Pub SAPO pushdown

Não me sinto nada Segura.

terça-feira, julho 02, 2013
Hoje, na praia, o senhor do chapéu do lado dizia que a culpa disto tudo é de D. Afonso Henriques. "Começou um país a dar porrada na mãe e, a partir daí, foi sempre a aviar". É capaz de ter razão. De facto, um país que começa à chapada não pode ser um bom prenúncio (apesar de, no caso da D. Teresa, só se terem perdido as que caíram no chão). 870 anos depois da assinatura do Tratado de Zamora, que nos deu a independência de Espanha, uma pessoa começa a perguntar-se se não estaríamos melhor como parte integrante do país de nuestros hermanos. Sempre têm tapas e flamenco e estão sempre prontos para ir tomar umas copas.  O Governo está por um fio e eu vejo muita gente contente com isso. Como se o que está para vir fosse muito melhor. Como se qualquer outro Governo, de qualquer outro partido, viesse transformar isto no paraíso que nunca foi. Parece que agora é que vem aí o fim da crise, que agora é que se acaba o desemprego, que agora é que nos devolvem os subsídios perdidos, que agora é que somos todos aumentados, que agora é que a dívida se evapora. Porque também se vai descobrir que, afinal, o País está a nadar em dinheiro, dinheiro esse que estava a ser escondido algures pelos senhores mauzões do Governo, só para nos tramar. Animem-se, está tudo óptimo! Ahhhhh, agora sim, isto vai ser uma maravilha.  E eu só penso que se o Seguro for o senhor que se segue, mais vale arrumarmos já todos os tarecos e irmos andando. A minha sugestão é que o Governo se demita e que fiquemos assim, em águas de bacalhau. É Verão, o calor chegou, já se sabe que nestes próximos meses não se passa nada, por isso mais vale irmos todos a banhos e, lá para Setembro, voltamos a pensar no assunto.  Pode ser que, sem Governo, a coisa até corra bem. Pior, não estou a ver como.

75 comentários:

  1. O pior é isso mesmo... O In(Seguro) não é mais do mesmo!
    Pipoca vê a minha análise do incidente, e vê senão foi isso que se passou!
    http://nadinhadeimportante.blogspot.pt/2013/07/conversa-entre-portas-e-passos-sobre.html

    ResponderEliminar
  2. Bem dezido Pipoca!!!!!
    Isto é um circo, mas os palhaços continuamos a ser nós!!!!!!!!Eles estão lá pq alguém votou neles!!!!!
    Bjs pipoqueiros!

    ResponderEliminar
  3. A Democracia não é um procuração em branco. Devolva-se ao povo o direito de escolher e decidir. Creio que estes meses serviram sobretudo para ficarmos mais escalrecidos sobre a política, os políticos e a democracia. Não devemos ter medo de mudar quando a solução que temos não nos serve.
    http://raquelmarkblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Pior mesmo é que há quem continue a ter muito dinheiro e a ganhar com isto

    ResponderEliminar
  5. Nada Segura mesmo. Oxalá as coisas mudem...

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo Pipoca. As pessoas acham, numa ilusão quase tão idílica como a crença de que o paraíso existe, que caindo o governo tudo passa a correr bem. Milagrosamente a taxa de desemprego baixa, os credores libertam-nos da dívida porque somos um país giro, e os impostos entram em descida alucinante porque sim. O problema é que a realidade é muito diferente. E venha quem vier não vai conseguir mudar o facto de sermos um país endividado que precisa do dinheiro alheio para sobreviver. Infelizmente é o povo quem mais sofre, mas é esse mesmo povo, nós, que deveria insurgir-se e lutar pela legalização da responsabilidade de desvios de dinheiro, corrupção de todos os governantes e membros do governo durante o exercício das suas funções. Deveríamos ser nós a exigir uma prestação de contas. Mas não, continuamos a preferir acreditar que uma mudança de governo nos vai mudar a realidade. Isto tudo para dizer que rezo para que o Seguro não vá para lá. E que, tal cmo tu, acredito que a situação só tem tendência a piorar.
    www.letirose.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo! Vai piorar e bastante! Principalmente em áreas de peso como é o caso da Saúde no setor público (of course). Dizia-me um enfermeiro que, se quem manda passasse uma temporada num hospital público, de certeza que teríamos melhores condições.

      Também acho que enquanto estes senhores não começarem a ser responsabilizados e devidamente punidos pelas falcatruas que fazem, nada irá melhorar. Brincam e quando estão fartos saem com a maior impunidade e vão à sua vidinha como se nada fosse.

      Eliminar
  7. Totalmente de acordo!

    Por vezes, ainda tenho uma breve alucinação de como seria o país caso o Sócrates tivesse ganho: TGV, Magalhães, 3º ponte sobre o Tejo, novo aeroporto, enfim só maravilhas. E nestes momentos penso: raios parta o azar dos portugueses!
    Depois caio na realidade!

    É claro que preferia indubitavelmente este cenário, mas temos um problema grave de sustentabilidade da economia. Podemos fingir que não existe, podemos continuar a gastar e viver uma vida aparentemente perfeita.

    Qualquer que seja o governo, qualquer que seja o partido, este problema terá de ser resolvido. Vai ser duro, vais doer muito. Mas nunca ninguém disse que pagar dívidas era fácil.
    Tenho muita pena que não percebam que os 4 anos que medeiam as eleições têm como objetivo criar algum nível de estabilidade. E dada a situação atual, este objetivo assume contornos ainda mais relevantes.

    Os senhores da oposição deveriam perceber que a sua função é potenciar análises críticas e reflexões profundas sobre as decisões tomadas pelo governo. E espantem-se, apresentar alternativas e os resultados dessas alternativas. E não, simplesmente, desejar com muita força que o governo caia.

    E face às nossas alternativas atuais (o nosso grande plano B)parece que o infortúnio não nos quer largar. Aparentemente é mesmo o que dizes: é o destino.

    AAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é mesmo isso. O único papel da oposição é chegar, desesperadamente, ao Governo, com promessas ilusórias e surreais.

      Eliminar
    2. Alguém devia explicar às pessoazinhas da Assembleia da República que estar na oposição não significa que têm sempre e indubitavelmente de ser do contra. Pessoas, sabem que se partilham da mesma opinião o podem dizer, certo?

      Eliminar
    3. Pois, Anna, o problema é que não percebem mesmo. Nem sei para quê tantos debates e declarações, uma pessoa adivinha logo o que vão dizer!

      Eliminar
  8. se o seguro for para o governo mais vale mudar de país

    ResponderEliminar
  9. Não, a queda deste Governo não representa o fim da crise, nem garante que agora é que se acaba o desemprego, nem que agora é que nos devolvem os subsídios perdidos, nem que agora é que seremos todos aumentados, nem que agora é que a dívida se evapora. Nem se vai descobrir que, afinal, o País está a nadar em dinheiro. Não, não está tudo óptimo, nem vai ficar tão cedo.

    Mas pode ser que, com a mudança de Governo - que, hopefully, não incluirá o Seguro - se comecem a apertar outros "calos", aqueles que este Governo prometeu (embora ao de leve, e poucas vezes, para não lhe perguntarem como é que isso estava a correr), mas não cumpriu. Pode ser que (finalmente) se comecem a distribuir os sacrifícios e os cortes e os apertos do cinto. Pode ser que se cumpra a profecia do sr. banqueiro que dizia (num momento de extrema infelicidade) que os portugueses aguentam; ora, se todos (mas mesmos TODOS, e não só os do costume - tipo - funcionários públicos, os mais fáceis de atingir) somos portugueses, pois vamos lá a aguentar e a contribuir. Pode ser que, com outro Governo, se desinstalem os interesses instalados, e (por exemplo, vá) comece a (verdadeira) reforma da administração pública, a (verdadeira) renegociação das PPPs, etc.

    Não é estar contente por cair o Governo e achar que vai ficar tudo bem. É acreditar (talvez ingenuamente) que volta a haver uma possibilidade para agora se fazerem as coisas bem (ou melhor).


    ResponderEliminar
  10. Tenho 18 anos e um futuro nas mãos de incompetentes.
    O Seguro ainda é pior dos que lá estão...

    Ai Mateus, em que mundo te vens meter!

    ResponderEliminar
  11. A Bélgica esteve vários meses sem governo e sempre teve indicadores melhores do que os países “com governo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque a Bélgica não tem só governo nacional, tem governos regionais que asseguram a grande parte dos serviços públicos, mais do que o próprio governo nacional. Ai, essa desinformação..

      Eliminar
  12. Só tu para escreveres assim :) Assino por baixo.

    Já agora para esquecermos estas tristezas tenho novo post nas terras do Tio Sam ;)

    R de Rita

    ResponderEliminar
  13. Realmente, realmente, também vejo isto tudo com muita apreensão!!! Um verdadeiro circo é o que é!

    ResponderEliminar
  14. O tratado de Zamora não nos deu a independência de Espanha, pela simples razão que a Espanha nem sequer existia nessa altura. A Península estava dividida em vários reinos que se uniram e formaram a Espanha, uns quantos séculos depois do nascimento de Portugal como reino e país.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, José Hermano Saraiva.

      Eliminar
    2. ahaahahahahahahaha obrigada pela gargalhada que me fizeste dar!

      Eliminar
    3. O anónimo foi educado, ao contrário da AGM. :)

      Eliminar
    4. LOL, primeira gargalhada do dia xD

      Eliminar
  15. O Gaspar foi um dos elementos mais honestos e competentes que passou pelo Governo nos ultimos 10 anos.


    Pedro
    Holanda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. P.S - e profissionalmente é uma pessoa bastante credivel.
      Não é nem nunca foi um "boy" daqueles que nunca fez nada na vida.
      Licenciou-se e doutorou-se em boas universidades/cursos e trabalhou em lugares onde apenas os competentes têm lugar.
      Alias basta ver as constantes olheiras do senhor, para ver que o homem não andava no governo para se divertir nem para nos chatear. Aceitou o cargo pelo desafio.
      Nao podia fazer muito melhor devido à situaçao do pais e devido aos muitos interesses que existem.
      Interesses contra os quais ele proprio nao conseguiu nem nunca conseguiria lutar sem o apoio SERIO do resto do governo e populaçao.

      Pedro
      Holanda

      Eliminar
    2. Finalmente alguém com bom senso!

      Eliminar
  16. o título é muito bom, sim senhor !!!
    falo por mim: Passos Coelho e Paulo Portas parecem uns fedelhos. A fazer birra por tudo e por nada.
    Quem disse que fazer parte do Governo era fácil? Mas se quem está à frente de um Governo se comporta assim, não sei não.
    Por outro lado, temos o Sr. Seguro, que não é muito diferente dos "politicos" mediocres e profissionais: andou pela juventude socialista, tirou o curso por volta dos 40, não se lhe conhece qualquer outra actividade nem qualquer pensamento, que não seja dizer mal do governo; eu pelo menos nunca o ouvi fazer uma proposta, uma sugestão sequer.
    Aliás, nem lhe pedia sequer para me mudar um pneu furado na berma da estrada.
    Talvez esteja na altura de alternativas...

    ResponderEliminar
  17. Pior do que Passos Coelho é difícil... Enquanto oposição fez cair o governo anterior com o chumbo do PAC4, preferiu ajoelhar sem restrições a uma troika vazia de ideias que nos transformou numa segunda Grécia!
    O governo está podre, venham eleições que istp ainda é uma democracia!
    SF

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pessoas tão ignorantes .. É difícil? Ora vejamos: Seguro? Medo. BE? Muito medo. PCP? Fujamos todos.

      Ah, e caso não se saiba, convém sim "ajoelhar-se" aos nossos credores. Já viu o que seria, perdoe-me a expressão, se mandássemos à merda quem nos empresta dinheiro? Pura burrice :)

      Além disso, o povinho só gosta de cortar na casaca dos políticos nacionais porque são isto e aquilo e cada um tem interesses próprio. Mas vai-se a ver e também não querem cá políticos estrangeiros. Assim realmente torna-se um pouco complicado agradar ao povinho.

      Eliminar
    2. Quem sugere? Outro do PSD? Acho que também é melhor fugir...

      Eliminar
    3. É ignorante achar-se que BE e PCP são alternativa ao actual governo? Por votarem sempre PSD e PS é que estamos onde estamos. Isso é que é ignorância.

      Eliminar
  18. Nós precisavamos de alguem que soubesse o que é trabalhar, só temos pensadores de caca que querem governar sem saber o que é realmente trabalho e completamente alheios da realidade do nosso país.

    ResponderEliminar
  19. Se houve coisa que todos fomos aprendendo nos últimos tempos é que efectivamente é sempre possível piorar! Mas assim como estamos não podemos ficar. Tem que haver eleições. Já percebemos todos as águas estagnadas em que fica um país com um Governo de saída. De resto, só não concordo com o início. Acho que efectivamente o que nos faz falta é mais D. Afonsos Henriques; não por bater na mãe (o que parece que é fantasia, mesmo em sentido metafórico), nem em relação a prepotência nem a autoritarismo (já bem nos tramou no passado, mas este rei também vivia noutra época). Faz-nos sim falta pessoas com objectivos, que saibam o querem e vejam para além do seu umbigo e círculo restrito. Podemos não concordar com o caminho mas pelo menos sabemos que estamos a ir para algum lado. O que é muito diferente desta discordância de fundo da situação e opções políticas presentes que na realidade não são mais que desnorte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eleições? Para quê? Gastar dinheiro de quem não o tem? Para dar uma hipótese ao Seguro? Mal por mal, que fique o Passos que já se viu que é homem de fibra e com eles no sítio! E não, não há alternativa. Se acham que agora está mal, pior estaríamos com um governo BE ou PCP. Alguém acredita que essa gente conseguiria fazer alguma coisa de jeito no governo? Claro que não! Eles nem discurso coerente e racional têm! Vai-se a ver e chegavam ao governo e continuariam a fazer o que fazem melhor, que é o que eles sabem fazer.

      Eliminar
    2. Passos Coelho homem? ahaha Passos Coelho fez algo de jeito?ahah Passos Coelho com discurso coerente?ahaha

      Eliminar
    3. Oh anónimo das 22:51, vê-se perfeitamente que não entende nadinha de economia :) enfim, algo que nunca há-de faltar neste país são os treinadores de bancada (e nem são dos bons...)

      Eliminar
    4. Por acaso entendoo e também sei analisar discursos.Entendo que dificilmente alguém conseguirá mudar o país...mas daí a dizerem que Passos fez algo de jeito...

      Eliminar
  20. Os "nuestros hermanos" estão pior que nós quase, por isso.. Não. E a melhor opção neste momento é sair de Portugal, a meu ver. Com este Governo ou com o próximo (que não tenham dúvidas, vai ser o Seguro. Se não dá para votar no PSD, o povo vota no PS. Depois admiram-se de ser sempre a mesma coisa, a mesma corrupção)

    ResponderEliminar
  21. Força para Portugal neste momento difícil! Flamenco não é simbolo de Espanha, é de Andaluzia, de onde eu sou, o país tem uma perspectiva bastante ampla do folclore e flamenco não reflete a cultura de um país inteiro, sim de uma região. Quanto aos tapas e bebidas, agora com a crise econômica, mais ou menos! Parabéns pelo seu blog, é a segunda vez que eu escrevo!
    Elena

    ResponderEliminar
  22. O senhor do chapéu ao lado é que a sabe toda, mas a história é demasiado floreada. A grande, grande, grande verdade é que Portugal passou por ser trapaceado. Ora vamos lá - D Juan de Espanha, seguindo a máxima romana do "dividir para conquistar" e aliado ao estratagema de governação da altura, dá ao nosso D Henrique o Condado Portucalense. Dava-se à terra o nome de condado. Então o Henrique, esse doido, torna-se conde do pé prá mão. Recebe ele este condado por "favores mui nobres ao rei". Aqui começaram os verdadeiros tachos e cunhas. Que se lixe o mérito dos bravos guerreiros, que isto o que interessa cair em graça.

    Ora, com o condado Portucalense, vem também a filha ilegítima do Rei D. Juan. Jogada brilhante deste senhor - "levas o condado e despacho a miúda que só me envergonha". Foi assim que ele pensou, mas no dialeto castelhano.

    A miúda, que era a D. Teresa de Urraca, vem contrariada para o Conde D. Henrique. Casa, porque tem de casar. Engravida porque "ou engravidas, ou morres". Tem um filho, o Afonsinho. Maaaaaaaaas em circunstâncias pouco faladas quina-se o Conde D. Henrique. E ela ganha terreno para assumir a relação com o D. Fernando de Espanha, seu amante de sempre.

    O processo de crescimento do miúdo, então Afonsinho, foi feito pelo envenenamento dos conselheiros reais, que sempre o opuseram à mãe, aliás, que ele adorava. "Afonsinho, olha que o sonho do teu paizinho que Deus tem era que esta terra fosse livre do condado de Leão e Castela" "Afonsinho, filho, olha que a tua mãe anda-se a pôr debaixo do D. Fernando, aquele boi". O miúdo, aos 14 anos passa pela adolescência da idade média, que era uma merda já na altura. Cheio de peito e, como se sabe, machista tradicional e a velar pela memória do pai, arma guerra com a mãe. A mãe, que tinha passado as passinhas do algarve, então Norte de África, enquanto filha ilegítima e moeda de troca, quer que o Condado Portucalense nunca se separe do de Leão e Castela. Imagine-se: uma filha ilegítima tinha o estatuto de plebe.

    Se o Condado Portucalense nunca se dividisse do de Leão e Castela, ela seria a governante.

    Mulheres ao poder, claro.

    O puto, ressabiado que estava com o enlace dela e do galego, toca a bater em tudo e todos. Mas ele e a mãe eram profundos admiradores um do outro. Segundo os anais da história, eles andaram à "befatada", mas não se sabe ao certo se chegaram a vias de facto.

    Resumindo e baralhando - Portugal teve a sua fundação, in útero, através de cunhas e oportunismos.

    A genética leva-nos onde estamos hoje.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uauu mt bom mesmo :D

      Eliminar
    2. Bem adorei esta história! Não sei quem escreveu mas está soberba! Muitos parabéns, é isto que é Portugal, mesmo na merd@ temos de nos rir! Muito bom!

      Eliminar
    3. Se a História de Portugal fosse relatada dessa forma nas escolas, seria muito mais interessante e ficaria-nos na memória :) Muito bom!

      Eliminar
    4. Rei Juan de Espanha????? Teresa Urraca?????
      Castela e Leão????
      Isto é de uma tristeza....

      Eliminar
  23. É algo normal neste país. Agora o povo volta-se para Seguro (um líder muito fraco. Com uma pessoa à altura, o PS tinha maioria absoluta nas próximas eleições). Quando correr mal com Seguro, virá alguém do PSD e por aí fora num ciclo sem fim.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  24. É óbvio que o Seguro não é uma alternativa "segura". Mas preferem continuar a serem "chulados" por este actual? Tiram tudo a quem menos tem e no fim o que se vê? Nada! Rigorosamente nada! Tudo tiros no pé. Preferem ter um governo a brincar ao faz de conta e a brincar essencialmente com as vossas vidas? Pensem nisso!
    Na minha opinião era o Sr. Presidente ganhar aquilo que nunca teve, (balls), e dissolver a assembleia, para depois ser nomeado um governo de Salvação Nacional, com pessoas credíveis(?) e independentes.
    Há sempre solução, "morrer lentamente" como está a acontecer....não me parece ser a melhor!

    Sílvia

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Silvia,concordo inteiramente consigo, é que se continuarmos neste caminho, a Pipoca acorda um dia destes no meio das suas Pradas e afins e verifica que não 70% tem leitores, porque "hélas" já não havia dinheiro para ter net!!!!

      Eliminar
  25. Há uns tempos ouvi uma história de um miúdo que perguntou ao pai se os portugueses são descendentes daqueles homens corajosos, destemidos e aventureiros que partiram à conquista de terras novas, dando novos mundos ao mundo... O pai respondeu-lhe que não, que os portugueses descendem dos fracos e ignorantes que ficaram em terra a vê-los partir...

    ResponderEliminar
  26. "Parece que agora é que vem aí o fim da crise, que agora é que se acaba o desemprego, que agora é que nos devolvem os subsídios perdidos, que agora é que somos todos aumentados, que agora é que a dívida se evapora."

    Nada disso. Simplesmente agora pode ser (Não será com Seguro certamente) que se adoptem medidas com vista a acabar com a crise, com o desemprego, que nos possam devolver os subsídios, aumentos, etc.

    A queda deste Governo é uma boa notícia pq significa que é o fim das políticas que estes adoptaram, políticas essas que nos empurraram para uma crise sem precedentes, para uma recessão e níveis de desemprego assustadores. Resta a esperança que quem vier a seguir perceba que tudo isto foi errado (como se esperava) e que faça diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro, a questão é que não temos dinheiro. O país não tem dinheiro para nada, dependemos da ajuda externa, e isso é incontornável. Sozinhos não nos safamos. Neste momento, independentemente de quem esteja no Governo, é impensável pensar em aumentos, subsídios, etc e tal. Porque, simplesmente, não há dinheiro para isso. É preciso continuar com medidas recessivas, é preciso continuar a cortar porque não há outro remédio. E nenhum Governo minimamente sério pode prometer outra realidade que não esta. Estamos no fundo do poço, se queremos sair de lá não é com medidas populistas (e irresponsáveis) que o vamos conseguir. Ouvir o Seguro dizer que a solução para isto tudo é um Governo PS é de rir. A solução é um Governo que continue o que o Passos Coelho começou, e há poucos com coragem para isso. O Seguro, então, nem se fala. As pessoas não querem acreditar que as medidas impopulares são imperativas para tentar salvar o País. É muito fácil vir prometer mundos e fundos, mas como é que isso se vai cumprir depois?

      Eliminar
    2. Continuar o que o Passos Coelho começou? Desde que começou a "crise", em que é que o país melhorou? Que medidas estão a ser tomadas para além dos cortes e aumento de impostos? Medidas reais para relançar a economia? A solução não são medidas populistas, mas também não é estrangular os portugueses e o poder de compra com aumento de IRS, IVA, etc., e retirar direitos adquiridos. Vejamos o caso da Grécia, que está ligeiramente adiantada em relação a Portugal (lá chegaremos): desde a entrada do FMI, registou-se alguma melhoria? Muito pelo contrário...
      Não sou especialista no assunto, mas a mim parece-me claramente que sem medidas que estimulem a criação de emprego e de empresas, o país não vai a lado nenhum. Sem produtividade e entrada de dinheiro, pode-se fazer todos os cortes e mais alguns, que o país não sairá da cepa torta.

      Eliminar
    3. Desculpe, mas diz que é impensável pensar em subsidios, em melhoras... Porque tem uma boa vida. Ou pelo menos melhor que a maioria dos portugueses.
      O problema é que ninguém se põe no lugar dos que estão pior (que neste momento são quase todos, enfim).
      Se tem um problema de saúde, pode ir ao privado. Se quer comprar roupa, ainda que seja na Zara (haha, que me dera, mas 30 euros por uma camisola é impensável para mim), pode comprar. Se quer ir viajar, quer seja para o estrangeiro, quer seja para o Algarve, pode ir.
      A maior parte das pessoas mal tem dinheiro para comprar comida! E ainda querem cortar mais dos que têm menos? Dos pensionistas? Opá, mas é um escândalo.

      Eliminar
    4. Não é não. Estamos no fundo do poço por causa destas medidas. Foram estas medidas que tiraram dinheiro à economia, que fizeram diminuir a procura interna e que destruiram milhares de empresas e postos de trabalho. Fazer mais do mesmo só terá mais do mesmo. Inevitável. Todas estas políticas falharam em TODO o lado. Não há nenhum país que se tenha levantado com tamanha austeridade. Já reparaste que tiraste subsídios, reduziste ordenados, acabaste com feriados, aumentaste impostos e o resultado é economicamente assustador? Um total fracasso. Todas as metas falharam, todas. Eu não estou a defender aumentos de ordenados, estou a defender é a crença em que isso seja possível. E isso só se o panorama económico mudar e isso só acontece se as politicas forem diferentes. Já reparaste que agora falam em diminuir impostos? Foi preciso chegar a este estado para perceber que aumentos brutais de impostos levam a impactos brutais negativos na economia. É dos livros, Pipoca, dos livros. Temos que mudar e já vai ser tarde. Estes dois anos de destruição podiam ter sido evitados. Podiamos ter contenção, poupar, controle nos gastos sem esta destruição total da nossa economia. Sobre o dinheiro...não te preocupes que ele virá sempre, A UE nunca deixará Portugal ou outro país cair. Pq eles sabem que caiem todos a seguir.

      Eliminar
    5. O estado social é uma coisa muito bonita sim senhor. Mas vejamos, Portugal não tem dinheiro, certo? Temos que arranjar dinheiro certo? Mas a oposição não deixa cortar na despesa, está contra aumentar os rendimentos, não vê importância em podermos ir aos mercados financeiros internacionais e não quer cá pedir dinheiro emprestado a ninguém. Soluções além destas? Pois, nenhumas. Criticar é fácil, mas o momento em que o Seguro pouse um pé dentro do governo, é vê-lo tremer que nem varas verdes.

      Eliminar
    6. Sim Pipoca, temos que cortar e bastante, mas onde? Nos que já nada têm? É vergonhoso! Neste país salvam-se bancos em vez de se salvarem vidas! Há tantas e tantas gordurinhas do estado que podem ser cortadas, mas sabes porque não são? Porque não há ninguém que os tenha no sítio para acabar com todos estes lobbies e interesses instalados. Portugal não é governado por governos, mas sim por uma dúzia de grandes empresas e empresários que têm o estado como seu "servo". Todos ganham alguma coisa, é assim que funciona.
      Enquanto não se mudar esse sistema, dificilmente iremos para a frente, agora dizer que não há melhor opção que este governo....no mínimo ou se fala de cor ou se gosta daquilo que está a acontecer!

      Sílvia

      Eliminar
  27. Não subestimes os portugueses, ninguém acha que o que está para vir é uma maravilha, ninguém acha que fazer agora novas eleições é bom. Mas é necessário. É dos piores governos que já tivemos - conseguiu bater o desgoverno de Santana Lopes, missiva que não se afigurava fácil - e não tem condições para continuar. Não as tem já há muito tempo, não as tem agora. Não podemos fingir que estes dois últimos dias não aconteceram. O Passos Coelho está a governar "numa ilha". Sozinho. Ninguém o apoia, é fraco, não é um líder para tempos como estes. Não temos boas opções mas esta não é certamente uma.

    Um beijinho e felicidades :)
    Lia Aires

    ResponderEliminar
  28. ...esta crise foi toda encenada (lembrem-se que o Portas e o Seguro estiveram na última reunião Bilderberg)!!!

    ResponderEliminar
  29. Não diria melhor. Aliás, até disse algo muito parecido hoje de manhã quando ouvi que houve pessoas a ir para a rua festejar. Também não me sinto nada Segura.

    ResponderEliminar
  30. Pipoca, já que o Google Reader não existe mais, você bem que poderia colocar os links dos posts no facebook pra gente não perder nadinha... rs

    ResponderEliminar
  31. Será que o Sr. que falou do Afonso Henriques estava a citar "O Labirinto da Saudade", do Eduardo Lourenço? :)

    ResponderEliminar
  32. Com a assinatura do Tratado de Zamora Portugal não se tornou independente de Espanha pela simples razão de que Espanha ainda não existia. Estes dois países cresceram juntos.

    ResponderEliminar
  33. Toda a gente quer eleições antecipadas mas se a memória não me falha, em 2011 cerca de 50% dos Portugueses preferiram a abstenção. É assim que querem que o país ande para a frente? Não foram votar em 2011 mas agora querem eleições? Enfim...

    ResponderEliminar
  34. tb estou prestes a atirar-me à literatura lusófona assim que acabar o autor britâncio (e um bocadinho chato) que estoua ler neste momento. Tenho à minha espera o Mia Couto(Confissões de Leoa), esse do João Tordo e um do Gonçalo M. Tavares

    ResponderEliminar
  35. Oxalá as coisas mudem, para variar um pouco podiam tirar a quem tem dinheiro e deixar em paz quem nada tem!! Utopia, eu sei... Mas se eu fosse a Pipoca começava a preocupar-me, qualquer dia não temos dinheiro para pagar a Net.

    ResponderEliminar
  36. N Pipoca, as pessoas q torcem ostensivamente pela queda deste governo, e nas quais me incluo, n pensam q será tudo maravilhoso, sequer bom. Sabem, pelo contrário, q será mau. Mas face à situação em q estamos, n podemos continuar a pactuar bovinamente c a agiotagem de q somos vítimas sem tentar uma negociação. N simpatizo nada c o Seguro, mas infelizmente, e é triste dizê-lo, estamos votados à mediocridade. No entanto, tentar mudar um bocado de agulha, insuflar alguns "tomates" p falar c os troikos e n avançar tão a 1000 à hora contra a parede pode ser, apesar de tudo, uma noa ideia. Pelo menos é isso q espero, ainda q da mediocridade.

    ResponderEliminar
  37. Não digam isso sobre o D. Afonso Henriques!!! Não esqueçamos que a chapada na cara de D. Teresa é uma lenda :) Para além disso não me parece que os nuestros simpatiquíssimos (or not) hermanos não estão em melhor posição que nós! Mas claro que esta situação me desespera também; tenho 17 anos e estou prestes a escolher um curso para seguir na universidade e não faço ideia daquilo que devo fazer. Eu sei que está tudo mal e que o quer que escolha provavelmente não me vai possibilitar ter um emprego neste país em que nasci e que amo de todo o coração... Só que eu vejo o caso mal parado em todo o lado: Espanha, Itália, Grécia, França e até na Alemanha, e não só pela crise económica mas também pela crise de valores que se tem vindo a espalhar por todo o mundo! Nada está bem em lado nenhum! E, apesar do desespero que sinto pelo meu futuro, sinto-me bem neste país que D. Afonso Henriques criou. Sinto-me bem porque Portugal faz parte de mim, tal como fazia parte do sonho e da ambição de D. Afonso Henriques! E quero crer que isto vai melhorar, simplesmente porque tem que melhorar, porque já estivemos em piores situações e recuperamos! Temos é que nos deixar do terrível provincianismo português de que já Eça falava, aquele sentimento de que tudo é melhor no estrangeiro! Temos é que nos empenhar em recuperar o nosso país porque "tudo vale a pena se a alma não é pequena" e porque "para passar o Bojador há que passar além da dor"!

    ResponderEliminar
  38. Porque a Espanha, como todos sabemos, está sã que nem um pêro, com uma economia espectacular, sem qualquer problema com terrorismo nem tentativas internas de independência e uma taxa baixa de desemprego.

    ResponderEliminar
  39. Juro que não percebo...

    TODA a gente diz que isto está mal, TODA agente diz que isto não vai ficar melhor, TODA a gente sabe que o Seguro não é o líder que precisamos neste momento, TODA a gente sabe que neste pais depois do PSD vem o PS e depois novamente o PSD, and so on, TODA a gente sabe que isto precisa de uma mudança mas ninguém faz nada porque continuam a votar nos mesmos de sempre. Será que ninguém consegue ver para além disto!?

    Porque raio não votam na esquerda, sim nos comunistas ou nos bloquistas é indiferente, se é para mudar, que mudem para algo que não conhecem, deem-lhes hipótese de mostrar do que são capazes, deem hipótese a quem nunca esteve no governo, se nunca lá estiveram como é que podemos dizer se foram bons ou maus!?!? Eu não me canso de dizer isto, e sou crucificado por dize-lo, mas é assim que sempre pensei e só mudarei quando me provarem o contrario.
    E não venham cá dizer que os comunistas isto e aquilo, que na Russia e na China fazem e acontecem, porque a verdade é que eles estão muito melhor que nós. E não me venham com o medo do regime porque se calhar é o que estamos a viver neste momento, quando um governo de maioria aprova as leis que lhe apetece sem olhar a quem e sem consultar o povo.

    Portanto se querem mudança não se fiquem só pelas palavras, não cheguem à hora H e votem em branco ou nem sequer votem. Mudem mas radicalmente. Experimentem a esquerda. Se depois não gostarem, olhem façam como têm feito até aqui, protestem e nas eleições seguintes metam lá outro qualquer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até poderia votar nos de esquerda, caso algum dos partidos (BE ou PCP) tivesse algum discurso em condições em matérias de parlamento. Mas não têm. O discurso é sempre o mesmo, o Governo é isto e aquilo mas alternativas nem vê-las. Nem têm discurso que faça qualquer sentido económico. Por isso não obrigada, deixem-me cá ficar com o Passos Coelho. Podem não gostar dele, mas o homem tem os no sítio e não o podem acusar de estar lá por questões de poder ou de tacho porque já deu para ver que ele é tudo menos populista e demagogo, e ainda bem.

      Eliminar
    2. vai ler as proppstas do pcp e do be. elas existem. não passam na tv. tens de as procirar

      Eliminar
  40. Concordo totalmente com a sua opinião sobre o governo. Só fico um pouco chocada com o facto de que a cada problema que surja o "portuga" diga logo "mais valia unir-nos a Espanha!". Alegra-me todo este patriotismo e o orgulho pelas centenas de anos que os nossos Homens tiveram de lutar para conquistar o cantinho que temos hoje em dia à beira mar plantado. Desenganem-se se acham que juntar-nos a outro país, nomeadamente, Espanha, melhoraria esta situação. Afinal de contas, não estamos todos em crise? O problema é que a pior das crises não é a económica, mas sim a de valores.

    ResponderEliminar

Teorias absolutamente espectaculares

AddThis