora vale a pena rever o léxico todo, para não se ferir suscetibilidades? Não há situações mais urgentes a tratar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se nao ha mais situações urgentes a tratar? Sim, decerto. Mas ninguem disse que a mudança era para ontem. E o facto de haver assuntos mais urgentes nal implica que outros nao possam estar na ordem do dia. Por exemplo, nao é por o cancro ser uma doença grave ou por aa doenças do coração serem das principais causas de morte em Portugal que se deixa de atender pessoas constipadas nos hospitais. Não é? :) sao pequenos passos, e ate irrelevantes para muitos,mas acredite que nao são.o sufrágio feminino também nunca tinha sido equacionado até alguem se ter lembrado disso... Eh eh

      Eliminar
  3. É uma medida simbólica, nada mais. E tal como a questão do Happy Meal, a comunicação social está determinada a insinuar que o BE não se preocupa com mais nada, quando a apresentação dessa proposta no Parlamento não terá levado mais que dez minutos. Mas a verdade é que a língua não é uma entidade intocável nem estática, e também é verdade que encontramos, na nossa, muitos sinais de uma sociedade patriarcal. Pode não te incomodar, mas é inegável. Basta veres que, para nos referirmos a um grupo de pessoas, o masculino é o "standard", mesmo que seja um grupo de vinte mulheres e um homem. Quantos homens achariam piada se, atualmente, o cartão de cidadão fosse chamado "cartão de cidadã", servindo para designar tanto homens como mulheres? Ninguém morre por causa disso, e também não me tira o sono, mas a ridicularização do assunto que se vê nas redes sociais é sintomática da sociedade em que vivemos e isso, a mim, preocupa-me mais que esta proposta.

    Perdida em Combate


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois Nádia, mas tem noção que esta pedantice vai custar dinheiro, não tem? Por mim dispensava, não é de todo uma prioridade na actual conjuntura financeira. Mas claro que as palas políticas impedem-na de ser prática e racional.

      Eliminar
    2. Subscrevo totalmente!!!

      Eliminar
    3. Não podia concordar mais com a Nádia.
      "Palas políticas" é o que me parece que o anónimo tem.
      Ainda bem que existe evolução!

      Eliminar
    4. Vai-se gastar dinheiro que não temos. Não é de todo uma questão que tenha importancia para chegar sequer a ser noticia..

      Eliminar
    5. Existe evolução por haver uma proposta sobre uma questão que honestamente não chateia ninguém e só vai custar dinheiro? Se é isto a evolução mais vale estar quieto. Concordo com a Nadia na questão de vivermos numa sociedade patriarcal, mas se calhar, e é só uma ideia, começávamos pelo que realmente importa tipo diferenças salariais, em vez do CC. Mais valia ter ficado cartão único, agora não tínhamos nenhum problema com o CU, fosse do homem ou da mulher.

      Eliminar
    6. Concordo Nádia, esta questão do cartão do cidadão também não me preocupa particularmente, mas é verdade que temos uma sociedade virada para os homens. No casamento, é costume as mulheres adquirirem o apelido do Homem, mas não o contrário. Os filhos têm sempre o último nome do pai, e nunca da mãe. E por aí fora...

      Eliminar
    7. Anónimo das 18:07, eu não sei como é que funciona consigo, mas eu não sou membro de um partido como quem é membro de uma religião a que se pertence à nascença. Ter certas ideias e valores e identificar-me com um partido porque professa os mesmos valores não me parece concomitante com ter palas ou formatação política.

      Mas vocês acham que, caso a proposta seja aprovada, as pessoas serão obrigadas a fazer fila para fazer um cartão novo? Ou que isso será feito, para cada pessoa, à altura da renovação?

      Eliminar
    8. Nádia eu não quero leis simbólicas, eu quero alterações com eficácia na vida real. Sabes qual é o feminismo que me interessa? Aquele em que não descartam mulheres em entrevistas de trabalho por serem mães por exemplo, por querem constituir familia, etc. De leis que não são aplicadas já eu estou farta, metam o simbolismo num sítio que eu cá sei.

      Eliminar
    9. Já estava à espera deste post da Pipoca. Ela não percebe que o grupo de que faz parte, o d' "o BE só se interessa por mesquinhices e não sabe o que é importante para o país", é precisamente o grupo que atira estes assuntos para o grande falatório nacional. Quando são propostas sérias e necessárias e com "interesse para o país" não se fala, porque são assuntos complexos e a nossa cabecinha não está para isso, mas quê, o BE meteu lá pelo meio em cinco minutos umas propostas sobre piropos e Happy Meals e linguagem igualitária? "Olha-me estes palhaços outra vez com merdices a desperdiçar o nosso dinheiro!"...

      Eliminar
    10. Concordo. E falar em gastos sempre que surge alguma proposta que ajude a sociedade a evoluir é demasiado redutor. Há coisas mais importantes que o dinheiro e acho fundamental um debate sobre estas questões de género. A grande maioria tenta descredibilizar porque tem a cabeça demasiado formatada pelo que é costume/tradição/não me tira o sono/ não me incomoda e não tentam reflectir e analisar o assunto com seriedade.

      Diana

      Eliminar
    11. Tinha pensado em comentar este post de forma mais ou menos desenvolvida, mas a Nádia e a Rita já fizeram tudo por mim.

      Tenho a certeza absoluta que a Pipoca e outras e outros bloggers que pegaram neste assunto já gastaram mais tempo com ele nos seus blogs do que o BE na Assembleia da República. Não deixa de ser irónico. Percebo que seja mais fácil pegar num assunto destes, mais "levezinho", para fazer um post a criticar o BE.

      As suas "ideias giras" no fim do post, Pipoca, mostram apenas que não percebeu bem o assunto ou, pior ainda, percebeu e quer "desinformar". É isso que realmente me preocupa, a desonestidade intelectual de quem tenho visto a comentar este assunto. Não faz falta muita perspicácia para ver onde estão as "palas políticas".

      Eliminar
    12. Anónimo das 19h32, sabia que desde 1975 ou 1976 (por aí, logo a seguir à revolução) que é uma questão de decisão dos pais qual é a ordem os apelidos em relação aos filhos? Não é obrigatório ser o nome do pai ser o último nome ;)

      Eliminar
    13. Nádia, consegue dizer-me um direito que os homens tenham e as mulheres não?Não consegue.E não me venham dizer essa das diferenças salariais, porque se de facto alguma mulher ganha menos que um homem a desempenhar o mesmo trabalho, isso é ILEGAL e tem que ser comunicado. As feministas apresentam determinados argumentos que à superfície parecem razoáveis, mas quem realmente se interessa pelo assunto, verá que não, a maior parte deles são infundados.

      Eliminar
    14. Em Portugal, e em termos legais, sim. Mas e o resto? O resto é MUITO e faz das mulheres, ainda, cidadãs de segunda. Qualquer mulher atenta está desperta para as questões de género, porque as sente na primeira pessoa. Quantos homens são vítimas de violência de género? Quantos morrem, por ano, à mão das esposas ou ex-companheiras? Quantos têm que pensar duas vezes na roupa com que saem à rua com medo de atrair atenção indesejada e predadores? Quantos são assediados e calam a resposta por receio? Quantos são violados e, para além das mazelas físicas e mentais, têm ainda que lidar com a misoginia de uma sociedade que insiste em culpar a vítima, perguntando-lhe o que tinha vestido e se tinha bebido? Quantos homens de sucesso já ouviram a pergunta “como é que consegue conciliar os filhos com o trabalho?”. O que me diz do caso da Bárbara Guimarães que, para além da violência doméstica que sofreu, foi vítima de um ataque sexista, por parte da juíza, que tentou culpar a vítima? Engana-se se pensa que esse desmérito da voz da mulher foi um caso isolado - é permitido pelo quadro mental em que ainda vivemos. Tudo isto é infundado, anónimo? Como? Talvez nunca tenha sentido na pele o peso do patriarcado e do sexismo. Eu senti, e qualquer mulher que esteja desperta sente. Muitas vezes, basta sair à rua.

      Eliminar
    15. Anónimo das 14h13, apenas uma sugestão:

      Se tirar a cabeça da areia talvez consiga ver o fundamento aos argumentos.

      Eliminar
    16. Inês isso do apelido não é assim! eu tenho o apelido do meu pai, o meu irmão da minha mãe para que os nomes de família "não morram" com eles. O meu filho mais velho tem o apelido do meu marido, o mais novo vai ter o meu e do meu pai! Já os meu sobrinhos terão o nome da minha mãe!

      Eliminar
    17. Caro filipe gomes como vejo que o senhor ao contrário do anónimo das 14:13 possui um intelecto sem limites, cujo brilhantismo eclipsa as estrelas deste universo, sujiro a leitura do seguinte paper de economia.

      http://inequality.stanford.edu/_media/pdf/key_issues/gender_research.pdf

      Por ser mais facil de ler posso providenciar o seguinte artigo:

      http://inequality.stanford.edu/_media/pdf/key_issues/gender_research.pdf

      Posso também eu mesmo, como economista fazer lhe um resumo das razões pelas quais não existe diferenciamenteo salarial para o mesmo trabalho entre sexos diferentes, é só pedir caro eu de forma gratuita posso explicar..

      se mesmo assim achar que lhe estão a mentir posso perguntar-lhe que motivação teria um empresa em contratar homens se as mulheres pelo mesmo trabalho cobrassem menos (eu sei, eu sei a lógica é uma coisa que nunca em circunstancia alguma deve ser utilizada em questões de feminismo mas abra esta excepção).

      Posto isto caro amigo tire a cabeça da areia isso de ficar com areia nos olhos é uma chatice e pode criar infecções.

      Eliminar
    18. Caro Tiago,

      O anónimo das 14h13 escreveu: "As feministas apresentam determinados argumentos que à superfície parecem razoáveis, mas quem realmente se interessa pelo assunto, verá que não, a maior parte deles são infundados."

      O que eu lhe respondi ia apenas no sentido de dizer que os argumentos das feministas fazem, na grande maioria dos casos, sentido. E que basta pensar um bocadinho e prestar atenção ao mundo à nossa volta para ver onde estão os problemas reais que fundamentam esses argumentos.

      Não compreendo de que modo o artigo que me sugeriu me contrariam. Na primeira página do artigo aparece a frase: "Women continue to earn considerably less than men on average." Mais tarde no mesmo artigo, é sugerido que a discriminação desempenha um papel neste fenómeno. Perto do final, surge a frase "women continue to confront discrimination in the labor market".

      Realmente fico confuso. O Tiago diz-me que não há diferenciamento salarial entre géneros diferentes, e, para o justificar, envia-me um artigo que analisa as razões pelas quais esse mesmo diferenciamento salarial existe...

      Eliminar
  4. E com um texto destes digo: pipoca está de volta! É por isto que te leio há tantos anos. Tou farta de roupas e sapatos e tudo isso, gosto mesmo é do que escreves

    ResponderEliminar
  5. Volta bilhete de identidade, estás perdoado!!

    ResponderEliminar
  6. O BE devia pensar em simplificar a vida "ás pessoas". Cheira-me que daqui a uns tempinhos vou ter de gastar mais 15€ e eu a pensar que estava safa até 2020... podiam era pensar em colocar o Cartaozinho vitalicio... e se na nossa vida houvesse alguma alteração, aí sim o cartaozinho era renovado. Agora ter de andar de 5 em 5 anos a visitar as pessoas do registo. Devem achar que a nossa vida é andar a gastar dinheiro e ainda por cima não passam factura. Afinal eu estou a pagar um serviço ou não?

    ResponderEliminar
  7. No plural coloca-se " as mulheres e os homens", " os miúdos e as miúdas", "o leitor e a leitora"...e depois vem a questão "qual colocar primeiro!"
    Ainda hoje estava a ler um flyer e dizia "...nós os bascos e as bascas queremos..." ahaha.
    Isto faz-me lembrar a sinalética que vi no metro de Viena. Tanto há o desenho do homem com a criança ao colo como a mulher, o idoso/a idosa etc (só não há o grávido ;))

    ResponderEliminar
  8. magnifico sarcasmo! que muita gente não vai perceber... mas por favor não caias na tentação de defender o governo, ainda te acontece como a porta dos fundos e perdes milhões de seguidores

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "que muita gente não vai perceber"

      Epá... Hahaha. Peço desculpa, só me sai isto. Hahahaha

      Eliminar
  9. É óbvio que a nossa língua é sexista. Basta ver que se houver um grupo de 100 mulheres e um homem, é designado por eles. Acredito que a língua vá mudar, ela vai evoluindo ao longo dos tempos. Mas não é uma coisa forçada, não é assim que as coisas acontecem. Eu também acho uma patetice, mas mais pateta ainda acho o tempo de antena que a comunicação está a dar a este assunto... Entretanto há coisas bem mais importantes a serem faladas e que estão a ter pouco tempo nos media. Isso sim, preocupa-me.

    ResponderEliminar
  10. "Instituto de Socorros a Náufragos... e as náufragas? Deixamos ir ao fundo?"

    AHAH muito bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As náufragas não correm perigo. Têm bóias ;)

      Eliminar
  11. Só para dizer que se pode agendar a renovação do cartão e assim não estar horas na fila. Fiz isso com o cartão, com o passaporte... uma maravilha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois...mas esta gente não sabe. Metem-se na loja do cidadão quando podiam agendar na boa hora no chiado! LOL

      Eliminar
    2. "esta gente" sabe. Mas "esta gente" precisava do cartão com urgência e quando tentou agendar na Boa Hora só havia vaga para mais de uma semana depois. Logo, "esta gente" teve de ir para a Loja do Cidadão.

      Eliminar
    3. "Precisava do cartão com urgência" lol. Não fosse descuidada e tivesse visto quando ia expirar e fazia logo a marcação para umas 2 semanas antes da data. E o papel que nos dão a comprovar que pedimos um novo já serve para apresentação como o cartão.

      Eliminar
    4. Devia saber que para muitos assuntos o papelito do pedido de nada serve...se for o mesmo anónimo que falou a agendar devia ter vergonha de não saber isso é assim acabou de passar para "essa gente"...

      Eliminar
  12. Por vezes esperamos que o Governo (ou os Partidos, se for o caso) resolva problemas graves e grandes do nosso País e não prestamos atenção aos problemas mais pequenos que poderão estar a ser resolvidos.
    Mas esta questão do Bloco nem sequer é um problema minúsculo, é uma palermice tamanha.

    ResponderEliminar
  13. " (...) toda a gente sabe o que isso implica: para cima de duas horas na Loja do Cidadão, a respirar o mesmo ar de milhaaaares de cidadãos com vários níveis de gripes e constipações, (...)" NOT! E, ingenuamente, achei que a Pipoca também saberia que não é necessário.

    Existe uma alternativa que passa por agendar essa visita com local e hora marcados. Eu demorei 5 minutos a fazer, 10m a levantar (true story!).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Idem! Só demorei mais porque fiquei na conversa com a senhora porque não havia ninguem com marcaçao a seguir. No meu caso desta vez foi no balcao perdi a carteira que funciona com marcaçao mas na ultima vez tambem nao esperei mais que 15 minutos se tanto!

      Eliminar
    2. E melhor, existe uma aplicação (mapa cidadão) em que tiram a senha pelo telemóvel e vão controlando a vez :)

      Eliminar
  14. Tantos problemas que o país tem e é nisto que decidem pegar??? Cada vez mais me convenço de que enigrar foi o melhor que fiz =p

    ResponderEliminar
  15. Se os bloco de esquerda não têm mais que fazer, na quinta do meu pai, onde eu trabalho há muito que fazer. M. C

    ResponderEliminar
  16. Têm tanta ideia estapafúrdia que esquecem-se do que o país precisa. A igualdade de géneros não se conquista através de alterações burocráticas tão mesquinhas. Tenho 16 e já percebi isso!!!

    ResponderEliminar
  17. Acho uma ideia ridícula em vez de se preocuparem com coisas mesmo importantes, andam com esta... -.-

    ResponderEliminar
  18. Totalmente de acordo contigo, Pipoca. Que se preocupassem em resolver situações bem mais importantes do país, até mesmo coisas ligadas à igualdade de género. Que se deixem de patetices. É disto que as mulheres precisam? por favor... Todos os meus problemas e de muitas outras pessoas fossem isto! J.M

    ResponderEliminar
  19. Uma estupidez completa. Não esquecendo também todos os nomes que se aplicam no feminino e nunca vi os homens atirarem-se ao ar - pianista, violinista, baterista! Enfim....que o BE se preocupe com o que verdadeiramente interessa e se deixe de palhaçadas!

    ResponderEliminar
  20. Este post não me parece muito feliz. É certo que a mim também não me faz grande diferença ser cartão de cidadão ou de cidadania. Contudo, é um facto que a palavra "cidadania" é mais inclusiva que "cidadão" e visto que ninguém vai ser excluído pela palavra "cidadania" não percebo porque que não se há-de alterar. A linguagem inclusiva é um passo minúsculo mas que tem o seu contributo na evolução de culturas e mentalidades e sinceramente, custa-me a entender como é que alguém pode ser contra se, na verdade, não lhe faz diferença alguma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh filha, porque vai custar dinheiro,não percebeste?!

      Eliminar
    2. Por acaso não vai dado que só mudaria o nome no cartão com a renovação...

      Eliminar
  21. Eheheheheh demais! Mas isto é mesmo a sério? Oh País este que não tem mais nada de relevante que possa interessar a políticos que se auto nomearam Governo. Lá está não sabem mesmo o que para lá foram fazer e então... quem não sabe, inventa!

    ResponderEliminar
  22. CáusticA e brilhante!!

    ResponderEliminar
  23. E ir renovar o cartão à Loja do cidadão? nem pensar :D loja da cidadania!!

    ResponderEliminar
  24. É do mais descabido que ouvi.
    Quando não se tem nada de interessante para se fazer, inventa-se, está certo. O "problema" é que eles até poderiam arranjar coisas interessantes para fazer, mas não há vontade. Típico do BE...

    ResponderEliminar
  25. É mesmo de quem não tem mais nada que fazer.... o Bloco entenda-se :)

    ResponderEliminar
  26. Olá, Pipoca.
    Partilho da sua opinião.
    Nem imagina o pano para mangas que este tema já me deu hoje...
    Numa troca de argumentos (no facebook) com um professor da instituição onde me licenciei, comentei o seguinte: «Devia ter ficado Cartão de Identidade... Mas para fugirem ao CU (Cartão Único) e para tentarem marcar pela diferença, na altura só se lembraram de cidadão.
    Tudo certo. Uma mulher não se vai sentir menos cidadã por ser um cartão de "cidadão". Há coisas mais importantes com que nos devemos preocupar!
    Igualdade nos salários e nas licenças de maternidade/paternidade... etc. Vidas.» e caiu o Carmo e a Trindade. Enfim...

    Um beijinho para si

    ResponderEliminar
  27. Quem me dera escrever assim...

    ResponderEliminar
  28. Antes de mudarem o nome do cartão, mudem o nome da loja! Ir tratar do cartão de cidadania à loja do cidadão.....!!! Gente mais parva. Até o PAN tem contribuições mais vantajosas para o país que este BE...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim,o PAN com a proposta de baixar o iva dos copos menstruais é uma preocupação abrangente da sociedade,de facto! Não digam é disparates! Vejam no site da assembleia da república as iniciativas legislativas do BE,o único partido que de facto trabalha!

      Eliminar
    2. AHAHAHAHAHAHAHHA.....

      Eliminar
  29. Loja DO CIDADÃO?? E as cidades não têm direito a loja? Patetice pegada! Olham, que falem dos emigrantes, que foi bandeira das eleições, em vez de perdetem tempo com bostas destas....

    ResponderEliminar
  30. Estou de acordo. Tudo a arrancar sutiens por um português, não, por uma língua portuguesa mais justa!

    ResponderEliminar
  31. Não podia estar mais de acordo.
    Belo texto.

    ResponderEliminar
  32. Vão do 8 ao 80... Igualdade de géneros sim, mas eu, como mulher, acho que mudar toda a "base dos plurais" de uma língua por causa disso seria demasiado.

    Até nas ideias da Pipoca já entravamos em conflito:
    - "reuniões dos responsáveis pelos putos"... "dos responsáveis" refere-se ao masculino, portanto não pode ser. =P
    -"Nos livros de história acabou-se a referência ao "Homem""... certo... será que termos "a humanidade" como feminina não compensa?
    - Também não pode ser "Provedor da pessoa que lê", porque provedor também é uma palavra do género masculino, ou seja, dá a entender que não pode ser uma provedora...
    etc. etc. etc.

    Então e "o povo" que o BE tanto gosta? É um termo masculino, será que exclui as senhoras?

    ResponderEliminar
  33. Por mim...deviam ir brincar com a pilinha (ou o pipi...para não haver discriminação de géneros) já que lhes falta entretenimento. Já estou a ficar cansada destes não-assuntos e das medidas espetaculares que nascem nos cérebros (???) de certas pessoas.

    http://thelusofrenchie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  34. Sou de esquerda e simpatizo bastante com o Bloco. Mas nesta questão penso que tens toda a razão! Mas a questão é mais ampla... penso que estamos a chegar (enquanto sociedade) a um ponto onde vemos sexismo e discriminação em tudo e mais alguma coisa.

    ResponderEliminar
  35. Da forma como isto foi feito o nosso voto não contou foi nada!!

    ResponderEliminar
  36. O BE não percebe que perde credibilidade quando toma iniciativas destas? O palerma do Pedro Arroja deve estar a esfregar as mãos e a dizer: "tenho ou não razão??" Efetivamente não tem, mas às vezes até pode parecer que sim...

    ResponderEliminar
  37. Há uns tempos li algures pela net que, no Brasil ,em algumas situações, já usam o x para promover a igualdade de género na linguagem, tipo “xs alunxs”. Valha-me Santa Engrácia. Tudo o que é demais é erro. Sim, existe um problema sério de desigualdade de género que não deve de forma alguma ser ignorado: menos mulheres em posições de liderança em empresas, mulheres com salários mais baixos a realizar as mesmas funções que homens, sem falar em todo o blablabla da sociedade em situações como: uma mulher com muitos namorados é p*ta, um homem é um garanhão, ou uma mulher não querer ter filhos é uma monstruosidade da natureza enquanto um homem pode perfeitamente querer ser eternamente solteiro. Acho que isso sim seriam questões mais importantes a debater pelo Bloco de Esquerda do que estas palermices de linguística que não tem um impacto real na vida de ninguém. Há muito que precisa ser mudado na Sociedade antes de pensarmos no tema cartão do cidadão ou cartão de cidadania.

    http://rotinasdeumadesbocada.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  38. Confesso que não tendo muita simpatia pela política atual em geral, até gosto do Bloco de Esquerda. Mas esta é um pouco "fora" sim. Quem é que quer saber disso?!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois...o bloco de esquerda preocupado com os verdadeiros problemas do país...
      Ja agora estou ofendida!
      Kero que mudem o nome de loja do cidadao para loja do cidadão e cidadã. ..afinal dou mulher! Nao kero cá confusões!

      Eliminar
  39. Sinceramente acho que a luta pela igualdade de género, que deveria ser uma luta para se levar a sério, está-se a tornar uma coisa ridícula à conta destas pequenas coisas que, para mim, não têm nada a ver... enfim!
    Espero só vir a renovar o meu CC em 2020 (data até que é válido), pois não estou para andar a pagar 15€ por pieguices!

    ResponderEliminar
  40. Está tudo (completamente) maluco!

    Beijinhos ♥
    Mónica Rodrigues dos Santos
    http://cupcakewomen.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  41. Mais do que o seu estilo, leio o seu blogue pela sua escrita fantástica, sarcástica e acutilante... uma grande escritora, com muito bom gosto :)... adoro :)

    ResponderEliminar
  42. Para quem vive no estrangeiro como eu fico pasmada com a quantidade de palermice que o nosso país se preocupa! Quero lá saber que o cartão de cidadão esteja no masculino! Queria que não tivesse de ter de sair do meu país para viver uma vida mais decente! Que tal lutarem para a igualdade de pagamento entre mulheres e homens que ocupam as mesmas funções e cargos?! Ideia louca! Por favor isto é ridículo a vários níveis! E sim, não tenho vontadinha nenhuma de ir para o consulado português renovar o cartão porque tem cidadão em vez de outra coisa qualquer! Perder um dia da minha vida nesse lufa lufa só para isso - ridículo! Vejam lá se se preocupam com coisas mais relevantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é MF, quem vive noutros países e se habituou à civilização, ainda deve achar mais ridículas estas medidas desta gente parva que existe aqui em PT. Somos um País atrasado, e com estas ideias de m.... havemos de continuar por muito tempo.

      Eliminar
  43. Que estupidez!! E igualdade nos salários? E melhorar os acessos aos cuidados de saúde primária? E comaprticipar métodos contraceptivos como o DIU? E fornecer gratuitamente medicação aos idosos mais pobres? A sério BE? a sério? Que merda é esta?!?! Ando eu todos os dias a ver doentes que se vêm à rasca para pagar medicação, que não fazem exames porque não são comparticipados (exemplo - MAPA - essencial para analisar o perfil de hipertensão) e é a merda do nome do cartão de cidadão que querem discutir?!

    ResponderEliminar
  44. É chato porque, ainda assim, continuaria a ser "O cartão" e não "a cartão de cidadania". Não sei se supero essa ofensa!

    ResponderEliminar
  45. CIDADANIA???? Não entendo??
    1º - Cidadania - substantivo feminino (voltamos ao mesmo!!)
    2ª - Cidadania - são os direitos e deveres de um cidadão!!! Ora isso não está no cartão!!!!!
    Se eles se importassem com o que realmente faz falta!!! Isso sim era de valor.
    Mas é o que temos!!! E mais virão

    ResponderEliminar
  46. Já não tenho pachorra para tanta parvoíce. Será que não há assuntos bem mais importantes neste país para os deputados se preocuparem ? Irra !! Só me apetece dizer (escrever) um palavrão!

    ResponderEliminar
  47. Eu até diria que Portugal tem muito mais com que se preocupar do que com meras questões de linguística. Mas isso sou eu a dizer assim um bocado com os nervos.... É por estas e por outras que nunca mais saímos da cepa torta!!! Haja paciência!!!

    ResponderEliminar
  48. O mesmo argumento serve para quando andou a pedir bebedouros. Não existiam coisas mais importantes? sim! mas deixa de ser necessário? não! Para mim é indiferente que seja cidadão ou cidadania, para outros é um assunto necessário. Portanto, porque não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para já eu não pedi nada, que não tenho poder para isso. Eu queixei-me. E garanto-lhe que há muito mais gente preocupada com a questão dos bebedouros do que com o "problema" do cartão do cidadão.

      Eliminar
    2. Muiiito útil. ;)

      Eliminar
    3. Garante Pipoca, a sério? Nesses dados tão fiáveis que tem, diga lá, e quanta gente não se importa que seja cartão de cidadania? Se calhar é por aí...

      Eliminar
    4. Mas conhece toda a gente que está preocupada cpm bebedouros e com a designação do cartão do cidadão? Se calhar dentro do seu círculo de amigos das corridas isso corresponde à verdade.

      No entanto,nao é descabido pensar-se numa alternativa. O mundo está formatado pelo homem, e muitas das vitórias que se foram conseguindo foi com o esforço de minorias. Ora, pedem mudanças mais orientadas para resultados práticos, quando aquilo que está escrito vai contra aquilo que se pretende? A supremacia do masculino sobre o feminino? Pequenas mudanças impulsionam mudanças maiores, esta pode ser uma delas.

      Além de que cidadania nao remete para o individuo, como os termos cidadão ou cidadã, mas sim para o exercício se deveres e direitos.

      Quanto às pessoas que acham que só se deve apenas priorizar assuntos práticos, se a vida fosse só isso nem este blog faria sentido.

      Eliminar
    5. Deixa lá pipoca, 99% das pessoas não quer mesmo saber do nome do cartão de cidadão, esta gente é uma num milhão . Concordo plenamente, bom texto. Beijinhos

      Eliminar
    6. Parece-me que a questão do Cartão do Cidadão é totalmente comparàvel à dos bebedouros, sendo a água indispensável à sobrevivência do Hom...peço desculpa, dos homens e das mulheres.

      Eliminar
  49. Concordo plenamente! E são estas as batalhas do BE, enfim..

    ResponderEliminar
  50. (mais uma) ana15 abril, 2016 20:44

    Parece-me que a Pipoca está como o Benfica: voltou. :)

    ResponderEliminar
  51. E os empregos que vão surgir com esta maratona???? Ok é isso...uma tentativa de baixar o défice de emprego!!! Ah ah ah. Grande pipoca 😁🤓😜

    ResponderEliminar
  52. 1. Não tenho memória de quando o PSD apresentou em 2013 o projecto de resolução para que as entidades públicas tivessem (OBRIGATORIAMENTE) de usar a expressão universalista "Direitos Humanos" em vez de "Direitos do Homem" exactamente com a mesma argumentação do BE este blogue se tenha pronunciado.

    2.Como se vê, até pelas inflamadas discussões que suscita, a linguagem é muito mais do que uma forma de comunicação. É também uma forma de expressão e transmissão cultural que reflecte, inevitavelmente, a sociedade que dela faz uso, encerrando em si um conteúdo simbólico que não só espelha preconceitos e estereótipos sociais como os ajuda a perpetuar no tempo. E isto do masculino ser universal e não o feminino não foi tirado à sorte na altura. É assim porque reflecte a supremacia do homem face à mulher.Ponto.


    3. Aquela parte dos deputados perderem tempo com isso e não se dedicarem a outras coisas mais importantes é só a brincar, certo? Ou alguém acha mesmo que é o tempo despendido com esta proposta legislativa que vai impedir a discussão do aumento do salário mínimo ou do próximo orçamento de estado?

    4. Isto não gasta um tostão ao estado porque a proposta é que seja feito de forma progressiva à medida que as pessoas vão renovando o cc;

    5. Assim, e assumindo que a Ana não concorda que se perpetue a tal hegemonia do género masculino face ao feminino, se pudermos ir fazendo pequeninas alterações a estados quotidianos que tenham como sustentáculo este domínio de género porque não? É mesmo vontade de implicar com a esquerda, não é? Confesse lá .

    Carla V.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa :) excelente argumentação,eu nao teria escrito melhor!

      Eliminar
    2. Obrigada, Carla V.

      Eliminar
    3. Completamente de acordo...

      Eliminar
    4. É tão isto!

      Eliminar
    5. Pessoalmente acho que a mudança de Direitos do Homem para Direitos Humanos faz mais sentido do que a mudança de Cartão de Cidadão para Cartão de Cidadania. Quando soube desta alteração confesso que estranhei, porque tal nunca me tinha passado pela cabeça, nem nunca me tinha incomodado, nem incomoda. Tendo em conta os seus argumentos, não reconheço problema nesta mudança, mas acho que em vez de Cartão de Cidadania, Cartão de Identidade faria muito mais sentido.
      A minha questão é: considerando que a nossa língua é marcada pelo género, todos os substantivos o têm (inclusive os próprios substantivos) haverá a necessidade de, gradualmente e a longo prazo, alterar por completo a língua?

      Eliminar
    6. Brava Carla. O sistema patriarcal está tão enraizado que nem as mulheres se dão conta dele. Com pequenas pedras se faz a estrada para Roma.

      Eliminar
  53. Não sei se mais alguém falou nisto... Mas o nome do cartão é "Cartão DE cidadão" e não "Cartão do cidadão". O que muda tudo! O pronome é que decide se estamos a falar de "população" feminina ou masculina... se é "DE" cidadão, txaraaaaaaam! :) Estamos a falar dos doiiis! :D

    ResponderEliminar
  54. Cartão de Cidadania o tanas! Ao menos que seja Cartão de Identidade...

    ResponderEliminar
  55. A mim, por exemplo, agasta-me mais que as pessoas escrevem por aqui "standard", quando temos palavras portuguesas para tal (padrao; referencia), e "flyer"... ainda sou do tempo em que existiam umas palavras chamadas "folheto" ou "panfleto"... E,lamento, nao tenho acentuacao neste teclado. Tambem me questiono se esta mudanca do CC ira ajudar a diminuir o numero de vitimas de violencia domestica...algo que me parece grave, muitissimo grave quando comparado com o CC.

    ResponderEliminar
  56. Como mulher já estou farta desta ideia de que somos todos iguais e desta discriminação dita "positiva".
    Chega de palermices!
    Desde o início da espécie humana que existem homens e mulheres, que moda é esta agora do "Vamos lá todos ser iguais"?
    Preocupem-se em sermos todos iguais na riqueza, nas oportunidades e no tratamento social, e não em questões linguísticas.
    Ou acham que é essa manobra palerma que nos vai fazer ser melhores pessoas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A linguagem, como veiculo de comunicação e de transmissão de cultura, ajuda a perperuar e transmitir ideias e preconceitos que no século XXI já deviam estar ultrapassados.

      Obviamente que não se vai reinventar a língua. No entanto o uso de termos que não remetam para o sujeito, mas para o conceito praticado por sujeitos (a cidadania,neste caso) é uma forma mais inclusiva de utilização da língua, como já a União Europeia e o Estado Português propõem há muitos anos.

      Eliminar
  57. Eu já me dou por contente de ter passado a chamar-me Cartão de Cidadão-CC, em vez de Cartão Único-CU...
    Já viram se nas finanças, para além de nos esfolarem até ao último cêntimo, nos pedissem também o CU? xD
    Prefiro mil vezes ser chamada de "cidadão"!! :p

    ResponderEliminar
  58. Este país está cheio de incompetentes!!!!! Uma verdadeira tristeza!!!! Ainda a tempos dirigi me a loja do cidadão para tratar de um assunto a funcionária que me atendeu já com 60 anos prai deu me umas folhas para preencher e não sabia o que tinha de preencher. Estava a colega ao lado a dizer lhe tudo... A mulher parecia que estava a nora. Não percebia nada do que estava az fazer... Uma pessoa assim a trabalhar numa loja do cidadão um verdadeiro atraso de vida .. Como é que este país anda para a frente??? Ridículo mesmo. Incompetentes do caraças !!!!! País de gatunos e Ovelhas tresmalhadas!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebi em que que a idade releva. E sinceramente também não entendi qual era o problema de uma funcionária estar a ser ensinada por outra, visto que podia nunca ter lidado com o assunto que lhe levou. E acima de tudo não percebi em que que ser cartão de cidadania aumenta os seus problemas com a loja do cidadão.

      Eliminar
    2. Foi a uma loja do cidadão "tratar de um assunto" e a funcionária deu-lhe " umas folhas para preencher"(se calhar nem sabe bem o quê).Se preencheu umas folhas, talvez fosse um pedido, uma minuta de requerimento dirigido ao serviço...e é a funcionária que lhe deveria dizer o que escrever/preencher/que quadradinho assinalar?

      Eliminar
  59. Cuidado com a imagem de destaque porque o Bloco pode-se preocupar com os trocadilhos de caráter sexual na internet.

    ResponderEliminar
  60. E o problema da carta de condução???? O meu marido nem dorme...acha que aquela cor é inapropriada!!!! Os problemas sexistas devem ir nos dois sentidos!!!! Homens de Portugal revoltem se já!!!! É por essas e por outras que seremos sempre um país pequeno, em vez de resolver os verdadeiros problemas andamos a brincar aos políticos e depois pagamos todos...Sandra

    ResponderEliminar
  61. Se Cartão do Cidadão não chateava ninguém, então Cartão de Cidadania também não vai chatear.

    ResponderEliminar
  62. Então mas ninguém ouviu falar dos substantivos comuns de dois? Já não devem existir devem ter sido substituídos por um qualquer sintagma ou coisa que o valha.

    ResponderEliminar
  63. Deviam era pensar em aumentar o tamanho dos números do CC, que eu já me vejo "grega" para os ler ou decifrar. (eu e muitos cidadãos,claro)

    ResponderEliminar
  64. LOLOLOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL! Só neste país mesmo... :-P

    ResponderEliminar
  65. Mas que grande problema é este para o País! Sinceramente, que desgosto ter aqui nascido, com tantos problemas que nos afectam e eles andam a perder tempo com estas merdas.

    ResponderEliminar
  66. Acho deveras importante que se pense neste assunto e que se gastem mais uns trocos do Estado para corrigir tamanha discriminação. Em vez de passarem o tempo preocupados com questões como esta deviam era ocupar a cabeça com assuntos pertinentes. Se não tiverem mais nada para fazer, podem sempre dar uma ajudinha nas lojas do cidadão para evitar as duas horas de espera! =)

    www.anafernandes.ch

    ResponderEliminar
  67. Era ótimo se fosse coerente. Depois do cartaz sobre igualdade com quase todas as combinações possíveis de família, com a estranha excepção das mães sozinhas (a maioria das famílias em Portugal) e das famílias que têm a ousadia de ter mais que dois filhos, penso que há coisas mais urgentes em que gastar dinheiro das contribuintes.

    ResponderEliminar
  68. Palhaçada.
    Essas criaturas do BE envergonham-me enquanto mulher.
    Acredito que não sou a única a não querer ser conotada com este tipo de histerismo, esganiçamento e "feminismo".

    ResponderEliminar
  69. Copiar RAP + provocar feministas = publicidade gratis

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis