Pub SAPO pushdown

O c@%#&$ do IRS

segunda-feira, maio 26, 2014
Geralmente só falo com a minha contabilista uma vez por ano, na altura do IRS. Durante uma semana, trocamos alguns telefonemas por dia. É impressionante como há seeeeeeeempre chatices com o IRS, nunca se consegue fazer a entrega à primeira. Ou falta um papel, ou foi a empresa A que se enganou, ou foi a empresa B que não declarou o que era devido, ou foi a empresa C que se confundiu toda e trocou os números de contribuinte, ou são as finanças que não aceitam por 349 razões diferentes, ou são divergências que saltam de todos os lados, e por aqui a fora. Um leva e traz de papelada, e mails e telefonemas sem fim. Até que chega o derradeiro telefonema. Aquele em que a contabilista (provavelmente a pessoa mais competente com quem já trabalhei) me liga a dizer "Ana, eu sei que sou sempre eu a dar as más notícias, mas já fiz a simulação do vosso IRS e vão ter de pagar". Claro que vamos ter de pagar, nem sequer temos memória de outra coisa. O problema é que pagamos sempre mais e mais e mais. A coisa nunca diminui.  Que temos de pagar já eu sabia, só tinha assim uma pequena (e ridícula) esperança de pagar menos este ano. Mas não, é SÓ o dobro do ano passado, assim coisa pouca. Fartamo-nos de descontar ao longo do ano inteiro, fazemos 350 pagamentos por conta, apresentamos despesas, mas depois chega a altura do IRS e toma lá uma talhada de todo o tamanho. Ah, mas então e aquela coisa de termos grandes benefícios por termos um filho? Pois, não vão na conversa, que isso foi chão que já deu uvas. Façam filhos, que eles são uns grandes fofinhos, mas não contem com lucro, só despesas. E é isto. Agora é esperar que a dolorosa cartinha chegue cá a casa e depois penhorar os Louboutin. Todos. E o porquinho mealheiro.

191 comentários:

  1. Pipoca, eu só punha no último dia, que isto pagar é melhor ser no último dia!!

    ResponderEliminar
  2. Eu também só pago!!! Vejo malta toda contente a receber e eu nicles! E se desconto!!!

    ResponderEliminar
  3. ahahah o que já me ri mas Pipoquinha... sou contabilista também e se pagas agora uma batolada é porque declaras uns bons rendimentos. Eu sei, custa a mim também me dói, mas nas Finanças tudo é proporcional! Ou deve ser, pelo menos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo! Até há pouco tempo era trabalhadora independente (como a Pipoca) e pagava bastante IRS e IVA todos os meses, mas depois quando entregava a declaração tinha sempre a receber uma boa maquia :) os trabalhadores independentes são taxados a 100% do seu rendimento, quando na verdade só deveriam ser a 75% porque se assume que 25% do mesmo são despesas, por isso, quando se entrega o IRS, esses 25% a mais que fomos retendo na fonte todos os meses são-nos devolvidos. Quem não fez assim e reteve menos que devia, tem de pagar... as regras são iguais para todos e proporcionais aos rendimentos :)

      Eliminar
    2. Trabalhadores Independentes taxados a 100%?! Que disparate!
      De facto o Rendimento coletável apenas incide sobre 75% dos rendimentos brutos, que serão englobados e aplicada uma taxa, no entanto as retenções, 25%, abatem ao valor a pagar!

      Eliminar
    3. Nas retenções mensais de IRS, considera-se que o rendimento colectável do trabalhador independente é 100% do seu rendimento total, quando, na verdade, é apenas 75% do mesmo. Daí que aquando da entrega anual da declaração de IRS haja muito a devolver, pois foi cobrado a mais IRS sobre 25% do rendimento em causa, todos os meses...

      Eliminar
  4. Tudo se queixa mas o que é certo é k o Rock in Rio ontem estava repleto! E ainda bem só que das duas uma: ou se finge muito ou de facto o dinheiro nasce nas florestas!
    Carina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da mesma opinião.
      Marta

      Eliminar
    2. isso também me faz cá uma impressão....onde é que vão ao dinheiro para tanta coisa?se calhar,uns porque já receberam IRS ou porque estão prestes a receber o subsídio de férias,não pensam como eu,que acho que a saída "limpa" da Troika vai dar buraco e o pior ainda está para vir.Acho que para a tão anunciada arrasadora crise para que nos prepararam,há muita gente que nunca viveu tão bem.

      Eliminar
    3. Prioridades trocadas, é a minha opinião. Eu que até ganho razoavelmente bem para os padrões portugueses (mil e trezentos euros limpos), tenho como prioridade viajar e poupar para o futuro (tenho 26 anos). Todos os meses, mal recebo o salário, uma parte dele (quase metade) vai para um depósito a prazo. Não tenho carro, ando apenas a pé e de transportes públicos, levo marmita para o trabalho, não fumo, não tomo café, só como fora aos fins-de-semana e é em restaurantes que rondam os 15€, não tenho televisão, não subscrevo nenhum pacote de comunicações (uso a net da Zon Fon), tenho um telemóvel do mais básico que existe, já há 6 anos e gasto 7,50€/mês com ele, não tenho empregada doméstica...

      No entanto, vejo pessoas a ganhar o mesmo que eu, ou até bem menos (algumas já com filhos, que adiciona a isto despesas que eu não tenho), com iphones, carro, casa já comprada (ou mais cara de renda que a minha), plasma na sala e no quarto, pacote da Zon ou Meo com 200 canais, empregada doméstica, máquina nespresso, bimby, roupas novas a toda a hora, tablet, idas constantes a futebol e a concertos, etc.

      Experimentem ir no metro em Lisboa e verem miudos de 16 anos, que não parecem claramente vir das classes mais favorecidas, e ver se não têm já todos o iphone, as sapatilhas de marca, bilhetes para o Rock in Rio e outras cenas assim. As pessoas ainda valorizam muito o ter e o mostrar, o fútil... que o faça quem tem dinheiro e sem dívidas, posso pensar que são apenas más escolhas que eu não faria, agora que o faça quem não ganha para isso e depois se queixa que não tem dinheiro, aí é puramente estúpido.

      Eliminar
    4. Anónimo27 Maio, 2014 12:21 depois vem uma doença e apercebe se que não "viveu", sobreviveu. Contra mim falo porque sou exactamente assim... mas a verdade é que não "aproveitamos" aquelas pequenas coisas que de facto dão prazer, acho que uma das causas da crise é precisamente essa, deixamo-nos de poder dar ao luxo de viver, e viver significa por vezes gastar em algumas coisas supérfluas. É nessa parte que custa ver a pipoca a "chorar" porque tem que pagar mais ou menos de IRS, a realidade é que a Ana vai VIVENDO e é isso que se leva da vida.

      Eliminar
    5. Aí é que se engana, Anónimo das 14h19! Sinto que vivo muito bem a minha vida e que aproveito as pequenas coisas :) as pequenas coisas que, para mim, são importantes. Para mim, aproveitar a vida não é ter um iphone ou usar uns sapatos de marca, facilmente abdico de ambos sem me custar minimamente. Aproveitar a vida é, sempre que tiro férias ou há um fds prolongado, poder viajar para onde me apetecer e visitar sítios novos, coisa que faço regularmente (todos os anos viajo umas 5 vezes). Isso, para alguns que privilegiam o que enumerei acima, é um luxo, para mim é a minha prioridade, por isso, como não ganho para tudo e porque há coisas que considero dispensáveis, corto nessas e aproveito as que valorizo. Sou perfeitamente feliz a andar pelas ruas de Lisboa a pé, a ir almoçar com o meu namorado a um lado qualquer barato, a apanhar um comboio e ir passar a tarde à praia, a ir ao cinema com o cartão da Zon do meu pai para ter 2 bilhetes pelo preço de um (lol), a correr no estádio universitário ao fds, a fazer uma caminhada num parque natural, a comprar uma coisa qualquer pelo ebay e gastar 4x menos que se a comprasse numa loja em Portugal, etc. Considero-me uma pessoa de prazeres simples e que aproveita a vida sem grande esforço, a quem uma série de coisas baratas ou mesmo grátis agradam e fazem feliz. "Dar ao luxo de viver" não é igual a gastar muito dinheiro e a possuir muitas coisas! Como lhe digo, a única coisa em que gasto mais dinheiro é em viagens, de resto é uma prioridade para mim poupar porque só tenho 26 anos, quero ter um filho nos próximos anos e quero assegurar, com as minhas poupanças, uma eventual reforma, porque duvido que o Estado a tenha para mim (apesar de descontar para a SS todos os meses eheh).

      Eliminar
    6. Anónimo das 12:21, a senhora não vive. Um dia pára e apercebe-se que não aproveitou metade da vida. Diga-me, quando amealhar essa fortuna toda, o que vai fazer? Leva-la pra cova? É que pelo estilo estou mesmo a ver que não lhe vai dar uso.. Não tem carro, não toma café, não sai, não vê tv, e usa um Nokia 3330. Sim, não haja dúvida que é uma senhora que sabe curtir.
      Que raio de mentalidade... e ganha 1300euros limpos, fará se ganhasse 580.

      Eliminar
    7. 14:43, já respondi acima ;) mais um que acha que para se aproveitar a vida é preciso ter imensas coisas! Aproveito muito bem a minha vida, sim, e "essa fortuna toda" que amealho pode servir para muitas coisas: um dia eventualmente comprar casa e pagá-la a pronto e não ficar agarrada a um crédito, ter uma "almofada" para o caso de a minha vida mudar repentinamente e eu me ver com despesas inesperadas e uma situação menos estável que a actual, gastar com coisas dos meus filhos (quando os tiver), servir-me para uma eventual reforma, ajudar os meus pais caso a situação deles mude e precisem do meu dinheiro, etc... há imensos usos para dar a esse dinheiro, mas fazer um upgrade ao meu telemóvel actual (não é um Nokia, é um Samsung tipo concha ahah), não será um deles :)

      Eliminar
    8. "Não tem carro, não toma café, não sai, não vê tv, e usa um Nokia 3330"

      Anónimo das 14h43, você é o típico tuga que gasta o mísero salário que ganha em parvoíces e depois se queixa do Estado e tem inveja do vizinho porque tem mais coisas que você. Raio de mentalidade é a sua! Desde quando é que para curtir a vida é preciso ter um carro, uma tv e um telemóvel xpto? Ah e a pessoa acima não disse que não saía, até disse que viajava muito... deve ser daqueles artistas que nunca amealhou nada e que depois tem um evento inesperado na vida e fica sem saber para onde se virar...

      Eliminar
    9. Provavelmente se ganhasse 580 até tinha uma vida! a ganância também é uma doença tramada! estamos a falar de "loucuras" (é triste, mas com a crise considero isto loucuras) ir comer uma mariscada, ir ao cinema, sair a noite com amigos e não ter que olhar sempre para a carteira, comprar uma peça de roupa que amamos mas sabemos que vamos usar apenas 2 vezes por ser diferente, passar um fim de semana fora sem ser nas ferias do verão, comprar livros, ir a praia e comer por lá, sair de carro só porque sim, sem pensar na gasolina gasta... para mim são luxos que já n faço a já algum tempo e sabem muito bem.

      Eliminar
    10. Não percebo o porquê de tanto critica à anónima das 12:21!!Ela não está a dizer que vive fechada em casa a contar os seus 1300€!!Ela gasta naquilo que lhe dá prazer!!Não entendo como é que vem alguém aqui afirmar que "a senhora não vive"!!E se usar um Nokia 3330?Usa porque não dá valor a um iphone!!Mas agora vamos criticar as escolhas de cada um??!!!E as prioridades?

      Eliminar
    11. Anónimo das 14:19.tem toda razão quando fala que temos que aproveitar a vida, vivê-la o melhor que conseguimos e podemos porque eu sei como ninguém que ela pode mudar e nunca ser o que era.Também entendo que é tudo uma questão de prioridades,cada um vive a vida como quer e o que para uns é essencial,pode ser dispensável para outros.Tenho 32 anos,tive cancro aos 28,ainda não me livrei dele a minha vida mudou para sempre,nunca mais trabalhei,e agora vejo que desde o dia em que comecei a trabalhar,aos 19,não pensava noutra coisa a não ser...dinheiro.Eram 11 horas de trabalho,6 dias por semana,a folga era para a casa e afins,não saía,não me divertia,não ia ao cabeleireiro ou fazer as unhas,e para quê?para ter um mealheiro,que embora me tenha sido precioso,não valeu a pena.Olho para trás e vejo que abdiquei de tanta coisa,de tantas oportunidades,que a vida encarregou-se de me dar uma lição e fazer-me abrir os olhos,da pior maneira possível.Hoje tudo é diferente,sem extravagâncias,porque é só um a trabalhar mas desde que não deva nada a ninguém(só devo favores e nunca os poderei pagar)aproveito muito mais que dantes.E para realmente viver a vida,não é preciso griffes,tablets ou outras paneleirices,é rodearmo-nos dos que importam,apreciar a companhia dos nossos amigos e não piscar os olhos,para não perdermos nem um segundo.

      Eliminar
    12. Eu também não tenho carro e é por opção! Moro e trabalho no centro de Lisboa, para que preciso de carro? Demoro 20min a pé e faço-os com gosto. Sei de gente que tem o mesmo caminho para fazer, ou ainda menos, e leva carro para todo o lado. Deve ser um daqueles "luxos" e "viver a vida" que eu, felizmente, não compreendo. Só o trânsito e a berraria entre condutores que vejo todos os dias e eu poder passar pelo meio dos carros e seguir, é cá um alívio!

      Quem poupa e vive abaixo das suas posses por regra, pode fugir à regra quando lhe apetece, ou quando necessita. Por faltar esta mentalidade a muita gente é que tantos se foram abaixo com esta crise (que não considero de todo justa, mas foi uma eventualidade e devemos, na medida do possível, programar a nossa vida para a eventualidade de surgir uma eventualidade :) ). Eu posso dizer que não fui afectada pela crise, apesar de o meu salário ter diminuído e de ter tido de procurar um novo emprego em plena crise.

      Eliminar
    13. Desde quando não ter carro, não tomar café, não ver TV e não ter um iphone, não é viver a vida?!!! Por amor da Santa!!!! Eu, graças a Deus, sou daquelas que até poderia ter um iphone, porque tenho trabalho e o meu marido tem um vencimento acima da média... mas nem eu, nem ele temos, pq não damos valor, não é a nossa prioridade... não somos menos que os outros por isso. Acho ridículo pessoas que ganham o ordenado mínimo, como eu vejo alguns, a gastar dinheiro nessas coisas e outras inúteis e depois não têm dinheiro para o essencial... há quem goste de viver das aparências, é o país que temos...

      Eliminar
    14. É este o problema de Portugal, a interpretação. Uma atençãozinha a mais no ciclo durante as aulas de português tinha dado resultado. Há outra coisa chamada ironia, e pelos vistos só o anónimo das 16:07 me percebeu, quando falei do carro e do Nokia 3330...
      Não ganho a fortuna da senhora, sim porque 1300 euros são uma fortuna, mas dou-me a pequenos luxos como ter tv e beber café. Perdoem-me Vítores Gaspares desta vida. Porque sim, concordo que de um momento pro outro descobres que tens uma doença e vês que não aproveitaste a tua vida... com luxos como ter tv, e ter internet e MEO (lol).
      Mas é português, a interpretação do português estraga tudo não é? Pois.

      Eliminar
    15. Anónimo das 18h10, o Vítor Gaspar aqui é você, que acha que 1300 são uma fortuna em Portugal! De facto, é triste viver num país em que o salário mínimo nem chega a 500€, mas daí a achar que quem ganha mais de mil euros é já abastado, vai um tanto. A questão aqui é que a sua noção de "aproveitar a vida" é diferente da minha e da pessoa que comentou acima. Para si, é ter carro, tv e MEO, para outras pessoas é viajar. Se eu descobrir que tenho uma doença prefiro duas coisas: saber que aproveitei bem os anos em que cá estive, que para mim não passa por ter comprado muitas coisas ou ter visto X novelas à noite e saber que se a cura ou miniização do meu sofrimento puderem advir de tratamentos mais dispendiosos, eu posso ter acesso a eles. Já aconteceu com uma familiar minha ter uma doença muito grave para a qual havia um tratamento experimental que rondava os 30 mil euros e termos de fazer uma campanha de angariação de fundos para recolher o dinheiro. No caso dela, mãe solteira com 2 filhos e a ganhar o salário mínimo, não havia muito por onde poupar para uma "ocasião" dessas, mas se o tivesse podido fazer acredite que seria muito melhor o "descanso" que nesse momento esse dinheiro nos teria proporcionado.

      Aproveitar a vida pode fazer-se na mesma sendo poupado e regrado, noto que a maioria dos portugueses quer o que pode e o que não pode e é fã de créditos e de consumismo, quando na verdade se pode ser feliz com muito menos. Mas, lá está, que o faça quem tem dinheiro para isso, agora não terem, fazê-lo e depois virem-se lamuriar, é ridículo.

      Eliminar
    16. Viajar é um grande luxo...e a única coisa que nos enriquece e que o dinheiro compra!nao percebo o porquê de acharem que näo se aproveita a vida apenas porque näo se tem alguns bens materiais lol deixem de desancar em alguém que dz que é feliz sem iPhone,carro e pacote de um sem número de canais

      Eliminar
    17. Anónimo das 12:21 e porque é que as prioridades dos outros estão trocadas? Para si viajar é algo que lhe dá prazer, para outros é ver aquele cantor que todos os dias ouvem o cd no caminho para o trabalho/faculdade/escola. Para si ir de transportes não lhe causa transtorno, para quem passa 2h em transportes à ida e à vinda ter um carro que permite fazer o mesmo caminho em, se calhar, 30min, são mais 3h que tem por dia para desfrutar de um café com um amigo ou para ir ao parque com o filho.

      Toda a gente tem prioridades, e as nossas são as certas para nós. Para os outros são as nossas que podem estar trocadas. Eu recebo nem metade do seu ordenado, também guardo uma parte numa conta poupança, fiz uma viagem ainda este mês e sabe qual é a minha próxima prioridade? Ir ao Rock in Rio este fim-de-semana. É caro sim, mas trabalho também para me divertir e se há coisa que nos deixa muito boas memórias são os festivais :)

      Por isso antes de 'julgar' as prioridades dos outros tendo as suas como mais acertadas, pense o que seria do azul se todos gostassemos de amarelo!

      Eliminar
    18. Ai viajar é a unica coisa que nos enriquece e que o dinheiro compra? Nunca ouviu falar de livros? Ou também é um luxo? Adoro estes moralistas das poupanças.. amor e uma cabana, que ter uma casa é um luxo. Já estou como a anónima 14:43 é juntar pra cova... Um dia pega, gastou a poupança e depois? Resta-lhe o quê? As milhas da tap, só se for..

      Eliminar
    19. Luxo é o anónimo das 16h18 que demora 20m a pé para o trabalho. Isso para mim é que um luxo. Ter um trabalho em que podemos ir por o nosso próprio pé sem preocupações de combustível e estacionamento. Eu gostava desse luxo.

      Eliminar
    20. Se calhar se todos os que em cima criticam os "moralistas das poupanças" e questionam o que se faz com o dinheiro poupado adoptassem a mesma política para as suas vidas, não se andavam agora a lamuriar que estão na m***a, que não têm emprego, que ganham pouco e mal podem viver, que a Pipoca se queixa de barriga cheia, etc.

      Os meus pais e eu sempre fomos adeptos das poupanças, de viver uma vida simples, mas aproveitando-a na mesma, esforçarmo-nos para aforrar e sobrevivemos perfeitamente à crise. Fazemos exactamente a mesma vida que fazíamos antes, a crise não nos afectou em nada (se calhar poupamos menos porque ganhamos menos também, é a única coisa, mas isso só prova que não somos uns obcecados com as poupanças ao ponto de querermos que essas se mantenham ao mesmo nível e com isso sacrificarmos uma ida a um concerto ou a um restaurante, não, continuamos a fazer essas coisas todos os meses). Acham que foi "sorte"? Não, chama-se pensar à frente, chama-se comprar as coisas apenas quando se tem dinheiro para as ter (e não comprar um plasma a 12 mensalidades ou uma nespresso e uma bimby, quando há alternativas mais baratas no mercado ou até se pode viver perfeitamente bem sem essas coisas), ou não comprar sequer. Chama-se viver o presente, mas pensando no futuro. Claro que podemos morrer amanhã e temos dinheiro no banco que não usámos. Mas também podemos viver até aos 99 anos e ainda ir passar por mais 12471290 crises. No final do dia, o nosso método resulta porque somos felizes e aproveitamos a vida (sem Louboutins e iphones, ohhhh) e conseguimos manter o nosso estilo de vida na situação actual.

      Eliminar
    21. Basicamente deu-me razão. É poupada, mas não uma moralista das poupanças como acima, que nem tv tem..

      Eliminar
    22. Por acaso tenho tv, uma daquelas velhotas e grandes, mas só com os 4 canais (não pagos) :) o resto de tv que queira ver, vejo na net!

      Eliminar
    23. Mas para quê tanto moralismo? Depois faz 5 viagens por ano! Eu posso fazer uma viagem por ano e ter um iphone e ser feliz. E não é por ter um iphone, comprar uma ou outra peça de roupa, ir ao restaurante que não poupo metade do ordenado por mês. Acha-se dona da razão, que só a sua maneira de viver é correcta. Com 26 anos era para ser um pouco mais tolerante com os outros.

      Eliminar
    24. Afinal já tem tv, e afinal também já tem net. Huum... Ai que sou poupada e não tenho nada desses luxos, vai-se a ver e afinal... A-DO-RO falsos moralistas!

      Eliminar
    25. Não fui eu que comentei acima lol. Tenho tv com os 4 canais, como referi, gasto 0€ com eles porque são grátis. E net também não pago, uso a Zon Fon :)

      Eliminar
    26. A ZonFon não é um serviço gratuito, caso não saiba! ;) Essa sua poupança extrema só é possível porque alguém paga o serviço por si!

      Eliminar
    27. Ao não pagar a Zon Fon e não sendo cliente Zon, você está a roubar! Como é possível vir para aqui dizer isso com orgulho?

      Eliminar
    28. O/A Flap tirou-me as palavras da boca. Há quem poupe para viagens, há quem poupe para concertos ou iPhones ou malas pretas da chanel... cada um sabe o que é importante para si e desde que trabalhe para comprar o que quer, não vejo qual é o problema.

      Eliminar
    29. Os meus pais têm Zon em casa e eu uso os dados deles para a Zon Fon, por isso a mim não me custa nada e não estou a fazer nada de ilícito :) conheço imensas pessoas que fazem isso (com a MEO também), pedem os dados a familiares e amigos e têm net de graça em casa. Um só login até pode estar a ser usado em 124790780 casas, sem problemas. Mas se vocês preferem pagar 39,90€ durante 24 meses, ou outra idiotice dessas, your choice.

      Eliminar
    30. Aposto que nenhuma das pessoas que comentou acima a criticar o anónimo que falou das prioridades ganha 1300€ limpos por mês como ela... ai ai a inveja :)

      Eliminar
    31. Não, um login tem um número limitado de usos em simultâneo ;) Mas sim, realmente, acho que devia começar a pedinchar senhas de internet aos meus conhecidos. E já agora exigir uma cobertura maior de wifi dessas redes... É que mesmo dentro de Lisboa não estão em todo o lado. E depois? Lá se vai a poupança...

      Eliminar
  5. Eu não me importava de pagar, infelizmente recebo. Sabe de que é sinal? De que ganho pouco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora é que disse tudo. Os que tem grandes rendimentos é que tem que pagar...

      Eliminar
    2. Nem mais. Eu também recebo o equivalente a quase um ordenado meu, mas nem lhe digo quanto é para não se rir.
      E receber IRS não é só sinónimo de ter baixos rendimentos mas também é sinónimo de se ter despesas. Infelizmente, o que me safa sempre o IRS são as despesas de saúde. Ironias.

      Eliminar
    3. Idem. A minha filha chega a ter despesas de saúde em 2000 e tal euros. É o que me permite receber... Mas sinceramente, aquilo que desconto, preferia ter de pagar e receber um grande ordenado.

      Eliminar
    4. tenho que discordar. o meu rendimento mensal pouco passa dos 500 euros. O ano passado durante uns 3 meses tive um segundo trabalho em que recebia 300 euros.
      não me considero que tenha ganho muito, pelo contrário. Para ter um ordenado razoável tive que conciliar 2 trabalhos. e agora? quase 400€ de IRS para pagar.. desempregada então não vem mesmo nada a calhar!

      Eliminar
    5. Anónima das 15:46, os 300€ por mês são um valor baixo, não deve ter pago IRS sobre eles. Mas juntando ao outro ordenado, o rendimento anual bruto fica sujeito a uma determinada taxa de IRS. Como pagou uma taxa inferior correspondente apenas a uma parte do rendimento, agora fazem o acerto.
      Compreendo que custe, especialmente agora que está desempregada, mas deve-se provavelmente ao facto de não ter pago imposto para determinado rendimento que recebeu.

      Eliminar
    6. mas quem ganha pouco, normalmente não paga nem recebe!

      Eliminar
  6. Sou solidária! Paguei o equivalente a 15 dias nas Maldivas em pagamentos por conta, mas mesmo assim não me livro dele! O meu este ano também duplicou, apesar de ter declarado praticamente o mesmo que no ano passado!

    ResponderEliminar
  7. O ano passado, um casal amigo, teve a iluminada ideia de se divorciar por causa do IRS.
    E então não é que todos os que gozaram com eles, estão hoje a ponderar fazer o mesmo?
    Divorciaram-se, reacenderam a chama da paixão, e este ano têm a receber em vez de pagar. Os benefícios fiscais de famílias monoparentais valem a pena todo este filme.
    É como a vergonha de não haver dinheiro para ajudar famílias carenciadas, que lamentavelmente passam fome e mandam os filhos para a escola sem pequeno almoço, na derradeira esperança que alguém os acuda e alimente. No final, essas situações são reportadas, as crianças retiradas da família biológica, colocadas em famílias de acolhimento, que na ficha de inscrição disseram ter muito boas condições para os acolher blá blá blá, e depois recebem chorudos subsídios de apoio mensal, que bonito!!! que justo!!!
    E que tal esse dinheiro ter sido para ajudar a dita da família com necessidades, sem ser necessário terem passado fome e serem separados?
    Estes gajos merecem ser enganados, ahhhh se merecem!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por isto que este pais nunca vai deixar de estar mal, porque há pessoas que acham bem enganar o estado e dizer que são familias monoparentais só para tet beneficios.

      Enfim...se pagam é todoa os que têm esses ordenados e gastos pagam.

      Luisa

      Eliminar
    2. Este pais nunca vai deixar de estar mal, porque continuam a condenar os que foram prejudicados mas que ninguem viu...

      Não é justo eu trabalhar X horas por dias X dias por mês, para receber o meu ordenado que me custa muito todos os meses e depois, vem um chico esperto que acha bem, em 1 mês levar-me 2 ou 3 ordenados.

      Ou seja, pelos vistos é crime trabalhar para ganhar dinheiro.

      Mas quando o criminoso, entenda-se, o trabalhador, arranja maneira de ser mais esperto que o chico esperto, é condenado e decapitado em praça pública.

      Tenho 80% de certeza que faz parte de uma família monoparental (não por escolha) e que se calhar as despesas nem atingem o mínimo exigido para contar para estatística.

      Acho muito bem que, quem o possa fazer sem se prejudicar, arranje formas de ser mais esperto!

      Eliminar
    3. "Divorciaram-se, reacenderam a chama da paixão" lol wtf? este é o comentário mais surreal de sempre.

      Retenham na fonte todos os meses o que é suposto (assim vão sendo chulados gradualmente), apresentem despesas quando entregarem o IRS e recebem sempre qualquer coisa e nada há a pagar. As simple as that. Agora andar aí com esquemas de famílias monoparentais e divórcios, peloamordedeus.

      Eliminar
    4. Eu faço retenção na fonte em cada recibo que passo (e não é pouco), apresento despesas e nem assim me safo. Se calhar vou divorciar-me. Ah ah!

      Eliminar
    5. Isso de se divorciar para ter mais rendimentos irrita-me tanto! Sou mãe solteira, estive 6 meses desempregada sem direito a subsidio e recebo cerca de 40€ de abono da minha filha. Tentei pedir todo o tipo de ajudas na seg social e o que me disseram foi para ir ao banco alimentar. Felizmente vivo com os meus pais que me ajudam e são quem dá tudo á minha filha, mas passo-me ao saber que há gentinha que acha piada á monoparentalidade e usa isso para se safar mais que os outros! Por essas e por outras o país está como está!

      Eliminar
  8. Caso para dizer, "dói, não dói?" Também a mim me calhou, penhorar os louboutin? NUNCA!
    Vou começar pelos comedouros dos gatos!

    http://araparigadoautocarro.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  9. Se paga muito é bom sinal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade é bom sinal pagar muito porque se ganhou muito. Mas, certamente, também se trabalhou muito. :) No nosso país parece que rende é trabalhar pouco e ser chico-esperto. A partir de um certo ritmo de trabalho, deixa de compensar. Enfim.

      Eliminar
    2. Podemos ver isto ainda de outras perspectiva: se paga muito é porque DECLARA muito, contrariamente aos verdadeiros ricos deste pais.

      Eliminar
  10. Sim isto de quem tem filhos levou cá um corte :/

    ResponderEliminar
  11. Não deixo de admirar o teu sentido de humor.
    Mas lá está, é preciso um bom rendimento para pagar, caso contrário receberias.
    Tramado mas é a lei que temos.

    ResponderEliminar
  12. É lixado... sabes que mais? Os ciganos é que a sabem toda!

    ResponderEliminar
  13. Blá, blá, blá, quem tem muitos rendimentos paga mais, justiça e mais-não-sei-o-quê...! Pois, não sei: eu ganho pouco (pouquinho) e o valor que tenho de pagar este ano de IRS é superior ao meu vencimento mensal! :(
    Qual é mesmo a explicação, Srs contabilistas?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem despesas.
      Digo eu.

      Eliminar
    2. Não tem retenções na fonte e/ou a sua definição de "pouco (pouquinho)" é diferente da minha.





      Eliminar
    3. Pior é que tenho! :( Uma facada no coração (e não só), este meu IRS!

      Eliminar
  14. Se vai pagar muito é porque...recebeu muito...não há volta a dar! Mas este ano também vou receber menos do que no ano passado, muito à conta da dita sobretaxa não sei das quantas! A malta dos recibos verdes vê todos os meses um quarto do ordenado ir para as finanças, é escandaloso! Ao menos é-nos reembolsada uma boa parte, o que só mostra que pagamos demais todos os meses. Uma coisa me parece certa, para a brutalidade de impostos que pagamos, já estava na altura de investir mais em determinados apoios, como por exemplo, nos incentivos à maternidade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto! Eu trabalhava como advogada a recibos verdes e todos os meses retinha na fonte 500€ de IRS e pagava 500€ de IVA. Quando apresentava a declaração de IRS, punha algumas despesas de saúde, educação, rendas (mas não tenho filhos) e recebia sempre um valor bom, para cima de 2 mil euros. Porque me tinha sido retido a mais mensalmente, durante todo o ano...

      Eliminar
  15. Estava a ler o texto e a pensar "lá vais ter que parar (por um tempo) de comprar Louboutins para a colecção" LOL

    ResponderEliminar
  16. Mas se toda a gente está a pagar mais IRS, porque raio a Pipoca devia ser exceção?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eeeerrr... Onde é que eu escrevi que devia ser excepção? Não me posso queixar de ter de pagar, como se queixam
      TODOS os portugueses que têm de pagar, seja muito ou pouco?

      Eliminar
    2. Se tens uma boa vida, ganhas bem, não repetes roupa, tens colecções de carteiras e sapatos, por que tens que te queixar do IRS que pagas? É que parece mal! Se pagas IRS, quer dizer que ao longo do ano pagaste menos imposto do que devias. Quanto maior o rendimento, maior é a taxa de IRS aplicada. A pessoa só paga IRS se durante o ano terminado pagou menos do que devia para o rendimento que teve.

      Eliminar
    3. Pipoca, prepare-se que com este post (infelizmente!) a cambada invejosa vem à superficie refilar por ter uma "boa vida", "não repetir roupa" ou ter "roupa de grife".

      Eliminar
    4. Estes comentários tardam mas não falham! Adoro (NOT)!!! Então aquela parte do "não repetes a roupa"... Ai mãezinha...

      Eliminar
    5. Queixo-me por duas razões:
      1) porque posso, que assim como assim o blog ainda é meu e as pessoas aindam não pagam IRS a mais por se queixarem;
      2) queixo-me porque, assim de repente, consigo pensar em 329 coisas mais giras para fazer com o dinheiro que vou dar ao estado.

      Eliminar
    6. Ó Pipoca, desculpe, mas que regime é o seu?? Não tem contabilidade organizada? E tem empresa, certo?

      Eliminar
    7. Tens toda a razão em queixar-te, toda a gente se queixa, com mais ou comenos razão para tal. Mas não te queixes muito que os inspectores das finanças podem não gostar. Será que te lêem?

      Eliminar
    8. Realmente, as pessoas são mesmo engraçadas. Queres ver agora que uma pessoa não pode trabalhar dignamente e comprar o que bem entender com o seu dinheiro sem ser roubada pelo Estado. O que se passa é que os impostos são gritantemente absurdos. Uma pessoa que trabalha e paga as suas contas fica com menos dinheiro ao fim do mês que algumas pessoas que vivem de subsidios do estado. Algumas pessoas disse eu (não generalizar). Agora, parece que é pecado neste país não ser pobrezinho. Se uma pessoa tem a sorte de ganhar mais e trabalha, efetivamente para isso, porque raio é que tem que justificar onde gasta o dinheiro ou não se pode queixar de ser roubada pelas leis da treta do Estado?

      Eliminar
  17. Ui nem me fales do IRS, mais um ano a pagar. Pois é, 2013 foi o ano em que eles diminuíram as percentagens de deduções e seus limites.Os escalões também foram alterados, para além disso toma lá uma sobretaxa de 3.5%.É assim o País que temos.Agora penhorar os Louboutin??!! Já mais, never!! Uma mulher não seria a mesma sem eles! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. * Jamais (é mesmo tudo pegado, uma única palavra).

      Eliminar
  18. Hummmm se o teu regime de IRS é o simplificado, se calhar beneficiavas ter um regime com contabilidade organizada, uma vez que já pagas a uma contabilista, se calhar não era mau pensado. Fala com ela, ela esclarece as diferenças entre um regime e outro.Bjs

    ResponderEliminar
  19. Pipoca, afinal você tem dinheiro para calçar sapatos Louboutin e não só, também deve ter para pagar o IRS????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e por acaso ela disse que não tem dinheiro para pagar o IRS????
      Isso é mesmo só falar por falar!
      Toda a gente, seja rica ou pobre, se queixa quando tem de pagar algo...principalmente impostos!!!!!
      O dinheiro é , sem dúvida, mais bem empregue nuns sapatos do que ir para os Cofres do Estado!!!!!!!!!!!!!!!

      Eliminar
    2. Ah pode crer que é. Prefiro comprar sapatos para mim do que pagar os sapatos das mulheres dos amigalhaços dos políticos que têm uns tachos na função pública.

      Eliminar
    3. "O dinheiro é , sem dúvida, mais bem empregue nuns sapatos do que ir para os Cofres do Estado!!!!!!!!!!!!!!!" São estas e outras mentalidades que justificam a fuga ao fisco gritante que temos no nosso país. Claro que acho que a quantidade de impostos que pagamos e os benefícios que obtemos são díspares, claro que concordo que muitos políticos se aproveitam (ou todos). Mas não nos devemos congratular por não morrermos à porta dos hospitais como nos EUA? Ou por termos garantias se viermos a sofrer de invalidez? A questão é que o estado social, que é uma grande conquista civilizacional (pelo menos para mim), se paga. Ninguém gosta de pagar impostos, mas dizer que o Estado nos rouba, como se só devêssemos usufruir do bolo comum, em vez de contribuirmos também para ele, é uma mentalidade que me faz espécie e que justifica o estado calamitoso a que chegámos. E gosto muito do blogue da Pipoca, mas até a mim me fez comichão este queixume com a vida que leva (e que merece, pois deriva do seu mérito, atenção), dado que há incontáveis portugueses que não pagam nada de IRS, porque simplesmente não têm nada para descontar. Isso sim, é triste. E eu sei que a Ana não tem nada a ver com isso e que faz a sua parte, mas não deixa de estar a queixar-se de barriguinha cheia.

      Eliminar
    4. Apoiado, totalmente de acordo!

      Eliminar
    5. Concordo o mais possível com a Inês de Almeida. Apenas me parece que as garantias para quem sofre de invalidez deixam muito a desejar, pelo menos a julgar pelos casos que surgem na comunicação social, em que os visados recebem pensões irrisórias que não dão para cobrir os gastos de medicação, fisioterapia, etc.
      De qualquer forma, subscrevo tudo o resto. Já paguei pouco IRS e já paguei muito. Mas NUNCA me queixei. Quando olhava para o recibo de ordenado e via que descontava mais do que algumas pessoas recebem como ordenado mínimo, pensava que era uma sortuda. E que há gente que tem que se governar com 485€ por mês, e outros nem ordenado têm. Independentemente de descontar muito ou pouco, nunca me queixei. Se descontava muito, significava que ganhava bem. Vivo num país que presta apoios sociais, que ampara as pessoas quando precisam, onde as escolas e os hospitais são gratuitos, ao contrário, por exemplo, dos EUA. Claro que me revolta ver a classe política a roubar e a esbanjar. Claro que nem todos os hospitais e escolas são maravilhosos, nem todos os apoios sociais são distribuídos justamente. Mas, apesar de me custar pagar impostos, JAMAIS me queixei. E acho ridículo que a pipoca o faça.

      Eliminar
  20. O Gaspar não estava mesmo a brincar quando disse "aumento BRUTAL de impostos"...

    ResponderEliminar
  21. Pipoca, o teu título diz tudo!
    Eu ainda acrescento, c*****s!!

    ResponderEliminar
  22. Isso de se pagar IRS porque se ganha bem não é bem assim. Os meus pais são reformados, têm um rendimento anual de 16 mil euros (os dois, obviamente) e pagam IRS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, o caso dos meus ainda é pior! O rendimento anual dos 2 não chega a 10mil euros e ainda vão ter de pagar cerca de 240 euros!!! Não é muito, mas tendo em conta os rendimentos, acho que é demasiado.

      Eliminar
    2. Os meus pais são reformados, ganham ambos mais que isso e têm a receber IRS! Go figure :P

      Eliminar
    3. Se uma pessoa que recebe 10 mil mas não tem despesas, e outra recebe 20 mil mas tem, sei lá, 14 mil em despesas (por exemplo de saúde), não acham que é justo que a que ganha mais também receba mais?
      É que, constas feitas, acabou por em vez de 20 mil ficar apenas com 6 mil.
      As coisas não são assim tão lineares para estarem a comprar reformas.

      Eliminar
    4. Anónimo das 13:24, mesmo que a pessoa tenha um valor exorbitante de despesas de saúde, há um valor limite para as deduções. Ou seja, pode gastar os tais 14.000€ em despesas de saúde, mas só um pequeno valor é que entra. Não sei exactamente qual o valor que é dedutível em despesas de saúde, mas os limites desceram este ano outra vez. As Finanças não querem saber se gastou 14.000€ em saúde e só ficou com 6.000€. As Finanças consideram só o valor máximo que é dedutível.

      Eliminar
    5. Anónimo das 10:39, os seus pais não apresentaram despesas (de saúde, por exemplo)?
      E não venderam nada, por exemplo, alguma casa? É que estas vendas têm que ser declaradas e são calculadas as mais-valias, sobre as quais se têm que pagar impostos.
      E, para além das reformas, não têm qualquer outro rendimento, como algum trabalho que tenham feito esporadicamente, ou alguma casa arrendada da qual recebam renda?
      Há anos também entravam as acções, não sei como está agora.
      À primeira vista, pelo que diz, acho estranho que tenham que pagar IRS, mas há muitas variáveis a ter em consideração.

      Eliminar
  23. Isso de quem ganha mais tem de pagar mais era muito bonito se eu não conhecesse pessoas que ganham pouquíssimo que terão de pagar o equivalente a um salário, porquê? Ora deve ser porque como descontam pouco durante o ano, têm de compensar no IRS…
    Só sei que trabalhamos 6 meses para pagar impostos, só depois disso é que realmente estamos a ganhar dinheiro, mas não, os 7 salários seguintes não são nossos, pois sempre que gastamos 1€, 0.23 cêntimos são IVA, imposto para o estado!
    Contas bem feitas o que é efetivamente nosso é muito pouco…

    ResponderEliminar
  24. Pipoquinha, penhorar os Louboutin é que não! Eheheh

    O meu IRS tem dado sempre "a receber" (ganho tão pouco, se ainda tivesse de dar mais dinheiro ao Estado era um escândalo) e este ano até tive uma surpresa: foi o dobro do ano passado. Espero bem que não tenha sido um equivoco qualquer e que não venha a receber uma cartita a dizer "passe para cá o dinheirinho porque foi falha de sistema" (nãooooo!).

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  25. É desta que me vou embora deste penico! É algo que me enoja termos de pagar quantidades exorbitantes por aquilo que nos custou 8, 9, 10 horas diárias de trabalho para que os chupistas venham retirar uma BOA parte! Au revoir Portugal!

    ResponderEliminar
  26. Há uma coisa que eu tenho muita dificuldade em entender. Pode ser que algum contabilista me saiba explicar.
    Cá em casa somos os 2 trabalhadores por conta de outrem. Não temos rendimentos extra de lado nenhum. Todos os meses descontamos para o IRS proporcionalmente aquilo que ganhamos, logo estamos - supostamente - a descontar o que é justo face aos nossos rendimentos, certo?
    Temos as despesas normais que qualquer família tem, agora expliquem-me lá porque é que ainda temos de pagar IRS no final do ano!

    E não, não ganhamos ganhamos 2000 euros cada um. eu até nem me importava...mas infelizmente não ganhamos.

    Recebemos uma boa quantia no ano em que o nosso filho nasceu porque estive sem trabalhar praticamente todo o ano (gravidez de risco + licença de maternidade). Esta é outra cena que me mete confusão. Durante esse ano recebi sempre a 100%, mas para as contas do IRS é como se não tivesse recebido nada e daí ter sido devolvido grande parte do valor descontado ao longo do ano pelo meu marido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma das coisas que devia confirmar e se os vossos dados estão correctos nas empresas onde trabalham e se eles estão a fazer os descontos correctamente...porque não me parece! Ganhos abaixo de 2.000,00 por mes e com um filho...caso de certeza que não teriam que pagar!

      Eliminar
    2. Porque quando entregam o IRS é calculado o vosso rendimento global (soma dos 2) e são taxados por esse total.
      Numa ocasião em que fiquei sem trabalho descobrimos que o reembolso em sede de IRS era idêntico ao meu vencimento anual quando trabalhava. Resumindo, ficava mais barato ficar em casa pois assim não tinha despesas de combustível, alimentação, etc. Não é maravilhoso?!

      Eliminar
  27. Lá está o pessoal a misturar tudo, que a pipoca tem isto tem aquilo...ai essa inveja!!!
    O que a pipoca diz e é verdade, que é uma roubalheira.
    O que o estado nos cobra de impostos e quanto mal aplicado é esse dinheiro.
    Não me importaria de pagar, se visse que estava a ser bem direcionado e que tudo correria sobre rodas, bom sistema saúde, escolas etc.
    Estamos cada vez mais endividados...e teremos de futuro ainda pagar mais. por causa das imcompetências dos nossos governantes, e estamos a falar desde a construção da Expo98 para cá, por isso todos governantes estão implicados neste assunto.

    ResponderEliminar
  28. vamos deixar de tretas:é uma porcaria ter de pagar IRS,é uma porcaria ver o nosso ordenado ser comido pelos filhos da p** que nos governam,sentimos um misto de roubo e fraude que nos agonia todos os meses,a Ana,até pode ganhar milhares mas é como todos nós,detesta pagar mas deixemos de hipocrisias:se é inevitável,então os Louboutin,vários por sinal,têm que ser comprados menos vezes.

    ResponderEliminar
  29. Ana, antes de mais, uma vénia por falar neste assunto, mesmo sabendo que terá comentários de ódio. Gabo-lhe os t*mates.

    Hoje em dia ganho 1/5 do que ganhava há 3 anos. Foi um tombo e tanto. Felizmente ainda ganho sempre o reembolso quase na totalidade, mas some-se todo nas dívidas inerentes às contribuições por trabalho independente.

    Isto para dizer que sim, que pagamos um fundo perdido. E os pagamentos por conta são um mealheiro para o Estado.

    E quem recebe muito trabalha muito. Esse é, de certeza, o vosso caso. Pena que as pessoas não percebam que não podemos comparar o ordenado de uns ao de outros, por muito diferentes que sejam os problemas que enfrentamos no dia a dia.

    Beijinho, Ana.

    ResponderEliminar
  30. Ai Pipoca, o que veio para aqui escrever...é que queixar-se de barriga cheia (desculpe, não vejo outra forma de o dizer) quando a maioria do país está de tanga, não é lá muito boa política! Pelo menos, no meu entender. Só me faz lembrar aquela declaração do Sr. Presidente da República quando disse que o que ganhava quanse não dava para pagar as despesas... Há coisas que, mesmo que nos aborrecam (e acredito piamente que pagar uma batelada de IRS é sumamente chatíssimo e se estivesse no seu lugar também não iria achar graça nenhuma) não deverão ser ditas em público. Mas, that's just me...

    ResponderEliminar
  31. Vá pessoal antes para as finanças do que para a farmácia! animem meninas apartir deste Domingo já vai ficar "sempre" solinho aberto. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também é verdade. Mais vale ter saúde para trabalhar e por isso pagar impostos, do que queimar dinheiro na farmácia, por falta de saúde.

      Só uma ressalva, é "a partir" separado, não tudo junto.

      Eliminar
  32. também sou TI e quando faço o meu IRS só me apetece desistir (só as despesas de deslocação , problemas com carro, e segurança social, vai-se metade do que se ganha à vida).
    Tenho um filho mas não sei de nenhum benefício fiscal...a sério que achava que existiam?

    ResponderEliminar
  33. Olha eu não me importava de pagar se tivesse um bom rendimento!!! Assim vou receber... o meu vencimento baixou para os mesmo valores que recebia em 2005!!! Mas pelo menos tenho trabalho.

    ResponderEliminar
  34. Gosto da Pipoca? Gosto, sim! Se tenho inveja da sua vida? Não, não tenho inveja. Não é propriamente a Pipoca que vive bem...eu é que vivo...mal! Ser Licenciada, com Pós-graduação e ser Fun. Pub...é que é do caraças...e logo por azar, não sou casada e não tenho filhos...MAS (there's always a but) tenho ENORMES responsabilidades mensais...não faço viagens, não tenho excentricidades, não compro roupa griffe, simplesmente porque não posso!!...E tenho um carro em 3ª mão - O que ganho...há meses que não chega! Cheguei a ter 3 empregos...e a dormir 4hr/noite. Os impostos a nós (Fun. Pub) aplicados duplicaram do ano passado para este, mas o que recebo é menos...as taxas e sobretaxas levam tudo mensalmente. Ah! Só um aparte não fui eu que criei a Crise mas a pirâmide das classes sociais, cada vez tem uma maior base...os patamares intermédios estão a desaparecer e o topo não alarga mas engrossa (perdoem-me a expressão)! Se compreendo a Pipoca? Em parte sim compreendo mas que me doeu ler 'Laboutin', doeu...Não é que a Pipoca não mereça canalizar esse dinheiro para 329 'coisas' melhores....Acredite, eu teria todo o gosto em pagar IRS, só que cada vez desconto mais, cada vez recebo menos e cada vez o mês custa a passar...às vezes gostaria que sobrasse assim uns tustos para poder agitar a economia nacional...espairecer e fazer escapadinhas, mas não sobra, nem para 'Laboutin', nem para dar uma volta até, sei lá, à Baixa da Banheira (big lol).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara funcionária pública. Faça como a pipoca. Largue o seu trabalho de treta e invista num negócio próprio. Vai ver como rápido, rápido está a pagar balbúrdios ao estado e mesmo assim ficar com troços para sapatos e viagens.

      Eliminar
    2. Fun. Públicos, a mamar desde sempre. Quando finalmente se virou o bico ao prego, queixam.se. Sempre tiveram mais regalias que os privados.... Aguentem agora, como o privado aguentou estes anos todos.

      Eliminar
    3. Não generalize. A minha mãe é funcionária pública e nunca "mamou" nada. Antes tivesse feito, tal como o estado faz connosco. O que está a dar é ser corrupto, é a profissão da moda. Mas esse ataque aos F.P é sempre uma coisa que me deixa fora de mim. Tal como em todas as profissões, há trabalhadores honestos e outros que enfim, é só desviar, como no privado há trabalhadores honestos e outros que deviam estar atrás das grades. Ou é tudo honesto no privado? claro que sim, é só gente honesta lol
      Há de tudo em todo o lado.

      Eliminar
    4. Concordo com o Anónimo das 16:15. As pessoas adoram nivelar por baixo: as coisas estão más no privado, devemos pôr o público ao mesmo nível para estarmos todos na m***a! A minha mãe foi professora e nunca a vi a ter uma vida fácil (acho que estar umas 8h por dia na escola rodeada de miudos de 10, respetivos pais, outras professoras está longe de ser vida boa)... tinha uma carreira estável, um salário seguro, um emprego garantido, isso sim... que são coisas hoje em dia de apenas alguns privilegiados, mas deviam ser de todos! Devemos defender que estes direitos voltem para todos, não que sejam tirados a todos.

      Eliminar
    5. Anónimo das 14.54 não generalize que é muito feio, além de ser muito injusto. Bons e maus funcionários há no privado e no público. Só para que saiba fiz 7, leu bem SETE operações por causa de dois, leu bem, DOIS, cancros de mama em 3 anos e meio. Cheguei a ser operada a uma quarta e ir trabalhar na próxima segunda feira!! Tudo para não prejudicar os meus alunos. E sabe, descontamos 11% para a CGA e mais 2,5% para a ADSE, e vamos ser aumentados, nos descontos é claro. Além das duas mastectomias, pedi por DUAS vezes levantamento de baixa para poder ir trabalhar!

      Eliminar
    6. Com todo o respeito pela sua doença, que me é bem familiar... Esses descontos para os subsistemas de saúde e aposentação são regalias. É o mesmo que chegar a um hospital privado e pagar 11euros por consulta e um que não tem direito pagar 60. Regalias. Não pús em causa a edóneidade dos F.P, mas que comparativamente foram beneficiados em muitas coisas, foram. Bons salários, estabilidade profissional e greves ao deus dará... Com a segurança que no dia seguinte chegam e têm o seu garantido.

      Eliminar
    7. "Bons salários, estabilidade profissional e greves ao deus dará"

      Ganhar uns 1700€ limpos ao fim de uns 25 anos de carreira como professor é um bom salário? Sim, é, mas é algo assim tão merecedor de crítica? Não será a retribuição justa pelo trabalho que desempenharam e o reconhecimento da profissão? Isso aconteceu a quem pôde entrar no mercado de trabalho há 30 anos atrás, quem progrediu na carreira ainda sem crise e muito bem... só lamento que actualmente não continue a ser assim e não que, no passado, tenha sido! Até parece que esses valores são uma fortuna e que as pessoas em causa devam ser expoliadas dos seus bens...

      Estabilidade profissional, a mesma coisa. Muita gente tinha contratos sem termo, até no privado isso acontecia. Não é a realidade dos dias de hoje, lamentavelmente. É a favor de contratos precários? É que parece, pelo seu discurso. Qual é o problema em se ambicionar ter estabilidade profissional? É isso uma regalia?

      Greves foram feitas no passado e continuarão a ser feitas no futuro, por professores e por que classe profissional for. São um direito constitucionalmente reconhecido. Também há greves dos trabalhadores do metro, da CP, da recolha do lixo...

      Eliminar
    8. Anônimo das 18:18
      Não sei se tem noção do que significam os descontos para a ADSE em termos de valor anual descontado?
      No meu caso, da para pagar um seguro com cobertura internacional e ainda me sobrava dinheiro!

      Eliminar
    9. Não é a primeira vez que aqui vejo "Laboutins", mas é divertido.
      Tanto quanto pagar "balbúrdios" ao estado e ficar com "troços" para sapatos.

      Sendo funcionária pública, tem uma vantagem, não é despedida.

      Quanto aos descontos para a CGA (Caixa Geral de Aposentações), informo que os descontos para a Segurança Social são exactamente os mesmos: 11%. E assim é que deve ser. Igualdade de circunstâncias, de direitos e de deveres. Afinal de contas, vivemos todos no mesmo país, devemos pagar todos os mesmos impostos e ser reformados nas mesmas condições. Há uns anos atrás os funcionários públicos reformavam-se aos 50 e poucos anos, com 100%. Enquanto os do regime geral da Segurança Social tinham que trabalhar até aos 65 anos e reformavam-se com 80%.
      Que sentido fazia quem se reformava mais cedo (e, por conseguinte, tinha descontado menos anos) vir com refornas a 100%, enquanto quem descontava até aos 65 anos só vinha com 80%? Nenhum sentido fazia e não há Estado que aguente sustentar isto.
      Gradualmente estão a equiparar os 2 sistemas - funcionários públicos e segurança social. É mais justo e sustentável.

      Anónimo das 19:11, 1.700€ líquidos serão mais de 3.000€ brutos. Sabe quem no privado consegue ganhar mais de 3.000€ brutos? Uma minoria.
      E, já agora, as classes que indicou como fazendo greve (metro, CP, recolha do lixo, professores) são todos trabalhadores do Estado ou de empresas do Estado. Sabe porquê? Porque ninguém do privado se pode dar ao luxo de fazer greve. É que o mais certo é que no dia seguinte à greve seja posto no olho da rua. Os funcionários públicos não são despedidos, os do privado são. Por isso deixam-se ficar quietos e rezam por conseguir manter o posto de trabalho!
      Não sei se foi a senhora que relatou os problemas de saúde que teve. Se sim, é de realçar a sua dedicação para não prejudicar os seus alunos. Muitos não conseguiriam. Mas quanto ao resto, discordo do que diz.

      Eliminar
    10. Mas acha muito 1700€ líquidos ao fim de 25 anos, para um profissional licenciado e qualificado? Sem direito a carro, telefone, cartão de crédito, ajudas de custo, troços por baixo da mesa, sem material de trabalho a não ser o pago do seu bolso, sem formação a não ser a paga do seu bolso, sem reconhecimento, sem uma verdadeira avaliação pelo mérito, sem possibilidade de ser promovido e podia continuar.... Sem poder esquecer os riscos da profissão, entre os muitos, o risco de levar um enxerto de pancada de um qualquer encarregado de (des)eucação.
      Não, não sou professora.

      Eliminar
    11. Anónimo das 20.51, obrigada! Finalmente alguém lúcido que diz as maiores verdades sem papas na língua. Os funcionários públicos adoram fazer-se de coitados mas a verdade é que sempre foram uns privilegiados, não gostam é de admitir

      Eliminar
    12. Haja alguém neste blog que me entenda. Admiro em muito a dedicação de certos professores, correto. Mas por exemplo, na CP fazendo greve (que são constantes) recebem o dia na mesma. Tinham um subsídio de assiduidade, como se ir trabalhar todos os dias não fosse uma obrigação e o salário mais que certo ao fim do mês não fosse suficiente. And so on, and so on..
      Mas este post já deu pano para mangas.

      Eliminar
    13. Apoiado!!! Concordo com tudo o que disse!!

      Eliminar
    14. Acho ridículo estarem a implicar com pessoas que, na melhor das hipóteses, ganham os tais 1700€ limpos ao fim de 25 anos de carreira (e para mim faz sentido falar em valores limpos, porque é esse o valor que os alegados magnatas da função pública acabam por receber), como se esses fossem os chulos de Portugal e quem levou o país à crise, quando tem na função pública uma série de boys que estão lá por nomeação política, que rodam a cada 4 anos quando muda o Governo, que muitas vezes não são qualificados para as funções que exercem (tiraram um curso com média miserável numa privada qualquer e só exerceram cargos políticos desde então) e, esses sim, ganham no mínimo uns 3500€ limpos por mês. Para já não falar em políticos que saem de cargos públicos e vão para consultores de empresas púvlicas e ganham 10 ou 20 mil euros por mês. Isso sim é de criticar! Agora o professor que se esfalfa todos os dias e ao fim de uma longa carreira saca esse dinheiro? Olhe, a minha mãe foi professora, reformou-se há 2 anos (com 63) e teve uma penalização na reforma por ter ido antes dos 65 (apesar de já ter mais que os anos de descontos necessários). E agora, sempre que se aplicam novos cortes, a pensão dela diminiu. Mas, sim, deve ser uma privilegiada qualquer que apenas merece o que lhe aconteceu...

      Quanto ao que refere do privado, pode ser assim nalgumas áreas, mas em profissões mais qualificadas há, neste momento, melhores hipóteses de salários e de progressão na carreira que no público. Trabalhei no privado e, aos 25 anos, estava a ganhar 1500€ limpos por mês, mas trabalhava 12h ou 14h por dia, todos os dias. Tinha hipóteses de progressão anuais e um prémio anual por desempenho, por isso poderia ver facilmente o meu salário ser aumentado todos os anos, se lá tivesse continuado. Saí para o público e agora ganho menos 200€ limpos por mês e não tenho qualquer hipótese de progressão porque estão todas congeladas. Mas sou muito mais feliz porque tenho aquilo que me faltava quando trabalhava no privado: tempo livre para mim e para a minha família, um horário mais ou menos fixo, um contrato sem termo, estabilidade. E acho que toda a gente devia ter essas características no seu emprego, sem que tê-las fosse considerado "estar a mamar". Tenho imensos amigos que estão no privado e ganham bem mais que eu, mas trabalham que nem escravos.

      Eliminar
    15. " Mas sou muito mais feliz porque tenho aquilo que me faltava quando trabalhava no privado: tempo livre para mim e para a minha família, um horário mais ou menos fixo, um contrato sem termo, estabilidade" ... Como tal, acaba por dar razão aos comentários acima. Regalias, se assim não fosse não ia a correr para a F.Pública.
      É como lhe digo... Empregos é na função pública, trabalho é no privado. Por isso não se chorem tanto...

      Eliminar
    16. E por ter tempo livre para mim e para a minha família, um horário mais ou menos fixo, um contrato sem termo e estabilidade significa automaticamente que não trabalho? Trabalho bastante na mesma e se calhar até sou mais produtiva porque sei que se terminar tudo às 18h, posso ir-me embora, enquanto que no privado sabia que nunca saía antes das 21h, por isso até podia ser menos produtiva no tempo em que lá estava porque não tinha qualquer vantagem em fazer as coisas rápidas e bem.

      E, para mim, esse tipo de coisas não são "regalias", isso seria se tivesse um carro da empresa, um cartão de crédito, seguro de saúde, subsídio de creche para os filhos, etc... que são coisas que tanto acontecem no público para quadros superiores, como no privado. Isso que enumerei acima, ao invés de regalias, devia ser o básico de qualquer trabalhador em termos de qualidade de vida e balanceamento vida/trabalho. Coisas que valem mais que o dinheiro, porque se só me baseasse nisso, tinha ficado no privado. E essas coisas acho que devem ser comuns a qualquer trabalhador, em qualquer sector e irei sempre defendê-las, ao contrário de você que parece querer nivelar todos por baixo e tornar toda a gente miserável no trabalho. Em vez de estar a "dizer mal dos outros", mude-se e lute para que as suas condições melhorem. Eu não gostava da vida que levava quando estava no privado e fiz por mudar de vida para um emprego que em termos salariais e de progressão na carreira era pior, mas que me dava as condições que eu ambicionava. Candidatei-me num concurso público, passei por 4 fases de selecção ao longo de 6 meses e entrei e agora tenho o trabalho que queria e gosto. Faça o mesmo em vez de querer que fiquem todos mal como você demonstra estar.

      Eliminar
    17. Concordo totalmente com o anónimo das 09:05..

      Eliminar
    18. Anónimo das 18.18 não faço greves, chego a ir trabalhar sem me poder mexer, Quanto à estabilidade laboral, isso já era. Já ouviu falar em horários zero? E quanto a regalias, também depende. A senhora desconta 11% para a CGA eu desconto 11% + 2,5%, e prestes a ser aumentada mais 1%. Penso que as dita regalias se vão embora com os 2,5% adicionais,não lhe parece?
      Enfim, todos nos queixamos por uma ou outra razão. Só não me parece justo que ponham todos os funcionários públicos no mesmo barco. Como já foi dito, existe bom e mau no público e no privado. Também já trabalhei no privado e sei muito bem como é que funciona. Tudo, mais uma vez, depende dos patrões que se tem.
      Recebi de reembolso 794 euros, mas sabe quanto é que gastei só comigo em saúde? 2000 e muito euros. Se somar a isto dois filhos e um marido desempregado há 8 anos pode ver a belíssima vida que tenho. Mas estou viva e isso é que interessa

      Eliminar
    19. Anónima das 18:21, tenho que discordar de si quando vem novamente com a conversa de que desconta 11% + 2,5%.
      Vamos por partes:
      - os 11% que desconta para a CGA são os mesmos 11% que os outros trabalhadores descontam para a SS (Segurança Social)
      - os 2,5% que desconta para a ADSE são, como o próprio nome indica, Assistência na Doença dos Servidores do Estado. É uma espécie de seguro de saúde para o qual desconta e que lhe permite fazer exames médicos, ter consultas, ser internada, ser operada, etc, em clínicas privadas e hospitais privados, pagando apenas uma pequena fracção do valor que qualquer outro utente pagaria. O mesmo se aplica na comparticipação de óculos, etc. Paga, independentemente de usufruir ou não (é verdade), mas quando precisa de ser assistida no privado paga uma quantia irrisória face a qualquer outro contribuinte da Segurança Social, que tem que pagar a totalidade
      - quanto ao aumento de 1% nos descontos para a ADSE, não se preocupe, pois não vai aumentar, vai manter-se nos 2,5%.

      Relativamente aos horários zero, significa que um professor não tem turma atribuída, por isso não dá aulas. Sendo que o trabalho "normal" de um professor é dar aulas, o expectável é que um professor dê aulas e não esteja numa escola sem nada para fazer. Já viu alguém no privado ser pago para não trabalhar? Não! Qualquer pessoa que esteja numa empresa, mas que não haja trabalho para ela, é despedida. As empresas não se podem dar ao luxo de pagar ordenados de funcionários para os quais não têm trabalho. Por isso, com a crise as empresas têm visto as suas vendas a diminuir, produzem menos e acabam por despedir as pessoas que estão a mais. O Estado é o único sítio onde se paga ordenados e se mantêm funcionários, mesmo que não tenham trabalho para eles.

      Ainda em relação aos horários zero, são milhares os professores que estão nessa situação. Alguns estão nas escolas sem dar aulas mas em tarefas administrativas, mas há muitos que estão nos sindicatos. Há algum tempo deu uma reportagem acerca disto, e existem mais de 200 ou 300 sindicatos de professores! Já não me lembro do valor exacto, mas é uma enormidade. Aliás, é a classe trabalhadora que mais sindicatos tem neste país. Choca e choca ainda mais saber os milhões de euros de ordenados que são pagos a estes professores para estarem nos sindicatos e não darem uma única hora de aula.
      Como em todas as profissões, há bons e maus funcionários, mas ensinar não querem eles! Estão nos quadros, mas preferem estar nos sindicatos. E os contribuintes pagam.
      Para os bons professores, aplicados e dedicados, vai todo o meu louvor, mas para os sindicalistas oportunistas o meu repúdio.

      Não sei se foi a senhora que disse receber 1.700€ líquidos, que serão mais de 3.000€ brutos. Esse é um bom vencimento. Acho que ninguém tem dúvidas disso. Claro que depois cada um tem a sua vida familiar e o desemprego é algo que afecta muitas famílias. Compreendo que um ordenado bom como esse já não pareça tão bom quando é o único para uma família de 4 pessoas. Infelizmente muita gente está a passar pelo mesmo, alguns com ordenados muito inferiores. Não é fácil.

      Eliminar
  35. A conversa de todos é mais ou menos "pagas é porque ganhas te mto", mas quem tem ordenados altos tá a descontar cada vez mais, bom são mesmo os que ganham pouco, não se preocupam se vão pagar ou não...
    Nunca paguei IRS e este ano também vou ter que pagar, ou seja este ano o dinheiro das ferias é para dar aos f$#lh# da $#ta. tudo porque a empresa onde trabalhava faliu e recebi indemnização e ao somar com o valor do meu ordenado deu bomba, o que acho mal, porque todas as pessoas dizem que valores de indemnização não sofre desconto, só se for para os outros porque EU tive a sorte de descontar...
    E não vale a pena dizer que não acho justo... a resposta é, tem que pagar...
    É a vida do português... pagar, pagar e pagar pela m#$da que os políticos fazem ...

    ResponderEliminar
  36. Pipoca, não te devias queixar pois se tens de pagar é porque tu e o Ricardo recebem generosamente ao fim do mês! Eu preferia pagar, era bom sinal :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que não percebo a relação entre uma coisa e a outra. Acredito que ganhe acima da média dos portugueses, mas porque é que tenho de ficar feliz por ser obrigada a dar dinheiro ao Estado? Um Estado que pouco ou nada faz por mim! Se houver por aí alguém que goste de pagar impostos avise, que eu não conheço uma alma!

      Eliminar
    2. Concordo com a pipoca. Acho estúpido pagarmos balúrdios ao estado, quando nos faz falta a nós. Antes comprar eu uns Louboutin do que pagar a quem não faz nada! É futilidade? É. Mas prefiro ser fútil que dar a quem tem mais e faz menos que eu!

      Eliminar
    3. Eu gosto de pagar impostos :) Porque nao os pago em Pt. O que pago ronda os 40% mas tenho saude a um preco justo, educacão (se fosse o caso) para filhos verdadeiramente gratis (nem livros pagaria), sei que terei roforma, vivo num pais em que s politicos ouvem a populacão e não andam rodeados de acessores dos acessores dos secretarios.

      Eliminar
    4. Aqui em portugal só há mesmo Assessores. Acessores ainda não chegaram cá.

      Eliminar
    5. Um estado que pouca ou nada faz por si, pipoca?? A sério? Creio que a senhora tem um curso superior. Sabe quanto teria de pagar se o estado não pagasse a maior parte do curso? (Estou a partir do princípio de que tirou o curso no ensino público...) Eu sei que, alunos da minha área custam ao estado, por ano, 10000€ (sim, dez mil!) e eu só pago uns 'míseros' mil euros por ano. Em Portugal, temos luxos que muitos países mais avançados não têm. Porque será que Inglaterra anda a recrutar enfermeiros e outros profissionais de Portugal? Sai-lhes mais barato! Portugal paga a formação e eles aproveitam o investimento.
      Mais! Temos um sistema de saúde que é um dos melhores da Europa e que nos garante acesso a cuidados a um preço muito menor do que o real. É verdade que há muita coisa que devia ser mudada mas acho um exagero dizer que o 'Estado não faz nada por nós'.

      Eliminar
    6. Pipoca, fico sem perceber se fizeste este post inocentemente, ou se o intuito era causar aqui um reboliço. A toda a gente custa pagar impostos! A não ser a quem fuja aos impostos ou não os pague (por baixos rendimentos ou desemprego, mas mesmo assim pagam IVA no supermercado, etc). Mas há quem pague e não se queixe, porque é um dever de cidadania e significa que se pagamos muito, também recebemos muito. E isso permite gastar muito ou poupar. No blogue mostras parte do teu estilo de vida, tens uma colecção de carteiras e sapatos caros (pagos com o teu trabalho, atenção!), mas sinceramente não fica bem que te queixes aqui. Uma coisa é desabafares com os teus amigos e família, outra é queixares-te aqui dos impostos que pagas, no mesmo sítio onde mostras roupas, sapatos, viagens e afins. Tens uma vida privilegiada e é absurdo queixares-te publicamente desta forma. O Estado não rouba, cobra os impostos devidos para determinado nível de rendimento. Podes sempre mudar-te para os EUA, onde os impostos são muito mais baixos. Mas depois, por exemplo, para teres o Mateus não podias ter tido num hospital público, terias que pagar pelo nascimento do teu filho.

      Eliminar
  37. Ainda bem que tem uns Louboutin para penhorar...eu nem isso. hahaha!

    ResponderEliminar
  38. Se pagam muito, é porque recebem bem!!!! Eu sempre fui reembolsada, nunca tive que pagar nada às finanças. É sinal que recebo pouco para as despesas que tenho. É simples e lógico. Não existe uma cabala contra os trabalhadores independentes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existe um bocadinho! (E não, não sou trabalhadora independente... Ok, mas já fui e é coisa para cortar os pulsos quando somos confrontados com o dinheiro que nos vêm buscar!)

      Eliminar
  39. Pois é... Falando bem e depressa pagar IRS é uma merda... Com tanta coisa gira para fazer com esse dinheiro e que podia agitar e animar realmente a economia (pelo menos a nossa economia domestica!!)... Suspiro...

    ResponderEliminar
  40. Não é preciso ganhar muito. Eu ia tendo uma apoplexia. Também dupliquei a conta do ano passado! retenções a 30% todo o ano e com uma taxa de 48% mais a sobre taxa, mais a solidariedade...E com 3 filhos...chego à conclusão que que até 15 de junho trabalhei para o IRS. Depois até ao fim de Junho para o IMI, Julho e metade de Agosto fica para o IVA (23% de tudo o que compro e consumo) O resto Agosto para os Esgotos, imposto do selo e circulação ...e pronto de Setembro em diante é para pagar a escola dos 3 e o seguro de saude que do público não recebo NADA! se ainda pagasse e visse que os que mais precisam estavama receber o que precisam do Estado, mas não...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem ,com este comentário até fiquei maldisposta. E não é que é verdade, nunca tinha feito estas contas. Vou só ali atirar - me da ponte.
      Marta

      Eliminar
  41. Acho "piada" ao pessoal que vem para aqui dizer "se paga é porque recebe muito bem", mas esquecem-se de que para receber bem, é necessário trabalhar MUITO e BEM. Não estou a dizer que as pessoas que recebem pouco não trabalham muito, mas há que ter a noção que é revoltante trabalhar tanto para depois descontar tanto. Dá vontade de dizer "deixe lá, baixe-me o ordenado" porque na prática recebo ainda menos do que se estivesse num escalão a baixo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é bem verdade!! já cheguei a ser aumentada (naqueles tempos remotos em que ainda existiam aumentos, lembram-se?) e chegava ao fim do mês e nem os via porque subia o escalão do IRS e o meu "aumento" ia direitinho para impostos!!!

      Eliminar
  42. Bem vinda ao meu mundo ( sou contabilista). Este ano o rol de más noticias tem sido enormes. Até a mim própria dei uma má noticia só por causa da /&%# da minha casa que arrendei. Estou farta também

    ResponderEliminar
  43. Pois, a verdade é que TODOS estamos a pagar um balúrdio de impostos. É claro que entre todos, uns estão melhores que outros e sabemos bem que, infelizmente, há cada vez mais gente a passar por muitas dificuldades... mas não vamos crucificar as pessoas que tendo um bom rendimento se queixam de pagar muito... Ninguém gosta de pagar impostos!! Eu também me queixo do meu triste salário mas sei bem que quem não tem nenhum ainda está pior que eu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois que é uma grande verdade! Eu não tenho ordenado, estou a viver das poupanças e, em última instância, terei a ajuda dos meus pais. É triste estudar, trabalhar e, uns anos mais tarde, estar nesta situação. É o país que temos, em que muito incentivam a emigração e a criação de empresas - empresas essas que abrem falência todos os dias.

      Eliminar
    2. É verdade! Toda a gente quer ser patrão, pegar em 5 mil euros e abrir uma empresa, é tudo rápido e fácil! Depois o difícil é mantê-las, mas ninguém se preocupa com isso! É empurrar com a barriguinha!!

      Eliminar
  44. Vi este post no telemovel e não conseguia ver os comentários, mas já suspeitava! A sério, eu juro que não percebo o que é que as pessoas lêem entre linhas que eu não consigo ler. É apenas mais uma pessoa a queixar-se do IRS, qual é o problema mesmo? Ahh, é a pipoca então vamos lá atirar pedras e invejar mais um bocadinho aquilo que ela ganha com o seu trabalho. Grrr

    Pois é pipoca, lá em casa os meus pais queixam-se do mesmo e já deixamos de comentar com as pessoas porque a resposta é logo "mas tu ganhas"! Não vale a pena...

    ResponderEliminar
  45. Estamos afogados em impostos, isso é que é uma verdade!
    Eu sempre tive direito a reembolso (e digo reembolso, porque é o MEU dinheiro que eles já tinham!!), mas este ano vou ser reembolsada em menos de metade do que é habitual....e também não se entende!
    Separei-me ano passado (e não, não foi para pagar menos impostos!!), paguei impostos e tretas, tenho as despesas todinhas a meu cargo e mesmo assim levo por tabela!!!
    De nada adianta trabalhar e ser honesta, saber o que sei hoje e tinha ficado em casa da mãmã mais uns anos valentes, que isto de ser "crescido" afinal não tem assim tanta piada!

    Obviamente preferia receber, seria sinal que ganhava bem mais!!

    Cláudia

    ResponderEliminar
  46. esta gente até me dá nervos...
    será que n sabem compreender o lado das outras pessoas?
    eu sou casada, estou gravida, ganho pouco mais que o ordenado minimo, o meu marido dps dos descontos todos tras 800 euros para casa! querem saber da melhor? nem subsidio pré natal tenho direito!
    acho uma tremenda injustiça pq quem contribui, quem faz descontos, quem tem tudo em dia, não tem direito a NADA!!! só tem direito a pagar pagar e pagar cada vez mais!
    percebo o lado da Ana e não é por ela receber bem que vou tar aqui a dzr ah... recebes bem então paga! muito pelo contrario acho um absurdo a carrada de impostos que nos fazem pagar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois isso também é estúpido.. A minha irmã não teve direito ao pré-natal porque o meu cunhado recebe 610€ e o limite para ter acesso a esse rendimento eram 600€.. E ainda querem que a taxa de natalidade aumente?? Só se for noutro lugar qualquer.

      Eliminar
    2. Infelizmente é o país que temos!! Pagar pagar pagar... e se precisarmos de alguma coisa, pagá-la outra vez!!

      Eliminar
    3. * traZ 800€

      Nem sabia que existia esse subsídio pré-natal. Mas não diga que não tem direito a nada. Quando for mãe, terá direito ao subsídio de maternidade (creio que é esta a designação). Durante 5 meses receberá 100% (sem quaisquer impostos) e o sexto mês (se quiser ficar em casa) 80%. Não é muito, mas é alguma coisa. Há países, como os EUA, em que não existem nada dos apoios que cá temos, nem saúde, etc.

      Eliminar
    4. São 5 meses a 83% e 4 meses a 100%.

      Eliminar
    5. Anónimo das 21:06 uma mãe tem direito a 4 meses a 100% do ordenado ou 5 meses a 80%, não é exactamente como descreve. Só fiz este comentário para esclarecer.

      Vera

      Eliminar
    6. Isto se forem trabalhadoras por conta de outrem...aconselho-as a ver o que o CPAS, que pago todos os meses o mesmo valor independentemente daquilo que recebo, me oferecerá quando tiver um filho...

      Eliminar
    7. Sim, cara anónima das 11:04, é melhor nem falarmos dos não benefícios das advogadas no que respeita à maternidade. Todo um texto literário haveria por escrever :) Ha malta que nem imagina que, pessoas que trabalham como os outros (ou seja, basicamente, por conta de outrem) e descontam bastante, não têm nem licença de maternidade nem subsídio durante os meses que eventualmente não trabalhem. Pode ser que a nova bastonários tente mudar alguma coisa...

      Eliminar
  47. Das duas uma: ou tens o IRS mal feito ou não tens depesas a declarar!

    ResponderEliminar
  48. ai Pipoca! adoro quando, com um simples texto, consegues pôr o estaminé a abanar com uns quantos 'pequenos póneis' ofendidos :D gabo-te a paciência para a quantidade de comentários invejosos que tens que levar e a (também) paciência com que consegues responder-lhes :D

    ResponderEliminar
  49. Dar dinheiro ao Estado é o que eu chamo fundo perdido. É frustrante pagar para uma coisa da qual se tem retorno zero. Contudo, mal por mal, preferia pagar IRS do receber como é o meu caso. Seria um óptimo indicador.

    ResponderEliminar
  50. É certo que quem mais ganha, mais desconta, mas o pior é que para o Estado somos RICOS a partir de um nível muito baixo. Queria ve-los a viver esse valor.
    Eu ganho 550, 00 €. O meu marido ganha um salário base e comissões, o que faz com que tenha meses que ganha 1100, 00 € outros 1.600€. O que na melhor das hipoteses dá-nos uma media de 2000 euros por mês. Temos 2 filhos, que andam na escola, temos casa para pagar.
    Eu nao faço retenção de IRS com a fartura do meu salário... mas o meu marido faz. Há uns anos recebiamos quase a totalidade do que descontava, agora se receber metade é um luxo. No final, feitas as contas roubam-nos (ai perdam retiram-nos) uns dois mil euros por ano, mas pronto até devo estar feliz porque se me roubam esse valor é porque os 2000 euros mensais para 4 pessoas é muito dinheiro e não querem que eu fique rica e o dinheiro me suba à cabeça!!!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha mãe com 900 sustentou-me, pagou-me os estudos, a casa e a todas as despesas de saúde.Sempre me disse: Estuda, quando acabares arranja um emprego. Enquanto estudares não quero que trabalhes.
      O meu pai desde os 58 que não arranjou emprego por ser "demasiado velho". E cá estamos, Viva. Se ela conseguiu, também consegue.

      Eliminar
    2. A senhora acima não disse que não conseguia. Disse apenas que o estado nos considera "ricos" a partir de um patamar muito baixo..... o que concordo. Não me digam que com 2000€ por mês num agregado de 4 pessoas se vive à grande e à francesa....

      Eliminar
    3. Anónimo das 18:23, brilhante testemunho este! Maravilhosa a sua mãe.

      Anónima das 16:07, o Estado não a rouba. O Estado cobra-lhe o imposto que não pagou. Se é casada, o seu rendimento é englobado com o do seu marido e é atribuída uma taxa para esse rendimento anual (dos 2). Como o que pagam ao longo do ano é só referente a um ordenado, no fim têm que fazer o ajuste e pagar sobre o restante ordenado que não foi tributado e sobre o qual não pagou.
      Todo o rendimento tem que pagar imposto. Por isso, nem o Estado nem as Finanças a roubam. Só fazem com que haja igualdade de direitos e deveres. Se num casal com igual rendimento mensal de 1.000€ ela + 1.000€ ele, ambos têm que pagar imposto, num casal em que um ganha 500€ e outro 1.500€ ambos também têm que pagar. Porque, como é óbvio, ambos os casais levam o mesmo rendimento para casa, por isso os dois casais, para o mesmo rendimento global, deverão pagar os mesmos impostos. É a chamada igualdade.

      Eliminar
    4. Claro que com 2000 euros para 4 não se vive à tripa forra, mas garanto-lhe que há pessoas que se viram do avesso com muito menos para sustentar a família. Quando acabei os estudos demorei 1 ano a arranjar emprego, e com um salário de 580euros só consigo pensar: como é que há pessoas que sustentam uma casa, filhos, escolas e alimentação com estes valores. Entendo perfeitamente o lado da senhora 16:07, mas como tive o exemplo em casa de uma mãe que se virou do avesso com bem menos e conseguiu, acaba por se ficar um bocado céptica.

      Eliminar
    5. Eu não disse que 2000 euros/mês não me chegam. Só disse e reptio que acho injusto os escalões de IRS. Se com 2000 euros por mês para 4 pessoas sou rica... vou ali e já venho. E não me venham com - ah e tal há quem viva com menos.
      A minha irmã tb é casada e tem 2 filhos como eu. Ela receb o salário minimo e o marido cerca de 600 euros. E vivem, como eu. Aliás, MELHOR que eu. Sim, melhor. Já fizemos juntas as contas e no final do ano, ela tem efectivamente mais dinheiro que eu! Como? Eu pago escola dos meus filhos, ela tem escalão A para os dela - livros quase grátis, almoços gratis, transporte.
      Ela paga menos de empréstimo bancário da casa de habitação - temos ambas crédito bonificado, só que eu como já sou rica, não atinjo o escalão de bonificação dos juros, por isso pago mais que ela.
      Eu estou doente, vou ao hospital e pago (no minino) 20 euros, ela não paga nada. A minha filha tb é isenta, mas o meu filho fez 13 anos, por isso deixou de ser! No outro dia magoou-se e a conta do hospital foram 60 euros!
      Os meus filhos não recebem abono. Os dela recebem (é uma miséria, é certo, mas é dinheiro)
      No fim do ano, claro que os meus rendimentos são tributados e pago IRS, afinal recebi mais durante o ano (o Estado só não quer saber se paguei mais tb). Acham mesmo que 500 ou 600 euros a mais por mês, sem direitos a bonificações, subsidios, abonos, corresponde a um rendimento anual maior???? Façam as contas.
      Não estou a dizer que pessoas como a minha irmã ou outras em pior situação) devam pagar, só acho injusto esta politica do nivelar as pessoas por baixo e achar que receber um pouco mais que o "normal" nos torna ricos!

      Eliminar
    6. Os meus pais sustentaram 3 filhos com 800 euros do salário do meu pai e uma reforma de invalidez da minha mãe (desde os 35 anos) de 200 e poucos euros, que mal chegava para a medicação dela.
      Se sobrevivemos? Claro que sim. Se vivemos bem? Se viver mal é passar fome, então vivemos bem, mas não se pode dizer que se vivia bem...
      Foram anos de sacrificio e dor de cabeça para os meus pais para nos conseguiram dar o minimo indispensável e nos terem a estudar.
      As pessoas parece que têm de comer e calar sempre. Se eu tenho dor de cabeça, não me posso queixar porque há quem tenha cancro... ora bolas!
      É como quando alguém se queixa do patrão ou do emprego, tem de bater na boca, que pecado, porque tem é de dar graças por ter emprego.
      É por estas e por outras que os patrões (no geral, felizmente ainda há excepções) continuam a explorar os trabalhadores, a pagarem pouco e tarde e ainda se mostrarem senhores dos empregados.... é a mentalidade que vamos vendo...
      Enquanto isso não mudar, nada mudará!

      Eliminar
    7. Anónimo das 21:19 - o Estado rouba-me sim, a mim e ao casal do seu exemplo, porque levamos 2000 euros para casa e temos 2 filhos para sustentar.
      Não vivemos mal, não passamos fome (que parece-se que é esse o factor determinante de probreza), mas não me posso considerar rica, porque nao ter de pedir para comer!
      Não me venha com igualdade! É claro que me descontam o mesmo que aos outros que ganham o memso que eu, também era só o que faltava!
      Mas o problema é mesmo esse - os escalões estarem desajustados da realidade!

      Parece que agora o "bonito" é ganhar 485 euros e conseguir sobreviver. Ter esperanças, sonhos e querer mais e melhor para os nossos filhos é errado, porque se alguém conseguiu, tu também tens de conseguir e sem reclamar!!!!

      Eliminar
  51. Não leves a mal o que vou dizer mas ja o meu professor de Dt fiscal dizia: embora ninguém goste de pagar, normalmente só paga quem tem mais rendimentos (e claro que se tu te esfalfas é natural que tenhas rendimentos, ora essa!)...Obvio que sabe sempre bem receber...mas, pelo menos no que me toca, o receber deste ano tem a ver com farmacia e mais farmacia e medicos e tratamentos...recebo porque gastei e muito :( mais valia não receber.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas o dito prof de Direito Fiscal tb dizia q quem revebe mt mas declara para ai o salário mínimo sem depesas, paga! Como é óbvio!
      O meu conselho p a Pipoca e p todos é: façam descontos (sim, tb estou a falar p os trabalhadores independentes e do sector privado, e q não sejam só uns miseros 500euritos qd se ganham mt mt mais mensalmente). Os trabalhadores do público estão a ser descontados em METADE do seu ordenado e claro, está não pagam e ainda recebem (nalguns casos bastante) pq c o q já são descontados e face às despesas q apresentam, têm de recber do estado.

      Eliminar
  52. Vi este post e calculei que desse "molho"... A sério que este tema e este discurso e esta mentalidade já cansam. Eu percebo que hoje há muita gente a passar dificuldades, mas bolas, porque é que têm de se comportar como se a culpa fosse de quem ganha mais? Eu que ganho mais, pago mais (até podia discutir também este princípio, mas não o vou fazer).. mas não me posso queixar dos impostos ou do nível de vida... Parece que só se pode queixar dos impostos e do custo de vida quem vive no limiar da miséria. Porquê?.. Pior: hoje alguém que diga que vai de férias, alguém, que compra uma marca tem de levar constantemente com os típicos comentários do género "pois, grandes vidas" ou "isto está mau mas é só para alguns". Poupem-me! Que culpa tenho eu disso? Desde quando estar bem na vida é motivo para ser criticado o odiado?

    Sofia Marques

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre ouvi dizer que "não fales de dinheiro com quem tem mais ou menos do que tu". Acho que não será difícil perceber que comentários como da Pipoca de hoje, podem ferir susceptibilidades. Todas as pessoas têm direito à sua indignação e aqueles que têm menos, têm direito a indignarem-se mais. Lamento.

      Eliminar
    2. Mas todo o rendimento é tributado. A não ser no Dubai e afins, em que não pagam impostos. E como cá todos têm que pagar impostos sobre aquilo que recebem, quanto mais se recebe, mais se paga.

      Eliminar
    3. Agreed. Até porque muita da gente que está bem e que se aguenta normalmente durante esta crise, tem muitas vezes o seu mérito, porque soube gerir a sua vida, antecipar dificuldades e, tendo-as, dar-lhes a volta e arranjar uma solução.

      Eliminar
    4. Concordo. Detesto esta mentalidade de que quem tem dinheiro é um "privilegiado", um "sortudo" que não merece a sorte que tem e quem não tem dinheiro é um coitadinho, um esforçado que tudo faz para melhorar e que, infelizmente, a sorte não lhe bate à porta.

      Façam-se à vida! Os meus pais sempre foram classe média, reformaram-se em plena crise, tiveram cortes nas pensões e a vida deles não se alterou minimamente. Porque nunca viveram acima das suas possibilidades! Eu terminei o meu curso em plena crise, arranjei logo emprego em Portugal a ganhar mais de mil euros limpos (no privado), entretanto mudei de emprego no ano passado e arranjei "logo" (depois de um processo de recrutamento longo, nos entretantos fiz 3 estágios) outro emprego no público, na minha área também, a ganhar menos que o anterior mas na mesma mais de mil euros limpos por mês. E digo com orgulho: a crise não me afectou. Porque sempre fiz por isso, porque sempre procurei oportunidades (ainda que isso tenha implicado viver em 5 cidades diferentes nos últimos 4 anos), porque sei que sou boa naquilo que faço, recuso-me a resignar-me e a viver em desculpas.

      Eliminar
    5. Concordo com a Sofia Marques. Eu fui muito afectada pela crise, estou numa situação critica e nem gosto já de fazer contas. Mas ainda bem que há gente melhor que eu e que há pessoas que podem gastar, e gastar bem em Portugal! São essas pessoas que dão directa ou indirectamente emprego a muita gente! Eu vivo num sítio isolado, que vive do turismo no verão e em que praticamente só temos trabalho 3 a 4 meses por ano. Por isso AINDA BEM que há portugueses com possibilidades para fazer coisas que a maioria não pode!! São esses portugueses (entre muitos estrangeiros, obviamente) que me dão emprego todos os anos e que sustentam a minha família. E mesmo que não fosse por estas razões.. Lá por eu não poder ir para as lojas gastar €, vou criticar quem vai? Ou criticar este e aquele porque jantam fora e vão a festivais ou concertos? É isso que faz a economia avançar, mas infelizmente isso parece algo difícil de entender..

      Raquel P.

      Eliminar
  53. Se calhar muita gente ainda não percebeu que os escalões das taxas mudaram de 2012 para 2013...

    Se calhar muita gente ainda não percebeu que a dedução das despesas de saúde passou de 30% do total e sem limite, para 10% e com limite...

    Se calhar também ainda não perceberam que as deduções passaram a ter limites consoante o escalão do rendimento colectável...

    Assim de repente lembrei-me destes três factores.

    ResponderEliminar
  54. Pipoca, nem me fale em IRS, que fico logo alterada! Quando soube quanto ia ter de pagar ia caindo para o lado!... Vamos ver se também não tenho de penhorar nada... eheheh
    E aqui por estes lados, temos um rol extenso de teóricos! Há pessoas que esperam pelos seus posts para depois descarregar as frustrações do dia-a-dia, só pode...

    Um grande beijinho para si e parabéns pelo blog, cada vez gosto mais dele! :)

    ResponderEliminar
  55. Eu estou farta que me intutulem de rica, quando tenho a "sorte" (raio de palavra esta) de receber um pouco mais que o salario minimo.
    Recebemos cerca de 1000 euros cada um, temos dois filhos, o meu marido tem uma incapacidade de 60%.
    Descontamos IRS todos os meses e com (mais uma vez) "sorte" não temos de pagar no final do ano, mas reembolso... tá dificil!

    Ainda no outro dia uma senhora estava a discutir com outra que disse que ia "receber só 500 euros de IRS". A mulher alterou-se que era uma blasfémia e tal, que ela nunca recebeu nada. Vai-se a ver não fez um unico centimo de retenção de IRS... e queria receber?
    Ainda vejo pessoas que ainda não entenderam que ninguém recebe IRS, apenas são reembolsadas do que pagaram a mais!!!!!

    Os escalões de IRS que já não eram muito justos, desde que mudaram penalizam e muito a classe média baixa, que como ganha um pouco (mesmo pouco) mais leva com os impostos por tabela, sem puder deduzir as despesas de saúde todas que têm - é injusto! Se eu tenho 1000 euros de despesas de saude tenho de deduzir 1000 euros, ora essa!
    O crédito a habitação também já foi....
    Quer dizer, para o Estado é facil, olhar só para os rendimentos sem olhar às despesas...
    Eu não me queixava do ordenado se não tivesse despesas fixas, ora essa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você não vai pagar como é óbvio IRS, nem hj nem amanhã, se se manter nas mesmas condições!
      Já lhe é descontado pelo Estado.
      O problema das pessoas q pagam é q não descontam, sim e qd o fazem é uma quantia RIDICULA!

      Eliminar
    2. Basta ter menos despesas dedutíveis e pode ter de pagar sim!

      Eliminar
  56. Ana, queira desculpar-me, mas embora o post não me tenha feito qualquer confusão (pagar IRS é uma chatice, de facto), já o comentário em que diz que paga muito ao estado e que o estado pouco ou nada faz por si deixou-me surpreendida. Assim de repente, posso lembrá-la de que teve um bebé num hospital público, de que o seu marido teve direito a licença de maternidade, de que os seus filhos podem frequentar jardins e escolas públicas, que pode dirigir-se ao centro de saúde para ir a uma consulta, etc. Desconta muito? Pois, certamente. É uma chatice? Com certeza! Mas não nos esqueçamos daquilo a que temos direito apenas porque temos a sorte de termos outras opções: seguros de saúde, escolas privadas, etc.
    Clara Santos

    ResponderEliminar
  57. Vivo em Espanha e pago menos 13% de impostos do que se estivesse a viver em Portugal a ganhar o mesmo. no entanto, nao aceitam despesas de saude nem educaçao e o aluguer so conta se se ganhar até €24000 brutos. Ou seja, tambem nao é maravilhoso.
    Ha situaçoes injustas em Portugal (em 2012 ainda tive de declarar 6 meses de trabalho aí e tive de pagar quase €400!!!) mas concordo com o que uma anonima referia sobre a poupança e prioridades. Faço tudo a pe, bicicleta e metro em Madrid, levo comida de casa e para visitar Portugal tento blablacar ou boleias... Viver nao significa ter. Por isso nao percebo como e que nao usamos a crise para aprender! So vejo as pessoas a queixarem-se mas nao as vi a votar. Nao as vejo a arranjar outro trabalho nem a criar movimentos de mudança (so vejo manifs parvas).
    Espero que em vez de ver tantas pessoas invejosas a falar sobre a declaracao da Ana, assistir à criaçao de blogues e empresas interessantes para tambem ganhar bem. É o famoso "estás mal, muda-te" e nao "queixa-te".
    E acho lindo (not!) que enganar o Estado seja motivo de orgulhoso. E depois queixamo-nos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apoiado! Não só se queixam, como ainda querem deitar abaixo quem está bem e quem se mexe para que a crise não os afecte. É a mentalidade portuguesa no seu melhor e a crise só o veio agudizar, em vez de melhorar: podem ainda mais vitimizar-se e apontarem culpas a factores externos, em vez de serem bons para si próprios e tomarem as rédeas das suas vidas.

      Eliminar
    2. Há uma coisa chamada moralidade social. Se ouvissem o Cristiano Ronaldo falar de impostos certamente lhe cairia o mundo em cima! Porquê? Porque seria uma afronta para o comum dos mortais que se mata a trabalhar para ganhar durante uma vida inteira o que ele ganha num mês ( e mesmo assim...). É só disto que se trata, e quanto a mim, o que me indignou neste texto da Pipoca, não foi o queixume quanto aos impostos que vai pagar, porque acho que mesmo os que ganham bem têm direito a indignar-se quanto à brutalidade de impostos que pagamos, mas sim o facto de este ser o segundo blog mais lido de Portugal inteiro e me parecer que já deveria haver alguma sensibilidade por alguns temas que ferem susceptibilidades. De facto, ouvir uma pessoa que calça sapatos de 500€ e usa malas de 1000€, "queixar-se" na praça pública, especialmente quando esta "praça" já é lida por milhares de pessoas, simplesmente me parece desadequado e, porque não dizê-lo, quase ofensivo. Claro que a Pipoca estará no direito de dizer que é a sua liberdade de se exprimir, e é concerteza, mas eu como sua leitora também tenho a liberdade de me sentir indignada com algumas das suas opiniões e sobre a forma como as demonstra aqui no seu blog.

      Eliminar
  58. Talvez seja uma pergunta fora de contexto, mas por acaso abri este blog pois foi o 1º link que apareceu no google com a pergunta, que é a seguinte?
    Porque que recebemos IRS? quando temos de pagar não ha muitas questoes, é normal. Mas porque receber, quando o cidadão nao apresentou facturas de escolas ou gastos de saude? No caso em questão trata-se de alguem que recebeu pouco mais que 5000 num ano, descontou uns 500, e vai receber 370. Porque??

    ResponderEliminar
  59. Para alguém que desconta 18% de 1528.62 euros = ( são menos 282.79 euros , menos a cga 11% 168,15 euros , menos assistência na doença 3,5 % 53,50 euros , menos retenção na fonte sobre taxa de i.r.s 16,69 euros ) mais o subsidio de natal repartido por 12 meses com uns cortes brutais .. Acho que não é necessário poupar mais ! De facto nós somos campeões da poupança ! É isto que é ser cidadão europeu ? Ser economicamente poupança ! Muitos piraram-se para ouros países e agora querem que nós paguemos a falta desses impostos mais aqueles que andaram a desgovernar e a roubar. Se eu pudesse escolher entre ser português e ser europeu preferia ficar só .... antes só que mal acompanhado !

    ResponderEliminar
  60. Vou começar a passar recibos verdes, quanto é que depois tenho que pagar todos os meses à segurança social e ás finanças?

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis