Pub SAPO pushdown

Peregrinos, não há caminho, o caminho faz-se andando

quarta-feira, maio 13, 2015

Nestes últimos dias o blog esteve um bocadinho em auto-gestão porque não estive cá. Na sexta-feira parti para Fátima, a pé, com um grupo de 140 pessoas, e só voltei ontem de madrugada. Não falei disso antes nem durante porque não me apeteceu. Na verdade, não o disse quase a ninguém, tirando aos mais próximos. Não acho que seja uma coisa que careça de divulgação ou promoção mas agora, que voltei, faz-me sentido partilhar. Porque se não foi a melhor experiência da minha vida anda lá muito perto. Já andava para o fazer há muito mas, por um motivo ou por outro, fui sempre adiando. A vida mete-se pelo meio, há outras prioridades, pouco tempo, outros interesses, mas decidi que deste ano não passava. A ideia inicial era ir com um grupo pequeno, com hotel marcado, mas achei que, numa primeira vez, me fazia mais sentido ir noutro contexto. Uma jornada mais espiritual, mais introspectiva, mais desprendida, mais comigo mesma. E foi assim que me inscrevi para ir com um grupo organizado pela igreja. Só conhecia uma pessoa, mas como também não ia propriamente para um evento festivo isso não foi um problema ou uma preocupação. Sexta-feira lá estava,
pronta para  percorrer 140 km e sem qualquer tipo de expectativa. Nem boa, nem má, mas preparada para o pior e para a dureza do caminho. Foram cinco dias brutais em que houve tempo para tudo. Para rezar, para partilhar a nossa experiência com os outros, para ir em silêncio, para cantar, para ouvir música, para rir à gargalhada, para ouvir o relato do Benfica, para nos emocionarmos até às lágrimas. Conheci pessoas fantásticas, ouvi histórias impressionantes, fiz amigos que, tenho a certeza, vão ficar para a vida (e se há pessoa céptica em relação a novas amizades sou eu). Toda a gente se ajuda e se incentiva. Sinto-me uma privilegiada, porque não tive grandes dores, bolhas ou lesões (acho que as corridas foram uma mais valia), mas houve ali gente em verdadeiro sofrimento do primeiro ao último passo. Físico e mental. Vamos passando por vários estados de espírito e é preciso saber lidar com isso. A parte mais complicada, para mim, foi aprender a expor as minhas fragilidades, as minhas dúvidas, os meus receios. Não sou de falar de sentimentos, refugio-me sempre no humor e no sarcasmo, mas tive de pôr isso um bocadinho de lado. Esforcei-me para contrariar essa tendência e acho que foi sendo sempre melhor.
Não é fácil gerir um grupo tão grande e com ritmos tão variados, mas partimos juntos e chegámos juntos, ninguém ficou para trás. Porque, como sempre  nos foi dito, isto era uma peregrinação, não era uma simples caminhada até Fátima. E uma peregrinação implica entreajuda, abnegação, paciência, condescendência, tolerância, respeito, bondade, simpatia e tantos outros valores que, na vidinha do dia-a-dia, tendem a ficar um bocadinho esquecidos. Passámos por sítios maravilhosos (pelo meio do campo, junto ao rio), outros nem tanto e, claro, era sempre uma alegria chegar ao destino do dia. Primeiro Vila Franca de Xira, depois Azambuja, depois Santarém, depois Moitas Venda e, por fim, Fátima. Dormimos em pavilhões desportivos, em escolas, nas casas de quem, simpaticamente, se dispunha a acolher-nos. Um banho quente (às vezes também foi frio), um colchão e um saco-cama eram o equivalente a um hotel de cinco estrelas. A verdade é que nos tornamos muito pouco exigentes. Come-se o que nos dão e não se contesta, fica-se muito feliz por ter um sítio para dormir, meia dúzia de t-shirts e de calções são mais do que suficientes, não se quer saber de maquilhagem ou de ter o cabelo no sítio (no primeiro dia ainda passei um pozinho bronzeador, depois já me estava nas tintas), liga-se o 3G só à noite, e chegar ao fim do dia e não ter de ir para a fila dos primeiros socorros é uma verdadeira benção. São cinco dias em que se vive de forma muito simples e despojada, e sei que, de alguma forma, isso se vai traduzir na minha vida daqui para a frente. 
Houve muitos momentos memoráveis, mas claro que chegar a Fátima é o ponto alto. Sempre achei que o Santuário tinha uma energia e uma força especiais, mas nunca me tinha sentido assim. Porque é chegar ao fim, porque é cumprir o objectivo a que nos propusemos, porque é olhar para os ténis encardidos e pensar "porra, EU consegui fazer isto". É uma descarga emocional brutal. Agradeci a muita gente, abracei-me a muita gente, chorei agarrada a muita gente. É impossível não olhar para aquele mar de pessoas e pensar como a crença, vivida de forma saudável, pode ser uma coisa tão poderosa. Se assistir à procissão das velas na televisão já é assim qualquer coisa, imaginem estar lá e ser uma entre 200 mil. É inexplicável.
Muita gente estranhou que eu fosse, não me viam neste ambiente. Muitos me perguntaram se fui pagar uma promessa. Não fui. Na verdade, fui muito mais numa de agradecimento do que de pedidos (mas também os fiz, claro). Não vale a pena falar-vos da minha relação com Deus ou com a fé, porque é uma coisa minha e nem sempre fácil de gerir, mas este foi um caminho de reencontro em que cheguei ao fim carregada apenas de coisas boas. Sei que houve muito cansaço, mas não é disso que me lembro. Nem das vezes em que, ao fim de dozes horas na estrada, já me sentia farta. Nem das 50 mil garrafas que despejei pela cabeça nas horas de maior calor. O que fica são outras coisas, imensuráveis. Cada um parte nesta jornada por um motivo muito específico e incomparável, cada um sabe o que o motiva e o que o faz dar mais um passo, não há duas experiências iguais nem um motivo mais válido do que outro. Vai-se quando se sente que se tem de ir. E, por isso mesmo, não me vou pôr para aqui a dizer que todos deviam ir a Fátima e o quão espectacular isso é. Cada um com a sua fé, com as suas crenças. O que vos digo é que todos, de vez em quando, devíamos contemplar alguns dias para pararmos, para pensarmos, para nos ouvirmos, para ouvirmos os outros. E isso pode ser a caminho de Fátima ou de outro sítio qualquer. Pela parte que me toca, tenho a certeza que esta foi só a primeira vez. Conheci pessoas que estavam a ir pela quinta vez, pela sétima, pela 30ª, e que me garantiam que era sempre diferente, que era sempre bom. Tenho a certeza que sim. Porque esta sensação de voltar com o coração cheio não tem preço. E se é preciso andar 140 km, andamos 140 km.







Obrigada a todas as pessoas que tornaram esta experiência maravilhosa. À organização, ao fantástico Padre Arsénio, a cada pessoa que partilhou alguma coisa comigo, às minhas novas amigas, a quem me foi dando força, a quem ficou por Lisboa a segurar as pontas. Obrigada.

145 comentários:

  1. Pipocas, emocionei-me a ler o teu texto... És GRANDE!!!!

    ResponderEliminar
  2. Olá Pipoca... Fizeste uma coisa que eu adorava fazer. Agora que vivo em Santarém, estou muito mais perto do que quando estava em Torres Vedras. Ao passarem em Santarém, passaste á porta da minha casa pois é lá que passam todos os peregrinos e nestes dias foi uma verdadeira passagem de peregrinos que me emocionava sempre ao vê los. Este ano ainda estava lá á pouquinho tempo, mas para o ano certamente irei ajudar os que lá passarem. irei oferecer a minha casa e o que puder para ajudar. Bem hajam !!!
    Gosti Pipoca.... Vânia Ferreira

    ResponderEliminar
  3. Adorei :) surpreendeu pela positiva (ainda mais).
    Ganhou também um bronzeado, está muito bonita!

    ResponderEliminar
  4. No fim deste texto, só muitas lágrimas...

    ResponderEliminar
  5. Também fui, sou de Fátima e de cada vez que entro no Santuário é como se entrasse num pequeno pedaço de céu de tão calmo e emocionante que se fica.

    ResponderEliminar

  6. Adorei ler Pipoca, pois foi uma motivação...ando com essa na cabeça! Obrigada por partilhar. Bj

    ResponderEliminar
  7. Queria muito fazer essa peregrinação, espero poder fazer no próximo ano! Gostei imenso do post. Parabéns.

    ResponderEliminar
  8. Ás vezes estamos tão ocupadas a viver o dia a dia que nos esquecemos de algo tão simples que é agradecer.
    Parabéns.

    www.pensorosa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Já fiz a peregrinação por duas vezes: aos 17 e aos 18. E não voltei a ir, porque, como disseste e bem, a vida vai-se pondo no caminho. Das duas vezes que fui foi, realmente diferente. Vale realmente a pena. E quando se chega o pensamento que ocorre é que não custou nada. Esquecem-se as dores e o cansaço.
    Curiosamente ando há uns dias a pensar em voltar a ir. Vamos ver se consigo fazê-la ainda este ano. ;)
    Beijinho
    Cris

    www.lima-limao.pt

    ResponderEliminar
  10. Eu também fui :) foi a primeira vez!

    Fiz algumas bolhas, mas comparado com algumas coisas q vi não é nada! Não fui por promessa, fui porque simplesmente gostava muito de saber qual a sensação/sentimento q tanta gente me falava, de chegar ao santuário! Acho q só quem vai a pé é q sente verdadeiramente este sentimento.

    Ao longo dos 220km foram algumas lágrimas, muitos risos, conversas e gargalhadas!

    Tenho a certeza que quero voltar, talvez daqui a uns anos (tenho 24).

    Adorei o teu texto e revejo-me em cada palavra pena não nos termos cruzado ontem!


    Um beijo!

    Verónica

    ResponderEliminar
  11. Fizeste bem em não divulgar. Esse acto é muito pessoal e de meditação.

    Eu fui uma vez por promessa e outra pela experiência. Gostava muito de ter ido este ano mas não me foi possível.

    É uma experiência única e de ultrapassagem de obstáculos muito pessoal. No final.. bem no final vemos do que somos capazes :)

    ResponderEliminar
  12. Muito bonito e inspirador : ) Parabéns pela coragem, pela fé. E pela vivência.

    http://mundodamafy.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Já era tua fã. Fiquei fã a dobrar, é possível?

    ResponderEliminar
  14. Lindo! Adorava ir, mas acho que não chegava a meio do caminho, por isso vou ficando e a emocionar-me com quem vai...M.

    ResponderEliminar
  15. Obrigada por partilhar essa experiência (tão especial e única) connosco. Obrigada!

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  17. Um abraço grande! :-) Adorei!!

    ResponderEliminar
  18. Obrigada pela partilha Pipoca e por conseguires ter essa fé sem a quereres impingir a ninguém. :)

    http://entreosmeusdias.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  19. Lindo Pipoca, adorei este post!
    Eu sabia que ia a Fátima porque tinha lido do blog do Arrumadinho (também estranhei!!!) e no domingo perguntei-lhe através do Periscope porque ele não tinha ido a correr a Fátima e percebi que a Pipoca tinha mesmo ido. Lembrei-me de si nestes dias, e se já era sua fã, agora sou vezes 1000!!!
    beijinho!!!

    ResponderEliminar
  20. Não acredito que a minha blogger preferida passou por Azambuja e eu nem percebi! Bem que me podia ter vindo dar um beijinho!
    Sei bem dessa emoção que fala ao chegar a Fátima! É única e indescritível, mas muito boa de sentir!

    ResponderEliminar
  21. Obrigado por partilhares este momento connosco! Adorei ler o teu relato, a tua experiência, e fiquei aqui um bocadinho emocionada, confesso. :)

    ResponderEliminar
  22. Também fomos em família, para pedir por nós, pelos outros, pelo Mundo e para agradecer, nunca é demais, agradecer o estarmos juntos, com saúde e paz! Para mim a religião foi sempre algo tão íntimo como o sexo, mas os meus filhos foram-me ensinando a partilhá-la com eles, nas orações antes de dormir e antes das refeições...a nossa relação com Deus vai mudando com a idade, da mesma forma que vai mudando a nossa relação com os outros, mas nunca é tarde...um beijinho.

    ResponderEliminar
  23. Gostei muito deste texto, não tanto pela parte religiosa, mas por dares uma outra perspectiva de ti. E de como nós, seres humanos, conseguimos ser tantas coisas num só :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente :)

      Eliminar
    2. Totalmente de acordo. Tirou-me as palavas da boca. A expressão "conseguir ser tantas coisas num só" encaixa na perfeição na Pipoca mais Doce. Bonito relato da sua experiência Pipoca, foi inspirador.

      Eliminar
    3. UAUUU! Tens um coração grande pipoquinha <3

      Eliminar
  24. Também eu me emocionei com as tuas palavras. Da mesma forma que me emocionei quando vi na tv a reportagem sobre Fátima e as palavras de cada pessoa entrevistada. É qualquer coisa de gigante e de inevitável! Por ti, aumenta o meu apreço!

    ResponderEliminar
  25. o arrumadinho já tinha falado da sua ida a fátima :) parabéns pela conquista

    ResponderEliminar
  26. Completamente emocianada e super chorosa li o texto, tenho apenas 18 anos e neste momento tenho aí em Fatima toda a minha familia (praticamente) a cumprir promessa , adorava poder ir e estou cheia de saudades de todos , nao porque foram mas sim pelas razoes que foram . Obrigada pipoca por me ter posto um bocadinho mais feliz porque às vezes nao é facil .

    ResponderEliminar

  27. Conseguiste deixar-me com as lágrimas nos olhos...
    Um dia destes também tiro esse tempo para reconciliação, mas apesar de adorar a energia que se sente no Santuário de Fátima estou mais inclinada a fazer o Caminho para São Tiago de Compostela.
    Tal como tu a minha relação com a fé não é fácil de gerir, e é preciso coragem para fazer a reconciliação. Parabéns.

    ResponderEliminar
  28. Eu já sabia que ias, o teu marido chibou-se há tempos no blog :-p Parabéns, ainda não fui, mas talvez para o próximo ano o faça!

    ResponderEliminar
  29. Catarina Almeida13 maio, 2015 15:01

    Se tudo correr como planeado, este ano vou pela quarta vez! Como tu, vou sem promessa, mais em jeito de agradecimento e com essa intenção de introspecção. Às vezes ouço críticas, eu e muitas outras pessoas, de que se não vou com promessa, porque é que me sujeito a tal sofrimento, a tal sacrifício. Mas é por isso mesmo, é porque faz bem à alma, ir com a intenção de cumprir um objectivo, de me superar, de reflectir, de planear os próximos passos.
    E sim, a chegada! A chegada ao Santuário é qualquer coisa de fantástico. Uma mistura de emoções que nos deixa sem palavras, as lágrimas caem e o sorriso fica estampado na cara! Conseguimos! Chegámos! Cumprimos a nossa meta! É maravilhoso :)
    Ao ler o teu testemunho revejo-me completamente nas tuas palavras. Parabéns por teres conseguido e força para esta nova fase.

    ResponderEliminar
  30. Eu gostaria muito de ir, mas tenho uma grande medo: é de andar a pé na borda da estrada. Fico em pânico só de pensar que passam camiões por mim. Ando a tentar perder este medo através de corridas que tenho feito pela estrada, mas ainda não me sinto preparada. Tenho mesmo terror de andar a pé pela estrada movimentada e fico super preocupada quando vejo grupos de peregrinos a passarem em estradas como a nacional um. Enfim, é uma fobia como outra qualquer, mas estou a tentar dominar.
    Quanto a si pipoca muitos parabéns, foi mais uma etapa da sua vida que conseguiu vencer. E sim, o santuário de Fátima tem qualquer coisa de "sobrenatural" que, sempre que lá vou e assim que piso o recinto desato num pranto enorme.... O que é, não sei, mas o que é forte e mexe connosco, isso é.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Raquel!
      Hoje em dia há vários caminhos alternativos para se chegar a Fátima partindo de vários pontos do país, sem se se passar por estradas. O Centro Nacional de Cultura, por exemplo, tem vindo desde há muitos anos a fazer um trabalho de sinalização destes caminhos, para que todos os peregrinos possam chegar ao Santuário e todo o seu percurso seja mais seguro e em contacto com a Natureza. Pode ver mais aqui: http://www.cnc.pt/artigo/1264.
      Espero ter ajudado e retirado este 'entrave' ao seu sonho :)
      Mariana

      Eliminar
  31. Respeito, Pipoca, muito respeito! :-) Todos os anos eu penso nisso, mas tenho medo de não ser capaz... Mas adoro ver chegar os grupos a Fátima, cheios de fé e alegria por estarem ali (o cansaço nota-se, mas nota-se muito mais o sentido de missão cumprida)... E farto-me de chorar, com a emoção que os peregrinos transmitem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queridos peregrinos de verdade ou de vontade porque a vontade leva ao feito.
      Não há que ter medo, queridos amigos, há que ter vontade e quem já fez a caminhada sabe exactamente o que digo: as forças redobram-se, as dores aliviam-se, "o caminho faz-se, fazendo" . . .

      Aqui fica um gostinho da emoção arrebatadora de quem conseguiu finalmente cumprir um desejo de AGRADECER TUDO O QUE TEM NA VIDA através de uma caminhada de grupo retratada num trabalho lançado em 2013:


      «O SILÊNCIO DO PEREGRINO»

      http://angelsonasofa.blogspot.co.uk/2014/05/sao-estas-as-palavras-que-enchem-o.html

      Eliminar
  32. Completamente emocionada! Sem palavras, e com vontade de fazer o mesmo.

    ResponderEliminar
  33. Muita emoção. Muita humildade. Mas sobretudo muita humanidade.
    Muito obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  34. :) :) :) :) :) :) :) :)

    ResponderEliminar
  35. Espectacular!!! Estou sem palavras!! Abraço

    ResponderEliminar
  36. Muito bem Pipoca. Grande experiência de certo. Gostava de a ter encontrado. Sou de Fátima e é muito emocionante ver os peregrinos chegarem. Bjs

    ResponderEliminar
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  39. Eu sou ateia mas se a experiência foi boa, valeu :)
    Whatever works

    ResponderEliminar
  40. Já fiz várias vezes. Não dá para explicar o que é. Só mesmo fazendo. Já fiz com chuva os dias todos, com calor os dias todos (o mais difícil), com tempo ameno; em estrada, em campo, terrenos fáceis, acidentados... Até hoje não conheço quem não se tenha surpreendido pela positiva, quem não tenha gostado.

    ResponderEliminar
  41. Um texto onde a emoção se destaca da primeira à última palavra. Isso mostra a força de uma experiência destas. Como dizes, as pessoas deviam fazer isto, cada uma ao seu jeito e no local que quiser. Parabéns pelas palavras.

    Beijos

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  42. Olá Pipoca!
    Já me fartei de chorar...amei de paixão!

    ResponderEliminar
  43. Um post carregado de emoção! Obrigada por isso!

    ResponderEliminar
  44. Um relato muito comovente! Muito digno da sua parte de não publicitar esta sua jornada de fé.

    ResponderEliminar
  45. Parabéns pela conquista pessoal e obrigada pela partilha deste momento que é, afinal, tão íntimo.
    Também me emocionei desde o início do texto, e nem sei bem explicar porquê.
    Nunca fiz a peregrinação a pé, mas no ano passado assisti pela primeira vez à procissão das velas. Acho que nunca tinha sequer pensado ir a Fátima nesta data, sempre pensei que fosse muita confusão, demasiadas pessoas, que veria muito pouco do que iria acontecer ( do alto dos meus 1,56m...). Mas o meu marido ia a Fátima a trabalho nesse dia e convidou-me para ir com ele à procissão (ele vai às vezes com um amigo, quase como que num momento de irmandade entre eles-portanto nunca pensei sequer em acompanha-los). E assim fui. Sem qualquer expectativa.
    Fiquei muito surpreendida. Pelo ambiente, pela paz que se sentia, pela tolerância das pessoas, tantas e tão diferentes, mas disponíveis umas para as outras, ainda que estivessem em momentos de introspecção. Foi realmente um momento marcante (e nem me considero católica o suficiente -seja lá o que isso for).
    No final da noite saí de lá a pensar que talvez um dia faça a peregrinação a pé. Talvez um dia.
    Ana

    ResponderEliminar
  46. Cresci a ouvir relatos muito semelhantes a este e sempre me emocionaram. O teu tocou-me de forma muito especial. És grande!

    ResponderEliminar
  47. Gostava tanto de ter ido.

    Mas fico feliz por ter cprrido bem e por tudo de bom que lhe aconteceu!!! Anónima

    ResponderEliminar
  48. Parabéns Pipoca. Fiquei emocionada. Um abraço. Célia da Alemanha

    ResponderEliminar
  49. Obrigada pela partilha, Ana. Só de ler fica-se de alma cheia. Talvez um dia faça o mesmo...

    ResponderEliminar
  50. Você é uma Horrorosa!
    Fez-me chorar!
    ... Parabéns! É horrorosa mas escreve e transmite muito bem aquilo que sente, de uma forma muito especial! Sem palavras!...
    Parabéns! Parabéns!

    ResponderEliminar
  51. Pipoca é a primeira vez que escrevo...e dou-te os meus parabéns por teres coragem de ir e emocionei-me ao ler o teu texto.
    Espero ter coragem de ir e de certo que será no grupo com o Fantástico Padre Arsénio.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  52. Amei este texto. Muito bonito. Muito verdadeiro. Obrigada por nos mostrar também esse seu lado mais espiritual e inspirador.
    Luísa Domingues

    ResponderEliminar
  53. Que bonito =) Obrigada pela partilha...a fé é mesmo isto...

    ResponderEliminar
  54. A força de ir a Fátima não se explica, mas o teu texto roçou perto do que se sente.
    Emocionaste-me... E a tua cara na fotografia diz tudo. Sente-se.
    Felizmente é uma experiência que me "dou ao luxo" de poder fazer algumas vezes e de chegar perto da minha fé, como não é possível sem ser nessas alturas.
    E dormir no Santuário então, é uma paz indescritível... Não há frio, vento, não há nada que incomode.
    Beijinhos,
    http://ofabulosodestinodemariaamelia.pt/

    ResponderEliminar
  55. Parabéns pelo feito! És grande e uma grande mulher Pipoca, cada vez te admiro mais! É uma jornada que pretendo fazer, não sei quando, nem como, mas quero, preciso!

    ResponderEliminar
  56. Percebo porque não partilha muito da sua relação com a fé e espiritualidade, pois como a Ana, também considera que são coisas muito íntimas e pessoais. Mas obrigada pela sua partilha. Não conhecia este seu lado e confesso que me surpreendeu pela positiva. As peregrinações obrigam-nos a testar alguns limites e sobretudo a "mergulhar" dentro de nós próprios, do que sentimos, da forma como a fé guia a nossa vida. E acredito que no regresso, a abnegação a que a peregrinação obriga, nos faça pôr as coisas do dia a dia em perspectiva. Valorizar demasiado o que se calhar não tem assim tanto valor...Muito bonita a sua partilha. Parabéns por ter conseguido :)

    ResponderEliminar
  57. Andreia Barbosa13 maio, 2015 16:05

    Parabéns Pipoca!!já era tua seguidora, agora sou tua fã nº 1!!descreveste tudo o que se vive e sente numa ida a Fátima a pé!!é uma experiência única e muito enriquecedora!!beijo grande

    ResponderEliminar
  58. Adorei o relato da tua experiência.
    Obrigada pela partilha!

    ResponderEliminar
  59. Olá
    Eu fiz os caminhos de santiago ano passado e é mesmo isso em cada palavra que escreveste, Um dia tens que experimentar os caminhos de Santiago.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  60. Muito bem!
    Muito bom.
    Muitos parabéns.
    Já o fiz também. E de Lisboa.
    Sinto/senti o mesmo.

    ResponderEliminar
  61. Amei a partilha! Um dia tb faço pq tenho mesmo mta vontade. Ah...tens nariz de batata na foto ;) faz parte da descarga...:D

    ResponderEliminar
  62. Obrigado pelo testemunho! Se já tinha vontade de fazer esta caminhada, agora o bicho ficou ainda maior... Gostei mto do texto! E parabéns pela conquista!

    ResponderEliminar
  63. Vivi uma experiência muito semelhante em outubro de 2012. Parti integrada num grupo de uma paróquia próxima e na companhia intima de 5 amigas. Nenhuma de nós tinha promessa, mas todas motivos para agradecer e quem sabe para pedir.
    Foi uma experiência de vida enriquecedora.... Pela superação, pela introspeção, pela superação, pelo caminho, pela partilha, pela chegada.
    Também quero voltar a partir.Com a mesma energia e a mesma vontade de caminhar ora em silêncio, ora em contemplação da paisagem, e muitas vezes em oração conjunta ou solitária.
    Só quem caminha horas seguidas em peregrinação compreende o valor da caminhada.
    Felizmente a jornada física para mim foi fácil. Caminho bastante, corro alguma coisa e estava bem preparada.
    Partilho o pensamento de que se pode fazer peregrinação em qualquer caminho e que não será forçoso que seja Fátima. Mas é mais fácil ser o caminho mariano pois ele impele-nos à peregrinação interior.
    Mesmo que não sejamos devotos absolutos e incondicionais, a peregrinação aproxima-nos de nós, dos outros e fortalece a nossa vida espiritual.
    Parabéns pela decisão da caminhada e pela coragem da partilha.

    ResponderEliminar
  64. Obrigada pela tua partilha Ana. E parabéns pela tua coragem.
    Se há coisa que este blog não tem nada é futilidade. Muito, muito longe disso, mais de 140 km...

    um beijinho
    http://opsidascoisas.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  65. Carinha de choro na foto. Adorei ler o teu texto, carregado de emoção. Sonho com o dia que irei fazer Porto-Santiago de Compostela. Parabéns Pipoca és a Maior!

    ResponderEliminar
  66. Vou todos os anos a Fátima mas nunca o fiz a pé. Acredito que a chegada (e o caminho) seja uma grande emoção porque quando vejo fotos do Santuário como a que colocou aqui, fico com os olhos em lágrimas! É uma energia inexplicável!

    ResponderEliminar
  67. Peregrinar é isto. Nem mais. Nem menos.

    Joana

    ResponderEliminar
  68. Emocionei-me a ler o teu texto. Também já fui a pé a Fátima, 3 anos consecutivos, e o que se sente ao chegar lá é indescritível, só quem vai sabe do que falo (tu agora também sabes). No início vinha ao teu blog e nem ia muito "à bola" contigo mas depois fui ler o blog desde o início (não li todos os posts mas li grande parte) e fui vendo que não eras a pessoa que eu pensava. A ideia que tenho agora também pode ser errada porque não te conheço mesmo, mas tenho uma ideia completamente diferente da que tinha.
    Cada um sabe de si e cada um tem as suas crenças/religião, mas esta experiência fez-me gostar ainda um bocadinho mais de ti ;) Parabéns pelo esforço e por teres chegado lá! =)

    ResponderEliminar
  69. Clap Clap.... sem palavras, fiquei tão emocionada! És muito corajosa, porque para fazer essa caminhada é preciso querer muito mesmo. Eu agradeço não direi todos os dias, mas faço-o muitas vezes, sozinha só comigo mesma. Já fiz meditação durante 1 ano estava numa fase já avançada....... acho que por isso eu consigo abstrair-me de tudo o que me rodeia e vou para um sitio só meu, onde lá agradeço tudo o que tenho, não só coisas mas pessoas. Sou uma felizarda neste meu caminho pela vida.Com altos e baixos mas o balanço é positivo.E só tenho de agradecer isso. Há uma coisa que agradeço sempre é levantar-me da cama todos os dias e ir trabalhar, ser saudável! Isso é um tesouro tão grande que nem nos apercebemos.
    Fiquei a admirar-te ainda mais, porque fazer isso e partilhar é de uma coragem enorme. Beijinhos

    ResponderEliminar
  70. Outra coisa, Fátima tem uma energia única! Uma energia que nos deixa tão bem no nosso interior.Bjs

    ResponderEliminar
  71. ...só lágrimas. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  72. Olá Pipoca,

    Também tenho imensa dificuldade em expor sentimentos e emoções (provavelmente, relacionado com o facto de ser homem) mas agora vou partilhar o seguinte: fiquei comovido e emocionado com o seu relato. O seu texto demonstra também que dentro de cada pessoa existe um mundo; provavelmente vai aparecer alguém a dizer que não passa de uma fútil a tentar passar por boazinha, mas esses comentários não me interessam porque já tenho opinião formada sobre si, e de qualquer forma não é possivel agradar a toda a gente...
    Penso que deve ser uma pessoa bem formada, e isso para mim é muito revelador.
    O Arrumadinho é um homem cheio de sorte.
    Antonio

    ResponderEliminar
  73. Sem palavras... Parabéns, pipoca!

    ResponderEliminar
  74. Conheço tão bem essas setinhas :) Este ano fiz pela 3ª vez o caminho de Santiago,e não há palavras, é unico, cada passo, cada chegada aquela praça.
    Obrigada por partilhares este teu momento.

    ResponderEliminar
  75. Obrigada eu, pela tua amizade e pela força que me deste em tantos momentos complicados. Obrigada pelo ombro e pelas gargalhadas. Obrigada, muito obrigada. "Nada nos separará, nada nos separará, nada nos separará, oh oh oh, do amor de Deus"... Beijo FELEGRE!!! VJ

    ResponderEliminar
  76. Pipoca,acho que este é o meu texto preferido da tua autoria de sempre. Eu não acredito em deus, pelo menos não no deus da igreja católica (ou de qualquer outra religião monoteísta),mas acredito numa dimensão maior que nós e tenho imensa fé na força espiritual do ser humano. Também já senti essa energia dos locais sagrados onde estive, como Fátima, e é de facto comovente. Como o teu texto e a tua experiência. Bonitos, enriquecedores e comoventes. Parabéns!

    ResponderEliminar
  77. Fizeste me chorar pipoca....e também um objectivo que quero cumprir e agora ainda fiquei mais motivada!! Beijinhos

    ResponderEliminar
  78. Emocionante texto...obrigada pela partilha, obrigada por teres descrito tão bem, o que é o sentimento Fátima, a peregrinação a Fátima...também estive presente ontem e hoje, como vem sendo hábito há já alguns anos, acho impressionante e emocionante a moldura humana presente, cada um com as suas motivações mas com um vínculo comum, a fé...e o amor e isto para mim resume tudo. Já fui também em peregrinação a pé, infelizmente devido a uma lesão não consegui acabar. Mas para o ano lá estarei novamente, desta vez para conseguir, assim o espero. Tal como tu saio de Fátima de coração cheio.

    ResponderEliminar
  79. Foi a experiência mais marcante da minha vida, saí de casa de mochila às costas eu e mais duas amigas sem pressões, sem cama marcada, sem apoio e lá fomos nós fazer a mais longa viagem a pé da minha vida. Encontrei seres maravilhoso, com aquela vontade de entreajuda que normalmente não se vê no dia a dia. Parti sem promessa, simplesmente com a ideia que a nossa sra me aceitasse os km que eu conseguisse fazer sem sofrer porque tenho a certeza que ela não quer mais sofrimento. Cheguei ao recinto e senti uma enorme alegria fiquei com a certeza que a nossa sra me pegou ao colo em vários pontos da caminhada. Sem dúvida que será uma experiência que vou repetir assim que possa.

    ResponderEliminar
  80. Obrigada pela partilha. A pipoca não é uma, há muitas pipocas na pipoca, e esta que se "expõe" com textos destes é a minha favorita.

    ResponderEliminar
  81. Tão bonito, tão puro e sincero. :) Obrigada!

    ResponderEliminar
  82. Bem Ana, depois disto, só tenho a dizer parabéns e obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  83. Oh pá, nunca paras de me surpreender!!!!
    Juro que era uma das últimas coisas que imaginava a Pipoca a fazer, mas é bom saber que o fez como tantos milhares de Portugueses.

    ResponderEliminar
  84. Deve ser absolutamente arrepiante. Eu fiquei arrepiada só com este texto, que transmite o que de mais poderoso e belo a fé pode ter.

    ResponderEliminar
  85. Ontem, aquando de uma ida a Fatima trabalho, vi chegar muitos jovens como eu. Gente que gosta de copos, sair a noite, roupa gira,fazer desporto...Gente comum com fé, é assim que resumo algo que é apenas um mistério é que não vale a pena explicar.Não porque me sinta superior, nada disso, mas porque a fé sente—se, não se explica, não é uma fórmula química, nem uma equação é algo íntimo que este post retrata como nunca vi...Parabéns, eu quero ir a Santiago é fui RaRomaTudonum.dos momentos mais intensos de uma viDa! Felicidades

    ResponderEliminar
  86. Narizinho de choro que os óculos tentam disfarçar ;) Pipoca, és uma miúda impecável. Tiveste uns bons pais que te transmitiram tantos valores. O teu filho será também um homem excecional, porque te tem como mãe. Por isto e por tudo...o melhor blog.

    ResponderEliminar
  87. Pipoca, sem grande make up, consegues ser muitooooooooooooo mais bonita...
    Bárbara

    ResponderEliminar
  88. Olá pipoca!
    O que chorei a ler o seu texto !!!
    Não a conheço (apesar de gostar )mas acho que deve ser boa pessoa e depois de ler este post ainda fiquei com mais certeza ,beijo grande !!!😘

    ResponderEliminar
  89. É desta essência que se fazem as grandes mulheres! Leio diariamente o seu blog mas hoje não consegui deixar de comentar, é realmente fantástica! Um bem haja :-)

    ResponderEliminar
  90. Gostei muito de ler o seu texto Ana, é uma motivação..Obrigada por partilhar.
    O Santuário de Fátima tem uma mística que mexe connosco, crentes e pouco crentes. Volte Sempre.Bjs

    ResponderEliminar
  91. Gostei muito deste texto! O dia-a-diaé muito cruel, as pessoas não se ajudame todos passamos muito tempo a olhar para o nosso umbigo. A verdade é que precisamos de muito pouco para sermos felizes, ou então de muito, mas de amor, empatia, simpatia, gratidão e muitos muitos sorrisos!

    ResponderEliminar
  92. Muito obrigada por partilhares isto. Estou a preparar-me para fazer o Caminho de Santiago pela primeira vez e para fazer uma peregrinação pela primeira vez e ler isto soube-me mesmo muito bem.

    ResponderEliminar
  93. Emocionei-me Pipoca. Muita saúde para si e para os seus. Beijinhos. Sónia Sena

    ResponderEliminar
  94. Se este não é o texto mais bonito que já vi aqui, anda lá muito perto (: Obrigada por partilhares conosco este momento tão pessoal e por nos deixares ver outra faceta da Ana à qual não estamos habituados :) Bem haja!

    ResponderEliminar
  95. Fantástico e... obrigada.

    ResponderEliminar
  96. UAU!! Espectacular testemunho ;)

    ResponderEliminar
  97. Dos 10 aos 18 anos não falhei 1 ano em Fátima e sempre em Maio. Depois, por nenhuma razão em especial deixei de ir. Voltei antes de vir para o estrangeiro viver e a intenção de voltar não psssou disso. Obrigada pela inspiração para voltar.

    ResponderEliminar
  98. Adorei o texto. Fiquei de lagrimas nos olhos porque percebo a emoção que é caminhar com um objectivo e chegar, porque também já o fiz duas vezes e adoraria fazer muitas mais, se o corpo deixar. É sem dúvida uma renovação. Assim que entramos no alcatrão, que cobre o recinto, as lágrimas correm, rimos e choramos ao mesmo tempo. Não há nada que pague isto. É um momento único. Para mim Fátima tem uma energia que não consigo descrever, explicar, porque me faz sentir bem, leve, completamente renovada. Parabéns Pipoca! Como é que é possível gostar de uma pessoa sem a conhecer pessoalmente? Cada vez gosto mais de si, porque me identifico, em muitos aspectos com a Pipoca. Um grande beijinho, Ana Gomes

    blogdamariafrancisca.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  99. Acho que as pessoas ( o ser humano ) têm muito mais força do que pensam porque são capazes de tudo e mais alguma coisa quando acreditam.
    Quando se têm fé em alguma coisa maior do que nós percebemos que somos parte do que quer que seja que é maior que nós!
    Bj S.

    ResponderEliminar
  100. Surpreendeu no sentido em que não esparava ver a Pipoca neste contexto.
    Gostei desta Ana e sim, concordo quando dizes que de vez em quando é bom parar ou esvaziar a cabeça, deixar vaidades de lado...
    Já assisti à procissão a 13 de Maio e emocionei-me como nunca pensei ser possivel, pois a minha relação com Deus e a fé é algo meu que nem sempre sei explicar.
    Já lá fui noutras paragens com o recinto praticamente vazio e silencioso.
    Embora nunca tenha ido a pé, sempre que por lá passo, a sensação de tranquilidade é inexplicavel.
    Muitas pessoas dizem o mesmo, bem sei.
    No entanto no meu caso é o que sinto. Em igreja nenhuma se sinto assim, ou noutro santuario. Não consigo explicar mas sinto-me bem nesse lugar.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  101. Só tenho a agradecer a partilha da tua experiência, obrigado.
    bjs

    ResponderEliminar
  102. Apenas um sorriso. :)

    CM

    ResponderEliminar
  103. Ao ler este texto, as lágrimas escorrem pela cara abaixo, sem ter palavras para poder comentar esse bonito gesto... Se já ando a pensar em ir, a vontade ainda ganhou mais força! Obrigada Pipoca, e Parabéns pela força e por ter partilhado connosco! Um beijinho

    ResponderEliminar
  104. Também me emocionaste. A partilha da fé é maravilhosa! Um beijinho Ana! LR

    ResponderEliminar
  105. E pela primeira vez emocionei-me a ler um texto de alguém num blogue. Se já a tinha em muita consideração hoje então :)

    ResponderEliminar
  106. Emocionei-me com o seu relato! De um ano para cá tenho vindo a reencontrar-me com a minha fé e comigo mesma e tocou-me a maneira como falou da sua experiência de peregrinaçao. Muito Obrigado pela partilha! Um abraço.
    Marta

    ResponderEliminar
  107. Este teste logo pela manha foi uma surpresa tão boa!

    Obrigado Pipoca! Concordo em absoluto que cada um tem a sua fé mas este texto é inspirador...

    ResponderEliminar
  108. Ana! Obrigada pelo teu texto! Fez no dia 12 1 ano que fiz o percurso Porto - Fátima, foram igualmente 5 dias, 200 km! Um sofrimento imenso mas que se esquece na hora em que se chega ao Santuário!
    Obrigada, mais uma vez pelo texto, chorei e recordei uma peregrinação que vou voltar a repetir....
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  109. Deve ser milagre da Nossa Senhora de Fátima!!! Foi preciso um post, sobre um relato de fé e peregrinação, para não haver comentários jocosos ou mesmo maldosos... muito interessante!
    De qualquer forma felicito-a pela jornada.

    ResponderEliminar
  110. Emocionei-me e revivi a minhas caminhadas de peregrinação, ao santuário de Fátima, já lá vão quatro! Obrigada por partilhar!
    Bjs. Pipoca!

    ResponderEliminar
  111. Estava tudo planeado para ir este ano...apareceu o cancro da mama e não deixou... Mas quero tanto ir para o ano! Este ano fui de carro...mas para o ano quero muito ser peregrina! Emocionei-me a ler o testemunho! Obrigada

    ResponderEliminar
  112. Independentemente da crença religiosa ou não, é bonito ler-se isto e aquilo que conseguiste passar através de simples palavras (escritas de uma forma que só tu sabes e que muito poucos conseguem). Parabéns e obrigado por partilhares! :)

    ResponderEliminar
  113. Uma vénia Pipoca.
    De quem nunca comenta.

    ResponderEliminar
  114. Já foi tudo dito aqui nos comentários. Por alguma razão és a melhor blogger portuguesa, a que prende, a que faz vir "cuscar" todos os dias... enfim, que esse teu talento para a escrita e para expressar sentimentos tão bonitos te acompanhe sempre, que a inspiração esteja sempre do teu lado! Tu mereces o lugar onde chegaste e irás muito mais longe. Felicidades Ana e família!
    RS

    ResponderEliminar
  115. Obrigado pelo texto belo testemunho mais uma vez foi um privilégio ter caminhado contigo 5 dias peregrina Felegre.

    ResponderEliminar
  116. A roupinha é que não obedece ao dress code do recinto do santuário... eu tive a sorte de viver "paredes meias com o santuário" muitos anos da minha vida... ainda bem que também gosta desse lugar único...

    ResponderEliminar
  117. Já fui 5 vezes! É sempre extraordinário e comovente! Ir a Fátima é em peregrinação que se deve ir! Felicidades

    ResponderEliminar
  118. Também fui este ano, da mesma maneira e sem conhecer ninguém! Impressionante a sensação de felicidade! Foi sublime!

    ResponderEliminar
  119. Agradeço muito o seu texto. Já não tenho idade para pensar em ir a pé, mas quero fazer ao menos por dentro uma viagem com esse ânimo.

    ResponderEliminar
  120. Grande testemunho. Principalmente por dar a cara. Nossa Senhora vai agradecer este grande testemunho. Mais cedo do que pensa. Muito bom. Parabéns.

    ResponderEliminar
  121. Grande texto, revelador de um outro lado da Pipoca, ainda mais bonito :) Terminei de ler a chorar. Parabéns, é grande. É algo que já pensei muitas vezes em fazer e um dia sei que irei conseguir concretizar . Beijinhos

    ResponderEliminar
  122. Amo-te miúda. E quero lá saber se é lamechice!!! :)

    ResponderEliminar
  123. Emocionei-me muito a ler o teu texto. Eu sou de Fátima, vivo em Fátima e no dia 12 e 13 de Maio trabalho, muitas muitas horas. Mas quando vos vimos (a vós, peregrinos, que fazem isto tudo valer a pena), chegar a Fátima, entre cânticos e lágrimas que expressam o alívio e sensação de missão cumprida, tudo volta a valer a pena. As poucas horas de sono, as muitas horas de pé. Para vos servir. Vale sempre, sempre a pena. É uma emoção muito grande ver pessoas que, sabe-se lá porquê, se propõem a caminhar com todas as implicações que daí advém. E um conjunto de tantas pessoas que enchem a nossa cidade tornam-na mais bonita. E o que os move é arrebatador. E as lágrimas. As velas. E tudo e tudo. Muito orgulho em vocês. Aos que vêm porque sim, e aos que vêm no "porque não?". A minha relação com Deus, fé e igreja é um tanto ou quanto incongruente/ pouco fácil. Mas ver-vos movidos por fé e assisti-los é uma sensação que nunca ninguém vai conseguir explicar por palavras. É bom demais. E também enche o coração. Não sei se é ser crente, mas é ser sensível a cada um de vós, à vossa emoção que tem uma linha ténue com a nossa (não peregrinos que trabalhamos nesses dias para vós).

    Um grande beijinho, Pipoca. #proud #éslinda #princesa

    ResponderEliminar
  124. É enevitável não pensar que os calções não são adequados!!

    ResponderEliminar
  125. Maravilhoso!Parabens!Conseguiste!

    ResponderEliminar
  126. É por este tipo de textos que eu adoro o teu blog e, ainda que não te conheça, gosto muito de ti. Também quero ir em peregrinação a Fátima. Este ano esteve para ser o ano mas lá está, a vida às vezes mete-se no meio da nossa vida a não dá... Para o ano espero ir, para o ano quero mesmo ir e espero vir de coração tão cheio como tu vieste.

    Um beijinho muito grande Pipoca, quase tão grande como o teu coração.

    ResponderEliminar
  127. Aff, Pipoca! Chorei! Muito emocionante seu relato. Quando vi pela tv a Procissão das Velas, me arrepiei toda e pensei logo: ano que vem tenho que participar desse momento ao vivo. Vou pouco à Fátima, pelo menos não tanto como gostaria. Irei no mês que vem, para agradecer, e pro ano pretendo fazer uma peregrinação. Acho que é uma coisa que precisamos fazer, pelo menos uma vez na vida. Parabéns pela conquista! Por essa e tantas outras. Você merece! Beijo grande!

    ResponderEliminar
  128. Olá! Sou uma leitora assídua do teu blog mas nunca comentei! Hoje, ao ler o teu relato fiquei de tal forma emocionada que me apetece partilhar! Tenho a mesma idade que a Pipoca e durante muitos anos também "criticava" os peregrinos, se calhar nem tanto pelo sacrifício a que se sujeitavam mas talvez por conhecer uns quantos que depois, na vida real, transpunham muito pouco daquilo que considero ser fé e bondade. A minha relação com a Fé também teve muitos altos e baixos, primeiro perdi o meu pai, depois a minha mãe... A minha mãe já tinha ido várias vezes a Fatima e nos últimos anos de Vida sentia uma magoa muito grande por já não conseguir fazê-lo, por isso, passado 2 anos do seu falecimento ganhei coragem e lá fui eu, tal como a Pipoca diz, foi a experiência mais enriquecedora e inesquecível da minha vida. Consegui a tal reconciliação com Deus e com a Vida. No ano que fui, quando lá cheguei, a frase desse ano era " Não tenhais medo". E desde então sinto-me muito mais forte, serena, segura! Conto lá voltar este ano em Outubro, e sim, espero voltar a trazer de lá o bem estar interior que conquistei nessa caminhada! Beijinhos

    ResponderEliminar
  129. Olá Ana... Gostava de saber em que grupo foste, pretendia ir este ano sei que já estou um bocadinho em cima ando à procura e não encontro grupo nenhum... Beijinhos e obrigado Alexandra Marques

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paróquia da Ramada - Odivelas

      Eliminar
  130. Olá Ana.. Também gostaria de saber em que grupo foste.. quero muito ir este ano é em cima da hora mas vai acontecer! Beijinhos e obrigado
    Ana Silva

    ResponderEliminar
  131. No mesmo ano e nos mesmo dias tive a mesma experiência e senti rigorosamente o mesmo, o texto descreve na perfeição o que é uma peregrinação. obrigada pela partilha. O Caminho faz-se caminhando

    ResponderEliminar
  132. Pipoca, Uma questão técnica. Nas fotos parece que em vez daquelas botas de caminhda usou ténis, eu estou muito inclinada a usar ténis, pois acho as botas de caminhada muito pesadas, nunca me sinto verdadeiramente confortável com elas, mas ao mesmo tempo tenho medo que os ténis não sejam ideal. São ténis? E já agora, se sim de que marca ou que modelo. Pois não sei se os de corrida serão os mais adequados.
    Desde já muito obrigada.
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis