Pub SAPO pushdown

Rui Pedro

terça-feira, janeiro 28, 2014
O Rui Pedro, o menino desaparecido de Lousada em 1998, faz hoje 27 anos. A dor desta mãe, Filomena, que nunca, mas mesmo nunca baixou os braços, é algo que sempre me comoveu. Uma mulher lindíssima, com a dor da tragédia marcada no rosto, mas que se recusa a desistir.  Este vídeo é mais uma tentativa, mais um apelo para que o caso do Rui Pedro não seja esquecido, para que quem possa saber alguma coisa o diga. Por outro lado, é também um alerta para todas as crianças raptadas para o tráfico sexual, mais de três milhões no mundo inteiro, um número atroz. Percam um minuto a ver o vídeo, é comovente.

Mais informações aqui.



38 comentários:

  1. A forma como a mãe fala diz tudo. As pausas são assustadoras. Não consigo imaginar aquela dor.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Fico sempre muito sensibilizada com este tema, das crianças desaparecidas, obrigada pipoca por divulgares, porque sem dúvida que temos de fazer algo, e a divulgação ajuda a despertar o interesse nas pessoas e quem sabe se esse menino aparece. Obrigada

    ResponderEliminar
  3. É mãe, mas acima de tudo o que é uma mãe, é um exemplo de amor e luta
    e eu não entendo como a justiça falhou tanto durante tanto tempo, quem sabe se, a trabalhar, não teriam chegado a tempo de evitar tanto sofrimento

    ResponderEliminar
  4. Esta história corta-me o coração...

    (* corrige para "tráfico")

    ResponderEliminar
  5. Ainda não sou mãe, mas sou tia e não consigo de todo imaginar tamanho sofrimento. Esta mulher é uma lutadora e ser mãe é isto mesmo!

    http://oneplustwoblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Incrível mesmo! Acho que é uma dor mais insuportável do que a própria morte!

    ResponderEliminar
  7. Fico muito sensiblibizada. Conheço a Filomena e também sei que toda aquela dor também é sentimento de culpa. Se o Rui Pedro tivesse tido mais acompanhamento (e não na companhia de pessoas 10 anos mais velhas que ele), se não estivesse sempre sozinho em casa e com muito dinheirinho no bolso como forma de compensação pela ausencia dos pais, talvez não tinha estado tão vulnerável ao prigo. O primo dele também iria nessa tarde, mas a mãe estava em casa e não deixou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só conheço o caso pela comunicação social, mas numa das reportagens que fizeram do caso, ao contarem a história também me deu a sensação de que era uma criança que tinha muita liberdade para os tenros 11 anos. Segundo consta, a mãe tinha conhecimento da "relação" com o principal suspeito e não aprovava a ligação que mantinham, mas ainda assim nada impediu a criança de sair de casa para ir ter com ele (um pouco estranho também). Ainda assim, e sejam quais foram as circunstâncias, é lamentável.

      RG

      Eliminar
    2. Ao ler estas afirmações só tenho uma palavra a dizer "Anónimo" és mesmo isso anónimo, ou seja covarde demais para perante estas afirmações não assumires quem és

      Eliminar
  8. É daquelas dores que não têm tamanho nem duração. São maiores do que aquilo que podemos imaginar e não têm fim.....

    Uma mãe destas não vive mais.... sobrevive....

    Sem Jeito Nenhum Blog

    ResponderEliminar
  9. Admiro mto esta mãe mas não mais que todas as outras que não tem tanta visibilidade mediática na procura dos seus filhos..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim, a Filomena não representa "só" a mãe do Rui Pedro, mas todas as outras mães de crianças desaparecidas...
      Rute

      Eliminar
    2. Sim representa e tem sido muito importante para não deixar este caso bem como outros no esquecimento.. mas é muito triste ver uma reportagem de tv como vi há dias em que fica evidente diferentes pesos e medidas nestes casos.. Deve ser muito frustrante para muitos pais querer falar e tornar visíveis os seus casos e não conseguirem..

      Eliminar
  10. O que mais me meteu confusão foi o suspeito pelo rapto do Rui Pedro, fingir que nada se passa. Por causa dele, o próprio filho foi muitas vezes posto de parte e nenhuma mãe deixava os filhos irem para casa dele brincar, já para não falar das bocas maldosas de que era vítima na escola.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou da zona e sempre conheci a D. Filomena e sou pouco mais velha que o Rui Pedro, que é da idade da minha irmã.
      Quando, na rua, passamos por aqueles pais, sentimo-nos pequeninos, como se tivessemos a obrigação de explicar, de ajudar, sei lá... é uma sensação...

      Agora, quis o destino que conhecesse o filho o principal suspeito. Criança brincalhona, engraçada e carente, embora não o demonstre. Não sei como é na escola, mas no grupo em que o encontro não o sinto discriminado e acho bem que assim seja, afinal ele acaba por ser, também, uma vitima... o que vai ser dele quando (se) o pai for preso?

      Sinto por ambas as famílias....

      Eliminar
  11. Meu Deus! Se eu tivesse poder suficiente, eu eliminava este tipo de gente que faz mal às crianças! A dor desta mãe e de tantas... aquela dor que vem das profundezas do ser e arrebenta com ele, qual explosão.

    ResponderEliminar
  12. Não sou mãe, mas um dia gostaria de ser e isto é tão assustador. É um sentimento de impotência enorme. Só de imaginar que algum dia posso ter um filho desaparecido, sem deixar qualquer rasto, faz-me sentir muito pequenina.

    http://apagueiofacebook.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Vi agora este vídeo no telejornal. Ao início tudo "bem", mas quando a Filomena começou a falar, as lágrimas começaram-me a cair cara abaixo...assim, sem esforço, a pensar."E se fosse com a minha filha?"

    Quando termina o vídeo, o meu marido olha para mim e pergunta porque é que estou a chorar! Mas não ficou à espera de resposta, olhou para a nossa boneca e acho que entendeu.

    Aqui no teu blog, não tive coragem se ver o video novamente. A Filomena tem de facto a dor espelhada no rosto. Já tive oportunidade de me cruzar com ela e é impressionante. Não sei como sobrevive. Espero que tenha forças suficientes para um dia poder ainda abraçar o Rui Pedro.

    ResponderEliminar
  14. Já comentei no Arrumadinho mas comento aqui também. Sempre foi uma história que mexeu muito comigo, talvez por ser apenas 4 anos mais velha que o Rui Pedro ou por ver o que esta história fez àquela mãe... É muito triste!

    www.prontaevestida.com

    ResponderEliminar
  15. Não percamos a esperança. Força Mãe.

    Cumprimentos,

    ResponderEliminar
  16. Que aperto no coração. A maior sorte do mundo para esta Mãe.

    ResponderEliminar
  17. Também hoje escrevi no meu blog sobre este vídeo que nos deixa de coração apertadinho. O número de facto é esmagador... 3 milhões.

    ResponderEliminar
  18. O rosto do desespero, sem dúvida. Espero que um dia esta mãe, todas as mães que viram os seus filhos desaparecer sem rasto, encontrem as respostas necessárias para fazer o luto em paz.

    estenaoeumbloguedemoda.wordpress.com

    ResponderEliminar
  19. Uma dor incalculável... Quando oiço o nome Rui Pedro, lembro-me sempre do menino de Lousada que um dia saiu para andar de bicicleta e nunca mais voltou. Uma mãe com muita garra.

    ResponderEliminar
  20. Parte-me o coração. Se o meu filho desaparece, morro. Prefiro morrer a viver com esta dor. Admiro a coragem desta mãe.
    NÃO DESISTA NUNCA!

    ResponderEliminar
  21. Incrivel a luta constante desta mãe, nem há palavras...

    ResponderEliminar
  22. Quantas mães não estão no lugar desta mãe mediática. Quantas mães sem dinheiro nunca viram o seu caso nas notícias. Quantas mães não viram as autoridades completamente desinteressadas do seu caso por não serem mediáticas.
    Tenho muita pena, também sou mãe, já chorei ao ouvir esta senhora falar e impressiona-me a dor vincada no seu rosto. No entanto impressiona-me muito mais como é que esta mãe achava normal um menino de 11 anos dar-se com um homem 10 anos mais velho!
    O que é que uma criança de 11 anos e um homem de 21 têm em comum para conversar? Nada, rigorosamente nada. Como é que esta mãe achava isto normal?!
    IM

    ResponderEliminar
  23. Este vídeo foi das coisas mais difíceis que já vi...ao vê-lo fiquei com um nó na garganta ao imaginar como deve ser enorme a dor daquela mãe. Após 16 anos sem quaisquer notícias do filho...não sabe se está morto, se está vivo, se está bem de saúde, se está por perto...devem ser tantas perguntas sem resposta.
    Mãe nenhuma devia passar pela dor que aquela mãe sente.
    Mas admiro muito a força e persistência de toda aquela família, em nunca deixarem "morrer" a esperança de encontrarem o Rui Pedro.
    Já fui algumas vezes a Lousada e das vezes que passei pelo talho da família dele, ainda continuam lá afixadas fotos dele e mensagens que me fazem sentir com o coração tão apertado ao imaginar a impotência daquela família.
    Espero que um dia se venha a saber o que realmente aconteceu.

    ResponderEliminar
  24. É avassalador....O tormento desta mãe está-lhe estampado no rosto e plantado no coração. O vídeo está...avassalador, um murro no estômago, uma tristeza enorme.

    http://oquetenhoparavender.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  25. Acho que não se consegue imaginar a dor desta mãe. Ninguém consegue imaginar a dor sequer. Acho mesmo que deve ser pior que a morte de um filho, porque a dúvida corroi por dentro. Contudo também acho que este é o caso mais mediatico, que continua a correr tinta enquanto tantos outros nem o nome sabemos e no entanto as "outras" mãe partilham essa dor e não têm ajudas, nem de divulgação como esta teve. Também acho lamentavel a dor desta mãe, principalmente no sentido que me dá a crer que negligenciou o crescimento de uma outra filha com a "obsessao" de encontrar outro filho!

    ResponderEliminar
  26. Também sou mãe e muitas vezes penso na mãe do Rui Pedro, a Filomena...
    A Filomena é o exemplo vivo da coragem, da força, da persistência, da fé, da esperança, da luta, da determinação, da saudade...
    Não consigo sequer imaginar o que será passar por esta provação da vida...

    Joana.

    ResponderEliminar
  27. Admiro a Filomena como mulher mas principalmente como mãe. Sou de Lousada e tive o prazer de conhecer a fantástica familia que tem o apoio da filha que acredito ser o seu principal apoio pilar ..mencionaram um facto de a família ter dinheiro e o caso ainda hoje ser tao falado acredito que ela trocaria tudo para para ter o seu filho junto a si. Filomena tem uma Associação de crianças desaparecidas onde ela conversa e convive com outras mães infelizmente na mesma situação. O que me deixa triste e as autoridades naquela altura nao terem feito mais ou melhor nao fizeram nada .a carina cresceu sem o irmão mas nunca lhe faltou o amor e carinho de mãe.

    ResponderEliminar
  28. O que mais impressiona nesta mulher é o olhar dela.Vazio,sem qualquer expressão,sem vida....não sou mãe mas elas,as mães que viram os seus filhos desaparecerem ser deixar rasto,devem ser doutro mundo.Onde será que vão buscar forças todos os dias,durante anos que devem parecer milénios,para se levantarem,para falarem,para lutarem sem desistir????Para elas vai toda a minha imensa admiração e esperança que um dia,saberão a verdade.

    ResponderEliminar
  29. Estas histórias são impressionantes. Uma varinha de condão para que todas estas crianças(ou adultos) aparecessem física e psicologicamente ilesas.

    Infelizmente, tudo isto é tão mau que a sociedade prefere fechar os olhos e não pensar no assunto mas o terror existe. Coisas macabras, pessoas psicopatas, terror bem pior do que possamos imaginar.

    Onde estão os anjos da guarda destas crianças?

    ResponderEliminar
  30. Anjos da guarda? às vezes basta mais atenção da parte dos cuidadores, e não facilitarem tanto a vida dos meninos.
    21 anos com 11 anos? Não combina mesmo! Isto não invalida a pena que eu tenho da mãe e do aperto no coração que sinto quando sei de mais um desaparecimento.
    E alguém duvida que foi o dinheiro que mediatizou este caso?
    "A Filomena tem uma associação e trocaria tudo para ter o filho de volta". Concordo em absoluto. Mas se tivesse tomado melhor conta do filho...
    Já começo a relativizar a pena que sinto, porque não entendo como é que uma criança de 11 anos passava tanto tempo entregue a si própria e até tinha "amizade" com alguém com idade para ser seu pai

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anjos da guarda sim! Se a mãe foi pouco cuidadosa ou não, não sei mas o preço é demasiado alto, não acha? Aposto que não haja dia em que a senhora não chore amarguradamente pela falta de cuidado. Anjos da guarda, sim. Sobretudo para a criança que nada disso teve culpa!

      Se tem dinheiro e é mais mediático por isso, culpe a sociedade. Se tivesse no lugar dela, gastaria todos os tostões e mais alguns. Ou preferiria que tivesse ficado num canto calada?

      Sois todos perfeitos e nunca cometeram erros? Espero que um dia nunca paguem preços tão elevados pelos vossos descuidos ou erros.

      Anónimo, este tipo de comentários enoja-me. Volte para a sua bolha.

      Eliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis